Althusser com Clastres: prática ideológica como construção mnemotécnica material

Por Alexandre Marinho Pimenta

“A tríplice aliança kafkiana a que se refere Clastres implode os limites entre violência e não-violência, como no caso escrita-tortura. Só a entendemos como um contínuo. Althusser busca fazer o mesmo com o conceito Continue lendo “Althusser com Clastres: prática ideológica como construção mnemotécnica material”

Confúcio e o estadista Mao: em direção a um estudo da religião e do marxismo chinês

Por Roland Boer, via Crisis and Critique, traduzido por Daniel Fabre

O senso comum é de que Mao Zedong inegavelmente negligenciou Confúcio como um ideólogo feudal que desenvolveu uma posição que protegeu a classe dominante. Entretanto, um estudo cuidadoso dos textos de Mao Continue lendo “Confúcio e o estadista Mao: em direção a um estudo da religião e do marxismo chinês”

O morto-vivo, nova figura metafórica da intelectualidade progressista

Entrevista realizada por Nicolas Dutent, via L’Humanité, traduzido por Fred Lyra, mestre em música pela Sorbonne e membro do Círculo de Estudos da Ideia e da Ideologia.

Em “Menos que Nada”, uma obra importante crivada de referencias teóricas, literárias e artísticas, o filosofo e psicanalista Slavoj Žižek dialoga pacientemente com a obra de Georg Wihelm Friedrich Hegel. Continue lendo…

Terrorismo e luta de classes

Por Daniel Bensaïd, via Le site Daniel Bensaïd [1], traduzido por Daniel Alves Teixeira.

Para a burguesia, o terrorismo está na ordem do dia. Willian Brandt apresenta o problema a seu parlamento. Os governantes europeus estão preocupados em Roma. A ONU discutirá, quando da próxima sessão, as medidas a serem tomadas. A agitação diplomática vai em bom caminho, misturando ingenuidade política e frenesi policial. Continue lendo…

Resenha: “Marxismo, Orientalismo e Cosmopolitismo”

Por Samy Joshua, via Viento Sur, traduzido por Faustino Eguberri para o espanhol e por Gabriel Landi Fazzio para o português.

Gilbert Achcar começou sua trajetória política no Líbano. Professor da Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres, é um dos maiores especialistas nas questões que aborda (poderíamos dizer “perito”, se esse termo não suscitasse, com razão, o desdém do autor ao longo de seu livro, devido à quantidade de supostos peritos autoproclamados que há nas telas das midiáticas). Continue lendo…

A inconsciência branca

Por Richard Seymour, via Lenin’s Tomb, trecho traduzido por Gabriel Landi Fazzio.

Ei branquelo

A maioria dos leitores desse blog está na América do Norte, Europa ou Austrália. Eu imaginaria que a maioria deles é branca. Então me permita perguntar a vocês, leitores brancos, uma coisa. O que faz de vocês brancos? A pele “descolorida” que você veste? Esses olhos cinza que você chama de “azuis”? Dificilmente.

Continue lendo…

Lampedusa: o estado de exceção que se tornou a regra

Entrevista com Flavia Costa por Márcia Junges e Patricia Fachin, via Unisinos*, traduzido por Benno Dischinger.

A novidade da política moderna é que a exceção se tornou a regra; isto é, aquilo que aparecia incluído mediante sua exclusão (o estado de natureza, o ‘animal’ no homem) aparece agora indiferenciado com respeito ao seu oposto: o estado civil, o `humano’ no homem”, avalia a pesquisadora. Continue lendo…

Dois apontamentos sobre criminologia e marxismo

“Deixando o domínio do crime privado, tomando o mercado mundial, será que as nações mesmo existiriam, se não fosse o fato dos crimes nacionais?”

O tema da criminalidade aparece pela primeira vez na obra de Marx em seu texto de juventude sobre a criminalização da coleta da lenha na Alemanha. As entrelinhas de sua crítica da concepção idealista do crime são o ponto de partida dos dois textos publicados abaixo. Continue lendo…

Álvaro Cunhal: A derrota da revolução em Portugal

Por Álvaro Cunhal. Via MIA, sob o título original “A Verdade e a Mentira na Revolução de Abril (A contra-revolução confessa-se)”

Em 10 de novembro de 1913 nascia Álvaro Cunhal, dirigente do Partido Comunista Português. Preso por anos nos porões da ditadura salazarista, Cunhal participou ativamente da resistência ao fascismo e teve papel ativo do início ao fim da chamada Revolução dos Cravos. No texto a seguir, o comunista apresenta sua visão sobre o desenrolar do processo contrarrevolucionário que pôs fim à oportunidade histórica aberta pela Revolução de Abril.

Continue lendo…

Gramsci contra o “marxismo cultural”

Por Gabriel Landi Fazzio, imagem via AsymptoticWay

A prisão de Antonio Gramsci, em 8 de novembro de 1926, marca a escalada da repressão fascista, após o terceiro atentado contra Mussolini. O comunista foi sentenciado a cinco anos de confinamento e, no ano seguinte, a 20 anos de prisão em Turi. Em 1934, já bastante doente, foi libertado condicionalmente para tratar-se. Morreu em Roma, três anos depois, aos 46 anos. Em seu julgamento, o promotor teria afirmado que “é preciso impedir este cérebro de pensar por vinte anos”. Continue lendo…

O estudo da ideologia e a filosofia da linguagem

Por Valentin Voloshinov, traduzido por Daniel Fabre.

Valentin Voloshinov foi um filosofo da linguagem russo, da primeira metade do século XX. No presente excerto, extraído da obra O Signo Ideológico e a Filosofia da Linguagem, o renomado discípulo de Mikhail Bakhtin aborda o problema do signo ideológico, tendo em vista a relação entre o marxismo e a filosofia da linguagem. Continue lendo…

Florestan Fernandes: “Marighella atravessou as contradições do partido que deveria ter enfrentado a ditadura revolucionariamente”

Por Florestan Fernandes, publicado na Folha de São Paulo, em 12 de novembro de 1984. Outra sugestão é o texto de José Rosa, ex-militante da ALN, sobre o revolucionário baiano.

O 4 de novembro de 1969 incorporou-se à história graças a um feito policial-militar que culminou na morte de Carlos Marighella. Faz portanto, quinze anos que morreu o principal líder da Ação Libertadora Nacional (ALN), figura política que se tornara conhecida como militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), seu dirigente de cúpula e também seu deputado no Congresso que elaborou a Constituição de 1946. Continue lendo…

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑