Por que não defendemos as Diretas Já?

Por Gabriel Landi Fazzio, via PCB

O PCB está entre o reduzido número de organizações socialistas a não erguer a palavra de ordem por eleições gerais antecipadas – e, dentre estas, na ainda mais reduzida posição de quem não trata tal palavra de ordem com sectarismo, quase como que se fosse reacionária. Continue lendo…

Anúncios

Por que Blanqui?

Por Doug Enaa Greene, via Verso Books, traduzido por Aukai Leisner

Antes de Marx, havia Blanqui: nascido 212 anos atrás. No texto abaixo, o historiador Doug Enaa Greene – autor do vindouro Specters of Communism: Blanqui e Marx – faz um levantamento da vida e pensamento do radical francês. Continue lendo…

A questão é a do socialismo

Por José Saramago

O presente excerto foi escrito por Saramago em Fevereiro de 1976, dois anos depois da Revolução dos Cravos, em um Portugal que vivia o “dia seguinte” de uma revolução triunfante. Por isso expõe as tensões políticas próprias daquela época no país ibérico. Continue lendo…

A recusa do Partido Comunista Grego em participar em um governo burguês

Por Aleka Papariga, via Communist Review 2013, 2 (revista teórica do KKE), traduzido do grego por In Defense Of Greek Workers, traduzido ao português por Pelo Antimperialismo, revisado por Gabriel Landi Fazzio

“Depois de cada tal período de participação, os PCs perderam o poder em benefício da social-democracia; eles foram enfraquecidos, precisamente porque eles eram vistos como tendo compartilhado a responsabilidade Continue lendo…

Terrorismo e luta de classes

Por Daniel Bensaïd, via Le site Daniel Bensaïd [1], traduzido por Daniel Alves Teixeira.

Para a burguesia, o terrorismo está na ordem do dia. Willian Brandt apresenta o problema a seu parlamento. Os governantes europeus estão preocupados em Roma. A ONU discutirá, quando da próxima sessão, as medidas a serem tomadas. A agitação diplomática vai em bom caminho, misturando ingenuidade política e frenesi policial. Continue lendo…

Florestan Fernandes: “Marighella atravessou as contradições do partido que deveria ter enfrentado a ditadura revolucionariamente”

Por Florestan Fernandes, publicado na Folha de São Paulo, em 12 de novembro de 1984. Outra sugestão é o texto de José Rosa, ex-militante da ALN, sobre o revolucionário baiano.

O 4 de novembro de 1969 incorporou-se à história graças a um feito policial-militar que culminou na morte de Carlos Marighella. Faz portanto, quinze anos que morreu o principal líder da Ação Libertadora Nacional (ALN), figura política que se tornara conhecida como militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), seu dirigente de cúpula e também seu deputado no Congresso que elaborou a Constituição de 1946. Continue lendo…

Duas cenas da revolução russa nas memórias da jornalista Louise Bryant

Por Louise Bryant, traduzido por Gabriel Landi Fazzio.

Chegando à Rússia em agosto de 1917, a jornalista Louise Bryant pode assistir à revolução de outubro como uma das poucas observadoras estrangeiras com acesso aos quadros do partido bolchevique. Ainda que tenha escrito diversas reportagens, muitas reunidas na obra “Seis meses vermelhos na Rússia”, nunca foi traduzida para o português. Continue lendo…

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑