Reflexões teóricas sobre o Trabalho: O Músico em questão

Por Guilherme Nardi

“Este artigo é uma reflexão teórica na tentativa de iniciar uma pesquisa sobre as relações entre trabalho e música. Uma das minhas preocupações é tentar entender as relações de classe dentro do mundo dos trabalhadores de música. Não simplesmente tentar ver a luta de classe nestas relações, não sei nem ao certo se os trabalhadores daqui se enxergam como tal. O meu objetivo é observar as tensões que são formadas nestas relações e identificar se existem lutas e resistências nestes locais.” Continue lendo “Reflexões teóricas sobre o Trabalho: O Músico em questão”

Atualidade da ideologia do embranquecimento no Brasil

Por Pedro Souza[1]

Nos últimos dias, seja no Brasil, seja ao redor do mundo, como nos EUA ou em Hong Kong, o que temos visto é o acirramento da luta de classes, com suas especificidades nacionais. O foco deste texto é uma abordagem sobre o contexto brasileiro, especialmente a temática racial. Continue lendo “Atualidade da ideologia do embranquecimento no Brasil”

Um cheiro de perfume podre: paranoia, negação e militares

Por André Márcio

“O Brasil pandêmico tem um cheiro de perfume podre e todos nós sabemos de onde ele vem. Na verdade, esse cheiro está hoje disseminado por toda a nossa sociedade. Ele vem das valas comuns abertas para jogar os corpos produzidos pela ignorância do governo Bolsonaro. O mesmo cheiro vem dos corpos putrefatos nos hospitais e frigoríficos à espera dessas valas, pois sequer o reboque para levá-los dá conta da quantidade. O perfume podre vem dos corredores lotados de doentes miseráveis, moribundos, à espera que alguém saia da UTI, vivo ou morto.”

Continue lendo “Um cheiro de perfume podre: paranoia, negação e militares”

Por que o chamado por uma renda básica incondicional é enganoso

Por Kommunistsche Organisation (KO); via Pelo Antimperialismo, traduzido por Vinícius Okada M. M. D’Amico

Representantes do capital e sua esquerda argumentam que deve haver uma distinção entre emprego remunerado e segurança dos meios de subsistência. Devido à perda de empregos, não seria mais possível satisfazer as necessidades das pessoas através de empregos remunerados. A seguridade social deveria ser garantida através de uma renda básica incondicional vinda do dinheiro dos contribuintes e não mais a partir de salários. Mas o interesse básico dos trabalhadores é o de reduzir as horas de trabalho necessárias para todos e aumentar as horas de lazer para todos. Isso só pode ser conseguido através da luta coletiva contra o capital e seu estado.  Continue lendo “Por que o chamado por uma renda básica incondicional é enganoso”

2020 é o Ano em que Matamos os Mais Fracos

Por Sandino Patriota

No ponto em que nos encontramos, com o carniceiro que ocupa a cadeira de presidente e os generais que estão ao seu lado decididos a promover as mortes e aparecer como os melhores defensores dos lucros dos banqueiros e monopólios, tornou-se impossível evitar o crescimento exponencial da letalidade. Isso só seria possível com a ação firme de um Estado nacional, decidido a apoiar e defender sua população, coisa que não estamos perto de ter no Brasil. É preciso tomar consciência desse fato no momento em que se discutem as ações de bloqueio total (lockdown), em algumas regiões, e de relaxamento parcial da quarentena, em outras. Continue lendo “2020 é o Ano em que Matamos os Mais Fracos”

Alain Badiou e a Verdade na Política Revolucionária

Por Alain Badiou, traduzido por Vinícius Okada M. M. D’Amico a partir da versão em inglês do livro (excertos de seu prefácio) Logic of Worlds, Editora Continuum, 2009.

“A agonia da França não nasceu das enfraquecedoras razões para acreditar nela — derrota, demografia, indústria, etc. — mas da incapacidade de acreditar em coisa alguma”.- André Malraux Continue lendo “Alain Badiou e a Verdade na Política Revolucionária”

A Forma Animal da Mercadoria

Por Maila Costa

“Revelar o verdadeiro valor por trás das mercadorias, seja o valor do trabalho humano que é precarizado aos maiores níveis possíveis, seja o valor inestimável da natureza que muitas vezes é até mesmo irrecuperável, ou seja o valor das vidas dos animais atormentados é imprescindível para que as contradições insuperáveis do capitalismo sejam perceptíveis sob a intrincada malha ideológica que cobre e atravessa a classe trabalhadora.”

Continue lendo “A Forma Animal da Mercadoria”

Palavras angustiantes para uma situação angustiante: a triste crise orgânica e social em que vivemos

Por Caique de Oliveira Sobreira Cruz*

O operário é constrangido a viver nessas casas já arruinadas porque não pode pagar o aluguel de outras em melhor estado […] De quando em vez, diante da ameaça de epidemias, a sonolenta consciência dos serviços de higiene é despertada (ENGELS, 2010, p.101). Continue lendo “Palavras angustiantes para uma situação angustiante: a triste crise orgânica e social em que vivemos”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑