Gramsci e o PCI: duas concepções da hegemonia

Por Massimo Salvadori, via Crítica Marxista, traduzido por Davi Pessoa Carneiro

De 1974 a 1976, o Partido Comunista Italiano conseguiu uma série de expressivas vitórias eleitorais, tendo chegado a mais de um terço do eleitorado. Parecia que o predomínio da Democracia Cristã (DC) na vida política italiana estava em risco e que a estratégia do chamado “compromisso histórico”, inaugurada por Enrico Berlinguer, em 1973, estava oferecendo frutos. Associado ao “compromisso histórico” com as massas populares católicas, na política internacional o Partido Comunista Italiano (PCI) propagava o chamado “eurocomunismo”, como meio de se afastar da experiência socialista da URSS e Europa oriental, demarcando com força as diferenças entre Oriente e Ocidente. Esse período coincidiu também com ampla difusão do nome da Antonio Gramsci, pretenso inspirador daquela orientação política. Continue lendo “Gramsci e o PCI: duas concepções da hegemonia”

O “Que” de “Que fazer”

Por Louis Althusser, via Cem Flores

“Como o próprio título indica, nessa ocasião, o autor buscou ratificar a relevância teórica e política da “velha pergunta de Lênin” para a classe operária em sua luta, tanto em sua dimensão mais imediata, tática, quanto em sua dimensão de longo prazo, estratégica. Tal pergunta, que surge no fogo da ação, da participação direta na luta de classes de um período, nos leva diretamente ao que o revolucionário russo chamou de “alma viva” do marxismo: a análise concreta da situação concreta.”

Continue lendo “O “Que” de “Que fazer””

A autocracia e o proletariado

Por Vladimir Ilitch “Lenin” Ulyanov, via marxist.org, traduzido por Rodri Villa

“A autocracia pode manter a paz real apenas com um punhado de magnatas altamente privilegiados da classe proprietária e comerciante, mas em nenhum sentido com essa classe como um todo. Portanto, é extremamente importante que o proletariado com consciência de classe tenha uma compreensão clara tanto da inevitabilidade dos protestos dos liberais contra a autocracia quanto do caráter burguês real desses protestos.” Continue lendo “A autocracia e o proletariado”

Mais do que palavras: formulando palavras de ordem para a luta

Por Derek Ford, via Liberation School, traduzido por Igor Gavão

As palavras de ordem desempenham um papel fundamental em todas as atividades políticas, sejam manifestações locais, piquetes, greves ou movimentos de massa. Embora o fato de que palavras de ordem sejam curtas possa parecer de menor importância ou uma mera questão de semântica, o fato é que as palavras de ordem podem ser fatores decisivos nas lutas políticas individuais e mais prolongadas, por movimentos de reforma e revolução. Continue lendo “Mais do que palavras: formulando palavras de ordem para a luta”

A polêmica na guilhotina: alguns problemas de uma crítica à Jacobin Magazine

Por Gabriel Landi e Douglas Rodrigues Barros

Tudo ameaça uma jovem militância de destruição: o amor, as ideias, as dúvidas, o ingresso no movimento que busca colocar a política em prática. Custa-lhe apreender a fusão do conhecimento e da ação que precisa realizar-se na própria luta, de tal forma que ambas depositem em si a garantia de sua verdade. As ideias dificilmente correspondem ao fato. O fato, por sua vez, dificilmente tem algo em comum com o real. A infinitude deste último dilacera a consciência finita daquela. Continue lendo “A polêmica na guilhotina: alguns problemas de uma crítica à Jacobin Magazine”

Lênin e a Frente Única

Por Vladimir Ilitch Lênin, via Marxists.org, traduzido por Gabriel Landi Fazzio

De extrema atualidade, os debates da Internacional Comunista sobre a tática da Frente Única dos Trabalhadores perpassaram seu Terceiro (junho de 1921) e Quarto Congressos (novembro de 1922). Abaixo, apresentamos as traduções inéditas dos comentários existentes de Lênin a respeito de tal política de unidade proletária defensiva entre revolucionários e reformistas. Continue lendo “Lênin e a Frente Única”

Chasin entra em ação: crítica à “ontonegatividade da política”

Por Fernando Savella

Marx desafia Hegel: o Estado, ao invés de ser a expressão do Espírito e superação ideal das contradições da sociedade civil, é na verdade um instrumento da classe dominante que apenas simula o alcance de uma “universalidade” e racionalidade. Desde a “Introdução à Crítica” até o canônico “Caráter fetichista da mercadoria e seu segredo”, n’O Capital, esta foi a constante da obra de Marx e da tradição teórica e política que o seguiu: o Estado burguês, bem como toda superestrutura ideal que erige das relações de produção capitalistas, se caracteriza pela afirmação das relações abstratas no lugar das relações concretas.

Continue lendo “Chasin entra em ação: crítica à “ontonegatividade da política””

Foram os erros que botaram a perder a Revolução Russa?

Por Francisco Martins Rodrigues, via Marxists.org

Nem só revisões e renegações produz o eclipse do movimento comunista. Surgem também, ainda que raramente, tentativas de interpretação e superação da crise, na linha do marxismo. Tom Thomas, militante da corrente M-L francesa, editou há alguns meses em volume as suas reflexões, a que deu o título: “A propósito das revoluções do século XX, ou o desvio irlandês”. [1] Continue lendo “Foram os erros que botaram a perder a Revolução Russa?”

Confundindo pedagogia e política: Marx e Lenin sobre a educação revolucionária do proletariado

Por Gabriel Landi Fazzio

“Nihil humani a me alienum puto”. Em latim: “Nada humano me é alheio”. Segundo as filhas de Marx, a máxima favorita do pai. (MARX, 1956)

“20. Nossa tarefa mais importante antes do levante revolucionário declarado é a propaganda e a agitação revolucionária.” (III INTERNACIONAL COMUNISTA, 2008) Continue lendo “Confundindo pedagogia e política: Marx e Lenin sobre a educação revolucionária do proletariado”

A derrota de Lenin

Por Francisco Martins Rodrigues, via marxists.org

“Estamos em condições bem mais difíceis do que durante a invasão direta dos guardas brancos”. “O Estado não funcionou como prevíramos, o carro não obedece ao condutor”. “Os comunistas julgam dirigir a máquina burocrática mas é ela que os conduz”. A dramática intervenção de Lenin perante o XI Congresso do partido, em Março de 1922, traça um momento-charneira nos destinos da Rússia. No horizonte desenham-se já os contornos da futura URSS de Stálin; para trás fica o fracasso da democracia dos sovietes. Poderia a revolução ter sido salva com outra política? Continue lendo “A derrota de Lenin”

Lenin: legalização e luta da classe operária

Por Vladimir Ilitch “Lenin” Ulyanov, via Marxists.org, traduzido por Rodri Villa

Com a publicação de “A Legalização da Classe Operária“, de Bernard Edelman, no Brasil, uma série de debates se animaram em meio à intelectualidade revolucionária a respeito dos limites e amarras do direito do trabalho ao movimento dos trabalhadores. Por um lado, essa crítica vigorosa ajudou a pôr em cheque uma série de pressupostos da esquerda reformista, que celebra cada conquista legal imediata como uma vitória definitiva das lutas operárias. Por outro lado, essa crítica muitas vezes se perdeu no abstencionismo, no ceticismo absoluto com as lutas por reformas em favor da classe trabalhadora, na forma de uma refutação genérica e abstrata a toda a legalidade, sem considerações quaisquer sobre seu conteúdo. Continue lendo “Lenin: legalização e luta da classe operária”

Arquiteto, Cidade e História: contradições e problemas candentes de nosso campo disciplinar

Por Vinícius Okada M. M. D’Amico

“O arquiteto não está excluído da influência determinante do capital. Pelo contrário, ele nasce a partir dela. A separação entre trabalho intelectual e trabalho manual no canteiro de obras corresponde a uma das etapas fundamentais no desenvolvimento das forças produtivas na sociedade capitalista. A superação do “trabalho autônomo” no canteiro e sua posterior fragmentação alienante, desemboca na característica fundante do “construir” moderno: a contradição elementar entre o canteiro e o desenho.” Continue lendo “Arquiteto, Cidade e História: contradições e problemas candentes de nosso campo disciplinar”

Lênin, docente? Aproximando Vladimir Lênin e Bernard Schneuwly

Por Gabriel Lazzari*

Marx e Engels já apontavam os limites constitutivos da consciência no que tange à luta imediata dos trabalhadores em suas reivindicações diárias, sem vínculo com uma luta política mais ampla, ou seja, os limites da consciência chamada por Lênin de “trade-unionista”. É precisamente ao observarmos os termos em que Marx formula sua primeira abordagem da questão que conseguimos perceber que, em sendo as relações de produção mencionadas contraditórias internamente, também permitem o surgimento de uma consciência contraditória no seio do proletariado, ainda que limitada pela falta de compreensão da articulação total dos fenômenos que estruturam a sociedade capitalista, as lutas entre as classes, inclusive. Continue lendo “Lênin, docente? Aproximando Vladimir Lênin e Bernard Schneuwly”

Sobre a Frente Única dos Trabalhadores

Pelo Comitê Executivo da Internacional Comunista, via marxists.org, traduzido por Bruno Santana e Gabriel Landi Fazzio

De extrema atualidade, os debates da Internacional Comunista sobre a tática da Frente Única dos Trabalhadores perpassaram seu Terceiro (junho de 1921) e Quarto Congressos (novembro de 1922). Inúmeros debates se seguiram às breves considerações deliberadas no Terceiro Congresso Continue lendo “Sobre a Frente Única dos Trabalhadores”

O Fetichismo da “Hegemonia”

Por Agustin Cueva, traduzido por Fernando Savella

Antonio Gramsci se converteu, sem dúvida alguma, numa referência obrigatória para todos os estudos que são feitos atualmente acerca da questão do Estado, tanto na Europa ocidental como na América Latina. De um certo ponto de vista, o autor italiano aparece inclusive como o verdadeiro fundador da ciência política marxista, finalmente livre, como dizem, do “dogmatismo” e do “economicismo” e, portanto, da concepção “instrumental” do Estado que havia caracterizado o pensamento leninista. Dessa forma, Gramsci se tornou uma espécie de ‘anti-Lenin’, dotado de incalculáveis projeções teóricas e políticas.

Continue lendo “O Fetichismo da “Hegemonia””

As tarefas dos social-democratas russos

Por Vladimir Ilitch “Lenin” Ulyanov, via Marxists.org, traduzido por Gabriel V. Lazzari

Aqueles que acusam os social-democratas russos de terem uma visão estreita, de tentarem focar nos trabalhadores fabris em detrimento da massa da população trabalhadora, estão profundamente equivocados. Ao contrário, a agitação entre os setores avançados do proletariado é o mais certeiro e único jeito de insurgir (quando da expansão do movimento) o proletariado russo inteiro.

Continue lendo “As tarefas dos social-democratas russos”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑