Ser, evento, sujeito: o sistema de Alain Badiou

Por Alain Badiou, traduzido por Daniel Fabre

Após mais de trinta anos de sua primeira edição, o Ser e o Evento de Alain Badiou segue sendo um dos mais importantes e controversos livros de filosofia contemporânea. Abaixo, o prefácio do autor à primeira edição inglesa, onde faz um importante balanço da repercussão de seu livro até então (2005) e uma breve síntese de suas principais motivações e teses. Continue lendo “Ser, evento, sujeito: o sistema de Alain Badiou”

Anúncios

Os Três Argumentos Teóricos de Lênin Sobre a Ditadura do Proletariado

Por Étienne Balibar, via Verso Books, traduzido por Aukai Leisner.

Em 1976, o Partido Comunista Francês abandonou formalmente a ditadura do proletariado como fase estratégica na transição para o comunismo na Europa ocidental. “Nada nem ninguém, nem mesmo o Congresso de um Partido Comunista, pode abolir a ditadura do proletariado.   Continue lendo “Os Três Argumentos Teóricos de Lênin Sobre a Ditadura do Proletariado”

Corpo e (é) política

Por Naiara Pereira da Silva

O corpo é política pura. Em seus acúmulos e externalizações, mostram quão sã ou corrompida se faz o governo que o preside: o inconsciente. A politicagem do corpo, assim como a politica propriamente dita é puramente estabelecida na base de troca de interesses e favores, quem fica como regulador deste setor é o principio de prazer. A consciência, meramente tratando o Ego em senso comum é o povo alienado que acredita ser o controlador de tudo, mas é apenas a finalidade de uma junção de sistemas que o pré-determina. Continue lendo “Corpo e (é) política”

Uma conversa sobre Bolsonaro

Por Douglas Rodrigues Barros[1]

A conversa a seguir é verídica. Trata-se de um diálogo travado entre duas posições antagônicas e só possível de serem compartilhadas graças ao laço de amizade que une amigos de infância. Os personagens cresceram praticamente juntos, mas pelos revezes da vida se separaram. Anos depois, com a invenção de um aplicativo que passou a mediar a vida do mundo inteiro, retomaram a amizade.

Continue lendo “Uma conversa sobre Bolsonaro”

O marxismo e a insurreição

Por Vladimir Ilitch Ulianov (Lenin), via marxists.org

Redigida por Lenin há exatos cem anos, a presente carta foi remetida ao Comitê Central da fração bolchevique do Partido Operário Social Democrata da Rússia às vésperas da tomada do Palácio de Inverno. Como documento histórico, expõe as hesitações que persistiam entre os bolcheviques, e parte da luta ideológica interna que precedeu a Revolução de Outubro. Ao mesmo tempo, como documento teórico, apresenta uma ardente defesa da arte da insurreição, distinguindo a posição marxista daquela jacobina pequeno-burguesa (tema desenvolvido também na posterior carta “Conselhos de um Ausente“). Continue lendo “O marxismo e a insurreição”

Democracia, Igualdade e Emancipação em um mundo de constante mudanças

Por Jacques Rancière, via Verso Books, traduzido por Rodrigo Gonsalves

Eu começarei a partir do nó entre dois dos conceitos que são propostos para a reflexão do nosso painel: igualdade e emancipação. Irei brevemente retomar os dois principais pontos que estão implícitos para mim na ideia de emancipação. Continue lendo “Democracia, Igualdade e Emancipação em um mundo de constante mudanças”

György Lukács, o profeta da revolução

Por Douglas Rodrigues Barros[1] 

Não foram poucos os pensadores que viram na literatura uma interpretação de mundo e, além disso, a possibilidade de identificar na forma literária transformações que se efetivariam no terreno social. Lukács, entretanto, foi um dos primeiros, senão o primeiro, a observar com profundidade incomum os desdobramentos da forma literária como sinais de transformações, por vezes, dolorosas e radicais; é sob o signo das mudanças operadas no espírito e captadas pela forma literária que podem ser identificados todo um céu estrelado de motivos, paixões e ações que traduzem o que ocorre na vida social. A literatura é, assim, o passaporte, não apenas, para se conhecer o espírito de uma época, como também, identificar seu declínio. Continue lendo “György Lukács, o profeta da revolução”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑