Uma carta aos intelectuais que ridicularizam revoluções em nome da pureza

Por Roxanne Dunbar-Ortiz, Ana Maldonado, Pilar Troya Fernández, and Vijay Prashad, via MR Online, traduzido por Guilherme Laranjeira

As revoluções não acontecem repentinamente, nem imediatamente transformam a sociedade. Uma revolução é um processo que se move a diferentes velocidades, cujo ritmo pode mudar rapidamente se o motor da história é acelerado por um conflito de classes intensificado. Entretanto, na maioria das vezes, a construção do ímpeto revolucionário é glacial, e a tentativa de transformar o estado e a sociedade pode ser ainda mais lenta. Continue lendo “Uma carta aos intelectuais que ridicularizam revoluções em nome da pureza”

Golpe de Estado e Luta de Classes na Bolívia

Por Carlos Rivera-Lugo, via Claridad Puerto Rico, traduzido por Daniel Fabre

“São tempos difíceis, mas para um revolucionário os tempos difíceis são o seu ar. É disso que vivemos, dos tempos difíceis. Nós nos alimentamos de tempos difíceis. Por acaso não viemos de baixo? Por acaso não somos nós os perseguidos, os torturados, os marginalizados dos tempos neoliberais… A década de ouro do continente não foi gratuita. Continue lendo “Golpe de Estado e Luta de Classes na Bolívia”

Notas sobre a luta de classes na América Latina: a Bolívia, a contrarrevolução permanente e o ‘Momento jacobino’

Por Yuri Freire

Fugindo do debate a respeito do processo de cambio boliviano ser reformista (como defendem diversos cientistas políticos brasileiros) ou revolucionário (como defende García Linera), o fato é que o governo popular de Evo Morales atiçou a contrarrevolução e foi derrubado por ela. O reformismo fraco petista, do mesmo modo. Nenhum dos dois governos conseguiu (ou quis) destruir a ordem capitalista dependente, gestante de contrarrevoluções (por sua própria natureza classista).

Continue lendo “Notas sobre a luta de classes na América Latina: a Bolívia, a contrarrevolução permanente e o ‘Momento jacobino’”

Regionalismo Crítico e Soberania Cultural – Notas sobre a Nova Arquitetura Andina

Por Bruno Santana

A cultura popular é um fantasma que assombra a teoria estetizante, historicista e desenvolvimentista da intelectualidade das artes, repercutindo em ruídos e olhares tortos as experiências que articulam a produção de uma contra-hegemonia na indústria cultural com um projeto popular de desenvolvimento nacional. Continue lendo “Regionalismo Crítico e Soberania Cultural – Notas sobre a Nova Arquitetura Andina”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑