Desejo, consumismo e subjetivação

Por Naiara Pereira da Silva e Anna Isabel Araújo Vaz

Neste ensaio teórico, levantamos os caminhos que o desejo encontra no consumismo como uma forma de subjetivação. Considerando o sujeito inserido em um sistema capitalista que propicia a instauração da falta, e que está relacionada à experiência do desejo no qual em nossa constituição nos vemos sem o objeto primordial, o “objeto a” em Lacan. Continue lendo “Desejo, consumismo e subjetivação”

Anúncios

Democracia, Igualdade e Emancipação em um mundo de constante mudanças

Por Jacques Rancière, via Verso Books, traduzido por Rodrigo Gonsalves

Eu começarei a partir do nó entre dois dos conceitos que são propostos para a reflexão do nosso painel: igualdade e emancipação. Irei brevemente retomar os dois principais pontos que estão implícitos para mim na ideia de emancipação. Continue lendo “Democracia, Igualdade e Emancipação em um mundo de constante mudanças”

Porque Donald Trump está errado sobre a história americana e os liberais estão errados sobre o Ocidente

Por Slavoj Žižek, via Independent, traduzido por Daniel Alves Teixeira.

Após os trágicos acontecimentos nos EUA que se seguiram as propostas para remover as estátuas do general Robert E Lee, o comandante do Exército Confederado na Guerra Civil, Donald Trump afirmou que como George Washington também era um dono de escravos, os dois podiam ser equiparados. Continue lendo “Porque Donald Trump está errado sobre a história americana e os liberais estão errados sobre o Ocidente”

A interpretação de Trotski acerca do estalinismo

Por Perry Anderson, originalmente publicado em New Left Review , maio-junho de 1983. Traduzido por Morgana Romão e revisado por Marcio Lauria Monteiro.

A interpretação de Trotski acerca do significado histórico do estalinismo, até hoje a teoria mais coerente e desenvolvida sobre o fenômeno dentro da tradição marxista, foi construída ao longo de vinte anos de luta política prática contra isso. Seu pensamento, portanto, evoluiu através da tensão com os principais conflitos e eventos desses anos, e pode ser convenientemente periodizado em três fases essenciais. * Continue lendo “A interpretação de Trotski acerca do estalinismo”

O problema da revolução na Venezuela é que ela não foi longe o suficiente

Por Slavoj  Žižek, via Independent, traduzido por Rodrigo Gonsalves.

No início da década de 1970, em uma nota à CIA que os informava sobre como prejudicar o governo chileno democraticamente eleito de Salvador Allende, Henry Kissinger escreveu de maneira sucinta: “Faça a economia gritar”. Continue lendo “O problema da revolução na Venezuela é que ela não foi longe o suficiente”

Superar o mesmo, construir o novo – As produções marxistas e suas conclusões para superação das contradições do capital

Thamires Coutinho, graduanda em Relações Internacionais na UFRRJ

O esforço que se segue anseia alcançar, através da correlação da conjuntura de reestruturação capitalista da década de 70 e o desenvolvimento de teorias mais aprofundadas acerca das atribuições do Estado na lógica capitalista, a desvinculação de respostas estritamente conjunturais para orientação dos nossos esforços políticos de resistência às contradições do mundo atual.  Continue lendo “Superar o mesmo, construir o novo – As produções marxistas e suas conclusões para superação das contradições do capital”

György Lukács, o profeta da revolução

Por Douglas Rodrigues Barros[1] 

Não foram poucos os pensadores que viram na literatura uma interpretação de mundo e, além disso, a possibilidade de identificar na forma literária transformações que se efetivariam no terreno social. Lukács, entretanto, foi um dos primeiros, senão o primeiro, a observar com profundidade incomum os desdobramentos da forma literária como sinais de transformações, por vezes, dolorosas e radicais; é sob o signo das mudanças operadas no espírito e captadas pela forma literária que podem ser identificados todo um céu estrelado de motivos, paixões e ações que traduzem o que ocorre na vida social. A literatura é, assim, o passaporte, não apenas, para se conhecer o espírito de uma época, como também, identificar seu declínio. Continue lendo “György Lukács, o profeta da revolução”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑