Pandemia, saúde mental e as tarefas da psicologia

Por Marcela Pereira Rosa*

A pandemia do novo coronavírus e a necessidade do isolamento social tem colocado em pauta, dentre muitos outros aspectos, as questões relacionadas à saúde mental da população. Continue lendo “Pandemia, saúde mental e as tarefas da psicologia”

Puxando um fio solto: reprodução na periferia no epicentro da pandemia

Por Cecília F. Teixeira e Elisabeth Zorgetz

“Onde a casa emerge como um espaço de trabalho (agora não apenas o locus socialmente determinado do trabalho doméstico) e precisa ser esquadrinhada entre o home office, a escola virtual, as reuniões profissionais, políticas, acadêmicas e várias outras atividades que ocorrem normalmente na esfera pública, pode se dizer que o momento é mais que privilegiado para evidenciar a importância do trabalho reprodutivo no dia-a-dia. Porém, apelar moralmente por essa atenção é um caminho que nos joga no fosso comum da racionalidade afetiva sobre a reprodução. Para todos os lados que se olha, a oportunidade em participar equilibradamente das tarefas domésticas e de cuidado para os membros da família não está sendo aproveitada, muito distante disso: cozinhar, lavar, limpar, atender, cuidar, tratar, educar etc. são tarefas que se replicaram nas casas e as mulheres viram sua carga de trabalho aumentada.” Continue lendo “Puxando um fio solto: reprodução na periferia no epicentro da pandemia”

Corpo e Despossessão: A Pedagogia do Medo em Hollywood

Por Anielson Ribeiro

Como visto, a produção da consciência da mulher é extremamente precária, uma vez que a percepção alienada do seu corpo impede que o reconheça como constitutivo de sua própria formação ontológica, por decorrência de um longo processo histórico de disciplina e de dispositivos sociais de despossessão. Isso acarretará diversas problemáticas, proibições e riscos em relação ao livre exercício de suas funções corporais. Despossessão aqui sugere um sinônimo para o conceito hegeliano de negação. Vale ressaltar que negar não é anular o Outro, e sim subjugá-lo. Continue lendo “Corpo e Despossessão: A Pedagogia do Medo em Hollywood”

O Governo dos Trabalhadores: Teses do Governo Operário segundo Clara Zektin e a III Internacional

Por  Clara Zektin e a III Internacional (Dezembro de 1922). Via Tendência Piquetera Revolucionária , traduzido por Leonardo Godim

O Governo Operário é a tentativa de forçar o Estado burguês no marco de suas limitações históricas essenciais, para servir aos interesses históricos do proletariado.

Continue lendo “O Governo dos Trabalhadores: Teses do Governo Operário segundo Clara Zektin e a III Internacional”

A resistência na carne: aborto, capitalismo e a colonização do corpo feminino

Por Emilly Saas

A problemática do aborto que persiste, sobretudo, nos movimentos de mulheres e feministas tem carregado diversos aspectos legítimos e essenciais no debate; argumentações do Direito, da Psicologia, da Antropologia, das Ciências da Saúde animam a discussão para lembrar que sua criminalização é, na verdade, a criminalização da mulher, cuja classe social nos parece evidente. Continue lendo “A resistência na carne: aborto, capitalismo e a colonização do corpo feminino”

Ética e história nos escritos de Maria Lacerda de Moura

Por Daniel Santos da Silva

Os movimentos de Maria Lacerda de Moura seguiam-se rapidamente – de seu livro publicado em 1918, Em torno da educação, já se veem ressalvas na obra seguinte, um ano após, chamada Renovação. Se os dias então corriam depressa, não é qualquer olhar que captaria sutilezas de seus trajetos em consonância com a experiência própria, a qual desde cedo fora engajada com a prática e a reflexão da educação. 

Continue lendo “Ética e história nos escritos de Maria Lacerda de Moura”

Falta um programa para as mulheres

Por Ana Barradas, via Bandeira Vermelha

Alguns comunistas deixam-se cegar pela indignação ao verem-se comparados com quaisquer outros homens no que refere à questão feminina. Com isso não conseguem divisar o que há de verdadeiro nas afirmações segundo as quais também entre eles se reproduzem algumas das taras da sociedade patriarcal. Como tratar na tática e na ação imediata os problemas concretos da emancipação da mulher, dando-lhes expressão na política, em vez de os adiar para depois da revolução? Continue lendo “Falta um programa para as mulheres”

Das Greves de Mulheres para um Novo Movimento de Classe: A Terceira Onda Feminista

Por Cinzia Arruzza, via Viewpoint Magazine, traduzido por Ohana Meira

Essas greves, assim como as greves transnacionais do 8 de março, e em particular as greves argentinas e espanholas, são lutas de classes feministas. O movimento feminista está se tornando cada vez mais um processo de formação de uma subjetividade de classe com características específicas: imediatamente antiliberal, internacionalista, antirracista, obviamente feminista e tendencialmente anticapitalista, em excesso e em tensão com respeito às instituições tradicionais da esquerda e suas práticas. Naturalmente, esse processo não é o mesmo em cada país e é definitivamente mais avançado em alguns países do que em outros. E, no entanto, se considerarmos o movimento como um todo, é esse aspecto que representa sua maior novidade e incorpora as potencialidades mais interessantes. Continue lendo “Das Greves de Mulheres para um Novo Movimento de Classe: A Terceira Onda Feminista”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑