Gato Tosco Contra Tigres de Papel

Por J-P Caron e Bruno Trchmnn

De que vivem os artistas do fracasso? Somos professores, estudantes,  funcionários públicos, carteiros, operários, atendentes, motoristas, garçons, babás, estudantes, desempregados e outras párias da elite artística.  Continue lendo “Gato Tosco Contra Tigres de Papel”

Contágio e visibilidade: notas sobre a fenomenologia de uma pandemia

Por J-P Caron*

A transição entre mundos aqui sendo examinados não é apenas uma transição entre dois mundos visíveis, mas é também o surgimento de algo a partir da invisibilidade. Uma invisibilidade que é o resultado de uma diferença de escala entre os fenômenos.  Continue lendo “Contágio e visibilidade: notas sobre a fenomenologia de uma pandemia”

Corpo e Despossessão: A Pedagogia do Medo em Hollywood

Por Anielson Ribeiro

Como visto, a produção da consciência da mulher é extremamente precária, uma vez que a percepção alienada do seu corpo impede que o reconheça como constitutivo de sua própria formação ontológica, por decorrência de um longo processo histórico de disciplina e de dispositivos sociais de despossessão. Isso acarretará diversas problemáticas, proibições e riscos em relação ao livre exercício de suas funções corporais. Despossessão aqui sugere um sinônimo para o conceito hegeliano de negação. Vale ressaltar que negar não é anular o Outro, e sim subjugá-lo. Continue lendo “Corpo e Despossessão: A Pedagogia do Medo em Hollywood”

O guia de sobrevivência da quarentena de Slavoj Žižek: prazeres culposos, Assassinos de Valhalla e finja que isso é apenas um jogo.

Por Slavoj Žižek, via RT, traduzido por Victor Pimentel

Para lidar com a pressão mental durante a pandemia de coronavírus, minha primeira regra é que esse não é o momento para buscar autenticidade espiritual. Sem qualquer constrangimento – assuma todos os pequenos rituais que estabilizam sua vida cotidiana. Continue lendo “O guia de sobrevivência da quarentena de Slavoj Žižek: prazeres culposos, Assassinos de Valhalla e finja que isso é apenas um jogo.”

Uma esquerda que não respira ar puro

Por Thales Fonseca

Aqui, para entender este ponto, é interessante retomar brevemente a ideia de que a existência de uma esquerda comunista no Brasil não passa (infelizmente) de uma fantasia paranoica e cínica. Isso implica em afirmar que o bolsonarismo é, entre outras coisas, a expressão máxima da ideologia cínica em terras brasileiras, em que aqueles que ocupam o poder assimilam a estratégia da crítica, de modo que possam rir de si mesmo e neutralizar o poder dessa crítica. Isso fica claro quando Bolsonaro coloca um humorista para responder aos questionamentos sobre o PIB poucos dias depois de ser excessivamente parodiado no carnaval, levando a crítica carnavalizada à falência.

Continue lendo “Uma esquerda que não respira ar puro”

Os braços abertos “humanitários” dos liberais não são uma solução para a crise dos migrantes; mudanças econômicas radicais são necessárias

Por Slavoj Zizek, via RT, traduzido por Daniel Alves Teixeira

Os apelos dos liberais para “abrirmos nossos corações” para imigrantes de países pobres estão ligados à manutenção do status quo no mundo capitalista. A solução é uma mudança radical no sistema econômico global que incentiva a migração. Continue lendo “Os braços abertos “humanitários” dos liberais não são uma solução para a crise dos migrantes; mudanças econômicas radicais são necessárias”

Reflexão como retroatividade: notas sobre a filosofia de Hegel pelas lentes de Slavoj Zizek

Por Ramon Oliveira da Silva Leite[1] e Wellington Lima Amorim[2]

O presente artigo busca interpretar as razões pelas quais o filósofo esloveno Slavoj Žižek, em seu resgate da filosofia hegeliana, utiliza o conceito de retroatividade como ponto central de sua reinterpretação de Hegel.  Continue lendo “Reflexão como retroatividade: notas sobre a filosofia de Hegel pelas lentes de Slavoj Zizek”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑