A resistência tecnológica a Trump

Por Kristen Sheets, Matt Schaefer e Ben Tarnoff, via Jacobin Magazine, traduzido por Marcel Miranda e Raphael Coelho, militantes Infoproletários

Funcionários de empresas de tecnologia, que se vêm a cada dia mais como trabalhadores, serão um importante setor de resistência ao programa de Trump. Continue lendo…

Anúncios

No olho do furacão: a juventude brasileira diante da crise

Por Alexandre Pimenta

A crise brasileira tem concretizado uma verdadeira ofensiva das classes dominantes, em todas as frentes, para ampliação e aprofundamento da exploração e controle das massas trabalhadoras. Ora, uma “saída” da crise passa, necessariamente, pela retomada das condições de acumulação do capital, que exigem a reprodução das relações de produção capitalista em outro patamar e sob outras coordenadas político-ideológicas, ainda em germinação.

Continue lendo “No olho do furacão: a juventude brasileira diante da crise”

A “economia política” do ensino de História: a batalha no presente pelo futuro

Por Mylena Cristina da Silva Lima

O ensino de História é um produto cotidiano de disputas não somente pelo passado, mas principalmente pelo futuro. Forjado além de planos pedagógicos ou discussões institucionais, o espaço escolar carrega a função de socializar de acordo signos construídos em meios às contradições de disputas que transpassam nossa estrutura de organização social e o ensino de História, talvez, seja a disciplina mais afetada por esse campo de batalha. Continue lendo…

O nome da audácia

Por Clarisse Gurgel, contribuição à crítica de Gabriel Landi

Slavoj Žižek, em Como Marx inventou o sintoma?, resgata as contribuições de Alfred Sonh-Rethell, em Trabalho Manual e Intelectual, mobilizando a noção de “abstração real”. Algo correspondente a uma dimensão das relações sociais em que atos são executados de modo desapercebido, no momento em que os homens estão distraídos, tomados “pela negociação e pela aparência empírica das coisas” Continue lendo…

O fascismo da batata: Crítica de Badiou a Deleuze

Por Alain Badiou, via Scribd, traduzido por Matheus Cornely e Daniel Alves Teixeira

Hoje podemos elaborar o balanço – ontológico – mais geral dos anos 60 e 70. No cerne da questão, há a ideia de que o levante de massas de maio de 68 – como revolta popular sem precedentes – aos olhos de seus protagonistas intelectuais, não teria tido uma ossatura de classe tangível e que, por isso, seria concebível como uma insurreição dos múltiplos. Continue lendo “O fascismo da batata: Crítica de Badiou a Deleuze”

A natureza das manifestações de massas

Por John Berger, via Marxists.org, traduzido por Gabriel Landi Fazzio

John Berger faleceu no dia 3 de janeiro de 2017, aos 90 anos. Pintor, poeta, novelista, roteirista, ensaísta e autor de diversas obras marxistas sobre arte, declarava: “jamais comprometerei minha oposição à sociedade e à cultura burguesas”. No ensaio abaixo, originalmente publicado em maio de 1968 na revista New Society, Berger demonstra a abrangência de sua produção intelectual, debruçando-se sobre o tema das manifestações de massas. Continue lendo…

O sexual é político

Por Slavoj Žižek, via The Philosophical Salon, traduzido por Germano Nogueira Prado, membro do Círculo de Estudos da Ideia e da Ideologia

As portas de banheiro segregadas estão hoje no centro de uma grande luta legal e ideológica. Em 29 de março de 2016, um grupo de 80 executivos com negócios estabelecidos predominantemente no Vale do Silício, encabeçados pelo CEO do Facebook Continue lendo…

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑