Contrapoder e autodefesa na América Latina

Por Raúl Zibechi, via Roar Magazine, traduzido por Elisa Brasil

Em resposta a um cenário de violência do estado e das gangues, algumas das comunidades mais afetadas do continente tomaram medidas radicais para se defenderem e construírem novos contrapoderes sociais a partir de baixo. Continue lendo “Contrapoder e autodefesa na América Latina”

Anúncios

Lições do Chile

Por Alan Woods, via marxismo.org, traduzido pela Esquerda Marxista

Por ocasião dos 45 anos do golpe no Chile, em 11 de setembro de 1973, publicamos um trecho da importante contribuição do camarada Alan Woods à análise das lutas de classes durante o governo da Unidad Popular. Sobre o tema, já publicamos no LavraPalavra outras reflexões, do camarada Rui Mauro Marini e do historiador Hugo Cancino Troncoso, sobre os Conselhos Comunais e Cordões Industriais do Poder Popular chileno. Continue lendo “Lições do Chile”

O “anarquismo jurídico”: Lenin e Pachukanis versus Ingo Elbe

Por Gabriel Landi Fazzio

“Qualquer crítica que contribua para tornar mais vigorosa e consciente nossa luta de classe para a realização de nosso objetivo final merece nosso agradecimento. Mas uma crítica procurando retroceder nosso movimento, fazê-lo abandonar a luta de classe e o objetivo final – tal crítica, longe de ser um fator de progresso, só seria um fermento de decomposição”. Rosa Luxemburgo, em “Liberdade Crítica”. Continue lendo “O “anarquismo jurídico”: Lenin e Pachukanis versus Ingo Elbe”

Sobre um projeto de psicanálise popular, ou: convém ser comunista para escutar o sofrimento social?

Por Gabriel Tupinambá, texto apresentado no LATESFIP em 07 de Outubro de 2016.

A minha apresentação hoje vai ser um pouco como aquelas cenas de filme em que a câmera começa a afastar e a rua vai ficando pequena, e vai aparecendo o país, depois o planeta e o sistema solar. Como nessas cenas, tem um truque nesse plano contínuo que eu vou propor, uma hora que a gente passa da filmagem efetiva de uma ruela qualquer para a computação gráfica do planeta, depois das galáxias e tal. Continue lendo “Sobre um projeto de psicanálise popular, ou: convém ser comunista para escutar o sofrimento social?”

A recusa do Partido Comunista Grego em participar em um governo burguês

Por Aleka Papariga, via Communist Review 2013, 2 (revista teórica do KKE), traduzido do grego por In Defense Of Greek Workers, traduzido ao português por Pelo Antimperialismo, revisado por Gabriel Landi Fazzio

“Depois de cada tal período de participação, os PCs perderam o poder em benefício da social-democracia; eles foram enfraquecidos, precisamente porque eles eram vistos como tendo compartilhado a responsabilidade Continue lendo…

Consolidando o poder

Por AK Malabocas, via ROAR Magazine, traduzido por Daniel Alves Teixeira

David Harvey, um dos principais pensadores marxistas de nosso tempo, sentou-se com o coletivo ativista AK Malabocas para discutir as transformações no modo de acumulação do capital, a centralidade do terreno urbano na luta de classes Continue lendo…

Chile: Poder Popular e Contra-Revolução

Tradução por Gabriel Landi Fazzio.

Segue abaixo a tradução inédita para o português do último capítulo do livro do historiador chileno Hugo Cancino Troncoso, Professor Catedrático da Universidade de Aalborg na Dinamarca, chamado: “Chile: A problemática do Poder Popular no processo da via chilena ao socialismo, 1970-1973”, publicado em 1988 pela Aahus University Press.

Continue lendo…

Documentário – A Batalha do Chile

Por Gabriel Landi Fazzio.

11 de setembro de 1973: após três horas de luta e bombardeio aéreo ao Palácio de La Moneda, sede do governo chileno, os militares golpistas tomam o poder, interrompendo o processo de efervescência social que aceleradamente se radicalizava e aprofundava, assassinando o presidente Salvador Allende e iniciando o que viria a ser a primeira experiência do neoliberalismo em terras latino-americanas.

Continue lendo…

Acerca do Estado na América Latina

Por Ruy Mauro Marini, traduzido por Gabriel Landi Fazzio. Fonte: Aquivo de Ruy Mauro Marini, com a anotação “Intervenção no Congresso de ALAS, Havana, 1991. Versão definitiva, publicada en Memoria del Congreso, N. Sociedad”. (Também aparece no arquivo como: Três observações sobre o Estado na América Latina).

Em relação ao tema do qual nos ocupamos: a emergência de uma nova ordem estatal na América Latina, me referirei a três questões principais. A primeira tem a ver com os modos de participação da sociedade nas estruturas e no exercício do poder, ou seja, com a democracia. Continue lendo…

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑