Sobre a Frente Única dos Trabalhadores

Pelo Comitê Executivo da Internacional Comunista, via marxists.org, traduzido por Bruno Santana e Gabriel Landi Fazzio

De extrema atualidade, os debates da Internacional Comunista sobre a tática da Frente Única dos Trabalhadores perpassaram seu Terceiro (junho de 1921) e Quarto Congressos (novembro de 1922). Inúmeros debates se seguiram às breves considerações deliberadas no Terceiro Congresso [1]. Em dezembro de 1921 tal debate chegou a ser amplamente registrado em meio à direção do Partido Russo. Zinoviev (presidente da IC), Radek e Bukharin redigiram um rascunho para apresentação ao Congresso seguinte, destacando a aplicação da tática de Frente Única pelos próprios bolcheviques, ao longo de sua histórica. Lenin escreveu apenas uma breve nota concordando com este rascunho. Em 18 de dezembro do mesmo ano, o Comitê Executivo da IC aprova uma resolução tática esmiuçando a elaboração do Terceiro Congresso sobre a Frente Única. Eis o documento a seguir.

Em fevereiro de 1922, também Trotsky formulou um extenso escrito sobre o tema, apresentando ao Comitê Executivo da IC. Finalmente, no Quarto Congresso da IC, o documento “Sobre as táticas da Internacional Comunista” foi aprovado, contendo em apêndice a orientação emitida pelo Comitê Executivo da IC em 18 de dezembro de 1921 sob o título: “Sobre a Frente Única dos Trabalhadores e a atitude para com os trabalhadores pertencentes às Internacionais II, II/2 e de Amsterdam, bem como os trabalhadores que apoiam organizações anarco-sindicalistas”.


1. O movimento internacional dos trabalhadores está atualmente passando por um período de transição incomum, que impõe problemas táticos importantes para a Internacional Comunista como um todo, bem como suas frações.

Basicamente, este estágio pode ser caracterizado da seguinte forma: a crise econômica mundial está piorando. O desemprego está aumentando. O capitalismo internacional lançou uma ofensiva sistemática contra os trabalhadores em quase todos os países, expressas estas nos esforços dos capitalistas em reduzir os salários e condições de vida dos trabalhadores. A falência do Tradado de Versalhes está cada vez mais evidentes para amplas camadas do povo trabalhador. Se o proletariado internacional não derrubar o sistema burguês, uma nova guerra imperialista, ou mesmo muitas outras com este mesmo caráter, será inevitável. A Conferência de Washington confirmou este fato com eloquência.

2. A renovação das ilusões reformistas entre amplas camadas dos trabalhadores, que ascenderam por diversos motivos, está agora, sob os choques da realidade, se esvaindo em direção a um outro estado de ânimo. Após o fim do massacre imperialista, as ilusões reformistas e “democráticas” dos trabalhadores (tanto de trabalhadores privilegiados quanto aqueles mais atrasados ou politicamente inexperientes) estão murchando antes mesmo de florescer por completo. O curso e desfecho das deliberações da Conferência de Washington abalarão ainda mais estas ilusões. Seis meses atrás, havia alguma justificativa para falar em um deslocamento generalizado das massas trabalhadoras na Europa e Estados Unidos da América para a Direita. Hoje, em contraste, o indício de uma guinada à esquerda é indubitavelmente perceptível.

3. Por outro lado, sob impacto do ataque capitalista em curso, uma espontânea demanda pela unidade despertou entre os trabalhadores, que literalmente não pode ser contida. Essa demanda é acompanhado de um crescimento gradual da confiança entre amplos setores das massas trabalhadoras em relação aos comunistas.

Um número firmemente crescente número de trabalhadores estão só agora começando a apreciar por completo a coragem da vanguarda comunista, que se atirou à luta pelos interesses da classe trabalhadora num momento em que a vasta maioria das massas trabalhadores se manteve indiferente ou mesmo hostil ao comunismo. Um número firmemente crescente de trabalhadores estão começando a ser convencidos de que somente os comunistas defenderam os interesses econômicos e políticos da classe trabalhadora, nas mais difíceis condições e às vezes com grandes sacrifícios. O respeito e confiança da classe trabalhadora em sua vanguarda comunista está agora crescendo novamente, uma vez que mesmo entre as camadas mais atrasadas dos trabalhadores há aqueles que perceberam a futilidade das esperanças reformistas e compreenderam que sem luta não há salvação do banditismo capitalista.

4. Os partidos comunistas podem e devem agora colher os benefícios da luta que conduziram anteriormente em ambiente desfavorável de indiferença entre as massas. Mas conforme as massas trabalhadoras ganham confiança nos comunistas como forças militantes intransigentes da classe trabalhadora, eles agora demonstram, como um todo, uma ânsia sem precedentes pela unidade. Novas camadas de trabalhadores menos testados na vida política, despertos para a atividade, urgem que se alcance a unificação de todos os partidos dos trabalhadores e mesmo das organizações dos trabalhadores como um todo, na esperança de que deste modo possa aumentar a sua capacidade de resistência contra o capitalismo. Novas camadas dos trabalhadores, que anteriormente com frequência não tomavam parte ativa na luta política, estão agora pondo à prova os planos práticos do reformismo mediante sua própria experiência. Como estas novas camadas, setores significativos da classe trabalhadora que pertencem a velhos partidos sociais-democratas não mais estão felizes com a campanha centrista e social-democrática contra a vanguarda comunista. Eles estão agora começando a demandar um entendimento com os comunistas.

Mas, ao mesmo tempo, eles ainda não desistiram de suas crenças nos reformistas. Camadas significantes ainda apoiam partidos da Segunda Internacional e da Internacional de Amsterdam. Estas massas trabalhadoras não formulam seus planos e demandas com precisão, mas de forma geral seu novo estado de ânimo pode ser remetido ao desejo de estabelecer uma frente unida, tentando trazer os partidos e organizações da Segunda Internacional e as da Internacional de Amsterdam para a luta conjunta com os comunistas contra os ataques capitalistas. Nesta medida, este estado de ânimo é progressivo. Essencialmente, sua fé no reformismo foi minada. Dadas as condições gerais afetando ao movimento dos trabalhadores hoje, toda ação de massas séria, mesmo se esta começa apenas com demandas imediatas, irá inevitavelmente impôr questões mais gerais e fundamentais da revolução na ordem do dia. A vanguarda comunista só pode ser vitoriosa se novas camadas dos trabalhadores se tornarem convencidas através de sua própria experiência de que o reformismo é uma ilusão e de que a transigência na política é fatal.

5. Quando protestos conscientes e organizados contra a traição da liderança da Segunda Internacional primeiro começaram a germinar, esses líderes controlavam todo o aparato das organizações operárias. Eles utilizaram os princípios da unidade e da disciplina proletária para reprimir impiedosamente o protesto proletário revolucionário e, sem encontrar protestos, colocar todo o poder das organizações operárias a serviço do imperialismo nacional.

Sob essas condições, a ala revolucionária tinha que conseguir liberdade de agitação e propaganda a qualquer custo. Ou seja, tinha que ser capaz de explicar às massas trabalhadoras essa traição historicamente sem precedentes, que os próprios partidos criados por essas próprias massas cometeram e ainda estão cometendo.

6. Os partidos comunistas do mundo, tendo alcançado a liberdade organizacional para sua influência intelectual sobre as massas trabalhadoras, devem agora esforçar-se em todos os lugares para alcançar a unidade dessas massas, tão ampla e completa quanto possível, na ação prática. Os líderes de Amsterdã e os heróis da Segunda Internacional pregam essa unidade em palavras, mas fazem o oposto na prática. Depois que os reformistas de Amsterdã falharam em suprimir organicamente a voz do protesto e da revolta revolucionária, agora estão procurando uma rota de fuga para o beco-sem-saída em que se meteram, e estão provocando a cisão, a desorganização e a sabotagem organizacional em meio à luta das massas trabalhadoras. Uma das mais importantes tarefas atuais do Partido Comunista é pegar em flagrante e expor essas novas formas gritantes da velha traição.

7. No entanto, processos internos profundos estão agora forçando os diplomatas e líderes da Segunda Internacional e da Internacional de Amsterdam a colocarem eles próprios a questão da unidade em primeiro plano. Para novas camadas de trabalhadores, inexperientes e recém-despertados para a vida consciente, a palavra de ordem da frente única representa um desejo genuíno e honesto de unificar as forças da classe oprimida contra a ofensiva capitalista. No entanto, para os líderes e diplomatas da Segunda Internacional e da Internacional de Amsterdam, levantar o lema da unidade é uma nova tentativa de enganar os trabalhadores e atraí-los, de uma nova maneira, para o velho caminho da colaboração de classe. O perigo eminente de uma nova guerra imperialista (Conferência de Washington), o aumento do armamento, os novos tratados secretos concluídos nos bastidores – tudo isso não induziu os líderes da das Internacional 2, 2,5 e de Amsterdã a soar o alarme, a fim de alcançar a unidade internacional da classe trabalhadora, não só em palavras, mas em ações. Pelo contrário, esses desenvolvimentos somente despertarão fricções e divisões inevitáveis dentro da Segunda Internacional e da de Amsterdã, em torno das mesmas linhas de demarcação que existem no campo da burguesia internacional. Isso é inevitável, porque a solidariedade dos “socialistas” reformistas com a burguesia de seu próprio país é a pedra fundamental do reformismo.

Essas são as condições gerais em meio às quais a Internacional Comunista como um todo, bem como em cada uma de suas seções, deve determinar sua atitude em relação ao lema da frente única socialista.

8. Dada esta situação, o Comitê Executivo da Internacional Comunista considera que a palavra de ordem do Terceiro Congresso Mundial da Internacional, “Às massas”, e os interesses gerais do movimento comunista como um todo, exigem que os partidos comunistas e a Internacional Comunista, como um todo, apoiem a palavra de ordem da frente única dos trabalhadores e tomem a iniciativa nesta questão. Nisso, as táticas de cada Partido Comunista devem ser elaboradas especificamente de acordo com as condições daquele país.

9. Na Alemanha, o Partido Comunista adotou a palavra de ordem da frente única em sua última conferência nacional e declarou sua disposição em apoiar um governo unificado de trabalhadores que esteja disposto a opor um desafio razoavelmente sério ao poder capitalista. O Comitê Executivo da Internacional Comunista considera que esta decisão é absolutamente correta. Está confiante de que o Partido Comunista da Alemanha, enquanto protege totalmente suas posições políticas independentes, é capaz de penetrar camadas mais amplas dos trabalhadores e aumentar a influência do comunismo entre as massas. Na Alemanha, mais do que em qualquer outro país, as grandes massas diariamente ficarão mais convencidas de quão correta estava a vanguarda comunista quando, nos momentos mais difíceis, não baixou suas armas e enfatizou teimosamente a inutilidade dos remédios reformistas que estevam sendo proposto para acabar com uma crise que só a revolução proletária pode resolver. Ao perseguir essa tática, o partido irá, com o tempo, atrair todas as forças revolucionárias do anarquismo e do sindicalismo que atualmente se abstêm da luta de massas.

10. Na França, o Partido Comunista é majoritário entre os trabalhadores politicamente organizados. A questão da frente única está, portanto, colocada na França de uma maneira um pouco diferente do que em outros países. Mas aqui também é essencial colocar toda a responsabilidade pela divisão do campo dos trabalhadores unificados em nossos oponentes. A secção revolucionária do sindicalismo francês está justamente combatendo a divisão nos sindicatos, em outras palavras, defendendo a unidade da classe trabalhadora na luta econômica contra a burguesia. Mas a luta dos trabalhadores não se limita à fábrica. A unidade também é necessária contra a onda crescente da reação, políticas imperialistas e assim por diante. As políticas dos reformistas e centristas, em contraste, resultaram na divisão do partido e agora ameaçam dividir o movimento sindical, mostrando que Jouhaux, bem como Longuet, estão objetivamente servindo à causa da burguesia. A palavra de ordem de uma frente única proletária tanto na luta econômica como na luta política contra a burguesia continua a ser o melhor meio de impedir esses planos de divisão.

A CGT reformista, liderada por Jouhaux, Merrheim e companhia trai os interesses da classe trabalhadora francesa. Não obstante, os comunistas franceses e as forças revolucionárias da classe trabalhadora francesa como um todo devem, antes de cada greve de massas, demonstração revolucionária ou qualquer ação de massas revolucionárias, propor aos reformistas que eles apoiem esta ação. Se eles se recusam a se alinhar à luta revolucionárias dos trabalhadores, eles devem ser expostos sistematicamente. Este é o modo mais fácil de ganhar os trabalhadores que se encontram fora do partido. É claro, isso não significa que o Partido Comunista da França deva de nenhum modo restringir sua independência, por exemplo, dado qualquer apoio durante a campanha eleitoral ao “Bloco de Esquerda” ou através de demonstrações de tolerância frente a comunistas vacilantes que ainda lamentem a separação com os social-patriotas.

11. Na Grã-Bretanha, o Partido Trabalhista reformista se recusou a permitir que o Partido Comunista se filiasse a ele na mesma base que outras organizações de trabalhadores. Influenciadas pelo clima crescente de unidade entre os trabalhadores, as organizações de trabalhadores de Londres aprovaram recentemente uma resolução apoiando a aceitação do Partido Comunista da Grã-Bretanha no Partido Trabalhista.

Desnecessário dizer que a Grã-Bretanha é uma exceção a esse respeito, porque o Partido Trabalhista Britânico, como resultado das condições incomuns lá, é uma espécie de associação de trabalhadores em geral para todo o país. Os comunistas britânicos devem lançar uma campanha vigorosa para sua admissão no Partido Trabalhista. A recente traição dos líderes sindicais durante a greve dos mineiros de carvão, a campanha sistemática dos capitalistas para reduzir os salários dos trabalhadores, e assim por diante – tudo isso levou a um forte fermento entre as forças revolucionárias do proletariado britânico. Os comunistas britânicos deveriam fazer todos os esforços para estender sua influência às profundezas das massas trabalhadoras, utilizando a palavra de ordem da frente única revolucionária contra os capitalistas.

12. Na Itália, o recém-formado Partido Comunista tem sido hostil ao Partido Socialista reformista da Itália e aos traidores sociais da Confederação do Trabalho (CGL), que recentemente realizou uma traição aberta contra a revolução proletária. Não obstante, o Partido Comunista está começando a conduzir sua agitação usando a palavra de ordem da frente única proletária contra a ofensiva capitalista. O Comitê Executivo da Internacional Comunista considera que tal agitação dos comunistas italianos é completamente correta e pede apenas que ela avance nessa direção. O Comitê Executivo da Internacional Comunista está convencido de que o Partido Comunista da Itália, com suficiente visão de longo prazo, pode fornecer à Internacional inteira um exemplo de marxismo militante, que impiedosamente expõe a cada passo as traiçoeiras meias-medidas dos reformistas e centristas (que adotaram o disfarce do comunismo), ao mesmo tempo em que realizavam uma incansável campanha pela frente única dos trabalhadores contra a burguesia, que deveria se expandir continuamente e envolver setores cada vez maiores das massas.

Neste processo, o partido deve fazer todo o possível para envolver todas as forças revolucionárias do anarquismo e do sindicalismo na luta comum.

13. Na Checoslováquia, onde o Partido Comunista desfruta do apoio de um setor significativo de trabalhadores politicamente organizados, as tarefas dos comunistas são, em alguns aspectos, semelhantes às dos comunistas na França. Ao mesmo tempo que fortalece a sua independência e elimina os últimos vestígios de centrismo, o Partido Comunista da Checoslováquia também conseguirá popularizar a palavra de ordem da frente única dos trabalhadores contra a burguesia. Desta forma, exporá conclusivamente os líderes da social-democracia e os centristas aos trabalhadores atrasados como agentes do capitalismo. Ao mesmo tempo, os comunistas da Checoslováquia devem redobrar seus esforços para conquistar os sindicatos, que ainda estão, em grande parte, nas mãos de líderes vacilantes.

14. Na Suécia, as recentes eleições parlamentares conduziram a uma situação em que a pequena fração comunista pode desempenhar um papel importante. Um dos líderes mais proeminentes da Segunda Internacional, Branting, que também é o primeiro-ministro da burguesia sueca, encontra-se agora numa situação em que, ao buscar uma maioria parlamentar, não pode ser indiferente à atitude dos deputados comunistas. O Comitê Executivo da Internacional Comunista acredita que a fração comunista no parlamento sueco, sob certas circunstâncias, não deve recusar apoio a um ministério menchevique liderado por Branting – seguindo o exemplo dos comunistas alemães em alguns dos governos provinciais daquele país (Turíngia). Isso não implica que os comunistas suecos devam limitar de alguma forma sua independência ou deixar de expor o caráter do governo menchevique. Ao contrário, quando os mencheviques aumentam em poder, eles traem ainda mais a classe trabalhadora, e os comunistas devem aumentar o vigor de seus esforços para expor os mencheviques às amplas camadas dos trabalhadores. O Partido Comunista deve também continuar os esforços para atrair os trabalhadores sindicalistas para uma luta unida contra a burguesia.

15. Nos Estados Unidos, a unificação de todas as forças de esquerda no movimento sindical e político está em andamento. Isso dá aos comunistas a possibilidade de ganhar influência entre as amplas massas do proletariado estadunidense e de desempenhar um papel central nessa unificação da esquerda. Os comunistas estadunidenses deveriam formar grupos comunistas onde quer que alguns comunistas estivessem presentes. Amparados por tais grupos, eles devem assumir a liderança no movimento para unificar todas as forças revolucionárias e enfaticamente elevar a palavra de ordem de uma frente única dos trabalhadores, por exemplo, em defesa dos desempregados. Sua principal acusação contra os sindicatos liderados por Gompers deveria, a partir de agora, ser sua recusa em tomar parte na construção de uma frente única dos trabalhadores contra os capitalistas, a fim de defender os desempregados, e assim por diante. O Partido Comunista tem uma tarefa especial em atrair as melhores forças do IWW.

16. Na Suíça, o nosso partido alcançou algum sucesso em torno destas linhas. Graças à agitação comunista por uma frente única revolucionária, conseguiram forçar a burocracia sindical a convocar um congresso especial. No congresso, que será realizado em breve, nossos camaradas poderão expor as mentiras do reformismo e impulsionar o trabalho de alcançar a unidade revolucionária do proletariado.

17. Em vários outros países, a questão é colocada de maneira diferente devido às condições locais. Tendo explicado a linha geral, o Comitê Executivo da Internacional Comunista está confiante de que cada Partido Comunista poderá aplicá-la em conformidade com as condições existentes em seu país.

18. O Comitê Executivo da Internacional Comunista considera que a principal condição para este trabalho é que o Partido Comunista mantenha a autonomia absoluta e a completa independência. Isto aplica-se igualmente, incondicionalmente e categoricamente a todos os partidos comunistas, em todos os países, que chegam a qualquer tipo de acordo com os partidos das internacionais reformistas. Inclui a completa liberdade em apresentar seu ponto de vista e em criticar os oponentes do comunismo.

Embora os comunistas devam aceitar a disciplina exigida para a ação, eles não devem, sob nenhuma condição, renunciar ao direito e à capacidade de expressar, não apenas antes e depois da ação, mas quando necessário, ainda no curso da ação, sua opinião sobre as políticas de todas as organizações da classe trabalhadora, sem exceção. Esta capacidade não deve ser cedida em nenhuma circunstância. Embora apoiando a palavra de ordem da maior unidade possível de todas as organizações de trabalhadores em todas as ações práticas contra os capitalistas unidos, os comunistas não devem se abster de apresentar seus pontos de vista, que são a única expressão consistente da defesa dos interesses da classe trabalhadora como um todo.

19. O Comitê Executivo da Internacional Comunista considera útil relembrar todas organizações irmãs das experiências dos bolcheviques russos, o único partido até agora a ter conseguido vencer a burguesia e tomar o poder em suas próprias mãos. Durante os quinze anos transcorridos desde o surgimento do bolchevismo até sua vitória sobre a burguesia (1903-1917), o bolchevismo nunca cessou em sua luta incessante contra o reformismo, ou menchevismo, que é a mesma coisa. Mas, durante esses quinze anos, os bolcheviques chegaram frequentemente a acordos com os mencheviques.

A separação formal ocorreu na primavera de 1905. Mas sob a influência de um tumultuoso movimento operário, os bolcheviques formaram uma frente comum com os mencheviques no final de 1905. A segunda separação formal com os mencheviques ocorreu em janeiro de 1912, e foi definitiva. No entanto, entre 1905 e 1912, houve divisões, unificações e semi-unificações no período 1906-1907 e novamente em 1910. Essas unificações e semi-unificações ocorreram não apenas no curso da luta de frações, mas também sob a pressão imediata das amplas massas trabalhadoras, que despertaram para a vida política ativa e exigiram que lhes fosse dada a oportunidade de testar, por sua própria experiência, se o caminho menchevique era realmente fundamentalmente diferente daquele da revolução.

Antes do novo movimento revolucionário que se seguiu à greve de Lena, pouco antes do início da guerra imperialista, um forte desejo de unidade era evidente entre as massas trabalhadoras da Rússia. Os líderes e diplomatas do menchevismo russo procuraram utilizar esse empenho pela unidade para seus próprios propósitos, da mesma maneira que os líderes atuais da Segunda Internacional, da Internacional 2,5 da Internacionais de Amsterdã.

Os bolcheviques russos não reagiram à ânsia dos trabalhadores pela unidade repudiando qualquer frente única. Pelo contrário. Como um contrapeso ao jogo diplomático dos líderes mencheviques, os bolcheviques avançaram a palavra de ordem da “unidade a partir de baixo”, isto é, a unidade das massas trabalhadoras na luta prática pelas demandas dos trabalhadores contra os capitalistas. A experiência mostrou que essa foi a única resposta correta. E como resultado dessa tática – que variava de acordo com as circunstâncias, o tempo e a localização – uma grande proporção dos melhores trabalhadores mencheviques foi conquistada para o comunismo.

20. Dado que a Internacional Comunista está promovendo a palavra de ordem da frente única dos trabalhadores e dos acordos das seções individuais com os partidos e associações da Segunda Internacional, ela não pode repudiar acordos similares em nível internacional. O Comitê Executivo da Internacional Comunista fez uma proposta à Internacional de Amsterdã sobre a campanha pelo alívio da fome para a Rússia. Ela repetidamente fez propostas como estas em relação ao terror branco e à perseguição de trabalhadores na Espanha e na Iugoslávia. O Comitê Executivo da Internacional Comunista está agora fazendo uma nova proposta para os líderes de Amsterdã e das Segundas e Segunda-e-meia Internacionais em relação ao trabalho inicial da Conferência de Washington, que mostrou que a classe trabalhadora internacional está ameaçada por um novo massacre imperialista.

Até agora, os líderes do Segunda Internacional Segunda-e-Meia e da Internacional de Amsterdam, por meio de sua conduta, na prática abandonam a palavra de ordem da unidade sempre que ela envolva atividade prática. Em todos esses casos, a Internacional Comunista como um todo e todas as suas seções terão a tarefa de explicar a hipocrisia dos líderes destas Internacionais, que preferem a união com a burguesia à unidade com os trabalhadores revolucionários. Por exemplo, eles permanecem na Organização Internacional do Trabalho (OIT) da Liga das Nações; eles participam da conferência imperialista de Washington em vez de organizar a luta contra ela.

No entanto, o fato de que os líderes da Segunda Internacional, da Internacional 2,5 e da Internacional de Amsterdã rejeitarem essa ou aquela proposta prática da Internacional Comunista não nos induzirá a abandonar a tática de frente única, que tem raízes profundas entre as massas. Vamos desenvolvê-la de forma sistemática e inabalável. Nos casos em que uma proposta de luta unida seja rejeitada por nossos oponentes, é necessário que as massas ouçam isso, e assim aprendam quem são os verdadeiros destruidores da frente única dos trabalhadores. Nos casos em que nossos oponentes aceitem tal proposta, devemos buscar gradualmente ampliar a luta e aumentar sua intensidade. Em ambas as variantes, a atenção das amplas massas trabalhadoras deve ser atraída para as negociações dos comunistas com outras organizações, pois é necessário interessar as massas trabalhadoras em todas as etapas da luta pela frente única revolucionária dos trabalhadores.

21. Ao propor este plano, o Comitê Executivo da Internacional Comunista chama a atenção dos partidos irmãos para os perigos que pode acarretar sob certas circunstâncias. Nem todo Partido Comunista está suficientemente desenvolvido e consolidado. Eles não quebraram completamente a ideologia centrista e semi-centrista. Há casos em que se pode ir longe demais, tendência que significaria genuinamente a dissolução de partidos e grupos comunistas em um bloco unificado disforme. A fim de aplicar essa nova tática com sucesso e no interesse do comunismo, é necessário que os partidos comunistas que executam a política estejam forte e firmemente unidos e que suas lideranças se distingam pela clareza ideológica.

22. Nos agrupamentos dentro da Internacional Comunista que são, com maior ou menor justificação, denominados direitistas ou mesmo semi-centristas, há sem dúvida tendências de dois tipos. Algumas forças realmente não romperam com a ideologia e os métodos da Segunda Internacional, não se libertaram da reverência à sua força organizacional anterior e estão buscando semiconsciente ou inconscientemente um caminho para o acordo ideológico com a Segunda Internacional e, portanto, também com a sociedade burguesa. Outras forças, que lutam contra o radicalismo formal e contra os erros dos chamados “esquerdistas”, procuram dotar as políticas dos novos partidos comunistas com mais flexibilidade e capacidade de manobra, a fim de lhes permitir ganhar influência mais rapidamente entre as bases das massas trabalhadoras.

Dado o ritmo acelerado de desenvolvimento dos partidos comunistas, essas duas tendências aparecem estar, de tempos em tempos, no mesmo campo, na verdade até certo ponto no mesmo agrupamento. A melhor maneira de revelar tendências genuinamente reformistas dentro dos partidos comunistas é implementar os métodos aqui propostos, que visam ganhar para a agitação comunista uma base na ação de massa unificada do proletariado. Quando aplicada adequadamente, essa tática contribui extraordinariamente para a consolidação revolucionária dos partidos comunistas, tanto por educar através da experiência forças impacientes ou inclinadas ao sectarismo, quanto pela liberação dos partidos do lastro reformista.

23. A frente única dos trabalhadores deve ser entendida como a unidade de todos os trabalhadores que querem lutar contra o capitalismo, incluindo os trabalhadores que ainda seguem os anarquistas ou sindicalistas. Em muitos países, esses trabalhadores podem ajudar a luta revolucionária. Desde os primeiros dias de sua existência, a Internacional Comunista seguiu um curso de amizade com essas forças operárias, que estão gradualmente superando seus preconceitos e avançando em direção ao comunismo. É tanto mais necessário estar atento a eles agora que a frente única dos trabalhadores contra o capitalismo está se tornando uma realidade.

24. A fim de determinar finalmente o curso dos trabalhos futuros ao longo das linhas indicadas, o Comitê Executivo da Internacional Comunista resolve realizar em breve uma reunião do Comitê Executivo Ampliado para incluir o dobro do número habitual de delegados de cada partido.

25. O Comitê Executivo da Internacional Comunista seguirá de perto todos os passos práticos tomados nesta difícil área de trabalho e pede que todos os partidos o informem sobre todas as tentativas e sucessos nesta área, dando detalhes factuais completos.


[1] Abaixo, o excerto das resoluções do Terceiro Congresso da Internacional Comunista no tocante à tática da Frente Única Proletária.

Construir a frente única proletária

A burguesia mundial é incapaz de assegurar aos operários a trabalha, o pão, a casa e o vestuário: mas da mostra grande capacidade de organização da guerra contra o proletariado mundial. Desde o momento de sua primeira grande desorientação, desde que ela conseguiu suportar sem medo os operários que regressavam da guerra, desde que da conseguiu faze-los voltar às usinas, esmagar seu primeiros levantes, renovar sua aliança de guerra com as social-democratas e os traidores socialistas contra o proletariado e assim dividi-los, ela empregou todas as suas forças para organizar guardas-brancas contra o proletariado c desarmar esse último. Armada até as dentes, a burguesia mundial está pronta não apenas a se opor pelas armas a toda sublevação do proletariado, mas também a provocar, se for necessária, sublevações prematuras do proletariado que se prepara para a luta; ela deseja esmaga-lo antes que esteja formado o front comum invencível. A Internacional Comunista deve opor sua estratégia à estratégia da burguesia mundial. Contra o dinheiro do capital mundial que opõe ao proletariado organizando seus bandos armados, a Internacional Comunista dispõe de uma arma infalível: as massas do proletariado, a front único e firme do proletariado. Os estratagemas e a violência da burguesia não terão sucesso se milhares de operários avançarem em fileiras cerradas para o combate. Os caminhos de ferro sobre os quais a burguesia transporta suas tropas brancas estarão parado; o terror branco se apoderará então de uma parte das próprias guardas-brancas e o proletariado tirará suas armas para a lutar contra as outras formações de guardas-brancas. se conseguirmos levar o proletariado à luta, unido num front único, o capital e a burguesia mundial, perderão as chances de vitória, a fé na vitória que só podem lhe dar a traição da social-democracia, a divisar da classe operária. A vitória sobre o capital mundial ou melhor o caminho para esta vitória é a conquista dos corações da maioria da classe operária. O III Congresso Mundial da Internacional Comunista convoca os Partidos Comunistas de todos os países, os comunistas dos sindicatos, a fazerem esforços, todos os esforços para livrar as maiores massas operarias da influência dos Partidos Social-democratas e da burguesia sindical traidora. Esse objetivo só será alcançado se os comunistas de todos os países se mostrarem combatentes da vanguarda da classe operária durante essa época difícil, na qual cada dia apresenta às massas operárias novas privações e novas misérias, que leva-as a lutarem por um pedaço de pão a mais, que leva-as a lutarem contra a carga cada vez mais insuportável que impõe o capitalismo. É preciso mostrar à massa trabalhadora que só os comunistas lutam pela melhoria de sua situação e que a social-democracia e a burocracia sindical reacionária estão dispostas a deixar o proletariado na condição de presa da fome em vez de levá-lo ao combate. Poderemos bater os traidores do proletariado, os agentes da burguesia no terreno da discussão teórica, da democracia e da ditadura; nós os esmagaremos nas questões do pão, dos salários, do vestuário e da habitação. E o primeiro campo de batalha, o mais importante, sobre o qual poderemos batê-los, é aquele do movimento sindical; eles serão vencidos na luta que levaremos contra a Internacional Sindical Amarela de Amsterdã e pela Internacional Sindical Vermelha. É a luta pela conquista das posições inimigas em nosso próprio campo; é a questão da formação de um front de combate para fazer oposição ao capital mundial. Preservem suas organizações de toda tendência centrista, mantenham vivo o espírito de combate entre vocês.

Somente na luta pelos interesses mais simples, mais elementares das massas operárias, poderemos formar um front unido do proletariado contra a burguesia. Apenas nessa luta poderemos pôr fim às divisões no seio do proletariado, divisões que constituem a base sobre a qual a burguesia pode prolongar sua existência. Mas esse front do proletariado só será poderoso e apto para o combate se for mantido pelos Partidos Comunistas, cujo espírito deve ser unido e firme; e a disciplina, sólida e severa. Por isso, o III Congresso Mundial da Internacional Comunista, ao mesmo tempo que lançou aos comunistas de todos os países o grito de “Às massas!” “Formem o front unido do proletariado!” recomendou: “Mantenham seus fronts livres dos elementos capazes de destruir a moral e a disciplina de combate das tropas de ataque do proletariado mundial, dos partidos comunistas”. O Congresso da Internacional Comunista aprova e confirma a exclusão do Partido Socialista da Itália, exclusão que deve ser mantida até que esse partido rompa com os reformistas e os expulse de suas fileiras. O Congresso expressa também sua convicção de que, se a Internacional Comunista deseja levar milhões de operários ao combate, não deve tolerar a presença dos reformistas em suas fileiras. Os objetivos dos reformistas não é a revolução triunfante do proletariado, mas a reconciliação com o capitalismo e a reforma desse último. Os exércitos que toleram a presença de chefes que desejam a reconciliação com o inimigo, são traidores e estão vendidos ao inimigo por esses mesmos chefes. A Internacional Comunista colocou sua atenção no fato de que todos os Partidos que excluíram os reformistas mantêm ainda tendências que não podem sustentar definitivamente o espírito do reformismo; se essas tendências não trabalham pela reconciliação com o inimigo, elas não se aplicam entretanto muito energicamente em sua agitação e em sua propaganda para preparar a luta contra o capitalismo, elas não trabalham com suficiente energia e decisão para revolucionar as massas. Os Partidos que não estão em condições, por seu trabalho revolucionário cotidiano, de se transformarem em insufladores revolucionários das massas, que não estão em condições de reforçar cotidianamente com paixão e ímpeto a vontade de luta das massas, tais partidos deixarão escapar as situações favoráveis para a luta, afundarão nas grandes lutas espontâneas do proletariado, como foi o caso da ocupação das usinas na Itália e na greve de dezembro na Checoslováquia.

Os Partidos Comunistas devem formar seu espírito de combate, devem ser o Estado-maior capaz de escolher imediatamente as situações favoráveis da luta e tirar todas as vantagens possíveis por uma direção corajosa dos movimentos espontâneos do proletariado. “Sejam a vanguarda das massas operárias que se colocam em movimento, sejam seu coração e seu cérebro”. Esse é o grito que o III Congresso Mundial da Internacional Comunista lança aos Partidos Comunistas. Ser a vanguarda é marchar à frente das massas, como sua parte mais valorosa, mais prudente, mais clarividente. Somente sendo a vanguarda, os Partidos Comunistas poderão formar o front unido do proletariado, poderão dirigi-lo e triunfar sobre o inimigo.

Opor a Estratégia do Proletariado à estratégia do Capital: Preparem Suas lutas!

O inimigo é poderoso, porque tem atrás de si séculos de poder que ele criou na consciência de sua força e na vontade de manter esse poder. O inimigo é forte, porque ele aprendeu durante séculos como dividir as massas proletárias, como oprimi-las e vencê-las. O inimigo sabe como conduzir vitoriosamente a guerra civil e, por isso, o III Congresso da Internacional Comunista chama a atenção dos Partidos Comunistas de todos os países para o perigo que representa a estratégia instruída da classe dominante e possuidora e para os defeitos da estratégia da classe operária em luta pelo poder. Os acontecimentos de março na Alemanha mostraram o grande perigo que existe em deixar o inimigo empurrar para a luta, com sua astúcia, as primeiras fileiras da classe operária, a vanguarda comunista do proletariado, antes que as grande massas estejam em movimento. A Internacional Comunista saúda com satisfação o fato de centenas de milhares de operários da Alemanha terem ido em auxílio aos operários da Alemanha Central ameaçado de todos os lados. É no espírito de solidariedade, na sublevação do proletariado de todos os países para a proteção de uma parte ameaçada que a Internacional Comunista vê o caminho da vitória. Ela saúda o fato de o Partido Comunista Unificado da Alemanha ter-se colocado à frente das massas operárias que acorreram para defender seus irmãos ameaçados. Mas, ao mesmo tempo, a Internacional Comunista considera como um dever dizer franca e claramente aos operários de todos os países: mesmo que a vanguarda não possa evitar o confronto, mesmo que essas lutas levem à mobilização de toda a classe operária, esta vanguarda não poderá esquecer que ela não deve ir sozinha e isolada para as lutas decisivas, que não pode ser constrangida a ir isolada para o combate, ela deve evitar o choque armado com o inimigo, pois a única fonte de vitória do proletariado sobre as guardas-brancas armadas é a massa. Se a vanguarda não avança em massa dominando o inimigo, deve evitar, minoria desarmada, de entrar em luta armada contra o inimigo. Os combates de março forneceram uma lição sobre a qual a Internacional Comunista chama a atenção dos proletários de todos os países. É preciso preparar as massas operárias para as lutas iminentes, para uma agitação revolucionária ininterrupta, cotidiana, intensa e vasta; é preciso entrar no combate com as palavras de ordem claras e compreensíveis para as grandes massas proletárias. À estratégia do inimigo é preciso opor uma estratégia prudente e refletida. A vontade de combate nas fileiras da vanguarda, sua coragem e firmeza, não são suficientes. A luta deve ser preparada, organizada, de maneira que apareça a eles como a luta por seus interesses mais essenciais e de maneira que os mobilize imediatamente. Quanto mais o capital mundial se sentir em perigo, mais tentará tornar impossível a vitória da Internacional Comunista, isolando suas primeiras fileiras do restante das grandes massas e, com isso, derrotando-a. A esse plano, a esse perigo, é preciso contrapor uma agitação vasta e intensa das massas, conduzidas pelos Partidos Comunistas, um trabalho de organização enérgico, através do qual esses partidos assegurarão sua influência sobre as massas, uma fria apreciação da situação do combate, uma tática refletida que deverá evitar a luta com forças superiores e desfechar o ataque nas situações em que o inimigo estiver dividido e a massa unida.

O III Congresso da Internacional Comunista sabe que a classe operária não parará de formar Partidos Comunistas capazes de cair como um raio sobre o inimigo no momento em que estiver mais oprimida, e evitar esse ataque quando ele estiver em situação melhor, sabe que ela aprenderá com a experiência das lutas. É, portanto, dever dos proletários de todos os países tentar compreender e utilizar todas as lições, todas as experiências adquiridas pela classe operária de um país às custas de grandes sacrifícios.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: