Palavras angustiantes para uma situação angustiante: a triste crise orgânica e social em que vivemos

Por Caique de Oliveira Sobreira Cruz*

O operário é constrangido a viver nessas casas já arruinadas porque não pode pagar o aluguel de outras em melhor estado […] De quando em vez, diante da ameaça de epidemias, a sonolenta consciência dos serviços de higiene é despertada (ENGELS, 2010, p.101). Continue lendo “Palavras angustiantes para uma situação angustiante: a triste crise orgânica e social em que vivemos”

Um comunista em diálogo com os religiosos

Por Diogo Fagundes

 

“Somente um desenvolvimento da filosofia pode nos explicar porque a causa comunista é justa, porque devemos agir do jeito que agimos, porque a realidade das nossas ações não é algo absurda e ilusória. Somente uma discussão envolvendo conceitos como ser, verdade e sujeito poderia dar conta de abarcar a explicação da nossa vida. Continue lendo “Um comunista em diálogo com os religiosos”

Uma esquerda que não respira ar puro

Por Thales Fonseca

Aqui, para entender este ponto, é interessante retomar brevemente a ideia de que a existência de uma esquerda comunista no Brasil não passa (infelizmente) de uma fantasia paranoica e cínica. Isso implica em afirmar que o bolsonarismo é, entre outras coisas, a expressão máxima da ideologia cínica em terras brasileiras, em que aqueles que ocupam o poder assimilam a estratégia da crítica, de modo que possam rir de si mesmo e neutralizar o poder dessa crítica. Isso fica claro quando Bolsonaro coloca um humorista para responder aos questionamentos sobre o PIB poucos dias depois de ser excessivamente parodiado no carnaval, levando a crítica carnavalizada à falência.

Continue lendo “Uma esquerda que não respira ar puro”

A resistência na carne: aborto, capitalismo e a colonização do corpo feminino

Por Emilly Saas

A problemática do aborto que persiste, sobretudo, nos movimentos de mulheres e feministas tem carregado diversos aspectos legítimos e essenciais no debate; argumentações do Direito, da Psicologia, da Antropologia, das Ciências da Saúde animam a discussão para lembrar que sua criminalização é, na verdade, a criminalização da mulher, cuja classe social nos parece evidente. Continue lendo “A resistência na carne: aborto, capitalismo e a colonização do corpo feminino”

Chasin entra em ação: crítica à “ontonegatividade da política”

Por Fernando Savella

Marx desafia Hegel: o Estado, ao invés de ser a expressão do Espírito e superação ideal das contradições da sociedade civil, é na verdade um instrumento da classe dominante que apenas simula o alcance de uma “universalidade” e racionalidade. Desde a “Introdução à Crítica” até o canônico “Caráter fetichista da mercadoria e seu segredo”, n’O Capital, esta foi a constante da obra de Marx e da tradição teórica e política que o seguiu: o Estado burguês, bem como toda superestrutura ideal que erige das relações de produção capitalistas, se caracteriza pela afirmação das relações abstratas no lugar das relações concretas.

Continue lendo “Chasin entra em ação: crítica à “ontonegatividade da política””

A concentração do proletariado nas grandes cidades

Por Gabriel Landi Fazzio

“[A revolução industrial] desenvolveu por toda a parte o proletariado na mesma medida em que desenvolveu a burguesia. Na proporção em que os burgueses se tornavam mais ricos, tornavam-se os proletários mais numerosos. Uma vez que os proletários somente por meio do capital podem ter emprego e o capital só se multiplica quando emprega trabalho, a multiplicação do proletariado avança precisamente ao mesmo passo que a multiplicação do capital. Ao mesmo tempo, concentra tanto os burgueses como os proletários em grandes cidades, nas quais se torna mais vantajoso explorar a indústria, e com esta concentração de grandes massas num mesmo lugar dá ao proletariado a consciência da sua força.” Engels, em “Princípios Básicos do Comunismo”. Continue lendo “A concentração do proletariado nas grandes cidades”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑