A revolução latino-americana

Por Revista Estratégica do M.I.R. chileno, via Memoria Chilena, traduzido por João Victor Oliveira

Os EUA estão prestes a cancelar sua política de “Aliança para o Progresso”. Seu déficit na balança de pagamentos a impede de entregar os US $ 20 bilhões prometidos por Kennedy aos governos latino-americanos para iniciar um plano de reforma. Por não poder entregar aquela ajuda que tendia a deter o processo revolucionário, o imperialismo ianque está decidido a preparar golpes militares e a impor a sua política com sangue e fogo na América Latina.


  1. Caracterização da etapa.

A atual fase que atravessa a América Latina tem um caráter revolucionário semelhante ao que abalou a Europa Oriental e Central após a Revolução Russa e a que viveu a Ásia após o triunfo da Revolução Chinesa.

Esta fase aberta com a revolução cubana teve períodos de maior ou menor crescimento, mas sempre dentro de uma linha geral de ascensão revolucionária. A queda de Goulart e os triunfos de Leoni e Fred constituíram um retrocesso temporário, mas de forma alguma significaram avanços sensíveis e estáveis ​​do imperialismo. A situação na América Latina é tão explosiva que qualquer esquema mecanicista de períodos de retrocesso é rompido com a eclosão de grandes greves, o surgimento e consolidação de guerrilhas, ocupações de terras, o desenvolvimento de dois poderes, etc.

Quatro características essenciais caracterizam a situação latino-americana atual: a) a mudança de tática do imperialismo ianque; b) a crise dos governos “constitucionais”; c) o avanço do movimento insurrecional e guerrilheiro e d) a formação de movimentos revolucionários de novo tipo.

  1. A nova tática do imperialismo ianque.

A invasão dos marinheiros norte-americanos a Santo Domingo abre uma nova etapa na tática do imperialismo norte-americano na América Latina. Os EUA estão prestes a cancelar sua política de “Aliança para o Progresso”. Seu déficit na balança de pagamentos a impede de entregar os US $ 20 bilhões prometidos por Kennedy aos governos latino-americanos para iniciar um plano de reforma. Por não poder entregar aquela ajuda que tendia a deter o processo revolucionário, o imperialismo ianque está decidido a preparar golpes militares e a impor a sua política com sangue e fogo na América Latina. O fator político, exemplo de Cuba e da guerrilha da Colômbia, Guatemala, Venezuela, etc. Eles influenciam tanto quanto o fator econômico nessa determinação de atualizar a política do “big-stick” depois de meio século. Para tanto, o projeto de criação de uma força militar interamericana e a resolução da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos tende a intervir unilateralmente com o exército ianque em qualquer país da América Latina, sem sequer esperar a ação da projetada força interamericana. O imperialismo ianque está pronto para criar um novo Vietnã na América Latina como a última carta para deter o processo revolucionário. Esta política intervencionista não assustará os povos latino-americanos, mas produzirá o efeito contrário. Para os movimentos “nacionalistas” burgueses e pequeno-burgueses, estimulados pelos PCs, o caminho eleitoral e pacífico terá sido fechado para eles. Os iludidos no “reformismo” da Aliança para o Progresso ficarão sem política. Para se opor à nova política agressiva do governo Johnson, não serão os governos “nacionais e populares”, mas sim o modo insurgente armado. A doutrina intervencionista de Johnson deve ser combatida pelo direito do povo latino-americano de se armar em defesa da soberania nacional.

O armamento universal da população para se defender da invasão ianque pode ser uma palavra de ordem importante para a vanguarda marxista revolucionária que luta pela insurreição popular armada.

  1. A crise dos governos “constitucionalistas”.

Desde o golpe militar no Brasil (queda de Goulart), agravou-se a crise dos governos da chamada “democracia representativa” que vinha sendo incentivada pela Aliança para o Progresso para canalizar o descontentamento popular. No próximo período, assistiremos a uma onda de golpes militares pró-imperialistas que liquidarão as poucas liberdades públicas que ainda existem e tentaremos reprimir qualquer levante popular com fogo e sangue. Golpes militares serão encorajados não apenas pelo imperialismo, mas também por oligarquias proprietárias de terras e monopólios que resistem até mesmo às reformas mornas planejadas pela Aliança para o Progresso. Essas oligarquias latino-americanas estão alarmadas com a radicalização da pequena burguesia que confiava na possibilidade das reformas prometidas pelos governos burgueses “nacionais e populares”. O golpe militar contra Goulart e a consolidação das castas militares pré-imperiais no Brasil, Argentina, Bolívia, etc., mostra que as oligarquias latino-americanas não estão dispostas a comandar a árvore das “reformas” propostas pelos governos “populares”, não pelos medo de suas medidas tímidas, mas por causa do ânimo em busca de mudanças que desperta nos setores operário, camponês e pequeno-burguês.

O protesto e a oposição de governos, como Belaúnde, Leoni e Frei, à ocupação norte-americana de Santo Domingo, constitui um S.O.S desesperado, desesperado dessas burguesias nacionais para que os EUA não abandonem definitivamente a política da Aliança pelo progresso. O fim desta política significaria que os governos burgueses, tipo Frei, ficariam sem a possibilidade de cumprir seus planos de reforma para deter a ascensão revolucionária das massas.

Esta situação latino-americana, cheia de contradições que surgem a qualquer momento, é fruto tanto da conjuntura internacional da presença política de Cubam quanto da progressiva crise econômica que abalou o continente na última década. Desde o fim da Guerra da Coréia, o preço das matérias-primas caiu mais de 15%, enquanto os produtos importados aumentaram entre 5 e 10 vezes mais. As tentativas da burguesia nacional de exigir um preço mais alto e um mercado estável para as matérias-primas fracassaram, assim como sua aspiração de constituir o mercado comum latino-americano, sabotado pelo imperialismo ianque. A redução dos empréstimos em dólares e a política econômica de “liquidez das reservas monetárias”, anunciada por Johnson em outubro para afirmar o dólar diante das pretensões de De Gaulle de implantar o padrão ouro, acelerará a crise da burguesia nacional latino-americana.

  1. Os avanços do movimento insurrecional e guerrilheiro.

O movimento insurrecional e guerrilheiro experimentou um progresso sensível nos últimos dois anos. Depois de uma série de experiências primárias, gestadas no calor da Revolução Cubana e do entusiasmo juvenil pela aplicação do esquema da Sierra Maestra, o movimento guerrilheiro se consolidou em vários países latino-americanos (Colômbia, Guatemala, Venezuela). Não se trata mais, como há cinco anos, de pequenos grupos de estudantes que se lançaram às montanhas para criar um foco guerrilheiro desvinculado do movimento de massas, mas de guerrilheiros enraizados no campesinato, com homens e armas suficientes para passar a qualquer momento para a guerra de posições. As derrotas do aventureirismo infantil significaram a crise dos grupos terroristas pequeno-burgueses que desprezaram o papel do partido revolucionário e supervalorizaram o papel do aparelho militar. Ao mesmo tempo, consolidam-se os novos partidos da esquerda insurrecional que adaptam as lições das revoluções cubana, chinesa, argelina etc. à especificidade de seus próprios países. Poderíamos marcar dois períodos no movimento guerrilheiro latino-americano que se gera com o triunfo da revolta de Cubana.

Durante o primeiro período (1960-62), o trabalho político sobre as massas trabalhadoras e mesmo camponesas foi subestimado. A guerrilha é concebida não apenas como mais um método de luta, mas como o único método. Estamos diante de um empirismo que ignora as experiências mundiais da luta guerrilheira. Assim, abrem-se focos guerrilheiros sem nenhum trabalho político prévio sobre o movimento camponês, partindo da concepção ingênua de que, uma vez aberto o foco guerrilheiro, as massas camponesas irão para o farol luminoso. Nesse sentido, eleva-se ao absoluto o princípio de que o enfoque guerrilheiro atua como único fator decisivo para promover a ascensão das massas camponesas e proletárias. Em alguns países, um pouco de trabalho será feito no campesinato, mas não na base de trabalhadores agrícolas, mas transferindo estudantes da cidade para as montanhas. O papel do partido e do líder com influência política de massas foi subestimado, inconscientemente deturpando a realidade cubana. Não se entende que, quando os revolucionários cubanos desembarcam no Gramma, Castro é um conhecido líder do movimento operário, estudantil e camponês, que já realizou o assalto ao quartel Moncada. O líder cubano que abre o foco da guerrilha na Sierra Maestra é uma revolta com influência de massa. Embora seja verdade que o movimento 26 de julho não seja um partido marxista, o fator objetivo é este; é o exército revolucionário com líderes políticos como Fidel e Che Guevara, que têm tanto objetivo político quanto militar.

Nesse período inicial, todos os desvios infantilistas foram destacados. O terrorismo individual nas cidades e a sabotagem separada do movimento de massa foram elevados a uma categoria revolucionária decisiva. Para esses grupos, o desejo da política revolucionária de lançar bombas. Eles acreditavam que, ao lançar bombas, as massas iriam se juntar ao grupo terrorista. Mas as coisas aconteceram ao contrário. Os operários e camponeses olhavam para eles com desconfiança. Os operários e camponeses olhavam para eles com desconfiança porque, como não havia trabalho político prévio, não sabiam qual era o objetivo político que os terroristas perseguiam, cujas ações esporádicas estavam longe de suscitar simpatia na maioria dos casos. Por outro lado, os governos desencadearam uma repressão feroz que liquidou a organização terrorista, que em muitos casos não tinha um longo plano de resistência ilegal planejado. Em outras ocasiões, a inexperiência dos membros que se dedicavam a fazer artefatos culminou em eventos infelizes com consequências fatais para elementos juvenis valiosos.

No segundo período (1963-65), as experiências e lições das derrotas foram assimiladas, produzindo uma diferenciação política dentro dos grupos sem ressurreição. Começa-se a compreender que para abrir um foco de guerrilha é necessário contar com o apoio de importantes setores camponeses que devem ser politizados com autênticos quadros camponeses e não apenas com os estudantes. “Que o partido é que guia a arma” e que, portanto, a luta armada deve ser guiada pelo partido marxista revolucionário. Que o terrorismo individual é contraproducente e só pode ser usado em casos excepcionais quando está ligado à luta de massas.

A experiência mais marcante de trabalhos anteriores nas massas é realizada pelo trotskista Hugo Blanco, que, partindo do conceito de que o motor da insurreição peruana é o campesinato, inicia uma campanha de sindicalização e organização dos camponeses e indígenas, lembrando que O básico neste momento não é a criação prematura de focos de guerrilha, mas a formação de milícias camponesas.

Ao mesmo tempo, é produzida a espécie guatemalteca que enriquece a estratégia da guerra de guerrilha. O seu líder, Yon Sosa, assinala: “A nossa guerrilha é uma organizadora social: lutamos com armas nas mãos mas organizando os camponeses e os trabalhadores da cidade”. A ação militar está subordinada à organização camponesa, à difusão do programa revolucionário e à defesa armada das lutas camponesas de massas. No documento “Conclusões e perspectivas de 30 meses de luta guerrilheira”, publicado pelo jornal Socialist Revolution e reproduzido por Gilly na Monthly Review (junho-julho de 1965) afirma-se: “A direção nacional do movimento revolucionário 13 de novembro viveu Em carne e osso, a guerrilha não é uma panaceia, nem é o elemento essencial da luta, se for feita isolada da população. A luta guerrilheira em nosso país entrou em uma fase que se não for possível organizar a população, para derrubar o poder capitalista, a guerrilha se desdobrará e se desenvolverá em última instância, como uma atividade militar abstrata e terrorista”. Deste novo ângulo Em termos estratégicos, a milícia camponesa e o comitê camponês adquirem extraordinária importância. O comitê camponês é [ilegível] da guerrilha com o povo. Informa e [ilegível] os guerrilheiros e organiza a milícia camponesa. Os milicianos aderem a certas ações guerrilheiras, mas continuam trabalhando no trabalho agrícola. Desta forma, os guerrilheiros estão organizando a participação massiva do campesinato na ação insurrecional, retomando a tradição de luta legada pelos guerrilheiros de Mao.

Neste novo período, o esclarecimento sobre o papel do terrorismo está se acelerando. O MIR peruano não realiza ações de terrorismo urbano desvinculadas do movimento de massa porque as considera contraproducentes. O MIR venezuelano enfatiza não tanto os atos terroristas urbanos de anos atrás, mas a sabotagem das empresas imperialistas, especialmente as petrolíferas. O guerrilheiro guatemalteco F. Amado declarou: “Não somos terroristas e somos contra o terrorismo. Somos organizadores revolucionários, maristas. Quando realizamos ações armadas, ou ações terroristas se você quiser chamá-las assim, é para promover a luta das massas, não para substitui-las ”. Este esclarecimento sobre o terrorismo é importante, porque há vários anos, alguns grupos revolucionários capitularam à pressão dos jovens que, para entrar no partido, impunham que fossem autorizados a lançar bombas. As lideranças desses grupos estavam decididas a não perder esses novos militantes, fizeram concessões e até estimularam ações terroristas.

Nos movimentos insurrecionais está se abrindo a concepção de que para abrir um foco guerrilheiro é imprescindível contar com o apoio da população camponesa da região, que vastas camadas da população do país não rejeitem ou repudiem este método de luta e que haja um partido marxista revolucionário ao qual o aparelho militar deve estar subordinado.

O fato decisivo é que nesse período se consolidou o movimento insurrecional e se abriram novas frentes guerrilheiras, como a do Peru, sob a liderança do MIR. O autocriticismo do MIR venezuelano tem permitido a consolidação da guerrilha no seio das massas camponesas, embora esta organização ainda esteja pagando as consequências de seu desvio terrorista nas cidades que a levaram a se separar das massas proletárias, motor indispensável para o triunfo da insurreição venezuelana porque neste país a concentração urbana supera a rural. A influência do PC ainda mantém a palavra de ordem do governo democrático-burguês. Mas a dinâmica da luta levará a um processo de revolução permanente e a mudar, empiricamente, os desvios programáticos, como aconteceu no início com o movimento 26 de julho. A guerrilha colombiana, sob a liderança de Manuel Marulanda, aliás o “tiro fixo”, consolidou-se definitivamente. A vantagem da guerrilha colombiana é que seu país tem 70% da população camponesa, que existe uma tradição guerrilheira nacional que começou na década de 1930, continuou depois de Gaitan (1948) e que o movimento sofreu um declínio político em os últimos anos. Antes, havia bandidos incentivados por políticos burgueses liberais. Não havia programa ou expressão. Política definida. Agora o movimento guerrilheiro tem uma política de revolução agrária e antiimperialista; Embora ainda influenciada pela estratégia de “libertação nacional” do PC, a dinâmica da luta teria que transbordar este programa, este programa e mesmo o PC que, relutantemente, aceita a guerrilha, mas como autodefesa e moeda de troca para Uma transação com um governo “democrático-burguês”. Apesar de os líderes do PC terem declarado recentemente que a rota armada não é nem mesmo a estrada da Colômbia, existe um duplo poder expresso nas 12 repúblicas independentes “onde vivem mais de 40.000 habitantes (El Pato, Marquealia, Guayabero, Sumapaz, Tequendama, Rio Chiquitos, etc.)”. Essas “repúblicas” nos lembram as áreas libertadas do exército revolucionário de Mao-Tse-Tung. Lá, os camponeses cultivam a terra sob a proteção da guerrilha. Se é possível centralizar e dar uma direção política unificada a todo o movimento guerrilheiro – que é o grave problema do presente – a revolução colombiana, em curto prazo pode se tornar o movimento mais importante depois da revolução cubana, especialmente se levarmos em conta que Na última eleição houve uma abstenção de 75% e que a crise econômica se agravou a ponto de se reproduzirem as velhas rixas entre liberais e conservadores.

O movimento de 13 de novembro na Guatemala, lenta mas firmemente, estende sua influência entre o campesinato. As declarações de seus dirigentes e do jornal “Revolução Socialista” nos levam à conclusão de que estamos na presença do movimento guerrilheiro com maior clareza política. Suas concepções sobre a dinâmica e o caráter da revolução, suas abordagens de revolta socialista para atingir o governo operário camponês e o Estado operário constituem a expressão. Das melhores tradições da revolução permanente. O guerrilheiro F. Amado declarou:

“Não temos um programa mínimo reformista e um programa máximo revolucionário para o futuro distante. Temos um programa revolucionário de transição, onde todas as demandas imediatas, salários, democracia, etc., estão inseparavelmente ligados à luta pela revolução socialista” (M.R. cit, p.82). Da mesma forma, o documento citado em “Conclusões de 13 de novembro, referindo-se aos objetivos de sua luta, afirma:” Assaltar o poder político junto às massas, derrubar o sistema capitalista, estabelecer o governo operário-camponês e criar o estado operário da Guatemala ”(bidem.p.90) Os guerrilheiros criticam o PC (PGT na Guatemala) por sua linha de frente nacional com a burguesia; Eles não são incondicionais da China mas apoiam algumas de suas propostas, como ser, a luta contra a via pacífica e parlamentar.

Além da consolidação do movimento guerrilheiro, devemos enfatizar que durante 1965 a luta de massas atingiu altos níveis de combatividade. A resistência armada dos mineiros bolivianos, traída pelo Leninismo, mas apoiada e guiada pelo Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a luta armada dos trabalhadores, estudantes e camponeses da República Dominicana, apesar da liderança da capital Caamaño, as ocupações das terras no Peru, a greve dos trabalhadores públicos uruguaios, etc., mostra que várias organizações detêm um alto poder explícito e são deputadas para a ação desde que haja uma liderança capaz de empreender o caminho insurrecional.

  1. Formação e desenvolvimento de movimentos revolucionários de um novo tipo.

O fato fundamental dos últimos cinco anos na América Latina é o surgimento de novos movimentos revolucionários que apresentam a possibilidade real de superar a crise de direção do proletariado latino-americano. A Revolução Cubana provocou a crise dos partidos tradicionais da classe trabalhadora (PC e PS) e dos movimentos nacionalistas burgueses e pequeno-burgueses. A prova contundente dessa afirmação é que a esmagadora maioria dos movimentos insurrecionais atuais escapou ao controle do PC e do PS.

Cada revolução social produz um impacto decisivo sobre o movimento de massa, não apenas no país em desenvolvimento, mas também em todas as superestruturas políticas mundiais. O exemplo de uma revolução provoca uma crise nos partidos tradicionais, acelera a contradição entre as bases que aspiram a lutar e a direção burocrática que as detém; provoca agudos processos de diferenciação, tendências mais marcadamente centrífugas do que centrípetas, rupturas das velhas organizações e o nascimento de novos partidos revolucionários. Este foi o curso seguido pelo movimento operário mundial após a revolução russa de 1917. Paralisado pela degeneração dos PCs, sob a liderança de Stálin, ele ressurgiu após a revolução chinesa. Assim como a revolução russa lançou novas forças que romperam com o reformismo corrompido da Segunda Internacional, dando origem ao nascimento dos partidos comunistas, a revolução cubana pôs em crise a política dos partidos operários tradicionais da América Latina. As massas latino-americanas apoiaram, durante os primeiros anos da guerra-apos, os movimentos nacionalistas burgueses e pequeno-burgueses (Peronismo, Varguismo, Velazco-Ibarrismo, Ação Democrática, APRA, MNR, etc.).

Suas esperanças foram frustradas pela incapacidade desses movimentos de enfrentar o imperialismo e a oligarquia, mas eles acumularam grandes experiências de derrotas. Hoje, o melhor da vanguarda operária, camponesa e estudantil começa a se polarizar em torno dos movimentos revolucionários de um novo tipo (Movimento 14 de julho na República Dominicana, MIR da Venezuela, Movimento 13 de novembro da Guatemala, MOEC da Colômbia, União Revolucionária Equatoriana (UROE), MIR e FIR do Peru, MIR chileno, etc.) As novas forças que a revolução cubana lançou são essencialmente diferentes daquelas promovidas pelos movimentos nacionalistas do pós-guerra. Eles lutam ativamente pelas duas tarefas básicas de nossos países semicoloniais: a expulsão do imperialismo e a revolução agrária, cuja dinâmica conduz, através de um processo de revolução permanente, ao governo dos trabalhadores camponeses. Eles praticam o meio insurrecional armado, a guerra de guerrilha, a ação direta nas cidades, as lutas de rua, as Helgas com ocupação de fábricas e campos. Eles podem cometer muitos erros, alguns dos quais apontamos acima, mas esses movimentos [ilegíveis] têm uma decisão inabalável de levar a cabo a revolução e tomar o poder a curto prazo.

Em síntese, foram o fator subjetivo que acelerou o surgimento da revolução nos últimos anos e constituem a única esperança real para superar a crise de direção do proletariado e a conquista das repúblicas socialistas unidas da América Latina.

Santiago, outubro de 1965.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário