Mais do que palavras: formulando palavras de ordem para a luta

Por Derek Ford, via Liberation School, traduzido por Igor Gavão

As palavras de ordem desempenham um papel fundamental em todas as atividades políticas, sejam manifestações locais, piquetes, greves ou movimentos de massa. Embora o fato de que palavras de ordem sejam curtas possa parecer de menor importância ou uma mera questão de semântica, o fato é que as palavras de ordem podem ser fatores decisivos nas lutas políticas individuais e mais prolongadas, por movimentos de reforma e revolução.


Palavras de ordem não são apenas palavras que colocamos em faixas e cartazes. São ferramentas para orientar e guiar a atividade política – incluindo a divulgação em massa – para unir diferentes setores do movimento; educar as pessoas, ajudando-as a chegar a suas próprias conclusões; e educar o Partido, revelando a consciência do povo.

Como cristalização de situações e ideias complexas, as palavras de ordem destilam teoria e estratégia política em fórmulas concisas; elas não podem dizer tudo. Como as lutas são dinâmicas, elas precisam ser re-avaliadas constantemente. Uma palavra de ordem pode estar correta em um dia e incorreta no dia seguinte.

Tudo isso significa que as palavras de ordem podem ter consequências reais e materiais. Eles podem avançar uma luta ou atrasá-las, alienar as pessoas ou atraí-las, comunicar a verdade ou enganar.

Se uma palavra de ordem está correta ou não, não é uma questão abstrata, mas concreta. Uma palavra de ordem pode ser teoricamente correta, na medida em que comunica uma verdade política, mas ser na prática incorreta, porque não relaciona essa verdade às condições específicas de luta da época.

As palavras de ordem devem ser acessíveis às grandes massas do povo, não apenas em termos de redação, mas em termos do conteúdo que estabelece um ponto de contato com a consciência das pessoas. Isso não significa que elas atendam ao “menor denominador comum”, mas que falam aos segmentos mais amplos possíveis do movimento. Em outras palavras, os marxistas não criam palavras de ordens para nós e outros marxistas, mas para as massas. Elas são ferramentas de ensino.

Como toda propaganda, os as palavras de ordem têm escalas diferentes. Elas podem ser específicas para uma luta em um município em um momento, ou podem ter relevância nacional e internacional. Algumas palavras de ordem assumem a forma de demandas, enquanto outros assumem a forma de demarcações, afirmações políticas.

O objetivo deste artigo é detalhar os elementos e funções acima das palavras de ordem e ilustrar os papéis críticos que elas assumem durante lutas concretas. Isso é ilustrado com mais clareza nas reviravoltas da luta revolucionária na Rússia, em 1917. Nas seções finais, damos alguns exemplos mais contemporâneos e, em seguida, percorremos algumas questões norteadoras para ajudar na formulação de palavras de ordem.

Lenin sobre as palavras de ordem: Todo poder aos sovietes!

Em meados de julho de 1917, Lenin publicou um pequeno panfleto “Sobre as palavras de ordem” (nota: nesta seção, usamos as datas do calendário juliano). Nele, ele refletiu sobre a recente mudança drástica na dinâmica e a necessidade correspondente de novas palavras de ordem:

“Muitas vezes aconteceu que, quando a história deu uma guinada brusca, até os partidos progressistas foram incapazes de se adaptar à nova situação e repetiram palavras de ordem que antes estavam corretas, mas agora perderam todo o sentido – o perderam tão ‘repentinamente’ quanto a acentuada virada na história foi ‘repentina’.

Algo do tipo parece se repetir em conexão com a palavra de ordem que pedia a transferência de todo o poder do Estado para os sovietes. Essa palavra de ordem estava correta durante um período de nossa revolução – digamos, de 27 de fevereiro a 4 de julho – que passou irrevogavelmente. Ela deixou de estar correta agora. A menos que isso seja entendido, é impossível compreender qualquer coisa das questões urgentes do momento. Toda palavra de ordem particular deve ser deduzida da totalidade de características específicas de uma situação política definida.”

A palavra de ordem “Todo o poder aos Soviets”, que Lenin propôs pela primeira vez em suas “Teses de abril”, não estava mais correta no momento, porque não correspondia mais à correlação de forças. Já não podia levar o movimento adiante. Pelo contrário, levaria o movimento às mãos da contra-revolução. Em meados de julho, era uma palavra de ordem enganosa.

A última frase citada acima merece ser repetida: “Toda palavra de ordem particular deve ser deduzida da totalidade de características específicas de uma situação política definida”.

Somente avaliando sobriamente a dinâmica política atual é que o Partido pode formular uma palavra de ordem correta. À medida que essa dinâmica se desenrola, o Partido deve reavaliar e, quando necessário, retirar, modificar ou criar novas palavras de ordem.

Para apreciar melhor os escritos de Lenin sobre as palavras de ordem, é útil revisar a evolução das palavras de ordem dos Bolcheviques nos meses anteriores.

A revolução de fevereiro de 1917 derrubou o domínio czarista e instituiu uma situação de poder dual, uma situação totalmente única em que o poder repousava tanto no novo governo provisório quanto nos deputados dos Sovietes de Operários e Soldados. O poder real repousava nos Sovietes, uma democracia de base que derivava sua autoridade dos trabalhadores, camponeses, marinheiros e soldados. Eles eram compostos de vários partidos políticos e, nos primeiros dias de 1917, os Socialistas Revolucionários e os Mencheviques, que eram social-democratas de uma faixa ou de outra, eram as forças dominantes. O governo provisório – encarregado de organizar eleições democráticas – era dominado pelo Partido Democrata Constitucional, ou Cadetes, que favorecia uma monarquia constitucional com direitos para os trabalhadores. A composição do governo mudou ao longo do ano, também tendo representantes de outros partidos, incluindo os Socialistas Revolucionários (a partir de março) e os Mencheviques (a partir de abril).

Lenin descreveu essa situação como poder dual, pois o poder estava dividido entre essas duas forças – que ele chamou de ditadura da burguesia (o governo provisório) e a nascente ditadura do proletariado (os Soviets) – e havia um acordo mais ou menos estável entre elas. Havia um nível sem precedentes de liberdade política na época, quando os comunistas foram capazes de agitar, organizar e protestar abertamente.

Quando ele voltou do exílio para a Rússia em abril, Lenin apresentou a palavra de ordem “Todo o poder aos Soviets”. Ela foi inicialmente rejeitada pelo Partido por essa palavra de ordem (e pelas “Teses de abril”), mas, por meio do convencimento político, conquistou os membros do Partido. Os Bolcheviques também retiraram sua palavra de ordem anterior, “Transformar a guerra imperialista em uma guerra civil”, nesta época.

Para entender o significado dessa palavra de ordem e o trabalho que ela fez, há algumas coisas a serem observadas. Obviamente, a palavra de ordem defendia que o poder deveria ser transferido do governo provisório para os Sovietes, e não que os Sovietes deveriam derrubar o governo. O governo provisório era fraco e exigia o consentimento dos Sovietes para governar. A palavra de ordem significava que os Bolcheviques deveriam direcionar toda a sua energia para aumentar o poder dos Sovietes e sua influência dentro deles. Além disso, a palavra de ordem era uma mensagem para as massas que constituíam os sovietes: vocês, trabalhadores e oprimidos, têm poder e podem toma-lo! Vocês não precisam do governo provisório!

“Todo o poder aos Sovietes” também expressou total oposição ao governo provisório. Isso contrastava com os Socialistas Revolucionários e os Mencheviques, que pediam confiança no governo provisório.

O que é particularmente interessante é que, naquela época, não apenas os Bolcheviques eram a minoria dos Sovietes, mas a Comissão Executiva do Soviete dos Deputados Soldados estava, na realidade, aprovando resoluções denunciando Lenin e os Bolcheviques naquele momento, equiparando sua propaganda à dos monarquistas. Por que os Bolcheviques pediam que todo o poder fosse transferido para uma instituição na qual eles não tinham poder real?

A palavra de ordem antecipava a inevitabilidade de uma luta aberta entre o governo e os Sovietes. Os Bolcheviques sabiam que, devido à sua orientação política, os Socialistas Revolucionários e os Mencheviques não seriam capazes de se dividir entre as duas formas de poder para sempre. Eles teriam que fazer escolhas – por meio de ações e palavras – e essas escolhas os exporiam perante as massas. A palavra de ordem antecipava certos desenvolvimentos.

Um crise após a outra, a incompatibilidade do poder dual se acentuou, e em todas estas os Socialistas Revolucionários e Mencheviques ficaram do lado da burguesia imperialista do governo provisório, em vez dos trabalhadores e oprimidos dos Sovietes. Dessa maneira, palavra de ordem foi criada para educar o movimento; não repetidamente dando palestras às pessoas com um ponto de vista, mas ajudando-as a chegar à suas próprias conclusões com base em suas próprias experiências.

Durante a primeira crise no final de abril – quando as ruas irromperam em protestos e reuniões, e elementos reacionários liderados por oficiais militares e as Centúrias Negras atacaram trabalhadores – uma seção dos Bolcheviques marchou sob o lema “Abaixo o governo provisório” até que o Comitê Central local interveio e ordenou que parassem.

A princípio, a palavra de ordem pode parecer semelhante ou compatível com “Todo o poder aos Sovietes”. Afinal, se houver dois poderes, exigir todo o poder de um implica um poder zero ao outro, o que resultaria na queda desse poder. Mas as palavras de ordem são diferentes de maneiras cruciais. Em uma resolução adotada imediatamente após o término dos protestos, o Comitê Central escreveu que a palavra de ordem “Abaixo o governo provisório” era “incorreta no momento presente porque, na ausência de uma sólida (isto é, com consciência de classe e organizada) maioria do povo do lado do proletariado revolucionário, essa palavra de ordem é uma frase vazia ou objetivamente, equivale a tentativas de caráter aventureiro ”.

Não que a palavra de ordem estivesse errada em abstrato ou para sempre, mas que era inadequada e prematura em relação à situação política existente. Ela não fazia nada para educar ou avançar na luta e deixava, desnecessariamente, o Partido vulnerável às acusações de que queria montar uma insurreição violenta (acusações que apareceram em jornais rivais nos dias seguintes).

O fato de o Partido ter emitido palavras de ordem contrastantes revelou uma fraqueza em sua organização e unidade interna, o que, por sua vez, resultou em falta de organização e unidade no movimento.

A crise terminou quando os Socialistas Revolucionários e os Mencheviques racharam sob pressão e fizeram os Sovietes votar sua confiança no governo. Como parte do acordo, seis Socialistas Revolucionários e Mencheviques entraram no governo como ministros. Embora “Todo o poder aos Sovietes” permanecesse em vigor, os bolcheviques avançaram novas palavras de ordem, incluindo “Abaixo os 10 ministros capitalistas”. Ao enquadrar desta maneira, os Bolcheviques ainda não estavam pedindo a derrubada do governo. Eles também não estavam concentrando sua agitação contra os seis ministros “socialistas” que colaboravam com os imperialistas. Em vez disso, a palavra de ordem pedia aos Socialistas Revolucionários e Mencheviques que rompessem com os imperialistas no governo. Ao fazê-lo, a palavra de ordem continuou a expor a vacilação desses grupos e sua incapacidade de proporcionar a paz, a terra e o pão que as massas precisavam e exigiam.

Os Bolcheviques avançaram as palavras de ordem durante o próximo grande protesto de 18 de junho, que Lenin disse à época ter marcado um “ponto de virada” no movimento, por causa da maturidade política dos manifestantes. Foi uma demonstração curta, mas massificada, durante a qual as palavras de ordem dos Bolcheviques claramente prevaleceram. Colocar as palavras de ordem nas ruas permitiu aos Bolcheviques medir a temperatura do movimento, avaliar o nível de consciência entre as massas.

As palavras de ordem são, então, uma via de mão dupla que não apenas educa as massas, mas também educa o Partido.

Apenas algumas semanas depois, nos dias de julho, os trabalhadores realizaram as manifestações mais militantes de todos os tempos, quase ao ponto da insurreição. Muitos trabalhadores pediram aos Bolcheviques que tomassem o poder naquele momento, mas estes recusaram porque as ações estavam concentradas demais em Petrogrado e ainda eram minoria nos Sovietes. As forças pró-governo abriram fogo contra os trabalhadores e queimaram a imprensa e a sede dos Bolcheviques.

Embora não tenha havido um massacre em larga escala, os eventos foram outro ponto de virada na luta. A relativa paz e liberdade introduzida pela Revolução de Fevereiro foi quebrada. Não havia mais poder dual e nenhuma outra alternativa senão se preparar para uma revolta armada. Foi nesse momento que Lenin escreveu seu pequeno artigo “Sobre as palavras de ordem”, citado acima.

Mais tarde, quando os contornos do poder mudaram novamente, os Bolcheviques reintroduziram a palavra de ordem. No final de agosto, Lavr Kornilov, comandante em chefe do exército russo, tentou um golpe contra o Soviete de Petrogrado e o governo provisório. Para derrotar o golpe, os Sovietes e o governo armaram os Bolcheviques, que criaram Guardas Vermelhas. Eles não queriam, mas sabiam que os Bolcheviques tinham os trabalhadores mais militantes do seu lado. Diante das Guardas Vermelhas, as tropas de Kornilov recuaram. Nenhum sangue foi derramado, mas um novo período começou. Os Bolcheviques agora tinham a maioria nos Sovietes de Petrogrado, Moscou e em outros lugares.

Sob estas novas condições, “Todo poder aos Sovietes” indicava a preparação para a tomada do poder pelos Bolcheviques.

O papel das palavras de ordem do movimento anti-guerra estadunidense

Novamente, as palavras de ordem são fundamentais para o desenvolvimento de qualquer movimento ou luta sob quaisquer condições, incluindo tempos não revolucionários. Elas devem falar às pessoas, atraindo-as para a luta e levando sua consciência adiante.

Sempre que as lutas se desenrolam, o mesmo acontece com as contradições. Diferentes forças e ideologias políticas lutam para conquistar o povo e impulsionar o movimento em direções particulares. Em geral, as ideologias dominantes na sociedade também serão dominantes nos movimentos de massa, pois essas forças têm mais recursos à sua disposição. A classe dominante nos Estados Unidos possui, hoje, o aparato ideológico mais refinado e extenso que qualquer classe dominante da história.

Eles têm uma capacidade sofisticada de absorver e canalizar descontentamento. A burguesia, por meio de sua ala liberal, propõe suas próprias palavras de ordem, que canalizam a indignação e impedem a consciência revolucionária de se firmar.

Durante a primeira guerra contra o Iraque, a palavra de ordem liberal no movimento anti-guerra era “Sanções econômicas, não guerra”. Esse era uma palavras de ordem inteligente porque era acessível às pessoas que se opunham à guerra e, depois, as levou a apoiar sanções econômicas, apresentando-as como uma alternativa à guerra. Ela funcionou para impedir o desenvolvimento de um firme princípio de oposição à guerra, travando uma divisão tática dentro da classe dominante e tentando atrair as pessoas para um lado dessa divisão.

A palavra de ordem oposta era “Nenhuma guerra contra o Iraque”. Era honesta e direta. Era firme em princípios, e ainda assim apelava a um amplo contingente de pessoas. Abrangia uma oposição às sanções econômicas, permitindo-nos mostrar que elas eram apenas outra forma de guerra. Isso, por sua vez, mostrava o caráter de classe do conflito.

Outra diferença importante diz respeito à longevidade de cada palavra de ordem. Quando a campanha de bombardeio terminou, a palavra de ordem “Sanções econômicas, não guerra” estava realizada. Todo mundo que foi mobilizado sob esta palavra de ordem poderia, como resultado, deixar a luta e parar de se organizar. Para aqueles que se mobilizaram sob o lema “Nenhuma guerra contra o Iraque”, no entanto, a luta continuou, porque a guerra continuou por outros meios. Esta última palavra de ordem foi orientada para a construção de um movimento anti-guerra firme, enquanto a palavra de ordem anterior foi orientada para impedir esse movimento. Por fluir de uma análise leninista do imperialismo, “Nenhuma guerra contra o Iraque” antecipava a continuação da guerra.

A história confirmou que precisávamos dessa orientação de longo prazo. A política de sanções devastou o Iraque e seu povo ao longo dos anos 90. Contrastando com a palavra de ordem pró-sanções, a palavra de ordem “Nenhuma guerra contra o Iraque” permitia às pessoas ver exatamente como as sanções econômicas são uma tática de guerra.

No início dos anos 2000, as táticas imperialistas mudaram novamente.

À medida que a segunda guerra contra o Iraque se aproximava, nossas palavras de ordem eram “Nenhuma guerra contra o Iraque” e “Parem a guerra antes que ela comece”. Quando Bagdá caiu, em 9 de abril de 2003, nossas palavras de ordem mudaram para “Tragam as tropas para casa já” e “Ocupação não é libertação”. Essas palavras de ordem eram baseadas em sua oposição à guerra e se recusavam a capitular aos argumentos imperialistas por “medidas menores” (como inspeções e sanções) e à propaganda imperialista, que demonizava a resistência iraquiana.

Além disso, a palavra de ordem “Ocupação não é libertação”, em particular, permitia às pessoas verem vínculos entre a ocupação do Iraque e a ocupação da Palestina. Na época, essa era uma conexão controversa a ser feita, mesmo no movimento progressista. A seção liberal do movimento anti-guerra rachou, em grande parte porque esse foco os alienou do Partido Democrata.

É comum que liberais e outras forças de esquerda promovam palavras de ordem comprometedoras ou confusas para impedir o crescimento da consciência anti-imperialista. Por exemplo, durante a guerra EUA/OTAN contra a Líbia em 2011, um segmento da esquerda defendeu a palavra de ordem “Sim aos rebeldes, não à intervenção”. Isso enganou as pessoas a pensar que os rebeldes se opunham à intervenção, quando eram na verdade, aqueles que pediam intervenção. Eles também se mobilizaram em torno de “Abaixo Kadafi”. Esse era exatamente a mesma palavra de ordem dos imperialistas. Por outro lado, nossa palavra de ordem era “Pare o bombardeio à Líbia”. Como esse atentado foi justificado sob pretextos “humanitários” que incluíam a demonização de Kadafi e do governo da Líbia, a palavra de ordem rejeitou essa campanha de demonização.

Formulando palavras de ordem: Métodos de aproximação e questões a considerar

Se cuidadosamente escolhidas, palavras de ordem diretas e simples são eficazes porque podem facilitar frentes única eficazes em diferentes lutas. As palavras de ordemdevem ser firmes e baseadas em princípios, mas formuladas de uma maneira popular e acessível, que possa fazer avançar a consciência das massas.

Para começar a formular palavras de ordem, faz sentido primeiro avaliar as diferentes dinâmicas em jogo. Quando surgir uma luta – ou a possibilidade de uma -, qual é o problema imediato em mãos? Quais são as causas maiores ou sistêmicas que se manifestam no problema; quem e o que é responsável? Quais são os diferentes segmentos da sociedade pensando nisso? O que a burguesia está defendendo? Para aprender o que a burguesia ou seus diferentes setores pensam, tudo que você precisa fazer é ler o jornal. Existem grupos de liberais de esquerda, em algum lugar, nacionalmente envolvidos em uma luta semelhante e, em caso afirmativo, quais são suas palavras de ordem? Você pode encontrar isso nas mídias sociais. O que as pessoas da sua área estão pensando? Para descobrir isso, você precisa falar com as pessoas. Além de conversar com colegas de trabalho, familiares e amigos, você pode fazer uma pesquisa em uma rodoviária sobre o assunto.

O que seria necessário para resolver o problema, tanto no imediato quanto no longo prazo? Quais são, em outras palavras, suas demandas? O que elas têm em comum? O que você quer que as pessoas aprendam com suas palavras de ordem? O que você quer que as pessoas entendam e qual a melhor forma de ajudá-las a entender? Como você pode expressá-las para que possam reunir o maior número de pessoas?

Às vezes, as palavras de ordem começam básicas e ganham maior especificidade posteriormente. Em geral, é melhor começar mais amplamente. É comum que dois ou três palavras de ordem diferentes guiem um movimento, e geralmente uma delas é bastante ampla (“Nenhuma guerra contra a Síria” ou “Justiça para Trayvon”). Outras que a acompanham desenvolverão algum componente dela. Por exemplo, “Não à demonização do governo sírio” é necessária para opor-se à guerra contra a Síria, porque a campanha de demonização faz parte do impulso da guerra.

Existem também diferentes “níveis” de palavras de ordem. Uma palavra de ordem pode atender a uma demanda específica e imediata, enquanto outro aborda simultaneamente as suas causas mais sistêmicas.

Digamos que você esteja organizando uma luta por questões de moradia em seu município. Uma palavra de ordem pode se concentrar em um componente específico do problema (“Tolerância zero aos especuladores”, “Direitos dos inquilinos agora”) ou um destino específico (“Nenhuma isenção fiscal para a construtora X”). Ao mesmo tempo, outra palavra de ordem pode se concentrar nas causas fundamentais do problema (“A habitação é um direito humano”). Esses dois níveis diferentes trabalham juntos e podem ajudar as pessoas a fazer as conexões entre a manifestação específica e sua causa geral (a única maneira de realmente eliminar os especuladores é tornar a habitação um direito garantido) ou o remédio específico e o remédio mais fundamental e permanente (livrar-se dos especuladores faz parte da luta pelo socialismo).

Palavras de ordem não são plataformas políticas abrangentes. Pode ser útil pensar na palavra de ordem como uma moldura, e na plataforma política como a pintura dentro da moldura. A moldura engloba a pintura, permite que o espectador a veja e direciona a atenção do espectador para ela (em um museu, você sabe que deve olhar para algo se estiver emoldurado).

Da mesma forma, a palavra de ordem deve enquadrar o problema em questão, direcionando a atenção das pessoas e atraindo-as. Dentro do quadro, você pintará uma imagem mais complexa e diferenciada com folhetos, discursos e outros materiais de propaganda e agitação.

A exploração e a opressão estão se aprofundando e as ideologias capitalistas estão cada vez mais incapazes de fornecer desculpas para o sistema. Como conseqüência, as pessoas estão passando à ação e procurando explicações e alternativas reais. Ao avançar palavras de ordem adequadas, podemos mobilizar pessoas e aprofundar nossa compreensão coletiva dos problemas e suas soluções.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: