Reestruturação produtiva do capital: formas contemporâneas de exploração da classe trabalhadora

Por Amanda Freitas

Os processos de reestruturação produtiva podem ser entendidos como respostas à lei tendencial da queda da taxa de lucros, e como formas de reproduzir os interesses da classe dominante, atualizando e radicalizando as formas de exploração e dominação da classe trabalhadora. Reestruturação produtiva deve ser interpretada como um movimento dialético entre o novo e o que permanece das formas precedentes. Encerra um conjunto de práticas sociais que renovam as estruturas de dominação ao travestir o antigo na forma de revolução passiva, nos termos de Gramsci. Continue lendo “Reestruturação produtiva do capital: formas contemporâneas de exploração da classe trabalhadora”

Marxismo acadêmico e marxismo real

Por Alain Badiou, via Maquinacrisica.org, traduzido por Grupo de Estudos em Antropologia Crítica (GEAC)

Para começar, eu definiria grosso modo o marxismo acadêmico como uma interpretação do marxismo, seja de tipo epistemológico, seja de tipo ideológico ou filosófico. Em todos os casos, consiste numa existência do marxismo que poderíamos separar da ação política. Continue lendo “Marxismo acadêmico e marxismo real”

Nós pagamos demais

Por Vladímir Ilich Uliánov, via marxists.org, traduzido por João Victor Oliveira

“Os representantes da Segunda e Dois-e-Meia Internacionais precisam de uma frente única, pois esperam enfraquecer-nos por induzir-nos a fazer concessões exorbitantes; eles esperam utilizar a tática da frente única com o propósito de convencer os trabalhadores de que táticas reformistas são corretas e que táticas revolucionárias são erradas. Nós precisamos de uma frente única porque esperamos convencer os trabalhadores do oposto.” Continue lendo “Nós pagamos demais”

O fracasso da estratégia colaboracionista com os governos burgueses após a Segunda Guerra Mundial

Por Guido Ricci, via Pelo Anti-imperialismo, traduzido por Bernardo Maques

Relatório do Partido Comunista (Itália), apresentado pelo camarada Guido Ricci (Departamento Internacional), na Conferência Internacional da Iniciativa Comunista Europeia (International Conference of the European Communist Initiative), realizada em Istambul aos dias 16 e 17 de fevereiro de 2019, por ocasião do centenário da Internacional Comunista. A Conferência, intitulada “Luta pelo comunismo: 100 anos de herança política”, aprofundou o estudo das lições a serem tomadas da História, com troca de experiências sobre as lutas dos partidos comunistas em cada país, analisando diferentes pontos críticos na história do Movimento Comunista Internacional. Continue lendo “O fracasso da estratégia colaboracionista com os governos burgueses após a Segunda Guerra Mundial”

Espontaneidade e socialismo segundo Lênin

Por Vladimir Ilitch Ulianov Lênin, via Nova Cultura, traduzido por Gabriel Duccini

Neste trecho de “A Discussão sobre a Autodeterminação resumida”, de Lenin, publicado em Outubro de 1916, o episódio da Rebelião Irlandesa de 1916 serve de ponto de partida para um brilhante e indispensável raciocínio acerca do sentido objetivo das explosões espontâneas de descontentamento das massas. Na imagem, Roddy Connolly e Éadhmonn MacAlpine com Lênin, no segundo congresso da Internacional Comunista (Petrogrado, 1920). Continue lendo “Espontaneidade e socialismo segundo Lênin”

Bioterrorismo de estado – quando mosquitos matam mais que drones

Por Inaê Diana Ashokasundari Shravya

O coronavírus [1] tem causado um certo medo em muita gente, assim como foi com o vírus Ebola, e até mesmo a gripe aviária (variedade do vírus influenza /H5N1) e a famosa doença da vaca louca (encefalopatia espongiforme bovina). As notícias nos jornais auxiliam o desespero com seus informes alarmantes. Continue lendo “Bioterrorismo de estado – quando mosquitos matam mais que drones”

Uma carta aos intelectuais que ridicularizam revoluções em nome da pureza

Por Roxanne Dunbar-Ortiz, Ana Maldonado, Pilar Troya Fernández, and Vijay Prashad, via MR Online, traduzido por Guilherme Laranjeira

As revoluções não acontecem repentinamente, nem imediatamente transformam a sociedade. Uma revolução é um processo que se move a diferentes velocidades, cujo ritmo pode mudar rapidamente se o motor da história é acelerado por um conflito de classes intensificado. Entretanto, na maioria das vezes, a construção do ímpeto revolucionário é glacial, e a tentativa de transformar o estado e a sociedade pode ser ainda mais lenta. Continue lendo “Uma carta aos intelectuais que ridicularizam revoluções em nome da pureza”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑