Navegando Marx na era de Trump

Entrevista de David Harvey por Davis Richardson, via Observer, traduzido por Daniel Alves Teixeira

Este outono marca o 150º aniversário da publicação do Capital de Karl Marx. Em sua série inovadora, Marx definiu de forma célebre o capital como valor em movimento, arquitetando todo um campo de estudo para a compreensão da economia, das relações sociais e das instituições que estruturam a desigualdade maciça. Tendo por base o sistema de fábrica da Europa e a relação entre capitalistas e trabalhadores, as ideias de Marx geraram revoluções e regimes tirânicos. Ao escrever o Capital, o teórico alterou para sempre nossa percepção em relação à natureza volátil do sistema.


Embora as fábricas tenham sido substituídas principalmente por mercados, sistemas bancários e crédito, o capital comanda o mundo inteiro. Após o surgimento do sistema monetário internacional na década de 1970, o capital de juros foi cimentado como a força motriz por trás dos governos, mercados e indústrias. Como o capital cresceu ainda mais poderoso e instável, expandindo-se e mergulhando em crises quando suas contradições inerentes são realizadas, as teorias de Marx são ainda mais relevantes hoje.

Navegar Marx na era de Trump é o que faz o teórico social David Harvey. Professor de antropologia no Centro de Graduação da Universidade da Cidade de Nova York, Harvey foi pioneiro na geografia moderna como uma disciplina, ao mesmo tempo que colocava as teorias de Marx no contexto contemporâneo. Seu mais recente livro, Marx, Capital e a loucura da razão econômica, examina o capital junto com os avanços recentes em sistemas de tecnologia e crédito. Para obter uma análise aprofundada sobre o estado do capitalismo global, falamos com Harvey sobre populismo, Goldman-Sachs e Elite do Vale do Silicon.

O que o capital de Karl Marx pode nos ensinar sobre o capitalismo contemporâneo?

Uma das coisas que Marx enfatizou foi a ideia das contradições internas do capital e sua perpétua instabilidade. Os economistas convencionais geralmente pensam que a tendência vai em direção ao equilíbrio, mas que ela às vezes dá errado por alguma razão, enquanto Marx pensa que ela nunca vai para o equilíbrio; está constantemente agitando e dificultando as coisas. É uma boa ideia ler Marx porque ele tem uma boa ideia dos tipos de contradições que levam a esse tipo de crise.

Existem sintomas atuais apontando para o que a próxima crise poderia se tornar dentro do sistema atual de redes e derivados globais, quando o capital se tornou tão complexo?

Uma das coisas que eu gosto sobre Marx, em oposição à maneira como as pessoas às vezes o representam, é que ele é muito consciente da incrível flexibilidade do sistema capitalista, que pode resolver um problema aqui criando um problema lá e movendo-o por aí. É difícil fazer previsões gerais, mas eu achei muito interessante que algumas semanas atrás, o Financial Times tivesse cinco artigos diferentes, em seções completamente diferentes do jornal, todos eles dizendo a mesma coisa, que todo esse nível de dívida global ficou claramente fora de controle. Eles estavam particularmente preocupados com a dívida chinesa. Eu iria por esse lado, mas se estamos certos ou não, quem sabe?

Parte do Marx, Capital e a loucura da razão econômica discute como a dívida passou de milhões para bilhões para trilhões; um dia vai para quadrilhões. A dívida significa mesmo algo depois de um certo ponto, quando os números ficam tão grandes?

É difícil entender o que todos esses números significam. Um dos pontos de Marx é que a única forma pela qual o capital pode aumentar sem limite é o dinheiro, e parece que estamos aumentando-o por flexibilização quantitativa e criação de dinheiro nos bancos. Em algum momento ou outro, existe esse requisito de que, de alguma forma, paguemos essa dívida e isso emperra o nosso futuro. Eu penso nas diferentes maneiras pela qual diferentes segmentos da sociedade têm seus futuros emperrados pela dívida, os estudantes, por exemplo, são um excelente exemplo disso. Se você deve US$ 100.000 e você sai com um diploma, então, como você vai pagar? Seria bom dizer: “Bem, talvez ela simplesmente desapareça”, mas para os estudantes não desaparece.

As rápidas mudanças sociais que acontecem hoje na sociedade têm alguma influência na luta de classes capitalista, ou perdemos de vista o processo de trabalho maior?

Eu acho que há uma relação indireta. Mais e mais, acho que vemos processos de trabalho que são muito difíceis de considerar como significativos. Eu fui apresentado aos trabalhadores do aço e, ok, eles se sentem explorados e têm problemas, mas eles estavam orgulhosos do que eles fizeram e eles tinham uma identidade de algum tipo. Enquanto agora as pessoas não estão vivendo vidas muito satisfatórias. Eu acho que uma das coisas que aconteceu é que temos cada vez mais evidências de alienação, alienação do processo de trabalho, dos problemas da vida diária, alienação da política. As populações alienadas se comportam de maneiras bastante desconcertantes. Eles não necessariamente vão para a esquerda ou para a direita, mas podem começar a culpar outras coisas, outras pessoas, pelo seu descontentamento. Então, acho que a condição geral agora é aquela em que há muita alienação. Eu acho que isso derrama a instabilidade em muitos outros aspectos da vida social.

Como as lutas das classes subjacentes proporcionaram um quadro para nos dar figuras populistas e autoritárias da burguesia, especificamente Donald Trump?

Eu não tenho uma explicação simples para isso, exceto que existe essa configuração ideológica de que, quando as coisas dão errado, a questão é: “Quem é o culpado?” Há uma grande negociação de bodes expiatórios que continua, de modo que é muito fácil culpar imigrantes, concorrência estrangeira, em outras palavras, você culpa tudo, exceto os problemas subjacentes ao capital porque aquiles são coisas sobre as quais você está autorizado a falar.

O que é isso exatamente?

Eu acho que há uma longa história de proteção pela classe capitalista que tem um grande poder sobre a mídia e tem um grande poder sobre muitos pensamentos na sociedade. Nunca consigo entender porque ler Karl Marx deixa as pessoas chateadas com você. Há um antagonismo profundamente enraizado em Marx, que é alimentado na literatura que diz todos os tipos de coisas loucas e ultrajantes sobre ele.

Você escreve que os movimentos tradicionais de esquerda nem sempre reconheceram a importância de alianças estratégicas no âmbito da criação de capital. Que tipo de alianças você estava fazendo referência especificamente?

Somos frequentemente anticapitalistas. Por exemplo, as lutas contra a manipulação de preços que ocorre no setor farmacêutico. Esta é a luta que não é a luta trabalhista clássica, baseada na fábrica, na qual a esquerda geralmente está focada. Eu acho que colocar juntas essas lutas torna-se significativo. Muitas vezes, houve uma tendência da esquerda de minimizar as lutas sociais nas áreas urbanas, contra a gentrificação, contra despejos, esse tipo de lutas e dizer: “Bem, eles são tipos secundários de lutas”. Eu acho que elas devem ser tratadas de forma igual às lutas que existem nos locais de trabalho.

Observá-las dentro desse quadro as isola da raiz real do que está produzindo-as.

Eu achei muito interessante pensar sobre a maneira como Marx insistiu que o valor foi criado na produção e trouxe especulações ao mercado. Uma grande quantidade de apropriação de valor, na verdade, vem na parte de marketing do jogo e não na parte de produção do jogo. Se essa apropriação se tornar muito significativa, o que penso se tornou ainda mais significativo em nossos tempos, então devemos nos concentrar nisso como sendo uma das principais arenas da luta anticapitalista no marketing.

Você pode elaborar sobre isso?

Quando um gerente de fundo de cobertura entra e assume uma empresa farmacêutica e muda o preço de uma pílula de sete dólares para US$ 750, então há uma enorme apropriação acontecendo alguém. Quando George Soros apostou contra o valor da libra britânica em 1992, em sete dias ele ganhou mais de um bilhão de dólares. Existe muito, eu chamaria de roubo, aumentando, mas que agora é legal. O ponto é que o sistema está estruturado agora para que as pessoas possam realmente tirar uma enorme quantidade de dinheiro do sistema sem realmente fazer nada produtivo.

Um número significativo de oficiais do Trump estão vinculados à Goldman-Sachs, mais do que qualquer outra administração presidencial. O que isso diz sobre o estado do capitalismo contemporâneo quando as pessoas encarregadas de resolver os problemas são responsáveis por criá-los?

Bem, acho que a Goldman-Sachs somente eventualmente deixou a posição do secretário do Tesouro dos EUA desde os anos de Clinton, na verdade; há apenas um breve período quando não era a Goldman-Sachs. Uma das coisas sobre as quais estou interessado em pensar é a forma como o poder estatal e financeiro se uniram para formar o que eu chamo de um nexo estatal-financeiro, que é extremamente poderoso e que tem muito a dizer sobre o que deve ou não acontecer. E acho que o nexo financeiro-estatal é ancorado em parte por Goldman-Sachs e os banqueiros que controlam o tesouro, mas em aliança com o Federal Reserve. Então, quando você coloca o Federal Reserve mais o Tesouro juntos, você tem uma boa ideia de onde vem essa linha central.

Esse tipo de nexo que você descreveu sempre esteve na sociedade americana desde que o sistema bancário central foi primeiramente confrontado com hostilidade por parte dos Jeffersonianos e Jacksonianos, mais tarde. Agora, é percebido como um costume.

Os EUA estão bastante atrasados na formalização. O Banco da Inglaterra surgiu em 1694 e, portanto, o estado-finança está bem enraizado na política britânica e além. Sempre houve uma configuração um tanto instável nos Estados Unidos; finalmente, o Federal Reserve teve que entrar porque o setor bancário privado não conseguia administrar as coisas por conta própria.

Jeff Bezos foi recentemente nomeado o homem mais rico do mundo. Já vimos os capitalistas industriais dominar a burguesia da mesma forma que as pessoas mais ricas têm feito com um novo dinheiro que vem através de novos métodos de distribuição?

Se você tiver acesso a dinheiro emprestado, você pode começar e fazer qualquer coisa, e o comentário de Marx sobre isso é que a burguesia nunca está fixa no capitalismo, ela está sujeita à renovação perpétua. E acho que vimos uma renovação de quem é a burguesia, quem são as pessoas mais ricas e quem são as corporações mais poderosas. Em 1978, teria sido a General Motors e a US Steel e similares. Agora é Wal-Mart e Google e Facebook, o que é uma configuração completamente diferente. Não os vejo como sendo industriosos. Acho que eles são mais como uma fronteira. Eles se sentam e se beneficiam da maneira que os usamos; o Google coleta todas as informações sobre nós e o que estamos fazendo e, em seguida, vende isso para alguém. Esta é realmente uma situação muito peculiar em que fazemos o trabalho, eles extraem o valor e usam-no para se tornarem algumas das corporações mais ricas e poderosas do mundo.

Uma solução para a loucura da razão econômica está dentro ou fora do quadro capitalista?

Acho que a situação em que estamos agora é que é preciso mudar de dentro. Não é possível que possamos realmente sair do capitalismo, mas temos que encontrar formas internas e é por isso que a análise de Marx das contradições torna-se importante. Essas são as alavancas que podemos usar para mudar as coisas por dentro. Então, eu não penso, digamos, que uma revolução ou algo como isso nos salvará dos problemas do mundo. Temos de realmente trabalhar em mudar as coisas por dentro.

Isso poderia começar com a mudança dos comportamentos de consumo?

Alterar as expectativas dos consumidores é o ponto importante. Fazer com que as pessoas vejam que os problemas que ocorrem ao nosso redor não são devidos à concorrência, mas devido à incoerência do modo como o capitalismo funciona. Podemos fazer com que as pessoas se concentrem nisso, em vez de culparem outras questões – há muitas áreas que precisamos trabalhar em ambos os lados. Eu não tenho uma teoria da bala de prata que diz: “Tudo bem, basta apertar esse e então tudo muda.” Eu acho que você deve olhar para mudanças generalizadas em vários aspectos da vida social e política para levar as pessoas. Um dos efeitos da presidência de Trump é que muitas pessoas estão fazendo perguntas ao redor do mundo. Eles estão dizendo: “Esta não é a maneira que queremos ser, então, o que mudamos e como mudamos?” Este é um momento aberto para que muitas pessoas pensem através de problemas reais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: