Movimentos sociais, política e marxismo

Por Jacques Ranciére, traduzido por Daniel Alves Teixeira

Se é bem verdade que o trabalho não faz mais um mundo (no Ocidente ao menos), que nós não sabemos que forma dar a um “povo novo”, que nós somos “órfãos de um mundo simbólico e vivido para nos apoiarmos”, isto é um luto ou antes uma oportunidade? Continue lendo “Movimentos sociais, política e marxismo”

Por que a crítica?

Por Fernando Savella

“Crítica” é uma ideia muitas vezes entendida como uma postura, independente de seu conteúdo. Se um liberal se contrapõe a um marxista, o liberal estaria criticando, e adotando uma postura crítica. Se um cético duvida de uma teoria, o faria como uma postura crítica contra algum “dogmatismo” teórico. Mas nenhuma tradição teórica incorpora tão bem o sentido de “crítica” quanto a teoria marxista. De fato, o grande centro da teoria marxista é a imanência da crítica: não há marxismo que não seja a crítica da ideologia, não há análise materialista que não seja a crítica de uma análise idealista. Continue lendo “Por que a crítica?”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑