La La Land: uma leitura leninista

Por Slavoj Žižek, via The Philosophical Salon, traduzido por Oleg Savitskii e Anna Savitskaia.

Dentre as censuras politicamente corretas a ‘La La Land’ de Damien Chazelle, uma que se destaca por sua absoluta estupidez é a de que não há casais gays no filme que se passa em Los Angeles, cidade com uma grande população gay… Continue lendo “La La Land: uma leitura leninista”

Anúncios

O amor é mais frio que a morte: negatividade, infinitude e indeterminação na teoria hegeliana do desejo

Por Vladimir Safatle, via Scielo

Trata-se de mostrar como a experiência de indeterminação que se manifesta fenomenologicamente através das temáticas da angústia e da confrontação com a morte tem papel fundamental para a configuração do processo de reconhecimento na filosofia hegeliana. Continue lendo…

A filosofia deve enfrentar o amor e a felicidade

Por Alain Badiou, via Regards, traduzido por Daniel Alves Teixeira.

Esta é a tradução de uma entrevista do filósofo francês Alain Badiou realizada em função do lançamento de seu livro “Metaphisique du Bonheur Reel” (editora PUF, 2015), em que realiza uma análise acerca da concepção atual de felicidade. Para ele, a felicidade estaria em nossos tempos, na ideologia dominante, ligada à ideia de conforto e segurança, da não assunção de riscos. Continue lendo…

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑