Construindo o centralismo democrático: estágios do crescimento partidário e do desenvolvimento interno

Pelo Party for Socialism and Liberation, via Liberation News, traduzido por Matheus Miranda

Para os revolucionários, a questão organizacional é extremamente importante.

Desde o seu início, há 10 anos [N.E. texto de 31 de julho de 2014], a liderança e os membros do PSL concentraram esforços e tempo consideráveis ​​na criação de uma organização revolucionária baseada nos princípios organizacionais conhecidos como Centralismo Democrático.

Para os comunistas, a questão do tipo de organização que construímos não é uma questão secundária. A estrutura; o estilo de trabalho; o método escolhido para manter a unidade da democracia interna e ação centralizada; as orientações fornecidas pela Constituição e Programa do Partido – estas foram entendidas pelo PSL na sua fase de formação não apenas como questões organizacionais, mas em última análise como questões políticas vitais.

Sem um tratamento adequado da questão organizacional em sua fase de formação, o PSL nunca poderia realizar seus objetivos e metas revolucionárias. Só se pode plantar a árvore uma vez. Para crescer forte e reta, deve ser plantada de forma correta e cuidadosa.

Estágios organizacionais do PSL

O PSL se desenvolveu muito além do punhado de quadros que iniciou a organização. Ele cresceu numericamente e se desenvolveu consideravelmente na formação de quadros. Por sua vez, evoluiu em termos de organização.

Em uma resolução de 1921 sobre a organização, a Internacional Comunista, um agrupamento centralizado de todos os partidos revolucionários do mundo, determinou que: “Não pode haver uma forma de organização absolutamente correta e imutável para os partidos comunistas. As condições da luta de classes proletária estão sujeitas a mudanças em um processo incessante de transformação; a organização da vanguarda do proletariado também deve buscar constantemente formas adequadas que correspondam a essas mudanças ”.

Quando o PSL foi formado em 2004, ele não tinha nome, nenhuma estrutura, nenhum programa, nenhuma constituição, quase nenhum dinheiro, nenhum site, jornal, livro ou revista.

Naquela época, o PSL realizou uma Convenção de Fundação de duas partes, na qual estabeleceu as fundações básicas para o Partido – um nome, uma estrutura interna e organização, publicações iniciais e assim por diante. Seguiram-se Convenções Nacionais nos anos subsequentes, cada uma seguida pela eleição de um corpo de liderança nacional com um executivo para dirigir o trabalho diário do Partido entre essas Convenções.

Isso foi importante no estágio inicial do desenvolvimento do Partido. Permitiu que todos os militantes participassem das discussões sobre a organização, avaliassem o período recente e discutissem como seguir em frente. Todos trabalharam juntos e tomaram decisões juntos. Isso contribuiu para o desenvolvimento das lideranças entre os membros.

Após vários anos de Convenções Nacionais como órgão máximo do Partido, aberto a todos os membros, o PSL deu um passo importante no seu desenvolvimento como organização centralista democrática e passou a realizar Congressos de Delegados. Os delegados são eleitos para o Congresso proporcionalmente, nos ramos locais do PSL. Os delegados do Congresso decidem democraticamente, após exaustivas discussões pré-congresso em todo o país, sobre as mudanças no Programa e na Constituição do Partido, bem como adotam novas políticas para o próximo período.

Os delegados também elegem um Comitê Central que funcionará como a liderança nacional até a reunião do próximo Congresso. De acordo com a Constituição do PSL, um Congresso deve ser realizado a cada dois a três anos. Os Congressos de Delegados são capazes de combinar eleições e a expressão ampla da democracia interna com a formação de uma liderança mais desenvolvida e responsável.

O Primeiro Congresso do Partido em 2010 se concentrou na adoção da Constituição do Partido e seu Programa, o culminar de um ano intenso de redação e discussão dentro dos órgãos de liderança e entre todos os ramos.

O Segundo Congresso do Partido, em 2013, foi construído sobre as bases lançadas no Primeiro Congresso. Foi uma oportunidade de enfocar o tema da orientação estratégica do Partido – o estabelecimento de prioridades organizacionais e a seleção de táticas para melhor atingir os objetivos traçados pela orientação estratégica.

Desde então, o PSL tomou essas decisões em uma discussão nacional envolvendo todos os membros em cada cidade, em nível local e regional, em uma Conferência Nacional do Partido e em Conferências Regionais do Partido, que ainda estão em andamento.

Esse processo de discussão, desenvolvimento e implementação de uma orientação estratégica já dura mais de um ano e envolve todos os membros do Partido. É um reflexo das estruturas democráticas centralistas que o PSL desenvolveu na última década e resultou em novos projetos e iniciativas estimulantes que estão sendo lançados pelo PSL em nosso aniversário de 10 anos e nos meses que sucedem.

Um partido revolucionário não busca substituir o povo – é o instrumento que o povo usa para fazer a revolução. Nós, do PSL, acreditamos que é tarefa primária de todos os revolucionários desenvolver e fortalecer esta ferramenta central na luta pelo socialismo.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário