A luta por autodeterminação no Havaí

Por Danny Shaw, via Liberation School, traduzido por Otávio Losada

7 de julho marca o 123º aniversário do presidente William McKinley e a anexação do Havaí pelo governo dos EUA. Quando ouvimos qualquer menção ao Havaí, sem dúvida pensamos primeiro em praias de tirar o fôlego, vulcões e turismo. Mas qual é a classe e a realidade nacional no Havaí que fica além de Waikiki e do paraíso dos turistas?

A história moderna do Havaí é uma história de resistência anticolonial e luta de classes. Entender como essa luta nacional se desenrolou explica quais forças de classe tomaram as rédeas do estado havaiano e cujos interesses de classe o estado protegeu. Um exame da profunda opressão nacional que o povo havaiano sofreu nas mãos do imperialismo dos EUA revela as raízes dos males sociais modernos do Havaí e da resistência que surgiu para reivindicar o Havaí.

O roubo de um reino

O Havaí consiste em oito “ilhas principais” que são, de noroeste a sudeste, Ni’ihau, Kaua’i, Oʻahu, Moloka’i, Lāna’i, Kaho’olawe, Maui e Hawai’i. Há evidências antropológicas de que os ancestrais do povo havaiano passaram a habitar o Havaí há cerca de 4.000 anos (Sykes). No entanto, para o povo havaiano, os últimos 200 anos de história foram um longo despejo de sua nação insular pelas forças coloniais e neocoloniais.

O ano de 1778 marcou a chegada do capitão britânico James Cook, o primeiro colonizador a tentar explorar e tirar proveito do Havaí. Os havaianos defenderam as ilhas contra Cook, acabando por matá-lo por sua agressão contra sua nação. No entanto, a invasão britânica deu início à chegada de um ataque violento de missionários e saqueadores que começaram a reivindicar a ilha do Pacífico. Seu objetivo era extirpar o sistema econômico e cultural nativo e substituí-lo por um projeto social diferente baseado em uma religião estrangeira e na supremacia da propriedade privada acima de tudo.

Centenas de missionários chegaram convencidos de que deviam converter ao Cristianismo o que eles chamaram de povo “desregrado, indolente, imprudente e ignorante”. Mas, por trás do manto desses chamados motivos “humanitários”, estava um interesse em reivindicar as vastas riquezas do Havaí. Muitos dos principais capitalistas que formaram a inicial classe dominante colonial chegaram como missionários ou eram filhos de missionários. A igreja e as grandes empresas trabalhavam lado a lado e eram, em essência, uma coisa só. Nas palavras de Desmond Tutu, ao descrever a própria experiência do povo sul-africano com a conquista europeia: “o colonizador chegou com uma arma em uma das mãos e uma bíblia na outra”.

As principais empresas americanas que afundaram suas presas em terras havaianas e espremeram o campesinato para extrair lucros foram chamadas de as “Big 5”: Castle and Cooke, Alexander and Baldwin, C. Brewer & Co., American Factors e Theo H. Davies & Co. Detendo o monopólio da terra, mas passando por escassez de mão-de-obra, os proprietários de plantações de cana-de-açúcar e abacaxi procuravam contratar trabalhadores do exterior, atacando a pobreza de trabalhadores japoneses e chineses. O censo havaiano de 1890 indicou que lá havia 40.612 nativos havaianos, 27.391 trabalhadores japoneses e chineses, mas apenas 6.220 europeus e americanos brancos. As Big 5 se depararam com uma contradição fundamental: como elas poderiam manter o poder sobre a terra quando eram uma minoria tão pequena de indivíduos?

Após 1890, o capital estrangeiro recrutou mão de obra das Filipinas, Portugal e Porto Rico. Fugindo da conquista colonial e das selvagens desigualdades de classe de suas próprias terras, dezenas de milhares de camponeses portugueses, filipinos e porto-riquenhos atravessaram mares rumo ao Havaí. 184.000 trabalhadores imigrantes desses países foram oficialmente registrados como tendo chegado ao Havaí de 1852 a 1905.

Por serem tão numericamente pequenos, a classe dominante do Havaí procurou os Estados Unidos para lhes fornecer proteção. Motivados a expandir sua lucratividade no rico solo havaiano, as Big 5 firmaram um “tratado de reciprocidade” com os Estados Unidos, o último país que buscava ingressar no clube das potências imperiais. O pacto colonial determinava que os grandes interesses da cana-de-açúcar teriam acesso aos mercados dos Estados Unidos sem tarifas em troca de permitir ao governo dos Estados Unidos manter controle comercial e militar exclusivo sobre o Havaí. Em 1887, Pearl Harbor foi entregue aos Estados Unidos no que a rainha Lili’uakalani chamou de “um dia de infâmia para o povo havaiano”.

Enquanto a elite governante pudesse depender de uma monarquia complacente para cumprir suas ordens, ela poderia maximizar seus lucros. Porém, com a morte do rei-títere Kalakau, a elite canavieira passou a ter um problema. A irmã de Kalakaua, a Rainha Lili’uakalani subiu ao trono e recusou-se a aceitar interesses estrangeiros às custas de sua própria nação. Ela imediatamente propôs a aprovação de uma constituição que permitiria que apenas cidadãos havaianos votassem. Quando subornos não conseguiram mais comprá-la, os interesses dos proprietários lançaram mão da força.

Em 1893, com o apoio dos militares americanos que invadiram Honolulu e cercaram o palácio Iolani da Rainha, os principais interesses comerciais imperiais moveram um golpe de Estado. Contra uma potência militar superior, a Rainha Lili’uakalani foi forçada a transferir o Havaí para os saqueadores estrangeiros que enganosamente se autodenominavam “Comitê de Segurança”.

A recusa da Rainha em renunciar capta o espírito de resistência do povo havaiano:

“Eu, Lili’uokalani, pela Graça de Deus sob a Constituição do Reino, Rainha, por meio deste protesto solenemente contra todos e quaisquer atos feitos contra mim e contra o governo constitucional do reino havaiano por certas pessoas que alegam ter estabelecido um regime provisório governo de e para este reino.

Que eu ceda à força superior dos Estados Unidos da América, cujo ministro plenipotenciário, John L. Stevens, fez com que as tropas americanas desembarcassem em Honolulu e declarou que apoiaria o governo provisório.

Agora, para evitar qualquer colisão de forças armadas e talvez a perda de vidas, eu, sob este protesto, e impelido por tal força, cedo minha autoridade até o momento em que o Governo dos Estados Unidos, após os fatos serem apresentados a ele, desfazer a ação de seu representante e restabelecer-me na autoridade que reclamo como soberano constitucional das ilhas havaianas”

Sanford Dole, um juiz de elite, cujo filho seria o futuro fundador do conglomerado de frutas Dole, foi colocado à frente do protetorado dos EUA para governar em nome dos estrangeiros. As autoridades proibiram o uso da língua nativa em 1896. Sob a presidência de William McKinley, os expansionistas e missionários anexaram o Havaí em julho de 1898, tornando-o um protetorado oficial dos EUA. A tomada do Havaí deu início a um século de guerras de conquista dos Estados Unidos no exterior. Logo se seguiu a conquista de Guam, Filipinas, Porto Rico e Cuba pelos Estados Unidos. No século 20, os militares dos EUA iniciariam centenas de invasões, uma reminiscência de sua tomada do Havaí, que provou ser o início do “Século Americano”.

Os muitos usos do Havaí

Por causa de sua função como um posto avançado militar estratégico dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, o Havaí foi declarado um estado em 1959. Localizado a mais de 1/3 do caminho através do Pacífico, o exército dos EUA continua a manter uma rede de bases e mais de 50.000 soldados espalhados pelo Havaí como uma ameaça às nações do Pacífico e da Ásia. Os militares dos EUA ocupam 1/4 de todas as terras do Havaí, empregando 60 milhões de cartuchos de treinamento com munição real a cada ano (Al-Jazeera).

O abuso pelos militares dos Estados Unidos no Havaí é a violação mais clara da soberania havaiana. Em 1976, os bombardeios militares na ilha de Kaho’olawe tornaram-se um centro de protestos. Semelhante à luta popular para forçar a Marinha a deixar Vieques, Porto Rico, em 2001, os havaianos protestaram contra o uso de suas ilhas para a guerra e a destruição. Sob condições misteriosas, dois ativistas pela soberania, Kimo Mitchell e George Helm, desapareceram. Helm escreveu estas palavras sobre a luta para defender a terra que se tornaria um exemplo para os defensores da água em Standing Rock e além:

“Existe o homem e existe o ambiente. Um não substitui o outro. A respiração no homem é a respiração de papa (mãe terra). O homem é apenas o zelador da terra que mantém sua vida e nutre sua alma. Portanto, o ʻâina (amor pela terra) é sagrado. A igreja da vida não está em um edifício, é o céu aberto, o oceano circundante, o belo solo. ”

Após anos de protesto, o governo dos Estados Unidos foi finalmente forçado a encerrar o treinamento com fogo real na ilha em 1990.

Como outras nações subdesenvolvidas, o Havaí tornou-se dependente de uma economia militarizada. Uma em cada cinco famílias no Havaí tem um membro da família no exército. A maioria dos havaianos e trabalhadores nos Estados Unidos não tem dinheiro para deixar sua ilha ou estado. Na mais cruel das ironias, para muitos havaianos a única saída, econômica e física, da pobreza na ilha é ingressar no exército dos Estados Unidos. Os militares se alimentam do desemprego crônico que assola a nação havaiana. Havaianos recrutados são enviados para guerras de conquista e pilhagem. Quando o autor entrevistou um grupo de soldados e veteranos havaianos sobre o motivo de terem se alistado no exército, eles tiveram uma resposta bastante familiar: “Eu queria fazer algo por mim mesmo. Não houve outras oportunidades.” Eles também falaram sobre os laços que fizeram nas forças armadas com os porto-riquenhos, [email protected] e outros soldados de nacionalidade oprimida. A milhares de quilômetros de sua ilha natal, em serviço no Afeganistão, Iraque ou Coréia, eles sabiam muito bem quem eram seus verdadeiros inimigos e amigos.

A Guerra da Água em Maui

O capital estrangeiro, principalmente dos EUA e Japão, controla a maior parte das terras, propriedades e meios de produção. A Alexander and Baldwin [A&B] é uma dessas empresas. A A&B obteve seus enormes lucros iniciais com a mais-valia extraída dos trabalhadores superexplorados da cana-de-açúcar. Hoje, a A&B continua a dominar o açúcar, o transporte marítimo e, mais importante, o abastecimento de água na ilha de Maui.

Maui é uma ilha internacionalmente conhecida por suas belezas naturais e pela diversidade de seu clima. Uma ilha que pode ser percorrida em apenas seis horas, Maui é o lar de desertos, florestas tropicais, selvas, vulcões, picos de montanhas geladas, quedas d’água e algumas das ondas mais inspiradoras do mundo.

O que antes era uma paisagem natural serena, foi convertido em um destino turístico de alto nível. Para o povo havaiano que vive na ilha, a realidade turística é onipresente. “É como se vivêssemos em um parque.” É assim que um nativo de Maui descreve a vida em sua terra ancestral. Cercado por todos os lados por turistas e resorts invasores, o que sobrou para o povo havaiano?

A fuga de cérebros é um resultado cruel. Recusando-se a servir estrangeiros para viver, muitos dos maiores intelectos do Havaí partiram para o continente colonial em busca de carreiras mais gratificantes.

Nos tempos pré-coloniais, a comunidade havaiana garantiu que os riachos naturais fluíssem continuamente para todos. Cada família cavou seu fosso para pegar a quantidade de água de que precisava e deixar a água fluir para a próxima comunidade. Um conceito como privatização da água estava além de sua compreensão. Isso foi introduzido com o advento do domínio dos colonos europeus.

Hoje a água não corre mais. A fim de fornecer recursos hídricos suficientes para os campos de cana-de-açúcar, a A&B construiu barragens e fossos para monopolizar a água e cortar o acesso dos agricultores. Eles continuam a alimentar a cana-de-açúcar e a extrair a preciosa água para transformar as áreas desérticas em resorts verdes para os turistas, com quedas d’água artificiais, plantas, grama e campos de golfe. Todo o ecossistema de Maui foi alterado para o benefício de alguns e em detrimento de outros. O despejo da terra proletariza cada vez mais havaianos, forçados a sobreviver como empregados na indústria do turismo. A maioria dos agricultores agora precisa comprar água da Alexander & Baldwin.

Somente na ilha de Maui, 60 bilhões de galões de água são desviados de bacias hidrográficas naturais para abastecer os interesses do mercado imobiliário (Al-Jazeera). A guerra da água em Maui é um símbolo da luta geral dos havaianos para recuperar o controle de suas terras e vidas. Um líder de um coletivo de agricultores colocou a luta pela soberania nos seguintes termos:

“O roubo da nossa água é o roubo da nossa existência natural. Como indígenas, sabemos conviver com o planeta. Água e terra estavam curando. Hoje, quando vemos nosso povo destruído pelas drogas e pela depressão, nós os trazemos de volta à terra e à água para que possam redescobrir sua espiritualidade. Sua cultura foi roubada deles. Precisamos trazê-lo de volta. ”

Turismo: Uma economia de servos e servidos

7.000.000 de turistas por ano visitam o Havaí (Al-Jazeera).

Na cultura turística popular, Oahu é conhecido como o “local de encontro”. Mas o encontro de quem? No lado norte de Oahu fica Turtle Bay. Turistas italianos, americanos, japoneses e outros turistas ricos pagam em média 350 dólares por noite para ficar em um enorme e glamoroso complexo hoteleiro que fica à vista das ondas de surfe mais cobiçadas do mundo. Repleto de jacuzzis, saunas e massagens, o enorme complexo de Turtle Bay fica atrás de paredes de segurança.

Diante dessa realidade de ricos e pobres, resta a pergunta: quanto mudou o sistema econômico desde os dias dos servos e escravos, senhores e capatazes? Racismo, paternalismo e desigualdade ainda governam as relações humanas no Pacífico.

A força de trabalho de Oahu cozinha, dirige e serve, o que mantém a indústria do turismo funcionando. Waikiki, um dos maiores destinos turísticos dos Estados Unidos, gerando 6,8 bilhões de dólares em receita por ano, é uma realidade desagradável e dolorosa. A população local mista da Ásia e do Pacífico se veste com camisas Aloha e sorrisos fingidos para servir aos privilegiados.

Oahu funciona como uma espécie de Meca das ilhas do Pacífico e das culturas asiáticas. A supremacia do capital dos EUA na região criou uma concentração e mistura de filipinos, fijianos, samoanos, ilhéus chuqueeses, vietnamitas, coreanos, tonganeses, etc. em todo o Havaí. Honolulu é a Nova York do Pacífico e um dos lugares mais diversos do mundo, unindo trabalhadores de todo o Pacífico e da Ásia em uma pequena área geográfica.

Os moradores falam em retomar esta “cultura Aloha” que foi sequestrada por interesses alheios aos do povo havaiano. As letras do artista havaiano de reggae Mana Kaleilani Caceres expõem a história do Havaí que está ausente dos folhetos turísticos:

“Eles tomaram a terra

Eles tomaram Aloha

Derrubou a rainha

Mesmo que eles não a conhecessem

Ikaika (força) suprimida e os Kupuna (ancestrais)

Quebrou o Ohanan (família)

Mas eles não podiam pegar o mana (espírito)”

Unidade multinacional: mesma luta, mesmo inimigo

Uma jovem em Waiʻanae vestiu uma camiseta que dizia “Eu sou Chiwai‘ianfilarican, e daí?” Sua ascendência chinesa, havaiana, filipina e porto-riquenha representou as raízes históricas e a jornada dos havaianos de hoje. Outra jovem mãe explicou sua linhagem: “Bem, do lado da minha mãe, somos vietnamitas, nativos havaianos, haole (brancos), porto-riquenhos e meu pai é meio samoano e misto de tonganês, filipino e português.”

A classe trabalhadora havaiana é composta pelos descendentes de trabalhadores das plantações do final do século 19 e uma série de outras nacionalidades da Ásia e do Pacífico deslocadas de suas terras natais e enviadas para o Havaí pela capital dos EUA. A classe trabalhadora multinacional do Havaí trabalha ombro a ombro hoje, fornecendo os serviços que fazem o turismo e a produção funcionarem no Havaí.

Por meio de uma ampla gama de leis e de segregação, a classe dominante tentou criar barreiras entre as diferentes nacionalidades. Por exemplo, os havaianos são hoje considerados cidadãos dos EUA e têm direito a certos “benefícios”, como vale-refeição, moradia pública e assistência social. No entanto, os imigrantes de Samoa, Filipinas e outros países vizinhos na Micronésia, Melanésia, Polinésia e Ásia que vêm ao Havaí em busca de trabalho são definidos como não documentados e são forçados a aceitar os empregos de menor remuneração e viver em moradias de baixa qualidade. Tendo fugido da conquista de suas próprias nações insulares, eles são então o bode expiatório do desemprego e da pobreza que existe no Havaí. Essas são as mesmas táticas de dividir e conquistar que o intolerante em exercício Donald Trump e outros demagogos usam hoje nos Estados Unidos.

As sucessivas ondas de migração de nações oprimidas para as nações opressoras não foram voluntárias. O lucro colonial desorientou infraestruturas econômicas nacionais inteiras no Pacífico e na Ásia, a fim de atender aos seus próprios imperativos econômicos. Sem a chance de estabilidade econômica em seus países de origem, centenas de milhares de famílias migraram involuntariamente em busca de trabalho na indústria turística havaiana.

Como um microcosmo de todos os Estados Unidos, Oahu é chamado de “caldeirão”. Mas quem se queima no fundo dele? Quem descansa no topo em um carro alegórico para saborear, saborear e se deliciar com o produto acabado do trabalho social? Como o sonho americano foi construído com base em tantos milhões de outros sonhos?

O Centro Cultural Polinésio exposto

O Centro Cultural Polinésio [CCP] está entre os exemplos mais vívidos do tipo de turismo racista e ultraexplorador. O CCP é um parque temático na costa nordeste de Oahu de propriedade e administrado pela Igreja Mórmon. Alegando ser dedicada à promoção das culturas polinésias, a Igreja Mórmon cobra até 285 dólares pelos passes de superembaixador “para experimentar vilas autênticas de Samoa, Taiti, Nova Zelândia, Havaí e Fiji”. Toda uma gama de nacionalidades exploradas das ilhas do Pacífico são convertidas em mascotes estereotipados que cantam, dançam e sorriem sob o comando dos supervisores do CCP.

O retrato dos mórmons do “nativo” feliz é uma reminiscência do rosto negro, shows de menestréis usados ​​pela supremacia branca para moldar a (errônea) percepção geral da identidade afro-americana. Tudo no CCP é encenado – as roupas, os monólogos e as aldeias. Não há uma investigação mais profunda das ricas histórias de resistência e bravura que formaram essas nações. Centenas de jovens polinésios dançam, cantam, servem e divertem centenas de milhares de turistas todos os anos. 90% da força de trabalho do CCP não recebe salário por seu trabalho, o que gera centenas de milhões de dólares em lucros para a Igreja Mórmon. Em vez disso, por trabalharem cinco dias por semana, a igreja “concede-lhes” descontos nas mensalidades da Universidade Brigham Young. Por isso, eles devem ser gratos.

Um recrutador mórmon explicou:

“Sem nossa ajuda, essas pessoas pobres estariam presas em seus países.”

O intercâmbio cultural pode ser uma coisa linda, mas não nesses termos. Todos os sorrisos artificiais induzem o turista crédulo a acreditar que tudo é alegre e divertido no Pacífico. O Havaí não está de forma alguma sozinho nesse papel. Do Rio de Janeiro a Bangkok e Santo Domingo, as empresas monopolizam as praias e belezas naturais mais preciosas e as preservam para o benefício exclusivo dos ricos. Esse tipo de turismo continua sendo uma cicatriz no coração do Havaí.

A desigualdade das nações

A principal característica da época do imperialismo é a desigualdade das nações. As nações opressoras exercem domínio econômico, militar, político e cultural sobre as nações oprimidas. Nas nações “ricas”, como os EUA, Grã-Bretanha e Japão, a classe dominante e os setores “em melhor situação” da classe trabalhadora podem se dar ao luxo de tirar férias no exterior. Eles ganham bastante dinheiro e não precisam de visto ou qualquer outra papelada que os impeça de viajar. No entanto, quando membros de nações oprimidas, com exceção de uma pequena elite governante, desejam visitar as nações exploradoras, existem todos os tipos de obstáculos em vigor para limitar sua capacidade de viajar. Mesmo na nação mais “avançada”, os Estados Unidos, a maioria das famílias não pode deixar seu bloco ou comunidade porque está muito ocupada sobrevivendo. O sonho de deixar o Bronx, Oakland ou Kansas City para explorar as Ilhas do Pacífico ou a África do Sul é um sonho para a maioria dos trabalhadores.

A vida não tem que ser assim. Sob o socialismo, haveria igualdade para todas as nações. Todo ser humano, além de ter acesso gratuito à moradia, saúde e educação, se beneficiaria com o direito de viajar e explorar outras culturas nacionais. Viagens e exploração internacional deixariam de ser privilégio exclusivo de poucos.

Enquanto a mais-valia criada pelo sacrifício do trabalhador hoje transforma os proprietários de nosso trabalho em bilionários, em um mundo socialista o excedente da sociedade garantiria que houvesse dinheiro suficiente para pagar por esses direitos para todos os trabalhadores. Quão desatualizada é essa época racista em que viajar é um direito exclusivo da maioria dos turistas brancos privilegiados! As companhias aéreas devem trabalhar para o benefício de todos e não para lucrar com aqueles que podem ter o privilégio de viajar. Em vez de passagens de primeira classe e de ônibus, haveria viagens gratuitas como parte das atividades educacionais e comunitárias para jovens, estudantes e trabalhadores. As nações se relacionariam em igualdade de condições com acordos comerciais mutuamente benéficos como os que hoje existem entre Cuba, Venezuela e o resto do bloco ALBA (Aliança Bolivariana para as Américas).

O outro Havaí: a costa esquecida

A economia turística significa uma disparada nos preços dos imóveis e uma grande crise imobiliária para as famílias da classe trabalhadora havaiana. Três anos atrás, o governador David Ige declarou estado de emergência antes da crise imobiliária. O Havaí tem a maior taxa de desabrigados dos 50 estados. Com as terras engolidas pela indústria do turismo, os havaianos precisam lutar para encontrar moradias populares.

O Grande Māhele ou a Grande Despossessão de 1848 passou sob pressão de missionários e negócios estrangeiros, e significou uma contrarrevolução nas relações de propriedade. Os interesses especiais partiram a terra, quebrando a tradicional tutela comunal sobre a terra e o cultivo coletivizado.

Antes da colonização, o sistema social havaiano consistia em uma monarquia com uma classe dominante e plebeus. Embora houvesse batalhas pelo controle político entre diferentes chefes em guerra e grandes extensões de terra fossem redistribuídas quando o poder mudava de mãos, não havia estratificação de classes na medida em que seria introduzida. Esse legado de propriedade privada é a base material para a compreensão da profunda estratificação de classes que persiste hoje.

Fora de Honolulu, no lado oeste de Oahu, não há turistas. Este não é o Havaí das brochuras turísticas. A apenas 30 milhas de alguns dos resorts turísticos mais caros e populares dos Estados Unidos, a realidade aqui é diferente. Por esse motivo, a Costa Oeste é chamada de “costa esquecida”. Aqui estão comunidades devastadas por falta de moradia, dependência de drogas, alcoolismo, violência sem sentido, violência de gangues, violência doméstica contra mulheres e crianças, gravidez na adolescência, abandono escolar e taxas crescentes de prisão.

Muitas famílias gravitam entre abrigos e moradias da Seção 8 superlotadas. Existem atualmente 6.100 unidades habitacionais públicas federais e estaduais no Havaí e uma lista de espera de mais de 10.000 com a Autoridade de Habitação Pública. Dos 5.800 desabrigados contados na pesquisa mais recente em Oahu, 3.500 pessoas estão em abrigos e 2.200 estão sem abrigo (Hussey 1). As autoridades buscam constantemente a destruição de comunidades improvisadas de sem-teto.

O Acampamento 125 é um acampamento provisório de posseiros em Waianae. Centenas de famílias construíram seus aposentos com barracas na praia. Se o Acampamento 125 fosse empurrado para mais longe de Waikiki, cairia no oceano. As famílias amarram compridas lonas de plástico azul e preto nas árvores e as içam como telhados de suas casas. Quebram engradados ou tábuas de madeira para o chão. A polícia assedia continuamente a comunidade e ameaça expulsá-la da existência. No verão de 2010, dois moradores da praia, entre eles um veterano militar dos Estados Unidos, cansados ​​de serem empurrados e presos pela polícia, se enforcaram para protestar contra a destruição de seu acampamento.

No Acampamento 125, o creoule havaiano, ou pidgin, fluía naturalmente, ininteligível para os de fora. Pidgin, de acordo com o conhecimento local, era a palavra cantonesa ou pronúncia para negócios quando as ilhas havaianas funcionavam como um ponto de encontro e comércio para o comércio internacional. O creoule havaiano surgiu da luta de classes havaiana de 200 anos. O pidgin torna-se um reflexo de assimilação ou resistência cultural. Quanto mais fundo se penetra na colheita, na terra, no país, mais vivos se tornam a língua nativa havaiana e o pidgin. Também havia havaianos brancos que nasceram e foram criados trabalhando na terra em paz com as comunidades nativas. Eles também falavam pidgin, mostrando que classe e raça eram determinantes da posição social.

Centenas de famílias sobrevivem no fim de Oahu, onde as montanhas se encontram com o mar em Macaha. Os resistores não sabem quando serão expulsos permanentemente. A experiência deles com despejo é um microcosmo dos últimos 200 anos de história havaiana.

Metanfetamina, gangues e opressão

É apenas dentro dessa história de deslocamento econômico e cultural que se pode começar a compreender os problemas modernos que afetam Waianae, Wahiawa, Nanakuli e outras comunidades da classe trabalhadora em Oahu e Havaí. A ideologia da classe dominante afirma que os problemas sociais são culpa do indivíduo. Os liberais levantam este ou aquele político ou programa social como forma de resolver os males sociais. Mas essas pequenas concessões não começam a abordar as causas subjacentes da desigualdade social.

Um grupo de quatro jovens mães solteiras comentou sobre a epidemia: “Bem, não temos mais nada para fazer nesta ilha. Algumas cervejas, se drogando, estamos viajando.” Eles comentaram sobre como o estado prendeu muitos jovens pais pelos crimes típicos da pobreza; roubando carros, brigas e correria. Eles explicaram que qualquer crime que atinja mais de um ano é cometido no continente, a milhares de quilômetros de distância de sua família. Eles se referiram o programa da A&E, Dog the Bounty Hunter, explicando como suas famílias eram as únicas que estavam sendo caçadas por seus crimes menores. Para os privilegiados, a situação dos pobres é um grande entretenimento.

Era comum nos bairros da classe trabalhadora ver pôsteres de mulheres e homens coçando cicatrizes e crostas profundas. Os pôsteres eram advertências sobre os efeitos da metanfetamina. Eles estavam lado a lado com anúncios da Heineken que diziam “Mantenha o Havaí verde… Compre Heineken”. Nas comunidades pobres da cidade de Nova York, o Departamento de Saúde (DOH) usa imagens degradantes semelhantes para sua “campanha de prevenção” da hepatite C. Esses são exemplos clássicos de intervenções neoliberais de saúde pública observadas em todos os EUA que culpam a “vítima” enquanto não abordam a causa raiz das doenças, por exemplo, habitação, trabalho, trauma geracional, pós-colonialismo.

Muitos estudos mostram que o consumo de drogas é tão comum, senão maior, em comunidades ricas, mas havia pôsteres DOH nesses bairros. Os outdoors, programas de TV, anúncios de rádio e músicas que bombardeiam as crianças têm efeito prejudicial sobre sua autoestima.

Apenas alguns quilômetros a oeste de Waikiki estão os maiores projetos habitacionais do Pacífico. Quando alguém entra no Kuhio Park Terrace (KPT) ou Crawford Housing Development, é semelhante a um modelo de habitação urbana em qualquer centro da cidade. São 350 unidades em cada edifício com um total de cerca de 3.500 pessoas.

Os residentes aqui reclamaram de esgoto não acumulado em unidades individuais, falta de água quente, vazamento de canos e escadas sujas de lixo, molhadas com água da chuva e cheirando a urina. Havia apenas um elevador funcionando em cada edifício, gerando longas esperas para os 2.000 inquilinos. Muitas das famílias aqui são samoanas e o KPT é conhecido como o conjunto habitacional mais perigoso de Honolulu. Junior, Donald e Thomas descreveram como os projetos KPT estavam em uma rivalidade com as moradias de Crawford. Grupos de jovens se unem e lutam contra grupos de projetos e cidades vizinhas. Oprimidos pela perda de controle sobre seus arredores, os explorados ​​atacam com raiva de sua própria classe. Mikey lamentou a perda de vários de seus amigos devido a essa violência sem sentido entre os oprimidos. Em discussões sobre namoradas ou álcool, com muita frequência, a briga terminava na morte de entes queridos.

Não há nada de natural ou inevitável nesse sofrimento. Havaí é o Porto Rico do Pacífico; a perda da autodeterminação é a causa e o contexto dos males sociais que afetam as pessoas.

A igualdade das nações

Há um forte movimento pela soberania lutando por direitos econômicos, políticos e culturais dos havaianos nativos. No aniversário de 100 anos da queda da Rainha Lili’uokalani, o povo havaiano saiu às ruas exigindo 1,3 milhão de acres em terras e indenizações ao governo dos EUA. Os presidentes dos EUA emitiram desculpas oficiais dos EUA, mas nada mais. Como Porto Rico, Guam e outros territórios dos EUA, o Havaí ainda é uma colônia em todos os sentidos da palavra.

O maior apoio para a luta justa do povo havaiano pela autodeterminação é lutar para tomar o poder para os trabalhadores nos Estados Unidos. Um dos primeiros decretos de um governo socialista no ventre da besta seria a restauração das reparações e terras aos seus legítimos donos para que Havaí, Palestina, Porto Rico e tantas outras neocolônias pudessem pelo menos respirar e crescer livremente.

Embora a igualdade das nações possa parecer para alguns uma fantasia longínqua, é por ela que o PSL luta todos os dias. Nas palavras de Karl Marx, “Os filósofos apenas interpretaram o mundo de várias maneiras – a questão, entretanto, é mudá-lo”.

Viva o direito dos havaianos e de todas as nações oprimidas à autodeterminação!


Trabalhos citados:

Al-Jazeera. Inside the USA: The Other Hawaii. September 26th.

Hussey, Ikaika. “Following Beach Eviction, Waianae Man Commits Suicide.” The Hawaiian Independent. July 19th, 2010.

Kinzer, Stephen. Overthrow: America’s Century of Regime Change from Hawaii to Iraq. New York: Times Books. 2006

Silva, Noenoe. Aloha Betrayed: Native Hawaiian Resistance to Colonialism.

Sykes, Brian. The Seven Daughters of Eve. 2001

Zinn, Howard. A People’s History of the United States. New York: Harper Collins Publishers. 1980.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário