A Luta pela Frente Única na Alemanha, 1920-23

Por August Thalheimer, no ano de 1932, publicado em Revolutionary History (História Revolucionária), vol. 5 No. 2, primavera de 1994, pp. 74–91., via marxists.org, traduzido por Catarina Duleba

O artigo abaixo foi extraído de “Wie schafft die Arbeiterklasse die Einheitsfront gegen den Faschismus?” (Como a classe trabalhadora cria a Frente Única contra o Fascismo?) de August Thalheimer, que foi originalmente publicado por Juniusverlag de Berlim em 1932. Os trechos aqui foram traduzidos originalmente para o inglês por Mike Jones das páginas 23-32 de uma reimpressão publicada pelo Gruppe Arbeiterpolitik, um dos dois pequenos grupos na Alemanha que reivindicam a tradição Brandler.


August Thalheimer nasceu em 18 de março de 1884 em uma família judia em Affaltrach, Württemberg. Por intermédio do pai, ele e sua irmã Bertha estabeleceram, desde cedo, contatos com Clara Zetkin e a ala esquerda do Partido Social-democrata, embora ele só tenha entrado para o partido em 1910. Entrou na corrente antiguerra liderada por Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, contribuiu para a primeira edição de seu jornal, Die Internationale, e participou da primeira conferência nacional do Spartakusbund em 1916. Ele era membro do Conselho de Trabalhadores e Soldados de Stuttgart e participou da conferência de fundação do Partido Comunista Alemão (KPD).

Thalheimer se tornou o principal teórico do KPD após o assassinato de Luxemburgo, e foi o editor-chefe tanto do jornal diário do partido, Die Rote Fahne, quanto de seu jornal teórico Die Internationale. Ele escreveu muitos dos documentos-chave do KPD, e seus escritos sobre a tática da frente única e o governo dos trabalhadores formaram a base para as posições adotadas sobre esses assuntos no Quarto Congresso da Internacional Comunista. Ele era geralmente um forte defensor do uso da frente única e das demandas de transição, embora durante o início de 1921 ele tenha se voltado para o ultra-esquerdismo, promovendo uma teoria da ‘ofensiva revolucionária’, que foi usada para justificar o desastre da ‘Ação de Março ‘em 1921.

Thalheimer e o presidente do KPD, Heinrich Brandler, foram usados como bodes expiatórios para o fracasso do KPD na derrocada de outubro de 1923. Eles foram destituídos da liderança do partido e permaneceram na União Soviética durante 1924-28. Thalheimer lecionou filosofia na Universidade Sun Yat-sen. Ele desenvolveu uma análise do fascismo, participou da Comissão de Programa da Internacional Comunista e escreveu uma crítica ao esboço do programa de 1928, que foi suprimido e publicado apenas em 1993.

Quando a Internacional Comunista mergulhou no ultra-esquerdismo selvagem em 1928, o grupo chamado “direitista” do KPD em torno de Thalheimer e Brandler se viu em uma posição cada vez mais precária. Os “direitistas” alemães, que se constituíram em uma tendência organizada, o Partido Comunista da Alemanha (Oposição) (KPO), foram expulsos do KPD. O KPO tinha publicações regulares semanais e bimestrais e, entre janeiro de 1930 e agosto de 1932, publicou um jornal diário, Arbeiterpolitik. Thalheimer escreveu extensivamente para a imprensa do KPO. Ele se mudou para Paris após a vitória de Hitler em 1933 e foi internado quando a Segunda Guerra Mundial estourou. Ele se estabeleceu, junto com Brandler, em Cuba, e eles pretendiam reconstruir sua corrente política após a guerra, mas Thalheimer morreu em Cuba em 19 de setembro de 1948. Brandler chegou à Alemanha Ocidental em 1949.

Membros da corrente de Brandler eram ativos nas zonas soviética e ocidental da Alemanha e enfrentaram repressão sob ambas as autoridades de ocupação. Os stalinistas realizaram um julgamento-espetáculo em Erfurt em 1948, com os réus sendo condenados à morte, mas comutados para 25 anos. Um dos réus, Walter Seeland, descreveu o julgamento como “um show de Punch and Judy”, já que foi realizado em russo, que nenhum deles falava. Entendemos que existe uma tese de doutorado não publicada na Alemanha sobre o assunto para o período de 1946-1952. Há relatos não confirmados das atividades dos brandleristas no levante de Berlim de 1953. Ficaremos gratos por receber qualquer informação sobre isso.

Muito poucos dos escritos de Thalheimer estão atualmente disponíveis em inglês. Um relatório que fez de uma visita à Espanha durante a Guerra Civil, Notes on a Stay in Catalonia (Notas sobre uma estadia na Catalunha), está em Revolutionary History (História da Revolução), Volume 4, nos. 1/2, pp. 268–83. Três artigos, On Fascism (1928), So-Called Social Fascism (1929) e The Development of Fascism in Germany (1930), aparecem em D. Beetham (ed.), Marxistas em face do Fascismo (Manchester 1983), pp. 187–204. Um panfleto de 1931, 1923: A Oportunidade Perdida: A Lenda Alemã de Outubro e a História Real de 1923, foi publicado pela Marken Press (£ 2,00 da Marken Press, PO Box 707, Worthing, West Sussex BN11 5ZP). A Oposição de Direita: Os Lovestoneistas e a Oposição Comunista Internacional dos anos 1930 (Westport 1981), de Robert Alexander, contém um relato do KPO, mas não é totalmente confiável. Existe uma literatura muito mais extensa em alemão e os leitores interessados ​​devem consultar  Struktur und Funktion der KPD-Opposition (KPO) (Meisenheim-Glan 1964) de K.H. Tjaden,  Gegen den Strom: Die Geschichte der Kommunistischen Partei Opposition (VSA, Hamburgo 1987) de Theodor Bergmann, Der Widerstand der KPD-O im Faschismus (Podium Progressiv, Mainz 1992) de Jens Becker, que trata do trabalho de resistência do KPO e dos vários novos livros listados na seção Work in Progress nas páginas 137–8 deste jornal.


O Partido Comunista deve organizar a frente única mudando aberta, rápida e completamente sua direção ultra-esquerdista.

A Carta Aberta de janeiro de 1921

O Partido Comunista tem experiências longas e ricas da tática da frente única. Mas as experiências, as mais importantes das quais remontam aos anos 1920-23, estiveram praticamente enterradas entre os dois períodos de política ultra-esquerdista, a de 1924-26 sob Arkadi Maslow e Ruth Fischer [1], e a que começou em 1928, e só hoje está sendo hesitante e parcialmente abandonadas. A geração mais jovem de membros do partido não aprendeu nada sobre isso, enquanto os mais velhos as esqueceram em grande parte.

Portanto, é útil para refrescar a memória. O abandono desses métodos impediu que o partido e a classe operária lutassem com eficácia. Apesar dos erros cometidos no passado, esses métodos devem ser retomados. A afirmação de que as condições para o seu uso já desapareceram não é sustentada pelos fatos, mas é um fantástico mal-entendido da situação e dos ingredientes da luta de classes durante os últimos quatro anos. As palavras “frente única” foram usadas ao longo deste tempo. Mas a aspiração foi abandonada. No entanto, dependemos disso.

A primeira ação de frente única de longo alcance do partido começou em janeiro de 1921, em um momento de aumento do custo de vida e crescente miséria da classe trabalhadora. Isso ocorreu depois da fusão do KPD (Spartakusbund) com a ala esquerda do USPD, ocorrida no outono de 1920. Por um tempo, o partido foi chamado de Vereinigte Kommunistische Partei Deutschlands (VKPD – Partido Comunista Unido da Alemanha). Antes disso, em dezembro de 1920, uma ampla campanha foi realizada nas fábricas, assembleias sindicais e reuniões de massa para obter resoluções adotadas para as “Quatro Demandas” dos metalúrgicos de Stuttgart.

Em 8 de janeiro de 1921, o VKPD abordou o ADGB (Allgemeiner Deutsche Gewerkschaftsbund, Federação Geral dos Sindicatos Alemães), o SPD (Sozialdemokratische Partei Deutschlands, Partido Social-Democrata da Alemanha) e o USPD (Unabhängige Sozialdemokratische Partei Deutschlands, Partido Social-Democrata Independente da Alemanha) com uma Carta Aberta, na qual estavam as seguintes demandas:

  1. Iniciar lutas salariais unidas, exigir aumentos de pensões para inválidos de guerra e pensionistas da segurança social e subsídio de desemprego uniforme em todo o país.
  2. Medidas para reduzir os preços dos alimentos.
  3. Medidas para garantir o abastecimento de alimentos.
  4. O desarmamento e a dissolução imediatos das organizações de autodefesa burguesas. A criação de organizações proletárias de defesa. Uma anistia para todos os crimes políticos. Relações diplomáticas e comerciais com a Rússia Soviética.

O ADGB, o SPD e o USPD se opuseram a essa luta conjunta com o VKPD. Assim, em 16 de janeiro de 1921, o partido convocou todo o proletariado e todos os membros dessas organizações, contra a vontade de seus dirigentes, a construir uma frente de defesa única. Para fazer uma campanha por essas demandas o partido propôs:

Em cada fábrica, uma reunião em massa de toda a força de trabalho deve ser convocada, tanto para estabelecer a natureza das demandas dos trabalhadores, quanto para forçar o conselho da fábrica a lutar por elas. Devem ser convocadas reuniões sindicais e reuniões públicas para o esclarecimento geral de nossas demandas.

Nas primeiras duas semanas após o lançamento da convocatória, foram relatados encontros em toda a Alemanha que se manifestaram a favor das reivindicações da Carta Aberta e da Frente Única proletária. A campanha teve um sucesso especial em Berlim, Leipzig, Stuttgart, Turíngia e Ruhr. Um grande número de assembleias menores, incluindo 13 assembleias de força de trabalho em grandes fábricas e 16 assembleias em centros de pagamento e recebimento de sindicatos [2], especialmente de metalúrgicos, apoiaram a Carta Aberta. Em Berlim, uma reunião de 6.000 membros do sindicato nas ferrovias apoiou a Carta Aberta. Em 2 de janeiro, na conferência distrital de Berlim de funcionários do ADGB, uma proposta nas linhas da Carta Aberta recebeu 327 votos, com 553 contra.

O efeito da campanha entre os sindicalistas foi tão forte que a burocracia sindical tomou medidas defensivas. As burocracias dos sindicatos que representavam os ferroviários, os operários da construção e os metalúrgicos expulsaram os dirigentes sindicais comunistas e se recusaram a reconhecer os sindicatos locais administrados pelos comunistas (como os operários da construção em Chemnitz e os ferroviários em Berlim e Essen). Em uma carta em 7 de fevereiro, o Executivo da ADGB ameaçou expulsar qualquer um que apoiasse a Carta Aberta porque ela “infringia a neutralidade estatutária dos sindicatos”. O VKPD respondeu conclamando os sindicalistas a intensificar a campanha pela frente única. Opôs-se fortemente aos esforços divisionistas da burocracia sindical e mobilizou os membros dos sindicatos para lutar contra os divisores reformistas e para manter a unidade dos sindicatos.

Na segunda quinzena de fevereiro, os patrões lutaram contra os mineiros de potássio da Alemanha Central com o fechamento de fábricas e outras medidas. Uma conferência nacional de mineiros de potássio, chamada a considerar medidas defensivas, decidiu que “a Carta Aberta do VKPD é uma base adequada sobre a qual a luta dos mineiros deve ser empreendida”.

Diante da crescente simpatia criada entre os sindicalistas pela campanha pela Carta Aberta do VKPD, as várias medidas repressivas da burocracia sindical não tiveram sucesso.

As ‘Dez Exigências’ do ADGB

Então, a fim de evitar a ampliação contínua da ofensiva do VKPD, o Executivo do ADGB decidiu sobre uma estratégia. Ele apresentou suas próprias dez demandas para aliviar o sofrimento dos desempregados – não, é claro, para que os sindicatos lutassem por elas, mas para sabotar essa luta.

O VKPD imediatamente evitou essa manobra declarando que, depois de ter criticado a inadequação dessas demandas, lutaria, no entanto, por essas mesmas demandas. Continuou a campanha da frente única, conclamando a classe trabalhadora a se unir à luta por essas reivindicações, e não a deixá-la para os dirigentes sindicais.

Até o início de março, as seguintes organizações haviam apoiado as demandas da Carta Aberta: 32 importantes centros de pagamentos e recebimentos sindicais e sindicatos locais, 24 reuniões de massa da força de trabalho em grandes fábricas e 18 reuniões de massa que haviam sido convocadas em parte pelo próprio VKPD e em parte pelos conselhos comerciais locais.

Sobre a questão dos pagamentos das indenizações, o conflito com a França e a ameaça aos trabalhadores do Ruhr, o partido iniciou uma campanha por uma aliança com a Rússia Soviética. Em 11 de março, uma reunião de massa ocorreu em Berlim, na qual membros do USPD e trabalhadores de uma série de grandes fábricas participaram (AEG, Osram, Knorrbremse).

 A campanha pela Carta Aberta foi interrompida pela chamada Ação de Março, quando o partido caiu a uma provocação friamente preparada por Severing [3], e levantou a questão do poder, sem ter conquistado a massa necessária e quando a maioria da classe trabalhadora não estava pronta para apoiar tal luta.

Pré-condições, características e resultados da Ação da Frente Única

Quais foram as características e pré-condições desta primeira ação de frente única iniciada por todo o partido? As pré-condições eram, por um lado, o refluxo da onda revolucionária, que retirou a luta imediata pelo poder do topo da agenda, e, por outro lado, o desemprego crescente e a pobreza crescente da classe trabalhadora. A divisão no USPD em Halle em 1920 aumentou a pressão da classe trabalhadora pela unidade em ação como um contrapeso às suas divisões organizacionais. Com a adesão da esquerda do USPD, o Partido Comunista havia se fortalecido numericamente, mas, apesar disso, apenas uma minoria da classe trabalhadora seguia sua liderança na época. Essas pré-condições levaram à criação da tática da frente única, cuja primeira aparição foi a Carta Aberta de 8 de janeiro e a campanha a ela associada.

As características desta primeira campanha da frente única foram, antes de tudo, uma aproximação com as lideranças do ADGB, do SPD e do USPD para uma luta conjunta em um programa de demandas imediatas. Depois que essas lideranças se recusaram a aderir à campanha, houve um retorno aos sindicalistas, às organizações sindicais locais, às fábricas e à classe trabalhadora em geral. A contramanobra da burocracia sindical, que apresentava suas próprias 10 demandas, foi impedida pelo partido que apelava às massas sindicais e às fábricas para organizar uma luta real por essas demandas.

Quais foram os resultados da campanha de três meses? Foi muito significativo para o partido e para o movimento operário, pois, embora nestes três meses ainda não tivesse conseguido passar da propaganda e agitação para as amplas ações de massa, conquistou novos territórios para o comunismo nos sindicatos e nas fábricas, ao ganhar grande simpatia de seus membros para o Partido Comunista, rechaçou a autoridade e a influência da burocracia sindical reformista e frustrou tanto seus planos de divisão quanto sua repressão aos comunistas.

A Ação de Março e sua Retificação

O partido começou a corrigir o deslize rumo ao ultra-esquerdismo da Ação de Março muito rapidamente, e voltou à tática da Carta Aberta, ou seja, à frente única.

Já em 29 de abril, o departamento sindical nacional do KPD emitiu um apelo aos sindicalistas se opondo ao ataque da burguesia à jornada de oito horas, aos cortes salariais e ao uso de poderes emergenciais, e apoiando as 10 demandas do ADGB.

A crise de reparação tornou-se mais aguda e a luta na Alta Silésia aumentou em tamanho e intensidade, enquanto o desemprego aumentou. Então, em seu apelo de 22 de maio, o partido voltou a aceitar as demandas da Carta Aberta, convocou uma frente única proletária contra a atividade nacionalista na Alta Silésia e se opôs ao uso dos tribunais contra os trabalhadores revolucionários. O partido organizou reuniões de massa em todo o país, nas quais convocou uma luta. Reuniões conjuntas das organizações de trabalhadores aconteceram em Stuttgart e Danzig. O sindicato dos ferroviários de Berlim convocou uma sessão conjunta dos partidos e das lideranças sindicais para impedir o transporte de armas.

Em 10 de junho, em Munique, o deputado independente Gareis foi assassinado por contrarrevolucionários. Em Munique, os trabalhadores imediatamente fizeram uma greve geral de dois dias. O KPD apelou a toda a classe operária para lutar contra o governo Kahr [4], pela autodefesa proletária, contra o estado de sítio e pela libertação dos presos políticos. Em Berlim, ocorreram manifestações conjuntas do KPD e do USPD. O SPD realizou reuniões separadas. Nas províncias, reuniões conjuntas ocorreram com base no apelo do KPD em Halle, Königsberg e Ludwigshafen, enquanto em Speier, a campanha pelas demandas do apelo do KPD levou a uma greve geral de 24 horas. A campanha pelas 10 demandas do ADGB continuou. Em Berlim, no dia 20 de junho, ocorreu uma manifestação de desempregados pelas 10 reivindicações em frente ao prédio do sindicato. O partido apoiou esta ação por um recurso.

Em 19 de junho, uma conferência do conselho de fábrica do noroeste da Alemanha se reuniu em Bremen, que pretendia ser a primeira iniciativa para uma ação unida. Mas foi decidido aqui que isso não deveria ser limitado apenas às 10 demandas do ADGB, mas que exigiria uma ação unida com um programa de luta mais avançado.

O Terceiro Congresso da Internacional Comunista

O Terceiro Congresso Mundial da Internacional Comunista se reuniu em Moscou em 22 de junho e continuou até 12 de julho. Sob a liderança de Lênin, o congresso corrigiu de forma rápida, aberta e abrangente a tática ultra-esquerdista na qual a Ação de Março foi baseada. O congresso declarou explicitamente que a tática da Carta Aberta e da frente única era exemplar, e deveria ser aplicada em toda a Internacional. Durante este período, quando a classe trabalhadora não estava mais, ou ainda não enfrentava a luta imediata pelo poder, os partidos comunistas foram incumbidos de conquistar a maioria dos trabalhadores para os princípios e objetivos do comunismo, e de ganhar a simpatia das massas trabalhadoras através da luta e em torno da organização de demandas parciais e slogans revolucionários de transição (por exemplo, controle da produção pelos trabalhadores) com base na tática da frente única, a fim de se preparar sólida e adequadamente para a luta pelo poder. O líder anterior do partido, Paul Levi, que, em um panfleto, havia atacado duramente o partido durante a Ação de Março, sem antes ter tentado fazer sua crítica dentro do partido, foi expulso por ter quebrado a disciplina, embora uma forma para ele voltar ao partido foi mantida aberta. Na medida em que sua crítica foi justificada, foi explicitamente reconhecida. Um acordo de paz foi acordado entre os representantes de seu ponto de vista e a maioria do partido, e também para uma seção daqueles que se juntaram temporariamente a Paul Levi. Isso deveria ter criado a base para uma colaboração disciplinada na liderança. Esta correção pela Internacional Comunista dos erros ultra-esquerdistas da Ação de Março, que foi empreendida compreensiva e abertamente perante toda a classe trabalhadora, e imediatamente introduzida pelo partido, permitiu-lhe, depois de um curto período, reparar os reveses causados pela Ação de Março, para recuperar a confiança perdida, para unir o partido e para preparar a base para novos avanços através da tática da frente única.

Portanto, o Terceiro Congresso Mundial da Internacional Comunista pode servir de modelo de como, em meio a ataques hostis, erros táticos são corrigidos de forma rápida, aberta e completa, e questões espúrias de prestígio são ignoradas.

A Continuação da Campanha da Frente Única

A continuação da campanha da frente única pelo partido aumentou a pressão das massas sobre o funcionalismo sindical reformista. Sob pressão crescente, o Executivo do ADGB foi forçado a declarar, em uma declaração em 8 de agosto, que estaria pronto para se envolver, não apenas com métodos parlamentares, mas também com lutas sindicais, pelas 10 demandas. O KPD intensificou a campanha para a construção imediata da frente única dos trabalhadores e para o lançamento imediato de uma luta pelas 10 demandas do ADGB. Organizacionalmente, deu ênfase principal à convocação de reuniões em massa de conselheiros de fábrica em cada localidade. [5] É claro que o partido não teria sido capaz de empreender esta campanha sem um forte apoio dos sindicatos. Mas a própria campanha estendeu a influência e o apoio organizacional do partido através dos postos sindicais e conselhos de fábrica que foram conquistados, que foram alavancas decisivas na campanha do partido.

Em conexão com esta campanha, o partido organizou a convocação de uma conferência de delegados de fábrica. Em Berlim, uma reunião em massa de conselheiros de fábrica, da qual participaram 1.000, foi favorável a um congresso nacional de conselheiros de fábrica. O mesmo aconteceu com as reuniões completas de conselheiros de fábrica em Leipzig, Erfurt, Hamburgo, no Ruhr, a conferência de conselheiros de fábrica da Turíngia, o conselho sindical da província de Brandemburgo e várias reuniões públicas e de fábrica. O funcionalismo sindical se opôs à convocação de uma conferência nacional de conselheiros de fábrica. O partido intensificou seu trabalho de mobilização.

O Assassinato de Erzberger

O movimento de massa ganhou um novo impulso por causa do assassinato de Erzberger. [6] O partido exortou os trabalhadores a desarmar as unidades paramilitares reacionárias, a remover os monarquistas do aparato estatal, do Reichswehr, da polícia municipal e do judiciário, e assim abolir o estado de emergência. Em Kiel, Leipzig, Hamburgo e seis outras cidades industriais importantes, manifestações conjuntas de todas as organizações de trabalhadores ocorreram, embora em Berlim o ADGB e o SPD se opusessem a manifestações conjuntas. Em alguns casos (Berlim, Jena, Hamburgo), foi feita uma tentativa de continuar a levar a luta para além das fábricas e de vincular as necessidades econômicas dos trabalhadores à luta geral contra a reação. O partido deu forma concreta à luta contra a reação em seu apelo pela criação de comitês de controle dos trabalhadores. Tanto o USPD quanto o SPD se opuseram a esse slogan.

O ônus das reparações e a decisão da Liga das Nações na Alta Silésia levaram a uma crise governamental. [7] O KPD apelou aos trabalhadores para que usassem todos os meios, parlamentares e extraparlamentares, para evitar um governo Stinnes [8] e para lutarem juntos pelo confisco de todos os bens reais não afetados pela inflação, pela defesa da jornada de oito horas por dia, para o desarmamento da contrarrevolução e para a remoção dos elementos monarquistas da administração. Ele declarou: “Enquanto o SPD e o USPD tiverem a coragem de cumprir essas demandas, o KPD não ficará em seu caminho.”

 O SPD decidiu formar uma grande coalizão e juntou-se ao governo Wirth. [9] O partido intensificou sua ação entre os trabalhadores reformistas com grande sucesso. O ADGB e o AFA [10] aceitaram o pedido de “confisco de bens tangíveis”. O KPD lutou para conseguir isso.

Uma nova forma de frente única foi o apoio ao governo social-democrata na Turíngia. O KPD comprometeu-se a apoiar este governo democrático, desde que cumprisse um programa mínimo acordado.

De agora em diante, devemos nos restringir a apenas um breve resumo das características das campanhas mais importantes da frente única durante 1922 e 1923:

1922

  1. Em 1 de janeiro de 1922 houve um apelo do Comitê Executivo da Internacional Comunista e da Internacional Vermelha dos Sindicatos aos trabalhadores de todos os países, ‘Pela Frente Única do Proletariado’, sob os seguintes slogans principais: ‘Luta para Controle da Produção, ‘Tire as mãos da Rússia Soviética’ e ‘Pão e Máquinas para os Trabalhadores Russos’.
  2. Em 11 de janeiro de 1922, houve uma reunião geral dos delegados do conselho de fábrica de Berlim. Apesar da resistência da burocracia, o ‘Comitê dos Seis’, que foi eleito em novembro de 1921 por 2.000 delegados do conselho de fábrica de Berlim para forçar a anistia dos prisioneiros proletários, foi autorizado. Uma resolução proposta pelo ‘Comitê dos Seis’ para o confisco de bens tangíveis; para a dissolução do Reichstag; e para novas eleições, uma vez que os partidos socialistas se separaram da coalizão com um voto de desconfiança sob o slogan de ‘fazer os proprietários pagarem’; para quebrar as negociações de subsídios com a grande indústria; para a rejeição de qualquer coalizão com Stinnes; e para os controles de preços estabelecidos pelos conselhos de fábrica; foi adotada por unanimidade. A admissão do comitê e a adoção da resolução foram pesadas derrotas para a burocracia e uma vitória para a frente única.
  3. Em fevereiro, uma greve geral dos ferroviários contra as brutais medidas repressivas dos sociais-democratas no governo de coalizão, apoiada apenas pelo KPD, foi empreendida contra o funcionalismo da ADGB, do SPD e do USPD. Em seu ponto alto, a greve atingiu 800.000 participantes. O peso da greve obrigou o governo a negociar com a ADGB, o sindicato dos ferroviários e os representantes dos grevistas. A greve trouxe pela primeira vez os ferroviários ao mais acirrado conflito de classes, não só contra o governo burguês, mas também contra a burocracia sindical. [11]
  4. Em abril, a conferência dos Executivos da Terceira e da Segunda Internacional e da “Duas e Meia” Internacional de Viena foi realizada em Berlim. O objetivo era uma manifestação internacional de massa combinada durante a conferência em Gênova [12] em 20 de abril ou em 1 de maio, sob os slogans: Pela jornada de oito horas, pela luta contra o desemprego (que havia aumentado dramaticamente por causa da política de reparações das potências capitalistas), pela ação unida do proletariado contra a ofensiva capitalista, pela Revolução Russa, pela Rússia faminta, pelas relações políticas e econômicas de todos os estados com a Rússia Soviética e pela criação da frente única em todos os países e entre as Internacionais. Um Comitê de Nove foi nomeado entre as três Internacionais, a fim de convocar uma conferência dos trabalhadores do mundo.

Em 20 de abril, apesar da sabotagem do SPD, 150.000 trabalhadores marcharam e, além disso, muitas empresas foram representadas por toda a força de trabalho em bloco. Foi a mais forte manifestação de massa de trabalhadores em Berlim desde o assassinato de Erzberger. Em Düsseldorf, 40.000 manifestaram-se, em Leipzig 40.000, em Stuttgart (apesar da oposição do SPD e do USPD) 15.000, em Chemnitz 15.000 e 20.000 em Halle. Em 1 de maio, sob o impacto da conferência internacional, ocorreram manifestações conjuntas em toda a Alemanha de todas as organizações e partidos de trabalhadores. Cerca de 600.000 trabalhadores manifestaram-se apenas em Berlim. Para reduzir a pressão sobre ela, a Segunda Internacional deixou o Comitê dos Nove em 23 de maio.

  1. Houve também a campanha de Rathenau. Rathenau foi assassinado em 24 de junho. [13] No mesmo dia, o partido organizou reuniões em massa em Berlim. No dia seguinte, realizaram-se manifestações massivas conjuntas do SPD, do USPD e do KPD. Em um apelo especial, os seguintes slogans foram emitidos pela Liderança do Distrito de Berlim: Remoção de todos os monarquistas do exército, polícia e administração; proibição e dissolução de todas as organizações nacionalistas; o Acordo de Bielefeld [14] a ser implementado; a prisão imediata dos líderes do Orgesch [15]; e a criação de órgãos de controle para a implementação dessas demandas. As demandas por uma greve geral e a convocação de uma assembleia plena de conselheiros de fábrica foram levantadas nas reuniões. Durante a sessão de encerramento do congresso sindical de Leipzig [16], Walcher [17], representando o KPD, apresentou uma declaração apelando ao Executivo Nacional para tomar imediatamente todas as medidas necessárias para implementar o Acordo de Bielefeld. Em 26 de junho, o comitê sindical de Berlim da AFA convocou as organizações distritais do SPD, do USPD e do KPD para uma greve de protesto limitada contra o assassinato de Rathenau. Numerosas delegações de fábricas exigiram a dissolução imediata do Reichswehr, a prisão de Hindenburg e Ludendorff e a implementação imediata do Acordo de Bielefeld. Em Hamburgo, uma poderosa demonstração do SPD, do USPD e do KPD exigiu a renúncia imediata dos ministros social-democratas do governo de coalizão, a formação de um governo operário e o armamento dos trabalhadores. Simultaneamente, houve manifestações poderosas em toda a Alemanha. A ADGB, a AFA, o SPD e o USPD recusaram-se a aceitar demandas para salvaguardar a jornada de oito horas, para a organização de autodefesa dos trabalhadores e os comitês de controle dos trabalhadores, que era a plataforma conjunta promovida pelas organizações. Eles temiam a ação independente dos trabalhadores sem, e contra, os órgãos do Estado. As massas pressionaram por ações. Sob essa pressão, o ADGB e o SPD decidiram repetir a convocação para uma greve de protesto de meio dia em 24 de julho. O KPD afirmou que as manifestações já não eram suficientes e que era necessário agir. Na Saxônia, o partido já havia começado a organizar centenas de proletários. O KPD exortou os trabalhadores a copiar o exemplo saxão, a tomar em suas próprias mãos a remoção dos funcionários contrarrevolucionários e a assumir a luta. Em toda a Alemanha central, todas as organizações de trabalhadores, incluindo os sindicatos e o SPD, criaram comitês de controle e começaram a expurgar a própria administração. Enquanto os trabalhadores, sindicalistas e os trabalhadores do SPD e do USPD em suas organizações locais e distritais se uniam às demandas do KPD, a administração central do ADGB, o SPD e o USPD romperam abertamente com a frente única e interromperam as negociações com o KPD. A razão foi que o KPD insistiu em um apelo às massas por parte dos sindicatos explicando como as reivindicações deveriam ser implementadas, e insistiu insistentemente pela dissolução do Reichstag. Mas enquanto os órgãos centrais do ADGB, o SPD e o USPD romperam da frente única para a direita, para resgatar a coalizão com os partidos burgueses (o Comitê Nacional do USPD já havia dito que estava pronto para se juntar a uma coalizão burguesa), as massas social-democratas inclinaram-se para a esquerda. Numerosos ramos locais do SPD, e ainda mais do USPD, passaram em bloco para o KPD. Para evitar a fuga da massa de membros, em 14 de julho as frações do Reichstag do SPD e do USPD tomaram a decisão de estabelecer uma ‘Arbeitsgemeinschaft’ [18] no Reichstag.

Esses eventos podem ser resumidos assim: A agitação das massas e a iniciativa do KPD forçaram a princípio o ADGB, a AFA, o SPD e o USPD a participarem de ações e manifestações conjuntas. Mas eles tentaram manter o movimento dentro de uma estrutura que mantinha os órgãos do estado e a grande coalizão meramente realizando manifestações. O KPD pressionou por uma ação independente da classe trabalhadora. Grandes setores dos trabalhadores, organizações partidárias locais, conselhos comerciais, etc., nos acompanharam. Então os corpos centrais se separaram. Mas as massas moveram-se em direção ao KPD, agiram junto com ele e frequentemente o seguiram. A autoridade e a esfera de ação do partido foram grandemente aumentadas por meio dessas ações, e um avanço significativo foi feito na frente reformista. Os únicos erros do partido na ação que vale a pena descrever foram que ele não emitiu imediatamente do centro o slogan para comitês de controle, e apenas contrapôs o slogan vago e pouco claro de um ‘governo dos trabalhadores’ à grande coalizão em vez de forçar para fora do governo os Sociais-democratas e independentes e construir conselhos nós mesmos.

  1. Houve um congresso nacional de conselheiros operários. A inflação cresceu e o custo de vida aumentou. Os movimentos fascistas espalharam-se da Baviera. Em 7 de agosto, os conselheiros de fábrica de Berlim se reuniram para decidir o que fazer com o aumento do custo de vida e a situação na Baviera. A assembleia se uniu com base em uma resolução comunista exigindo que a ADGB usasse todos os meios para alcançar o Acordo de Berlim feito na época do assassinato de Rathenau. Ziska e Kruger do SPD, usando desculpas podres, recusaram-se a permanecer na assembleia e, com um setor de seu grupo, deixaram o prédio. Em seguida, 15 camaradas, membros Executivos, membros do Conselho Central e membros do grupo do Centro de Conselheiros de Fábrica, constituíram-se como o Comitê dos Quinze, e convocaram independentemente a assembleia plena de delegados do conselho para 27 de agosto, contra a vontade do Conselho Central, que pediu a sabotagem do Comitê dos Quinze. Em 31 de agosto, toda a assembleia de delegados do conselho se reuniu, emitiu uma Carta Aberta aos trabalhadores alemães e elegeu um comitê de controle para preparar uma conferência nacional dos delegados do conselho. A assembleia confirmou explicitamente o Comitê dos Quinze como seu órgão eleito. Em 2 de setembro, o comitê de controle dirigiu uma série de demandas ao Ministro do Interior: confisco de alimentos, instalação de um comitê composto por delegados do conselho ferroviário para controlar os trens, confisco imediato de todas as residências de luxo, fechamento imediato de todos os restaurantes de luxo e controle sobre todas as empresas produtoras de alimentos. O Comitê dos Quinze avisou que os trabalhadores tomariam as coisas em suas próprias mãos caso isso não acontecesse. Este programa teve um grande eco no país. As assembleias e conferências dos delegados do conselho em Leipzig, na Renânia-Vestfália (Gelsenkirchen), em Solingen, Remscheid, Bitterfeld, Halle, etc., seguiram este exemplo.

O ADGB agora passou para o contra-ataque. Anunciou que o Congresso Nacional dos Conselheiros de Fábrica deveria ser impedido de qualquer forma – quem participasse do congresso não teria mais lugar nos sindicatos. Mas na assembleia geral dos conselheiros de fábrica de Berlim em 15 de setembro, convocada pelo Centro de Conselheiros de Fábrica oficial e pelo próprio ADGB, essas autoridades sofreram uma pesada derrota. Uma moção brusca de desconfiança no Comitê dos Quinze foi apresentada, mas foi rejeitada. Uma moção favorável ao Comitê dos Quinze foi rejeitada exigindo a convocação de um Congresso Nacional, e foi aprovada. A burocracia sindical atacou o movimento com provocações impudentes. Os preparativos em massa para o Congresso Nacional superaram essas provocações. O governo recorreu a prisões em massa de comunistas que lideravam o movimento. O KPD respondeu com poderosas reuniões de protesto.

Em 23 de novembro, apoiado por um amplo movimento de massas, o Congresso Nacional de Conselheiros de Fábrica se reuniu em Berlim. Participaram 846 delegados, entre os quais 657 do KPD, 38 do VSPD, 22 do USPD, 52 não partidários, 17 do KJ [19] e três jovens do VSPD. O ponto central da conferência foi a luta pelo controle da produção. Um programa de ação detalhado incluiu:

  1. Medidas para salvaguardar o nível de vida das massas trabalhadoras.
  2. Transferindo o fardo da falência financeira e do colapso econômico para a burguesia.
  3. Anulação do Tratado de Versalhes e para a Reconstrução da Europa.
  4. Combate à contrarrevolução e à sabotagem econômica.

A conferência apelou à criação de um governo dos trabalhadores como instrumento de salvaguarda da implementação deste programa, apoiado por formações de autodefesa dos trabalhadores, conselhos de fábrica e comitês de controle. Este último foi um ponto fraco. Mas o decisivo foi que o movimento do conselho de fábrica organizado pelo partido ampliou fortemente sua esfera de ação e começou a construir organizações operárias independentes.

1923

  1. Janeiro. Quando a ocupação do Ruhr foi ameaçada [20], uma conferência internacional dos partidos comunistas em Essen emitiu um manifesto contra os planos dos imperialistas e pela frente única internacional do proletariado em luta.
  2. Com a invasão do Ruhr em 11 de janeiro, o KPD dirigiu-se ao ADGB, ao AFA, ao ADB [21] e ao VSPD [22] em uma carta aberta para a criação de uma frente única de combate. A luta exigia a renúncia do governo Cuno [23], uma ruptura com a coalizão, uma transferência das reparações para a burguesia, o controle da produção pelos trabalhadores, uma luta contra Cuno no Spree e Poincaré no Ruhr [24], e para um governo dos trabalhadores.
  3. Em 24 de janeiro, houve uma conferência de conselheiros de fábrica do Ruhr. Ela deu avanço a nove demandas.
  4. Em 11 de março, realizou-se em Essen a segunda conferência de conselheiros de fábrica da Renânia-Vestefália, protegida por cinco Centenas de Proletários* destacados de trabalhadores de Essen.
  5. Em 17 de março houve uma conferência internacional em Frankfurt am Main convocada pelo KPD.
  6. Na Baviera, o movimento monarquista fascista estava crescendo. Em 26 de janeiro, foi imposto o estado de emergência na Baviera. O comitê estadual do KPD da Saxônia apelou ao governo do SPD para estabelecer formações de defesa dos trabalhadores, dissolver todas as organizações contrarrevolucionárias e prender seus líderes, e criar comitês de controle para supervisionar a implementação dessas demandas. O partido agitou pela frente única contra o fascismo. O slogan da criação de Centenas de Proletários* ganhou apoio popular.
  7. Em maio, o movimento de Centenas de Proletários e comitês de controle experimentou uma forte ascensão. Na Saxônia, os líderes sociais-democratas de direita tentaram impedir a criação de conjuntos de Centenas de Proletários. Eles não tiveram sucesso. Em 12 de maio, Severing proibiu a criação de Centenas de Proletários na Prússia. Em 13 de maio, o comitê estadual dos conselhos de trabalhadores saxões apelou aos conselheiros de fábrica e trabalhadores para construir grupos de Centenas em todas as grandes fábricas até 10 de junho, o que uniu os trabalhadores independentemente de sua orientação partidária. Deveriam ser construídos na mesma data, comitês de controle proletário e de composição multipartidária, igualmente. Este movimento também decolou na Turíngia. Na Prússia, a proibição de Centenas de Proletários foi combinada com a proibição de conselhos de fábrica e comitês de controle que aderiram ao Comitê dos Quinze.
  8. Em 12 de julho, o partido lançou um apelo para manifestações de massa contra o fascismo para 29 de julho (Dia do Antifascismo). A burguesia respondeu anunciando que as manifestações seriam dispersas com violência. Poucos dias depois, o Reichswehr foi reagrupado para intervir contra a classe trabalhadora. O partido evitou um confronto armado em 29 de julho, pois nem ele, nem a classe trabalhadora estavam armados. O partido entendeu que era necessário um novo aumento de forças e preparações mais completas. Só agora a ideia de armar ganhou espaço em todo o partido e, além disso, entre os trabalhadores.

As seguintes passagens do apelo do partido em 11 de julho de 1923 merecem ser citadas aqui:

Enfrentamos batalhas difíceis. Devemos nos preparar completamente para a ação. Não podemos confiar na social-democracia e na burocracia sindical. Como em todas as outras lutas defensivas do proletariado revolucionário contra a contrarrevolução, a Social-democracia e a burocracia sindical abandonarão mais uma vez os trabalhadores e os trairão… Nós, comunistas, só poderemos vencer na luta contra a contrarrevolução se conseguirmos liderar as massas trabalhadoras sociais-democratas e não partidárias na batalha junto conosco, sem e contra o traiçoeiro Partido Social-democrata e a burocracia sindical. Para este propósito, todos os preparativos devem ser feitos imediatamente para uma ação defensiva digna de batalha…  A organização conjunta de defesa do proletariado deve ser tão temperamental que também possa se envolver em uma guerra civil aberta sem um fracasso em qualquer distrito… O levante fascista só pode ser abatido se o terror branco encontrar o terror vermelho…

  1. Agosto. A greve de Cuno. Sob a pressão do movimento do conselho de fábrica, o governo Cuno caiu. A social-democracia juntou-se ao governo para salvar a burguesia. A manobra temporária de recuo da burguesia alemã no Ruhr e no interior foi iniciada por Stresemann. [25] Sob a pressão do movimento de massas proletário, bem como o colapso da resistência passiva, o governo, que havia encorajado o Black Reichswehr [26] e as outras organizações fascistas, foi obrigado a se distanciar delas.
  2. Em 24 de setembro, o KPD dirigiu uma carta aberta ao VSPD, ao USPD, ao ADGB, ao AFA e ao ADB com o apelo à mobilização de toda a classe trabalhadora e à convocação de uma greve geral ‘porque talvez amanhã ou pelo menos o dia depois, as armas e metralhadoras fascistas não deverão ser permitidas de soarem jamais’. Ao mesmo tempo, houve um alarme de chamado para os membros do partido. Já em 26 de setembro, Kahr impôs o estado de emergência na Baviera. O governo nacional respondeu com um estado de emergência em todo o país.
  3. Na Saxônia e na Turíngia, o KPD criou governos conjuntos com a ala esquerda do SPD. O Reichswehr foi enviado para a Saxônia e a Turíngia sem encontrar muita resistência, e os governos social-democratas-comunistas foram destituídos.

O que resultou desses eventos em 1923?

Devido a uma tática de frente única real, junto com o trabalho enérgico da fração comunista nos sindicatos e entre os conselheiros de fábrica e dentro das fábricas, o Partido Comunista conseguiu estender enormemente sua influência de massa e sua esfera de ação, fazendo grandes avanços nos sindicatos e um avanço profundo no campo reformista, e em evitar com sucesso a ameaça fascista. A pressão do movimento revolucionário de massas, que se refletiu no SPD e nos sindicatos, obrigou a burguesia a abandonar seus aliados fascistas e mais uma vez a buscar apoio nas direções do SPD e do ADGB, e a retornar às bases da República parlamentar.

Por outro lado, a tática da frente única não foi suficiente para liderar o ataque revolucionário à república democrático-burguesa. A pré-condição para isso era que o KPD já teria que ter convencido a maioria da classe trabalhadora para o ataque ao estado burguês. Esse não foi o caso. A experiência do governo na Saxônia ultrapassou os limites estabelecidos pela tática da frente única. Foi um uso errado da tática.

Usando a tática da frente única, as abordagens do partido às lideranças, aos membros e às organizações locais e distritais do partido reformista e dos sindicatos foram combinadas e mutuamente fortalecidas. As lideranças foram temporariamente arrastadas, o que abriu um amplo caminho para sua base operária, porque, com a ascensão do movimento de massas, as lideranças o sabotavam regularmente e se voltavam para a direita. O resultado foi que as massas se voltaram para a esquerda, estreitando laços com o Partido Comunista, o que por sua vez aumentou sua autoridade entre as massas e ampliou sua esfera de ação.

A liderança do partido que desenvolveu e usou a tática da frente única de 1920 a 1923 foi liderada por Brandler e Thalheimer, etc. – a atual liderança da Oposição Comunista. Seu uso não estava isento de erros graves. A Oposição Comunista há muito tempo reconheceu esses erros, falou abertamente sobre eles e, teórica e praticamente, os rejeitou.

Após os eventos de outubro de 1923, o Comitê Executivo da Internacional Comunista ajudou Fischer e Maslow, junto com Thälmann, Remmele e Neumann, na liderança do partido. [27] A política de ultra-esquerda experimentou sua primeira maré alta. Em vez de usar a tática da frente única para separar o joio do trigo, uma tarefa realizada pela atual Oposição Comunista quando liderou o partido em 1920-23, a tática da frente única foi agora lançada ao mar com tudo. O resultado foi que, em um ano e meio, o partido perdeu quase inteiramente sua influência de massa e foi levado à beira do colapso.

No último momento, o Comitê Executivo da Internacional Comunista alterou o curso, e a partir daí terminou a era da ultra-esquerda, não apenas na Alemanha, mas em toda a Internacional Comunista, e mudou, se não aberta e claramente, pelo menos na prática, de volta ao caminho abandonado da tática da frente única.

Essa tática foi usada novamente em grande medida durante a campanha contra a compensação aos príncipes alemães em 1926. Erros também foram cometidos aqui, mas o procedimento correto foi suficiente para tirar o partido de seu isolamento e reerguê-lo novamente.

O abandono da tática da frente única e de uma tática sindical correta desde 1928 levou a tais resultados para o partido que o período da ultra-esquerda de 1924 a 1928 parece inofensivo. A razão é bastante clara: é a coincidência da tática ultra-esquerdista com o colossal choque econômico e político para o capitalismo na Alemanha. Como a tática ultra-esquerdista impediu o partido de tirar vantagem de possibilidades profundamente revolucionárias, a contrarrevolução foi capaz de usar a situação em seu benefício. Se o Partido Comunista tivesse empregado táticas corretas, hoje poderia estar à frente da classe trabalhadora no limiar do poder. Mas, em vez disso, o fascismo está no limiar do poder, porque a única tática comunista essencialmente correta, mesmo que não fosse isenta de erros, foi descontinuada em meados de 1923 e rejeitada por anos. [28]


Notas

  1. Arkady Maslow (1891–1941) juntou-se ao KPD em 1919 e sempre esteve na ala esquerda. Ele estava na liderança que assumiu após o rebaixamento de Brandler e foi expulso com Ruth Fischer (cf. n5, artigo de Paul Levi nesta edição da Revolutionary History) em 1926, e trabalhou com ela durante os anos 1930.
  1. Na Alemanha, durante este período, o seguro-desemprego era pago pelos sindicatos em nome do Estado, como na Escandinávia hoje. O papel do Histradut em Israel tem algumas semelhanças com isso.
  1. Wilhelm Severing (1875–1952) ficou na extrema direita do SPD e foi Ministro do Interior da Prússia em 1919–26 e 1930–32. Ele havia sido nomeado por Noske (cf. n2, p. 40) para suprimir a atividade da classe trabalhadora no Ruhr, e mais tarde ele fez o mesmo na Prússia. Para a Ação de Março, cf. n65, pág. 35
  1. Karl Gareis (1889–1921) foi um deputado do USPD no Landtag da Baviera que foi assassinado por direitistas em Munique. Gustav Ritter von Kahr (1862–1934) foi um dos principais direitistas da Baviera que em 1923 foi nomeado comissário estadual da Baviera com poderes ditatoriais. Ele deu abrigo a todos os elementos terroristas de direita, incluindo o jovem Adolf Hitler. Ele foi assassinado na ‘Noite das Facas Longas’ em 30 de junho de 1934.
  1. Os conselheiros de fábrica foram eleitos representantes para os conselhos de fábrica, que eram órgãos radicais surgidos na Revolução de novembro de 1918.
  1. Matthias Erzberger (1875–1921) era o líder do Partido do Centro, que estava na ala esquerda do partido e assinou o armistício em novembro de 1918. Ele foi assassinado em 26 de agosto de 1921 por extremistas nacionalistas. Seu assassinato causou grande indignação, especialmente dentro da classe trabalhadora, a qual sentimento o KPD tentou dar direção e expressão.
  1. As disposições territoriais do Tratado de Versalhes exigiam que a Alsácia-Lorena fosse cedida à França, o Sarre fosse colocado sob o controle da Liga das Nações, algum território fosse entregue à Bélgica e à Dinamarca, e a maior parte de Posen e da Prússia Ocidental e partes da Pomerânia seriam cedidas ao novo estado polonês. A Alta Silésia deveria ser cedida totalmente à Polônia, mas 60 por cento dos eleitores em um plebiscito desejavam ficar na Alemanha, a minoria polonesa então encenou um levante e a área foi dividida para vantagem da Polônia em 1922.
  1. Hugo Stinnes (1870–1924) foi um importante industrial cujo império de negócios incorporava 20 por cento da indústria alemã.
  1. Joseph Wirth (1879–1956) foi um líder do Partido de Centro e tornou-se Chanceler em 1921. O SPD estava representado no gabinete. Uma grande coalizão era um governo formado por partidos principais, ao invés de um governo formado por um partido principal e um ou mais partidos menores.
  1. O Allgemeiner Freier Angestelltenbund era o centro sindical do colarinho branco.
  1. Os trabalhadores ferroviários alemães eram, em geral, uma força reacionária. Na época do Império, os oficiais não comissionados aposentados eram frequentemente recompensados com pequenos trabalhos de supervisão neste setor.
  1. Uma conferência econômica internacional teve lugar em Gênova (o texto afirma erroneamente ‘Jena’) em abril de 1922, para a qual todas as potências europeias, incluindo a Alemanha e a União Soviética, foram convidadas.
  1. Walther Rathenau (1867–1922) foi um industrial e político alemão e diretor administrativo de várias grandes empresas que, durante a Primeira Guerra Mundial, ajudou Ludendorff a administrar a economia alemã. Como Ministro das Relações Exteriores no governo Wirth desde fevereiro de 1922, ele concluiu o Tratado Alemão-Russo em Rapallo. Além de sua pacífica política externa, ele era odiado como judeu e liberal pela extrema direita e, em junho de 1922, foi assassinado por ex-oficiais da Marinha, membros de uma organização terrorista, o Cônsul da Organização. Entre 1919 e 1923, houve 376 assassinatos políticos na Alemanha, dos quais 356 foram perpetrados por direitistas.
  1. O Acordo de Bielefeld resultou de negociações para encerrar a greve geral após o Kapp-Putsch. O governo e a Severing de um lado, e os partidos operários, sindicatos e o Comitê de Ação Hagen do outro, concordaram em encerrar a greve com a condição de que todos os trabalhadores fossem reempregados, armas e munições fossem entregues, todos os prisioneiros seriam anistiados, o Reichswehr ficaria fora das áreas industriais da Renânia e da Vestefália e os estados especiais e ordinários de emergência seriam cancelados.
  1. Georg Escherich (1870–1951), o Ministro do Interior de extrema direita da Baviera, criou uma organização nacional armada baseada na Guarda Interna da Baviera, que incluía os vários remanescentes dos Freikorps e outros grupos armados. Era chamada de Organização Escherich, abreviado para Orgesch.
  1. Noventa dos 691 delegados deste congresso eram membros e apoiadores do KPD, o maior total de sempre.
  1. Para Jakob Walcher, cf. introdução ao artigo de Walcher nesta edição de Revolutionary History.
  1. Arbeitsgemeinschaft significa cooperação de trabalho.
  1. Kommunistische Jugend (Juventude Comunista).
  1. Em janeiro de 1923, em resposta a uma reclamação de que as autoridades alemãs haviam deliberadamente inadimplente as entregas de reparações, as tropas francesas e belgas ocuparam a área do Ruhr.
  1. O Allgemeine Deutscher Beamtenbund era o centro sindical dos funcionários públicos.
  1. O VSPD foi formado pela fusão entre o SPD e a maior parte da ala direita do USPD que ocorreu no outono de 1922. O restante do USPD continuou depois que a maioria do partido passou para o KPD, com cerca de 10.000 membros naquele momento. No entanto, a maioria das pessoas continuou a chamar a organização unida de SPD.
  1. Wilhelm Cuno (1876–1933) foi Chanceler de novembro de 1922 a agosto de 1923.
  1. Raymond Poincaré (1860-1934) tornou-se o primeiro-ministro da França em janeiro de 1922, promoveu uma virulenta política antialemã e iniciou a invasão do Ruhr em janeiro de 1923. O Spree é o rio onde fica Berlim. Isso significa que a classe trabalhadora deve lutar contra a ocupação francesa, sem fazer qualquer tipo de trégua com o governo burguês alemão.

*Proletarische Hundertschaften, Centenas de Proletários em alemão, braço paramilitar do KPD. (nota do tradutor)

  1. Gustav Stresemann (1878–1929) foi um político conservador (nacional-liberal) e industrial, e chanceler e ministro das Relações Exteriores na segunda metade da década de 1920. Suas políticas consistiam em revisar o acordo de Versalhes por meio de negociações com outras grandes potências capitalistas.
  1. O Black Reichswehr era a seção de resistência do Reichswehr. Ele absorveu muitos membros de grupos de extrema direita e foi projetado para ser usado em ações de guerrilha contra os franceses na Renânia, contra qualquer ameaça dos poloneses na Silésia e, claro, contra a esquerda.
  1. Ernst Thälmann (1886–1944) estava no SPD, depois no Spartakusbund e depois no KPD. Ele se apresentou como o candidato presidencial do KPD em 1925 e 1932, e como um stalinista leal chefiou o KPD de 1925 até seu colapso em 1933. Preso em março de 1933, ele foi finalmente executado no campo de concentração de Buchenwald em 1944. Sobre Hermann Remmele, cf. n64, artigo de Jakob Reich nesta edição de Revolutionary History. Heinz Neumann (1902-1938) foi um dos principais membros do KPD até 1932, quando foi removido como bode expiatório pelos fracassos do partido. Ele fugiu para a União Soviética e morreu nos expurgos.
  1. Depois que a liderança Thalheimer-Brandler do KPD foi removida, o partido, com o incentivo de Zinoviev, adotou uma postura ultra-esquerdista e flertou com os conceitos de “Fascismo Social” e sindicalismo vermelho. Em 1925, começou a se afastar do ultra-esquerdismo e reverteu em certo grau para o trabalho na frente única com o SPD e nos sindicatos. A ala Fischer-Maslow foi removida em 1926, quando Zinoviev se separou de Stalin e porque eles não eram suficientemente leais a Moscou. Os apoiadores de Stalin, liderados por Thälmann, estavam em ascendência e trabalharam com a facção central, os Conciliadores, Brandler e seu grupo ainda além do limite. O retorno ao ultra-esquerdismo em 1928 viu em primeiro lugar a condenação e depois a expulsão dos “direitistas” de Brandler. Os Conciliadores, que tentaram garantir sua posição distanciando-se dos “direitistas”, foram atacados depois de tentarem expulsar Thälmann quando ele tentou encobrir um escândalo de corrupção envolvendo fundos do partido, e foram dispensados ​​da liderança em 1929, deixando o grupo pró-Stalin de Thälmann para liderar o partido ainda mais no ultra-esquerdismo e, finalmente, à vergonhosa derrota.

 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário