Quando a grande ficha cair

Por Henrique Suricatto

Li na última quinta, uma matéria bem extensa pros padrões do Valor Econômico, cujo título se chama “Brasileiros temem crise devastadora, segundo pesquisa”(1). A centralidade aponta pra uma percepção nos trabalhadores que a crise financeira que vai acontecer – já está acontecendo – pós pandemia do Covid-19 será pior que a paralisia das atividades econômicas provocadas pelas medidas sanitárias adotadas pelo estado por segurança sanitária necessária. Essa analise, vem ganhando corpo entre os economistas burgueses e mesmo entre o campo da Esquerda Classista(2). Continue lendo “Quando a grande ficha cair”

Corpo e Despossessão: A Pedagogia do Medo em Hollywood

Por Anielson Ribeiro

Como visto, a produção da consciência da mulher é extremamente precária, uma vez que a percepção alienada do seu corpo impede que o reconheça como constitutivo de sua própria formação ontológica, por decorrência de um longo processo histórico de disciplina e de dispositivos sociais de despossessão. Isso acarretará diversas problemáticas, proibições e riscos em relação ao livre exercício de suas funções corporais. Despossessão aqui sugere um sinônimo para o conceito hegeliano de negação. Vale ressaltar que negar não é anular o Outro, e sim subjugá-lo. Continue lendo “Corpo e Despossessão: A Pedagogia do Medo em Hollywood”

Sobre o Direito à Cidade e o Ataque ao Bilhete Único Universitário no Rio de Janeiro

Por Paulo Rodrigues

“Em suma, o projeto político da prefeitura para educação diz respeito a uma intensificação da precarização do ensino, uma contínua superexploração da força de trabalho de nosso estudantes e um descaso no que concerne aos sonho de incontáveis cariocas em cursar um ensino superior, ao deixar evidente que para o governo em conluio com a burguesia do Rio de Janeiro, pobre não tem direito de sonhar e tem como única finalidade se matar de trabalhar.”

Continue lendo “Sobre o Direito à Cidade e o Ataque ao Bilhete Único Universitário no Rio de Janeiro”

Uma esquerda que não respira ar puro

Por Thales Fonseca

Aqui, para entender este ponto, é interessante retomar brevemente a ideia de que a existência de uma esquerda comunista no Brasil não passa (infelizmente) de uma fantasia paranoica e cínica. Isso implica em afirmar que o bolsonarismo é, entre outras coisas, a expressão máxima da ideologia cínica em terras brasileiras, em que aqueles que ocupam o poder assimilam a estratégia da crítica, de modo que possam rir de si mesmo e neutralizar o poder dessa crítica. Isso fica claro quando Bolsonaro coloca um humorista para responder aos questionamentos sobre o PIB poucos dias depois de ser excessivamente parodiado no carnaval, levando a crítica carnavalizada à falência.

Continue lendo “Uma esquerda que não respira ar puro”

Weber, “A ética protestante e o espírito do capitalismo”

Por Amanda Freitas

O capitalismo, entendido como impulso para o ganho, para Weber, existiu em diferentes momentos e lugares. Já em sua forma moderna trouxe a novidade da organização racional do trabalho socialmente combinado, isto é, a busca sistemática e a organização racional dos meios para o fim do lucro. Ou seja, o ‘espírito’ do capitalismo moderno, fundamentado na busca planejada do lucro dentro dos moldes da empresa econômica, separada da economia doméstica, é o que fundamenta a organização do modo de produção do capitalismo ocidental moderno. Weber analisa não as atividades econômicas fundamentadas por este “espírito”, mas o ângulo da cultura e dos valores desta conduta da vida. Continue lendo “Weber, “A ética protestante e o espírito do capitalismo””

Sobre escalar uma grande montanha e o perigo do desânimo

Por Vladímir Ilich Uliánov, via marxists.org, traduzido por João Victor Oliveira e Gabriel Landi Fazzio

Publicado no Pravda, em fevereiro de 1922, sob o título “Notas de um Publicista: Sobre escalar uma grande montanha; O perigo do desânimo; A utilidade do comércio; Atitudes em direção ao Menchevismo, etc.” [1] Este artigo é reiteradamente citado por Slavoj Žižek, relembrando as palavras de Samuel Becket: “Tente mais uma vez. Fracasse mais uma vez. Fracasse melhor.” (vide o artigo: “A situação é catastrófica, mas não é grave”). Continue lendo “Sobre escalar uma grande montanha e o perigo do desânimo”

Polícia, dominação de classe e o seu caráter irreformável

Por Arthur Moura

“A polícia é órgão imprescindível no controle das massas, sobretudo quando estas passam do estágio de meras reivindicações às ações pautadas na organização dos trabalhadores com o objetivo central de retomar o controle da produção ou simplesmente de construir algum tipo de autonomia independente do Estado e sua burocracia ou das relações de mercado.”

Continue lendo “Polícia, dominação de classe e o seu caráter irreformável”

Theotonio dos Santos e a teoria do fascismo dependente

Por Leonardo Godim

Surgido no seio da pequena-burguesia e do lumpesinato, o fascismo só se torna um movimento poderoso capaz de assumir o controle do Estado quando é apoiado pelo grande capital. Esse apoio se faz necessário em momentos históricos determinados e via de regra está ligado à necessidade de reprimir o movimento operário, seja pela iminência de um processo revolucionário ou como punição pela sua derrota na tentativa de tomada do poder. Continue lendo “Theotonio dos Santos e a teoria do fascismo dependente”

Kwame Nkrumah: o encontro de duas razões revolucionárias

Por Jones Manoel, prefácio à coletânea “Kwame Nrkumah – Escritos

“Nkrumah é um brilhante exemplo da capacidade do marxismo de ser uma arma crítica e emancipatória para todos os explorados e oprimidos, combinando – nunca é demais insistir: de forma crítica e criativa – as duas grandes razões revolucionárias da modernidade: marxismo e luta anticolonial. Uma prova prática, cabal, de como é uma besteira as ideologias que afirmam ser o marxismo uma “ideologia branca”, essencialmente eurocêntrico ou inadequado à compreensão de sociedades não-europeias.” Continue lendo “Kwame Nkrumah: o encontro de duas razões revolucionárias”

Reestruturação produtiva do capital: formas contemporâneas de exploração da classe trabalhadora

Por Amanda Freitas

Os processos de reestruturação produtiva podem ser entendidos como respostas à lei tendencial da queda da taxa de lucros, e como formas de reproduzir os interesses da classe dominante, atualizando e radicalizando as formas de exploração e dominação da classe trabalhadora. Reestruturação produtiva deve ser interpretada como um movimento dialético entre o novo e o que permanece das formas precedentes. Encerra um conjunto de práticas sociais que renovam as estruturas de dominação ao travestir o antigo na forma de revolução passiva, nos termos de Gramsci. Continue lendo “Reestruturação produtiva do capital: formas contemporâneas de exploração da classe trabalhadora”

Nós pagamos demais

Por Vladímir Ilich Uliánov, via marxists.org, traduzido por João Victor Oliveira

“Os representantes da Segunda e Dois-e-Meia Internacionais precisam de uma frente única, pois esperam enfraquecer-nos por induzir-nos a fazer concessões exorbitantes; eles esperam utilizar a tática da frente única com o propósito de convencer os trabalhadores de que táticas reformistas são corretas e que táticas revolucionárias são erradas. Nós precisamos de uma frente única porque esperamos convencer os trabalhadores do oposto.” Continue lendo “Nós pagamos demais”

O fracasso da estratégia colaboracionista com os governos burgueses após a Segunda Guerra Mundial

Por Guido Ricci, via Pelo Anti-imperialismo, traduzido por Bernardo Maques

Relatório do Partido Comunista (Itália), apresentado pelo camarada Guido Ricci (Departamento Internacional), na Conferência Internacional da Iniciativa Comunista Europeia (International Conference of the European Communist Initiative), realizada em Istambul aos dias 16 e 17 de fevereiro de 2019, por ocasião do centenário da Internacional Comunista. A Conferência, intitulada “Luta pelo comunismo: 100 anos de herança política”, aprofundou o estudo das lições a serem tomadas da História, com troca de experiências sobre as lutas dos partidos comunistas em cada país, analisando diferentes pontos críticos na história do Movimento Comunista Internacional. Continue lendo “O fracasso da estratégia colaboracionista com os governos burgueses após a Segunda Guerra Mundial”

Espontaneidade e socialismo segundo Lênin

Por Vladimir Ilitch Ulianov Lênin, via Nova Cultura, traduzido por Gabriel Duccini

Neste trecho de “A Discussão sobre a Autodeterminação resumida”, de Lenin, publicado em Outubro de 1916, o episódio da Rebelião Irlandesa de 1916 serve de ponto de partida para um brilhante e indispensável raciocínio acerca do sentido objetivo das explosões espontâneas de descontentamento das massas. Na imagem, Roddy Connolly e Éadhmonn MacAlpine com Lênin, no segundo congresso da Internacional Comunista (Petrogrado, 1920). Continue lendo “Espontaneidade e socialismo segundo Lênin”

Uma carta aos intelectuais que ridicularizam revoluções em nome da pureza

Por Roxanne Dunbar-Ortiz, Ana Maldonado, Pilar Troya Fernández, and Vijay Prashad, via MR Online, traduzido por Guilherme Laranjeira

As revoluções não acontecem repentinamente, nem imediatamente transformam a sociedade. Uma revolução é um processo que se move a diferentes velocidades, cujo ritmo pode mudar rapidamente se o motor da história é acelerado por um conflito de classes intensificado. Entretanto, na maioria das vezes, a construção do ímpeto revolucionário é glacial, e a tentativa de transformar o estado e a sociedade pode ser ainda mais lenta. Continue lendo “Uma carta aos intelectuais que ridicularizam revoluções em nome da pureza”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑