Os braços abertos “humanitários” dos liberais não são uma solução para a crise dos migrantes; mudanças econômicas radicais são necessárias

Por Slavoj Zizek, via RT, traduzido por Daniel Alves Teixeira

Os apelos dos liberais para “abrirmos nossos corações” para imigrantes de países pobres estão ligados à manutenção do status quo no mundo capitalista. A solução é uma mudança radical no sistema econômico global que incentiva a migração.


Pia Klemp, capitã do Luventa, o navio que salvava refugiados no Mediterrâneo, concluiu sua explicação sobre porque ela decidiu recusar a medalha Grand Vermeil, que lhe foi concedida pela cidade de Paris, com um slogan que agradou a todos: “Documentos e moradia para todos! Liberdade de circulação e residência!”

Se ela quer dizer que – para resumir uma história longa – todo indivíduo tem o direito de se mudar para um país de sua escolha, e que esse país tem o dever de lhe fornecer uma residência, então estamos lidando aqui com uma visão abstrata no sentido hegeliano estrito: uma visão que ignora o contexto complexo da totalidade social.

O problema não pode ser resolvido neste nível; a única solução verdadeira é mudar o sistema que produz imigrantes. A tarefa, então, é recuar da crítica direta para uma análise dos antagonismos iminentes da situação mundial, com foco em como nossa própria posição crítica participa do fenômeno que critica.

Em um recente debate na TV, Gregor Gysi, uma figura-chave no partido alemão Die Linke (esquerda), deu uma boa resposta a um anti-imigrante que insistiu agressivamente que ele não se responsabiliza pela pobreza e pelos horrores dos países do Terceiro Mundo e que, em vez de gastar dinheiro para ajudá-los, os estados europeus devem ser responsáveis ​​apenas pelo bem-estar de seus próprios cidadãos.

A essência da resposta de Gysi era: se não nos responsabilizarmos ​​pelos pobres do Terceiro Mundo (e agirmos de acordo), eles virão aqui, para nós … (precisamente o que o anti-imigrante é tão ferozmente contra).

Por mais cínica e antiética que essa resposta possa parecer, é muito mais apropriada que o humanitarismo abstrato. A abordagem humanitária apela à nossa generosidade e culpa (“deveríamos abrir nossos corações para eles, também porque a causa final de seu sofrimento é o racismo e a colonização europeus.”) Esse apelo é muitas vezes combinado com um estranho raciocínio econômico de que a Europa precisa de imigrantes para continuar se expandindo economicamente, que suas taxas de natalidade estão caindo e que ela está perdendo vitalidade. (É estranho ouvir os esquerdistas invocarem o motivo típico de vitalidade da direita). As apostas ocultas dessa abordagem são claras: vamos nos abrir para os imigrantes como uma medida desesperada para evitar as mudanças radicais tão necessárias e para manter nossa ordem liberal-capitalista. A lógica que sustenta a declaração Gysi citada é a oposta: apenas uma mudança socioeconômica radical pode realmente proteger nossa identidade, nosso modo de vida.

PRESO EM UM LIMBO SOCIAL

Um sintoma desse tipo de “esquerdismo global” é como ele simultaneamente rejeita qualquer conversa sobre “nosso modo de vida” e sobre diferenças culturais como uma postura reacionária, semelhante a Huntington, mascarando a identidade fundamental (ou melhor, nivelando) de todos nós no capitalismo global, e exigem de nós um respeito pela identidade cultural específica dos imigrantes, ou seja, para não lhes impor nossos padrões.

A óbvia contra-censura, de que nossa “maneira” e seu modo de vida não são simétricos, já que nossa “maneira” é hegemônica, faz uma observação válida, mas evita o cerne do problema – o status da universalidade na luta pela emancipação. É verdade, em certo sentido, que o refugiado é um “vizinho” por excelência, o vizinho no estrito sentido bíblico, o Outro, reduzido à sua presença nua. Sem posses, sem lar, sem lugar determinado na sociedade, os refugiados são como uma mancha no edifício social, sempre muito perto de nós.

Como eles não têm um lugar estável em nossa sociedade, eles representam a universalidade do ser-humano – como nos relacionamos com eles indica como nos relacionamos com a humanidade como tal. Eles não são apenas diferentes de nós – somos todos diferentes de outros grupos – eles são, em certo sentido, a própria diferença, como tal. Mas, de uma maneira propriamente hegeliana, universalidade e particularidade coincidem aqui: os refugiados ficam nus apenas materialmente, e é por esse motivo que eles se apegam ainda mais à sua identidade cultural. Eles são percebidos como universais, sem raízes, mas ao mesmo tempo presos à sua identidade particular.

Somente com esse fato, fica claro por que os imigrantes nômades não são proletários – apesar das tentativas de Alain Badiou e outros de promulgar o refugiado como a figura exemplar dos proletários de hoje, “proletários nômades”. O que faz dos proletários proletários é o fato de que eles são explorados: eles são o momento-chave da valorização do capital, seu trabalho cria mais-valia – em claro contraste com os refugiados nômades, que não são apenas percebidos como inutéis, mas são literalmente sem valor, “lixo”/sobras de valor do global capital.

Esquerdistas e capitalistas sonham que a nova onda de imigrantes será integrada à máquina capitalista como aconteceu na década de 1960 na Alemanha e depois na França, porque “a Europa precisa de imigrantes”. Mas desta vez isso não está funcionando; os imigrantes não podem ser integrados e a maior parte deles permanece de fora. Esse fato torna a situação com imigrantes e refugiados muito mais trágica – eles estão presos em uma espécie de limbo social, um impasse do qual o fundamentalismo oferece uma saída falsa.

Assim como na circulação do capital global, os refugiados são colocados em posição de ser mais-humanidade, uma imagem espelhada da mais-valia, e nenhuma ajuda humanitária e abertura pode resolver essa tensão, apenas uma reestruturação de todo o edifício internacional poderá.

A resposta liberal-esquerdista usual a isso é: “E a abordagem “vamos trabalhar para consertar os países de onde os imigrantes vêm para assim abolir suas razões para abandonar seus países”? Ela não é apenas uma desculpa sutil para impedir que os refugiados cheguem até nós?” A resposta é clara: de uma maneira estritamente simétrica “abrir nossos corações” aos refugiados é aqui uma maneira (não tão) sutil de não fazer nada para mudar a situação global que os criou … Então, a solução é, simplesmente: olhe para o que eles estão fazendo – eles estão realmente fazendo?

SOBRE NÓS, NÃO ELES

A falsidade do humanitarismo é a mesma da rejeição do antropocentrismo defendida pela ecologia profunda – há profunda hipocrisia nela. O que toda a conversa sobre como nós, a humanidade, colocamos uma ameaça à vida na Terra e à vida da Terra realmente representa é a nossa preocupação com o nosso próprio destino. A Terra em si mesma é indiferente: mesmo que destruamos a vida nela, ela será apenas uma – nem mesmo a maior – de muitas catástrofes que aconteceram nela.

Quando nos preocupamos com o meio ambiente, nos preocupamos com nosso próprio ambiente, queremos nossa própria vida boa e segura. A falsidade dessa posição é a mesma dos liberais brancos anti-eurocêntricos que, embora rejeitem impiedosamente sua própria identidade cultural e solicitem que outros afirmem essa identidade, reservam para si a posição de universalidade. Os defensores da ecologia profunda, dos direitos dos animais, plantas e habitats vivos, continuam a agir como seres universais, como representantes de todos os seres – animais e plantas não têm consciência dos interesses dos outros, apenas vivem e lutam pela sobrevivência.

A lição geral a ser aprendida aqui é que se deve evitar a qualquer preço o sentimentalismo humanitário barato dos oprimidos do mundo. Por esse motivo, vale a pena assistir Parasite (Coréia 2019, Bong Joon-ho). Aqui está a sucinta história do filme:

 “Sem emprego, sem um tostão e, acima de tudo, sem esperança, o patriarca desmotivado, Ki-taek, e sua família igualmente não ambiciosa – sua esposa de apoio, Chung-sook; sua cínica filha de vinte e poucos anos, Ki-jung, e seu filho em idade universitária, Ki-woo – ocupam-se trabalhando por amendoins em seu esquálido apartamento no porão. Então, por pura sorte, uma proposta lucrativa de negócios abrirá o caminho para um esquema insidiosamente sutil, pois Ki-woo reúne coragem para posar como tutor de inglês da filha adolescente da rica família Park. Agora, o cenário parece preparado para uma guerra incessante de vencedores, levando tudo. Como alguém se livra de um parasita?”

O filme evita qualquer idealização moralista dos oprimidos no estilo de Frank Capra: eles são os parasitas, intrometendo, manipulando, explorando. E devemos nos opor aqui tanto ao conteúdo quanto à forma: no nível do conteúdo, os Parks da classe alta são sem dúvida moralmente melhores, são atenciosos, compreensivos, ajudam, enquanto os oprimidos agem efetivamente como parasitas exploradores. No entanto, no nível da forma, os Parks são os privilegiados que podem se dar ao luxo de ser atenciosos e prestativos, enquanto os oprimidos são verdadeiros oprimidos, levados por sua situação a atos não muito gentis. Portanto, a solução não é jogar jogos humanitários, mas mudar a situação que exige jogos humanitários – ou, como Oscar Wilde colocou na linha de abertura de seu “A Alma do homem sob o socialismo”:

“[As pessoas] se veem cercadas por uma pobreza hedionda, por horrenda feiura, por horrenda fome. É inevitável que eles sejam fortemente movidos por tudo isso. Assim, com intenções admiráveis, embora mal direcionadas, elas se colocam com muita seriedade e muito sentimentalmente na tarefa de remediar os males que veem. Mas seus remédios não curam a doença: eles apenas a prolongam.”

“De fato, seus remédios fazem parte da doença. Eles tentam resolver o problema da pobreza, por exemplo, mantendo os pobres vivos; ou, no caso de uma escola muito avançada, divertindo os pobres. Mas isso não é uma solução: é um agravamento da dificuldade. O objetivo adequado é tentar reconstruir a sociedade de tal maneira que a pobreza seja impossível. E as virtudes altruístas realmente impediram a realização desse objetivo”, escreveu ele.

Exatamente o mesmo vale para uma das queixas anti-feministas costumeiras: “Trato as mulheres de uma maneira gentil e não-paternalista, mas elas geralmente são tão agressivas comigo …”. Obviamente, elas o são, uma vez que, para elas, essa é muitas vezes a única maneira de contra-atacar sua submissão formal – como regra, são apenas os que estão no topo que podem conceder bondade e simpatia.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário