A luta de classes nos EUA segundo o “New York Times”

Por Gabriel Landi Fazzio, via PCB

A grande crise de 2008 significou um ponto de viragem no desenvolvimento mundial do capitalismo. O desenvolvimento relativamente pacífico, que remontava os anos 90 Continue lendo…

Anúncios

A natureza da crise sistêmica global

Por Edmilson Costa, via resistir.info

Há dez anos, no dia 15 de setembro de 2008, a falência do banco Lehman Brothers marcou o auge da maior crise capitalistas desde 1929. Desde então, as lutas de classes se intensificaram em todo o mundo, entrando em um período de choques e reorientações. Continue lendo…

Lições do Chile

Por Alan Woods, via marxismo.org, traduzido pela Esquerda Marxista

Por ocasião dos 45 anos do golpe no Chile, em 11 de setembro de 1973, publicamos um trecho da importante contribuição do camarada Alan Woods à análise das lutas de classes durante o governo da Unidad Popular. Sobre o tema, já publicamos no LavraPalavra outras reflexões, do camarada Rui Mauro Marini e do historiador Hugo Cancino Troncoso, sobre os Conselhos Comunais e Cordões Industriais do Poder Popular chileno. Continue lendo “Lições do Chile”

2013, ano sindical

Por Alexandre Pimenta¹

2013 normalmente é lembrado pelas gigantescas manifestações de rua em mais de 300 municípios; como uma mais um capítulo de uma primavera dos povos contemporânea que varreu o globo no início da década de 2010, logo após o estouro de uma nova crise global do capitalismo. Um ano de novos repertórios de protestos e sujeitos políticos, fora e até contra o sindicalismo, por demais ligado a conflitos anacrônicos e, no caso Brasil, ao setor que se fusionou com o governo alvo das manifestações. Continue lendo “2013, ano sindical”

O “anarquismo jurídico”: Lenin e Pachukanis versus Ingo Elbe

Por Gabriel Landi Fazzio

“Qualquer crítica que contribua para tornar mais vigorosa e consciente nossa luta de classe para a realização de nosso objetivo final merece nosso agradecimento. Mas uma crítica procurando retroceder nosso movimento, fazê-lo abandonar a luta de classe e o objetivo final – tal crítica, longe de ser um fator de progresso, só seria um fermento de decomposição”. Rosa Luxemburgo, em “Liberdade Crítica”. Continue lendo “O “anarquismo jurídico”: Lenin e Pachukanis versus Ingo Elbe”

Palavras de uma lavra: três anos de resistência ao pensamento fácil

Por Fran Alavina

Na ocasião em que se comemora mais um ano de existência do Lavra Palavra abre-se uma oportunidade de se pensar uma experiência do pensamento crítico coletivo no meio da babel virtual. Uma reflexão que se presta não apenas ao caráter elogioso de uma efeméride, mas que tenta reconstituir um exercício continuo de resistência. Continue lendo “Palavras de uma lavra: três anos de resistência ao pensamento fácil”

Star trek e além: a imaginação colonizada pelo capital

Por Philippe Augusto Carvalho Campos.

A ideia do trabalho é apresentar dois conceitos de um autor americano, o Frederic Jameson, e daí vou fazer uma breve análise da série Star Trek à luz desses conceitos e depois eu vou dar uma varrida sobre o que veio depois do Star Trek, também, tendo como filtro esses conceitos. O primeiro deles é o de ideologema. Continue lendo “Star trek e além: a imaginação colonizada pelo capital”

Um outro Lenin: a obra de Tamás Krausz

Douglas Rodrigues Barros, escritor, doutorando em filosofia e membro do CEII (Círculo de Estudos da Ideia e da Ideologia).

Acertar as contas com uma gigantesca tradição certamente não é tarefa fácil, ainda mais se tratando de uma tradição de entusiastas e detratores. Pois, este é somente um dos méritos indiscutíveis da obra de Tamás Krausz[1] que aborda exatamente isso: recuperar um Lenin anterior a mumificação stalinista e fazer justiça ao seu pensamento diante de um século que engrossou o caldo de inimigos da Revolução de Outubro e de um de seus principais nomes. Continue lendo “Um outro Lenin: a obra de Tamás Krausz”

O cinema revolucionário de ‘Quem mora lá?’

Por Heribaldo Maia

Segunda feira, dia 16/07, era uma noite de segunda feira no cinema mais bonito do Brasil, o São Luís em Recife-PE. Esse dia será marcado na história do Cinema, e cabe a nós que fique marcado, como o lançado para o público do filme ‘Quem mora la?’ (2018), dos diretores Rafael Crespo e Conrado Ferrato. E esse filme se mostrou obrigatório para todos, ainda mais para a esquerda, mas por quê? Continue lendo “O cinema revolucionário de ‘Quem mora lá?’”

De “História e consciência de classe” a “Dialética do esclarecimento”, e de volta

Por Slavoj Žižek, via Scielo, traduzido por  Bernardo Ricupero

História e consciência de classe (1923), de Georg Lukács, é um dos poucos verdadeiros eventos na história do marxismo. Hoje, nossa experiência do livro é apenas como de uma estranha lembrança fornecida por uma época já distante – para nós, é até mesmo difícil imaginar o impacto verdadeiramente traumático que seu aparecimento teve nas posteriores gerações de marxistas. Continue lendo…

Constituição é o nome de quê?

Por Luis Eduardo Gomes do Nascimento

A constituição não é um significante primeiro, mas deve ser considerada como tal na medida em que instaura um campo de ações linguísticas possíveis. Aqui já se aponta para o caráter performático da constituição. A perfomatividade não pode ser confundida com um gesto vazio, mas como abertura de mundos possíveis. A constituição, como livro, para usar Caetano, permite ‘lançar mundos no mundo”. Continue lendo “Constituição é o nome de quê?”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑