As Eleições da Assembleia Constituinte e a ditadura do proletariado

Por Vladimir Ilitch “Lenin” Ulyanov, via Marxists.org, traduzido por Rodri Villa

O simpósio lançado pelos socialistas-revolucionários, ‘Um ano da revolução russa’. 1917-18 (Moscou, editores de Terra e Liberdade, 1918) contém um artigo extremamente interessante de N. V. Svyatitsky: “Resultados das eleições na Assembleia Constituinte de toda a Rússia (Prefácio)”. O autor fornece os retornos para 54 circunscrições eleitorais do total de 79.

A pesquisa do autor abrange quase todas as gubernias [1] da Rússia e da Sibéria europeia, sendo apenas omitidas: as gubernias de Olonets, Estônia, Kaluga, Bessarábia, Podolsk, Orenburg, Yakut e Don.

Antes de tudo, citarei os principais retornos publicados por N. V. Svyatitsky e depois discutirei as conclusões políticas a serem tiradas deles.

I

O número total de votos apurados nas 54 circunscrições eleitorais em novembro de 1917 foi de 36.262.560. O autor apresenta o número de 36.257.960, distribuídos em sete regiões (mais o Exército e a Marinha), mas os números que ele fornece para os vários partidos totalizam a cifra que apresentei.

A distribuição dos votos de acordo com os partidos é a seguinte: os socialistas-revolucionários russos obtiveram 16,5 milhões de votos; se somarmos os votos dos socialistas-revolucionários de outras nações (ucranianos, muçulmanos e outros), o total será de 20,9 milhões, ou seja, 58%.

Os mencheviques obtiveram 668.064 votos, mas se somarmos os votos dos grupos análogos de Socialistas Populares (312.000), Yedinstvo (25.000), Cooperadores (51.000), social-democratas ucranianos (95.000), social-democratas ucranianos (95.000), socialistas ucranianos (507.000) socialistas alemães (44.000) e socialistas finlandeses (14.000), o total será de 1,7 milhões.

Os bolcheviques obtiveram 9.023.963 votos.

Os Cadetes obtiveram 1.856.639 votos. Adicionando a Associação de Proprietários Rurais e Proprietários de Terra (215.000), os grupos da Direita (292.000), Crentes Antigos (73.000), nacionalistas – judeus (550.000), muçulmanos (576.000), baskirs (195.000), letões (67.000), poloneses (155.000), cossacos (79.000), alemães (130.000), bielorrussos (12.000) – e as “listas de vários grupos e organizações” (418.000), obtemos um total de 4,6 milhões para os proprietários de terras e os burgueses.

Sabemos que os socialistas-revolucionários e os mencheviques formaram um bloco durante todo o período da revolução, de fevereiro a outubro de 1917. Além disso, todo o desenvolvimento dos eventos durante esse período e depois disso mostrou definitivamente que esses dois partidos juntos representam a democracia pequeno-burguesa, que erroneamente imagina ser e que se autodenomina socialista, como todos os partidos da Segunda Internacional.

Unindo os três principais grupos de partidos nas eleições da Assembleia Constituinte, obtemos o seguinte total:

Partido do Proletariado (Bolcheviques) 9,02 milhões = 25%
Partidos democráticos pequeno-burgueses

(Socialista-Revolucionários, Mencheviques, etc.)


22,62 milhões = 62%
Partidos de proprietários de terra e burguesia (cadetes, etc.) 4,62 milhões = 13%
Total…. 36,26 milhões = 100%

Aqui estão os retornos de N. V. Svyatitsky por regiões:

Votos apurados (mil)
Regiões*,

(e forças armadas separadamente)

S.Rs (Russo) % Bolcheviques % Cadetes % Total
Norte 1,140.0 38 1,77.2 40 393.3 13 2975.1
Central Industrial 1,987.9 38 2305.6 44 550.2 10 5242.5
Volga – Terra Negra 4,733.9 70 1115.6 16 267 4 6764.3
Oeste 1,242.1 43 1,282.2 44 48.1 2 2,961.0
Urais do leste 1,547.7 43 (62)** 443.9 12 181.3 5 3,583.5
Sibéria 2,094.8 75 273.9 10 87.5 3 2,786.7
Ucrânia 1,878.1 25 (77)*** 754.0 10 277.5 4 7,581.3
Exército e marinha 1,885.1 43 1,671.3 38 51.9 1 4,363.6

A partir desses números, é evidente que durante as eleições da Assembleia Constituinte os bolcheviques eram o partido do proletariado e os socialistas-revolucionários, o partido do campesinato. Nos distritos puramente camponeses, Grão-Russos (Volga -Terra Negra, Sibéria, Urais do Leste) e ucranianos, os socialistas-revolucionários obtiveram 62-77%. Nos centros industriais, os bolcheviques tinham maioria sobre os socialistas-revolucionários. Essa maioria é subestimada nas cifras distritais dadas por N. V. Svyatitsky, pois ele combinou os distritos mais altamente industrializados com poucas áreas industrializadas e não industriais. Por exemplo, as cifras das gubernias dos votos obtidos pelos partidos socialista-revolucionário, bolchevique e cadete e pelos “grupos nacionais e outros”, mostram o seguinte:

Na região Norte, a maioria bolchevique parece insignificante: 40% contra 38%. Mas nesta região as áreas não industriais (Arcanjo, Vologda, Novgorod e Pskov gubernias), onde predominam os socialistas-revolucionários, são combinadas com áreas industriais: Cidade de Petrogrado – bolcheviques 45% (dos votos), Socialista-Revolucionários 16%; gubernia de Petrogrado – bolcheviques 50%, socialistas-revolucionários 26%; Bálticos – bolcheviques 72%, socialistas-revolucionários – 0.

Na região industrial central, os bolcheviques da gubernia de Moscou obtiveram 56% e os socialistas-revolucionários 25%; na cidade de Moscou, os bolcheviques obtiveram 50% e os socialistas-revolucionários, 8%; na província de Tver, os bolcheviques obtiveram 54% e os socialistas-revolucionários 39%; na província de Vladimir, os bolcheviques obtiveram 56% e os socialistas-revolucionários, 32%.

Notemos, de passagem, quão ridícula, diante de tais fatos, é a conversa sobre os bolcheviques tendo apenas uma “minoria” do proletariado por trás deles! E ouvimos essa palestra dos mencheviques (668.000 votos, e com a Transcaucásia outros 700.000-800.000, contra 9.000.000 de votos dos bolcheviques) e também dos traidores sociais da Segunda Internacional.

II

Como um tal milagre pode ter ocorrido? Como os bolcheviques, que obtiveram um quarto dos votos, conseguiram uma vitória sobre os democratas pequeno-burgueses, que estavam em aliança (coalizão) com a burguesia e que, junto com a burguesia, obtiveram três quartos dos votos? Negar essa vitória agora, depois que a Entente (a toda poderosa Entente) ajuda os inimigos do bolchevismo há dois anos é simplesmente ridículo.

A questão é que o ódio político fanático daqueles que foram derrotados, incluindo todos os apoiadores da Segunda Internacional, os impede de levantar seriamente a questão histórica e política extremamente interessante de porque os bolcheviques foram vitoriosos. A questão é que este é um “milagre” apenas do ponto de vista da democracia pequeno-burguesa vulgar, cuja ignorância abismal e preconceitos profundamente enraizados são expostos por essa pergunta e pela resposta a ela. Do ponto de vista da luta de classes e do socialismo, desse ponto de vista que a Segunda Internacional abandonou, a resposta à pergunta é indiscutível.

Os bolcheviques foram vitoriosos, em primeiro lugar, porque tinham atrás deles a grande maioria do proletariado, que incluía a seção com mais consciências de classe, enérgica e revolucionária, a verdadeira vanguarda dessa classe avançada.

Pegue as duas cidades metropolitanas, Petrogrado e Moscou. O número total de votos obtidos durante as eleições da Assembleia Constituinte foi de 1.765.100, dos quais Revolucionários Socialistas obtiveram 218.000, bolcheviques – 837.000 e cadetes – 515.400.

Não importa o quanto os democratas pequeno-burgueses que se chamam socialistas e social-democratas (os Chernov, Martovs, Kautskys, Longuets, MacDonalds e Cia.) Possam bater no peito e se curvar às deusas da “igualdade”, do “sufrágio universal”, da “Democracia”, da “democracia pura” ou da “democracia consistente”, não elimina o fato econômico e político da desigualdade entre a cidade e o campo.

Esse fato é inevitável no capitalismo em geral e no período de transição do capitalismo para o comunismo em particular.

A cidade inevitavelmente lidera o campo. O campo inevitavelmente segue a cidade. A única questão é qual classe, das classes “urbanas”, conseguirá liderar o país, lidar com essa tarefa e quais formas a liderança da cidade assumirá?

Em novembro de 1917, os bolcheviques tinham por trás deles a grande maioria do proletariado. Naquela época, o partido que competia com os bolcheviques entre o proletariado, o partido menchevique, havia sido totalmente derrotado (9.000.000 de votos contra 1.400.000, se somarmos 668.000 e 700.000-800.000 na Transcaucásia). Além disso, esse partido foi derrotado na luta de quinze anos (1903-17), que consolidou, iluminou e organizou a vanguarda do proletariado e a forjou em uma genuína vanguarda revolucionária. Além disso, a primeira revolução, a de 1905, preparou o desenvolvimento subsequente, determinou de maneira prática as relações entre os dois partidos e serviu como ensaio geral dos grandes eventos de 1917-19.

Os democratas pequeno-burgueses que se autodenominam socialistas da Segunda Internacional gostam de descartar esta questão histórica extremamente importante com frases delicadas sobre os benefícios da “unidade” proletária. Quando usam essas frases melosas, esquecem o fato histórico do acúmulo de oportunismo no movimento da classe trabalhadora de 1871-1914. Eles esquecem de (ou não querem) pensar nas causas do colapso do oportunismo em agosto de 1914, nas causas da divisão do socialismo internacional em 1914-17.

A menos que a seção revolucionária do proletariado esteja completamente preparada em todos os aspectos para a expulsão e supressão do oportunismo, é inútil pensar na ditadura do proletariado. Essa é a lição da revolução russa que deve ser levada a sério pelos líderes dos social-democratas alemães “independentes” [2], socialistas franceses, e assim por diante, que agora querem fugir da questão por meio do reconhecimento verbal da ditadura do proletariado.

Para continuar. Os bolcheviques tinham por trás deles não apenas a maioria do proletariado, não apenas a vanguarda revolucionária do proletariado que se consolidara na longa e perseverante luta contra o oportunismo; eles tinham, se é permitido usar um termo militar, uma poderosa “força de ataque” nas cidades metropolitanas.

Uma superioridade esmagadora de forças no ponto decisivo no momento decisivo – essa “lei” do sucesso militar também é a lei do sucesso político, especialmente naquela guerra de classe feroz e fervilhante que é chamada de revolução.

As capitais, ou, em geral, os grandes centros comerciais e industriais (aqui na Rússia os dois coincidiram, mas não coincidem em todos os lugares), decidem em considerável grau o destino político de uma nação, desde que, é claro, os centros sejam apoiados por forças locais e rurais suficientes, mesmo que esse apoio não venha imediatamente.

Nas duas principais cidades, nos dois principais centros comerciais e industriais da Rússia, os bolcheviques tinham uma superioridade de forças decisiva, esmagadora. Aqui nossas forças eram quase quatro vezes maiores que as dos socialistas-revolucionários. Tínhamos aqui mais do que os Revolucionários Socialistas e Cadetes juntos. Além disso, nossos adversários foram divididos, pois a “coalizão” dos cadetes com os socialistas-revolucionários e os mencheviques (em Petrogrado e Moscou, os mencheviques votaram apenas 3% dos votos) foi totalmente desacreditada entre os trabalhadores. A verdadeira unidade entre os socialistas-revolucionários e mencheviques e os cadetes contra nós estava bastante fora de questão naquele momento (é interessante notar que as cifras acima também revelam a unidade e a solidariedade do partido do proletariado e o estado extremamente fragmentado dos partidos da pequena burguesia e da burguesia). Deve-se lembrar que, em novembro de 1917, mesmo os líderes dos socialistas-revolucionários e mencheviques, que estavam cem vezes mais próximos da ideia de um bloco com os cadetes do que os trabalhadores e camponeses socialistas-revolucionários e mencheviques, até esses líderes pensavam (e barganharam conosco) sobre um bloco com os bolcheviques sem os cadetes!

Tínhamos certeza de ganhar Petrogrado e Moscou entre outubro e novembro de 1917, pois tínhamos uma superioridade esmagadora de forças e a mais completa preparação política, no que diz respeito à montagem, concentração, treinamento, testes e fortalecimento de batalhas dos “exércitos” bolcheviques. E a desintegração, exaustão, desunião e desmoralização dos “exércitos” dos “inimigos”.

E estando certos de ganhar as duas cidades metropolitanas, os dois centros da máquina estatal capitalista (econômica e política), por um golpe rápido e decisivo, nós, apesar da furiosa resistência da burocracia e da intelligentsia, apesar da sabotagem, e assim por diante, fomos capazes, com o auxílio do aparato central do poder do Estado, de provar por atos aos trabalhadores não proletários que o proletariado era seu único aliado, amigo e líder confiável.

III

Mas antes de passar para esta questão mais importante – a da atitude do proletariado em relação aos trabalhadores não proletários – devemos lidar com as forças armadas.

A flor das forças do povo veio a formar o exército durante a guerra imperialista; os patifes oportunistas da Segunda Internacional (não apenas os social-chauvinistas, isto é, os Scheidemanns e Renaudels que foram diretamente para o lado da “defesa da pátria”, mas também os centristas [3]), com suas palavras e ações, fortaleceram a subordinação das forças armadas à liderança dos ladrões imperialistas dos grupos alemão e anglo-francês, mas os verdadeiros revolucionários proletários nunca esqueceram o que Marx disse em 1870: “A burguesia dará ao proletariado a prática nas armas” [4]. Somente os traidores austro-alemães e anglo-francos-russos do socialismo poderiam falar sobre a “defesa da pátria” na guerra imperialista, isto é, uma guerra que era predatória aos dois lados; os revolucionários proletários, no entanto (a partir de agosto de 1914), voltaram toda a atenção para a revolução das forças armadas, para utilizá-las contra a burguesia ladra imperialista, para converter a guerra injusta e predatória entre os dois grupos de predadores imperialistas em uma guerra justa e legítima dos proletários e trabalhadores oprimidos em cada país contra a burguesia “própria” e “nacional”.

Durante 1914-17, os traidores do socialismo não se prepararam para usar as forças armadas contra o governo imperialista de cada nação.

Os bolcheviques prepararam para isso toda a sua propaganda, agitação e trabalho organizacional clandestino a partir de agosto de 1914. É claro que os traidores do socialismo, os Scheidemann e os Kautskys de todas as nações, passaram por isso falando sobre a desmoralização das forças armadas pela agitação bolchevique, mas estamos orgulhosos do fato de termos cumprido nosso dever de desmoralizar as forças de nosso inimigo de classe, ao afastar dele as massas armadas dos trabalhadores e camponeses pela luta contra os exploradores.

Os resultados do nosso trabalho foram vistos, entre outras coisas, nas votações realizadas nas eleições da Assembleia Constituinte em novembro de 1917, nas quais, na Rússia, as forças armadas também participaram.

A seguir, são apresentados os principais resultados da votação dados por N. V. Svyatitsky:

Número de votos apurados nas eleições da Assembleia Constituinte, novembro de 1917(mil)
Unidades do Exército e da Marinha S.Rs Bolcheviques Cadetes Nacional e

outros grupos

Total
Frente Norte

Ocidental

Sudoeste

Romeno

caucasiano

Frota do Báltico

Frota do Mar Negro

240.0
180.6
402.9
679.4
360.4

22.2
480.0
653.4
300.1
167.0
60.0
(120.0)****
10.8
?
16.7
13.7
21.4
?

60,00[*****]
125.2
290.6
260.7


19.7
780
976.0
1,007.4
1,128.6
420.0
(120.0)****
52.5
Total 1,885.1 1,671.3 + 120.0)****
=1,791.3
51.8
+?
756.0 4,364.5+
(120.0)****
+ ?

Resumo: os socialistas revolucionários obtiveram 1.885.100 votos; os bolcheviques obtiveram 1.671.300 votos. Se a este último somarmos os 120.000 votos (aproximadamente) obtidos na Frota do Báltico, o total de votos obtidos pelos bolcheviques será 1.791.300.

Os bolcheviques, portanto, obtiveram um pouco menos que os socialistas revolucionários. E assim, em outubro-novembro de 1917, as forças armadas eram metade bolcheviques. Se não fosse esse o caso, não poderíamos ter sido vitoriosos.

Obtivemos quase metade dos votos das forças armadas como um todo, mas tivemos uma maioria esmagadora nas frentes mais próximas das cidades metropolitanas e, em geral, naquelas não muito distantes. Se deixarmos de fora a Frente Caucasiana, os bolcheviques obtiveram a maioria sobre os socialistas revolucionários. E se tomarmos as frentes do norte e do oeste, os votos dos bolcheviques totalizarão mais de um milhão, em comparação com 420.000 votos dos socialistas-revolucionários.

Assim, também nas forças armadas, os bolcheviques já tinham uma “força de ataquepolítica, em novembro de 1917, o que lhes garantiu uma superioridade esmagadora de forças no ponto decisivo no momento decisivo. A resistência das forças armadas à Revolução do proletariado de outubro e à conquista do poder político pelo proletariado estava totalmente fora de questão, considerando que os bolcheviques tinham uma enorme maioria nas frentes norte e oeste, enquanto nas outras frentes, muito distantes do centro, os bolcheviques tinham tempo e oportunidade para afastar os camponeses do partido Socialismo Revolucionário. Sobre isso, trataremos mais tarde.

IV

Com base no retorno das eleições na Assembleia Constituinte, estudamos as três condições que determinam a vitória do bolchevismo: (1) uma esmagadora maioria entre o proletariado; (2) quase metade das forças armadas; (3) uma superioridade esmagadora de forças no momento decisivo nos pontos decisivos, a saber: em Petrogrado e Moscou e nas frentes de guerra próximas ao centro.

Mas essas condições poderiam ter garantido apenas uma vitória de vida muito curta e instável se os bolcheviques não tivessem conseguido ganhar para seu lado a maioria das massas trabalhadoras não proletárias, conquistá-las dos socialistas revolucionários e de outros partidos pequeno-burgueses.

Essa é a questão principal.

E a principal razão pela qual os “socialistas” (leia-se: democratas pequeno-burgueses) da Segunda Internacional não conseguem entender a ditadura do proletariado é que eles não conseguem entender que

o poder estatal nas mãos de uma classe, o proletariado, pode e deve se tornar um instrumento para conquistar para o lado do proletariado as massas trabalhadoras não proletárias, um instrumento para arrancar essas massas dos partidos da burguesia e da pequeno-burguesia.

Cheios de preconceitos pequeno-burgueses, esquecendo a coisa mais importante nos ensinamentos de Marx sobre o estado, os “socialistas” da Segunda Internacional consideram o poder do Estado como algo sagrado, como um ídolo ou como resultado de votação formal, o absoluto da “democracia consistente” (ou como quer que chamem esse absurdo). Eles não conseguem ver que o poder estatal é simplesmente um instrumento que diferentes classes podem e devem usar (e saber como usar) para seus objetivos de classe.

A burguesia usou o poder do Estado como um instrumento da classe capitalista contra o proletariado, contra todos os trabalhadores. Esse tem sido o caso nas repúblicas burguesas mais democráticas. Somente os traidores do marxismo “esqueceram” isso.

O proletariado deve (depois de reunir “forças de ataque” políticas e militares suficientemente fortes) derrubar a burguesia, tomar dela o poder do Estado para usar esse instrumento para seus objetivos de classe.

Quais são os objetivos de classe do proletariado?

Suprimir a resistência da burguesia;

Neutralizar o campesinato e, se possível, conquistar, de uma forma ou de outra, a maioria da seção que trabalha e não explora para o lado do proletariado;

Organizar a produção em larga escala com máquinas, usando fábricas e meios de produção em geral, expropriados da burguesia;

Organizar o socialismo nas ruínas do capitalismo.

***

Zombando dos ensinamentos de Marx, esses senhores, os oportunistas, incluindo os kautskistas, “ensinam” ao povo que o proletariado deve primeiro ganhar a maioria por meio do sufrágio universal, depois obter o poder do Estado pelo voto dessa maioria, e somente depois disso, com base na democracia “consistente” (alguns chamam de “pura”), organizar o socialismo.

Mas dizemos com base nos ensinamentos de Marx e na experiência da revolução russa:

o proletariado deve primeiro derrubar a burguesia e conquistar para si o poder estatal, e depois usar esse poder estatal, isto é, a ditadura do proletariado, como um instrumento de sua classe com o objetivo de conquistar a simpatia da maioria dos trabalhadores.

***

Como o poder estatal nas mãos do proletariado pode se tornar o instrumento de sua luta de classes por influência sobre os trabalhadores não proletários, da luta para atraí-los para o lado, conquistá-los e arrancá-los da burguesia?

Primeiro, o proletariado consegue isso não colocando em operação o antigo aparato do poder estatal, mas esmagando-o em pedaços, nivelando-o com o chão (apesar dos uivos dos filisteus assustados e das ameaças dos sabotadores) e construindo um novo aparato estatal. Esse novo aparato estatal é adaptado à ditadura do proletariado e à sua luta contra a burguesia para conquistar o povo não proletário. Esse novo aparato não é invenção de ninguém; ele cresce a partir da luta de classes proletária à medida que se torna mais difundida e intensa. Esse novo aparato de poder estatal, o novo tipo de poder estatal, é o poder soviético.

O proletariado russo, imediatamente, poucas horas depois de conquistar o poder do Estado, proclamou a dissolução do antigo aparato estatal (que, como mostrou Marx, havia sido adaptado durante séculos para servir aos interesses de classe da burguesia, mesmo na república mais democrática) e transferiu todo o poder para os sovietes; e somente o povo trabalhador e explorado podia entrar nos sovietes, todos os exploradores de todo tipo eram excluídos.

Dessa maneira, o proletariado de uma só vez, de um só golpe, imediatamente após tomar o poder do Estado, ganhou da burguesia a vasta massa de seus apoiadores nos partidos pequeno-burgueses e “socialistas”; para essa massa, o povo trabalhador e explorado que havia sido enganado pela burguesia (e por seus yes-men[5], os Chernovs, Kautskys, Martovs e Cia.), ao obter o poder soviético, adquiriram, pela primeira vez, um instrumento de luta de massas por seus interesses contra a burguesia.

Em segundo lugar, o proletariado pode, e deve, de uma só vez, ou em todos os eventos muito rapidamente, arrancar da burguesia e dos democratas pequeno-burgueses “suas” massas, isto é, as massas que os seguem – ganhá-las satisfazendo suas necessidades econômicas mais urgentes de maneira revolucionária, expropriando os proprietários de terras e a burguesia.

A burguesia não pode fazer isso, por mais poderoso que seja seu poder estatal.

O proletariado pode fazer isso no dia seguinte, depois de conquistar o poder do Estado, porque, para isso, possui um aparato (os sovietes) e meios econômicos (a expropriação dos proprietários de terras e a burguesia).

Foi exatamente assim que o proletariado russo conquistou o campesinato dos socialistas-revolucionários, e ganhou-os literalmente algumas horas depois de alcançar o poder de estado; poucas horas após a vitória sobre a burguesia em Petrogrado, o proletariado vitorioso emitiu um “decreto sobre as terras” [6] e nesse decreto satisfez inteiramente, de uma só vez, com rapidez revolucionária, energia e devoção, todas as necessidades econômicas mais urgentes da maioria dos camponeses, expropriando os proprietários de terras, completamente e sem compensações.

Para provar aos camponeses que os proletários não queriam tratorá-los, não queriam se tornar seus chefes, mas ajudá-los e ser seus amigos, os bolcheviques vitoriosos não colocaram uma única palavra deles próprios no “decreto sobre as terras”, mas copiou-o, palavra por palavra, das ordens camponeses (as mais revolucionárias delas, é claro) que os socialistas-revolucionários haviam publicado no jornal socialista-revolucionário.

Os socialistas-revolucionários fumegaram e deliraram, protestaram e uivaram que “os bolcheviques haviam roubado seu programa”, mas apenas se fizeram motivo de riso; um bom partido, de fato, que teve que ser derrotado e expulso do governo para que tudo em seu programa que fosse revolucionário e beneficiasse o povo trabalhador pudesse ser levado a cabo!

Os traidores, estúpidos e pedantes da Segunda Internacional nunca conseguiram entender tal dialética; o proletariado não pode alcançar a vitória se não ganhar a maioria da população para seu lado. Mas limitar essa vitória à obtenção da maioria dos votos em uma eleição sob o governo da burguesia, ou torná-lo condição para tal, é uma estupidez grosseira, ou pura enganação dos trabalhadores. Para conquistar a maioria da população para seu lado o proletariado deve, em primeiro lugar, derrubar a burguesia e tomar o poder do Estado; em segundo lugar, deve introduzir o poder soviético e destruir completamente o antigo aparato estatal, por meio do que imediatamente mina o domínio, o prestígio e a influência da burguesia e dos conciliadores pequeno-burgueses sobre os trabalhadores não proletários. Em terceiro lugar, deve destruir inteiramente a influência da burguesia e dos conciliadores pequeno-burgueses sobre a maioria das massas não proletárias, satisfazendo suas necessidades econômicas de maneira revolucionária às custas dos exploradores.

É possível fazer isso, é claro, somente quando o desenvolvimento capitalista atingiu um certo nível. Na falta dessa condição fundamental, o proletariado não pode se transformar em uma classe separada, nem se pode obter sucesso em seu treinamento prolongado, sua educação, instrução e prova em batalha durante longos anos de greves e manifestações quando os oportunistas são desonrados e expulsos. Na falta dessa condição fundamental, os centros não desempenharão o papel econômico e político que permite ao proletariado, após a captura destes, assumir o poder de estado em sua totalidade, ou, mais corretamente, em seu nervo vital, seu núcleo, seu nó. Na falta dessa condição fundamental não pode haver afinidade, proximidade e vínculo entre a posição do proletariado e a do povo trabalhador não proletário, as quais (afinidade, proximidade e vínculo) são necessárias à influência do proletariado sobre essas massas, ao êxito da sua ação sobre elas.

V

Continuemos.

O proletariado pode conquistar o poder do Estado, estabelecer o sistema soviético e satisfazer as necessidades econômicas da maioria dos trabalhadores às custas dos exploradores.

Isso é suficiente para alcançar a vitória completa e final? Não, não é.

Os democratas pequeno-burgueses, seus principais representantes atuais, os “socialistas” e os “social-democratas” sofrem de ilusões quando imaginam que o povo trabalhador é capaz, sob o capitalismo, de adquirir o alto grau de consciência de classe, firmeza de caráter, percepção e ampla perspectiva política que lhes permitirão decidir, meramente votando, ou em todos os eventos, decidir com antecedência, sem uma longa experiência de luta, que seguirão uma classe ou um partido em particular.

É uma mera ilusão. É uma história sentimental inventada por pedantes e socialistas sentimentais do tipo de Kautsky, Longuet e MacDonald.

O capitalismo não seria capitalismo se, por um lado, não condenasse as massas a um estado de existência opressivo, esmagador e aterrorizante, à desunião (o campo!) e à ignorância, e se (o capitalismo) não, por outro lado, colocasse nas mãos da burguesia um aparato gigantesco de falsificação e enganação para mistificar as massas de trabalhadores e camponeses, para entorpecer suas mentes e assim por diante.

É por isso que apenas o proletariado pode liderar o povo trabalhador do capitalismo para o comunismo. Não adianta pensar que as massas pequeno-burguesas ou semi-pequeno-burguesas possam decidir antecipadamente a questão política extremamente complicada: “estar com a classe trabalhadora ou com a burguesia”. A vacilação das seções não proletárias do povo trabalhador é inevitável; e inevitável também é a sua própria experiência prática, que lhes permitirá comparar a liderança da burguesia com a liderança do proletariado.

Esta é a circunstância que é constantemente perdida de vista por aqueles que adoram “democracia consistente” e que imaginam que problemas políticos extremamente importantes podem ser resolvidos através da votação. Tais problemas são efetivamente resolvidos pela guerra civil se são agudos e agravados pela luta, e a experiência das massas não proletárias (principalmente dos camponeses), sua experiência de comparar o domínio do proletariado com o domínio da burguesia, é de tremenda importância nessa guerra.

As eleições para a Assembleia Constituinte na Rússia, em novembro de 1917, em comparação com a Guerra Civil de dois anos de 1917-19, são altamente instrutivas nesse sentido. Veja quais distritos provaram ser os menos bolcheviques. Primeiro, os Urais Orientais e os Siberianos, onde os bolcheviques obtiveram 12% e 10% dos votos, respectivamente. Em segundo lugar, a Ucrânia, onde os bolcheviques obtiveram 10% dos votos. Dos outros distritos, os bolcheviques obtiveram a menor porcentagem de votos no distrito camponês da Grande Rússia, o distrito do Volga – Terra Negra, mas mesmo lá os bolcheviques obtiveram 16% dos votos.

Foi precisamente nos distritos onde os bolcheviques obtiveram a menor porcentagem de votos em novembro de 1917 que os movimentos contrarrevolucionários, as revoltas e a organização de forças contra-revolucionárias tiveram o maior sucesso. Foi precisamente nesses distritos que o governo de Kolchak e Denikin durou meses e meses.

A vacilação da população pequeno-burguesa foi particularmente acentuada nos distritos onde a influência do proletariado é mais fraca. A vacilação era a favor dos bolcheviques quando eles concederam terras e quando os soldados desmobilizados trouxeram as notícias sobre a paz; mais tarde – contra os bolcheviques quando, para promover o desenvolvimento internacional da revolução e proteger seu centro na Rússia, concordaram em assinar o Tratado de Brest e, assim, “ofenderam” os sentimentos patrióticos, o mais profundo dos sentimentos pequeno-burgueses. A ditadura do proletariado foi particularmente desagradável para os camponeses naqueles lugares onde havia os maiores estoques de grãos excedentes, quando os bolcheviques mostraram que garantiriam estrita e firmemente a transferência desses estoques excedentes para o Estado a preços fixos.

Os camponeses nos Urais, na Sibéria e na Ucrânia se voltaram para Kolchak e Denikin. Além disso, a experiência da “democracia” de Kolchak e Denikin, acerca da qual todos os jornalistas nas regiões ocupadas por Koltchak e Deníkine gritavam em cada número dos jornais dos guardas-brancos, demonstrou aos camponeses que frases sobre democracia e sobre a “Assembleia Constituinte” servem apenas como uma cobertura para ocultar a ditadura dos proprietários de terras e capitalistas.

Outra virada para o bolchevismo começou e revoltas camponesas se espalharam na retaguarda de Kolchak e Denikin. Os camponeses acolheram as tropas vermelhas como libertadores.

A longo prazo, foi essa vacilação dos camponeses, o principal corpo do povo pequeno-burguês, que decidiu o destino do domínio soviético e do domínio de Kolchak e Denikin. Mas esse “longo prazo” foi precedido por um período bastante longo de lutas severas e provações dolorosas, que ainda não terminaram na Rússia depois de dois anos, mais precisamente na Sibéria e na Ucrânia. E não há garantia de que eles terminem completamente dentro de, digamos, mais um ano.

Os partidários da democracia “consistente” não pensaram na importância desse fato histórico. Eles inventaram, e ainda estão inventando, histórias infantis sobre o proletariado sob o capitalismo ser capaz de “convencer” a maioria dos trabalhadores e conquistá-los firmemente paraseu lado, votando. Mas a realidade mostra que somente no curso de uma luta longa e feroz a experiência severa da pequena burguesia vacilante a conduz à conclusão, depois de comparar a ditadura do proletariado com a ditadura dos capitalistas, que a primeira é melhor do que a última.

Em teoria, todos os socialistas que estudaram o marxismo e estão dispostos a levar em conta as lições da história política do século XIX dos países avançados reconhecem que a vacilação da pequena burguesia entre o proletariado e a classe capitalista é inevitável. As raízes econômicas dessa vacilação são claramente reveladas pela ciência econômica, cujas verdades foram repetidas milhões de vezes nos jornais, folhetos e panfletos emitidos pelos socialistas da Segunda Internacional.

Mas essas pessoas não podem aplicar essas verdades à época peculiar da ditadura do proletariado. Elas substituem preconceitos e ilusões democrático pequeno-burguesas (sobre “igualdade de classes”, sobre democracia “consistente” ou “pura”, sobre a solução de grandes problemas históricos através do voto, e assim por diante) pela luta de classes. Eles não entenderão que, depois de capturar o poder do Estado, o proletariado não cessa sua luta de classes, mas a continua de uma forma diferente e por meios diferentes. A ditadura do proletariado é a luta de classes do proletariado, conduzida com a ajuda de um instrumento como o poder do Estado, uma luta de classes cujo objetivo é demonstrar às seções não proletárias do povo trabalhador por meio de sua longa experiência e uma longa lista de exemplos práticos que é mais vantajoso ficar do lado da ditadura do proletariado do que da ditadura da burguesia, e que não pode haver um terceiro curso.

Os resultados das eleições da Assembleia Constituinte, realizadas em novembro de 1917, nos dá o principal pano de fundo do quadro do desenvolvimento da Guerra Civil que se arrasta há dois anos desde essas eleições. As principais forças nessa guerra eram claramente evidentes durante as eleições da Assembleia Constituinte – o papel da “força de ataque” do exército proletário, o papel do camponês vacilante e o papel da burguesia já eram aparentes. Em seu artigo N .V. Svyatitsky escreve: “Os cadetes tiveram mais sucesso nas mesmas regiões em que os bolcheviques tiveram mais sucesso – nas regiões norte e centro industrial” (p. 116). Naturalmente, nos centros capitalistas mais desenvolvidos, os elementos intermediários entre o proletariado e a burguesia eram os mais fracos. Naturalmente, nesses centros, a luta de classes era mais aguda. Foi lá que as principais forças da burguesia se concentraram e só lá o proletariado poderia derrotar a burguesia. Somente o proletariado poderia derrotar a burguesia e somente depois de derrotar a burguesia o proletariado poderia definitivamente ganhar a simpatia e o apoio dos estratos pequeno-burgueses da população usando um instrumento como o poder do Estado.

Se usados corretamente, se lidos corretamente, os resultados das eleições da Assembleia Constituinte nos revelam repetidas vezes as verdades fundamentais da doutrina marxista da luta de classes.

Esses resultados, aliás, também revelam o papel e a importância da questão nacional. Pegue a Ucrânia. Nas últimas conferências sobre a questão ucraniana, alguns camaradas acusaram o escritor dessas linhas de dar “destaque” demais à questão nacional na Ucrânia. Os resultados das eleições para a Assembleia Constituinte mostram que, na Ucrânia, em novembro de 1917, os socialistas-revolucionários ucranianos e socialistas obtiveram a maioria (3,4 milhões de votos + 0,5 = 3,9 milhões contra 1,9 milhão obtidos pelos socialistas-revolucionários russos, de uma votação total em toda a Ucrânia de 7,6 milhões de votos). No exército, nas frentes sudoeste e romena, os socialistas ucranianos obtiveram 30% e 34% do total de votos (os socialistas-revolucionários russos, 40% e 59%).

Nessas circunstâncias, ignorar a importância da questão nacional na Ucrânia – um pecado do qual os grão-russos são frequentemente culpados (e do qual os judeus são culpados talvez apenas com um pouco menos de frequência do que os grão-russos) – é um grande e perigoso erro. A divisão entre os socialistas revolucionários russos e ucranianos já em 1917 não poderia ter sido acidental. Como internacionalistas, é nosso dever, primeiro, combater com muito vigor as sobrevivências (às vezes inconscientes) do imperialismo e chauvinismo da Grande Rússia entre os comunistas “russos”; e, em segundo lugar, é nosso dever, precisamente na questão nacional, que é relativamente menor (para um internacionalista a questão das fronteiras estatais é uma questão secundária, se não de décimo grau) fazer concessões. Há outras questões – os interesses fundamentais da ditadura do proletariado; os interesses da unidade e disciplina do Exército Vermelho que luta contra Denikin; o papel de liderança do proletariado em relação aos camponeses – que são mais importantes; a questão de saber se a Ucrânia será um estado separado é muito menos importante. Não devemos ficar nem um pouco surpresos ou assustados, mesmo com a perspectiva de trabalhadores e camponeses ucranianos testando sistemas diferentes e, no decurso de, digamos, vários anos, testando pela prática de união com a RSFSR ou se separando desta e formando uma RSS ucraniana independente, ou várias formas de uma estreita aliança entre estas, e assim por diante.

Tentar resolver essa questão com antecedência, de uma vez por todas, “firme” e “irrevogavelmente”, seria falta de espírito ou pura estupidez, pois a vacilação do povo trabalhador não proletário em uma tal questão é bastante natural, até inevitável, mas não menos assustadora para o proletariado. É dever do proletário que é realmente capaz de ser internacionalista tratar uma tal vacilação com a maior cautela e tolerância; é seu dever deixar que as massas não proletárias se livrem dessa vacilação elas próprias como resultado de sua própria experiência. Devemos ser intolerantes e implacáveis, intransigentes e inflexíveis em outras questões mais fundamentais, algumas das quais já mencionei acima.

VI

A comparação das eleições da Assembleia Constituinte, em novembro de 1917, com o desenvolvimento da revolução proletária na Rússia, de outubro de 1917 a dezembro de 1919, permite tirar conclusões sobre o parlamentarismo burguês e a revolução proletária em todos os países capitalistas. Deixe-me tentar brevemente formular, ou, pelo menos, esboçar, as principais conclusões.

1. O sufrágio universal é um índice do nível alcançado pelas várias classes na compreensão de seus problemas. Mostra como as várias classes estão inclinadas a resolver seus problemas. A solução real desses problemas não é fornecida pelo voto, mas pela luta de classes em todas as suas formas, incluindo a guerra civil.

2. Os socialistas e os social-democratas da Segunda Internacional assumem a posição de democratas pequeno-burgueses vulgares e compartilham o preconceito de que os problemas fundamentais da luta de classes podem ser resolvidos através do voto.

3. O partido do proletariado revolucionário deve participar dos parlamentos burgueses para iluminar as massas; isso pode ser feito durante as eleições e na luta entre os partidos no parlamento. Mas limitar a luta de classes à luta parlamentar, ou considerar a última como a forma mais elevada e decisiva, à qual todas as outras formas de luta estão subordinadas, é, na verdade, uma deserção para o lado da burguesia contra o proletariado.

4. Todos os representantes e apoiadores da Segunda Internacional e todos os líderes do Partido Social-Democrata Alemão, chamado “independente”, na verdade, passam ao lado da burguesia dessa maneira quando reconhecem a ditadura do proletariado em palavras mas, em atos, por sua propaganda, impregnam o proletariado com a ideia de que ele deve primeiro obter uma expressão formal da vontade da maioria da população sob o capitalismo (isto é, a maioria dos votos no parlamento burguês) para transferir o poder político para o proletariado, uma transferência que ocorrerá mais tarde.

Todos os gritos, baseados nessa premissa, dos social-democratas alemães “independentes” e líderes semelhantes do socialismo decadente contra a “ditadura de uma minoria”, e assim por diante, apenas indicam que esses líderes falham em entender a ditadura da burguesia, que na verdade reina mesmo nas repúblicas mais democráticas, e que eles não conseguem entender as condições para sua destruição pela luta de classes do proletariado.

5. Essa falta de compreensão consiste, em particular, no seguinte: eles esquecem que, em um grau muito grande, os partidos burgueses são capazes de governar porque enganam as massas do povo, por causa do jugo do capital, e a isso se acrescenta um autoengano sobre a natureza do capitalismo, um autoengano que é característico principalmente dos partidos pequeno-burgueses, que geralmente querem substituir formas mais ou menos disfarçadas de conciliação de classes pela luta de classes.

“Primeiro deixe que a maioria da população, enquanto a propriedade privada ainda existe, ou seja, enquanto o domínio e o jugo do capital ainda existem, se expresse a favor do partido do proletariado e só então pode e deve o partido assumir o poder” – assim dizem os democratas pequeno-burgueses que se autodenominam socialistas, mas que, na realidade, são os servidores da burguesia.

“Que o proletariado revolucionário derrube primeiro a burguesia, quebre o jugo do capital e esmague o aparato estatal burguês, então o proletariado vitorioso poderá rapidamente ganhar a simpatia e apoio da maioria dos trabalhadores não proletários satisfazendo suas necessidades às custas dos exploradores” dizemos nós. O oposto será uma exceção rara na história (e mesmo nessa exceção a burguesia pode recorrer à guerra civil, como o exemplo da Finlândia mostrou [7]).

6. Ou em outras palavras:

“Primeiro, nos comprometemos a reconhecer o princípio da igualdade, ou democracia consistente, preservando a propriedade privada e o jugo do capital (isto é, a desigualdade real sob a igualdade formal) e tentamos obter a decisão da maioria com base nisso” – dizem a burguesia e seus yes-men[5], os democratas pequeno-burgueses que se autodenominam socialistas e social-democratas.

“Primeiro, a luta de classe proletária, conquistando o poder do Estado, destruirá os pilares e os fundamentos da desigualdade real e, então, o proletariado, que derrotou os exploradores, conduzirá todos os trabalhadores à abolição das classes, isto é, à igualdade socialista, a do único tipo que não é um engano” – dizemos nós.

7. Em todos os países capitalistas, além do proletariado, ou a parte do proletariado consciente de seus objetivos revolucionários e capaz de lutar para alcançá-los, existem numerosos estratos proletários, semi-proletários e semi-pequeno-burgueses politicamente imaturos que seguem a burguesia e a democracia burguesa (incluindo os “socialistas” da Segunda Internacional) porque foram enganados, não confiam em sua própria força ou na força do proletariado, desconhecem a possibilidade de satisfazer suas necessidades urgentes por meio da expropriação dos exploradores.

Esses estratos do povo trabalhador e explorado fornecem aliados à vanguarda do proletariado e lhe conferem uma maioria estável da população; mas o proletariado só pode ganhar esses aliados com a ajuda de um instrumento como o poder de estado, isto é, somente depois de derrubar a burguesia e destruir o aparato estatal burguês.

8. A força do proletariado em qualquer país capitalista é muito maior que a proporção que representa da população total. Isso ocorre porque o proletariado domina economicamente o centro e os nervos de todo o sistema econômico do capitalismo, e também porque o proletariado expressa econômica e politicamente os reais interesses da esmagadora maioria do povo trabalhador do capitalismo.

Portanto, o proletariado, mesmo quando constitui uma minoria da população (ou quando a vanguarda do proletariado com consciência de classe e realmente revolucionária constitui uma minoria da população), é capaz de derrubar a burguesia e, depois disso, de vencer para seu lado numerosos aliados de uma massa de semi-proletários e da pequena burguesia que nunca se declaram antecipadamente a favor do governo do proletariado, que não entendem as condições e os objetivos desse governo, e somente pela experiência subsequente se convencem de que o a ditadura do proletariado é inevitável, apropriada e legítima.

9. Finalmente, em todos os países capitalistas sempre há estratos muito amplos da pequena burguesia que inevitavelmente oscilam entre capital e trabalho. Para alcançar a vitória, o proletariado deve, primeiro, escolher o momento certo para seu ataque decisivo à burguesia, levando em consideração, entre outras coisas, a desunião entre a burguesia e seus aliados pequeno-burgueses ou a instabilidade de sua aliança, e assim por diante. Em segundo lugar, após a vitória, o proletariado deve utilizar essa vacilação da pequena burguesia de modo a neutralizá-la, impedindo que ladeiam com os exploradores; deve ser capaz de aguentar algum tempo, apesar dessa vacilação, e assim por diante.

10. Uma das condições necessárias para preparar o proletariado para sua vitória é uma luta longa, teimosa e implacável contra o oportunismo, o reformismo, o social-chauvinismo e influências e tendências burguesas semelhantes, que são inevitáveis, uma vez que o proletariado está operando em um ambiente capitalista. Se não houver tal luta, se o oportunismo no movimento da classe trabalhadora não for totalmente derrotado de antemão, não haverá ditadura do proletariado. O bolchevismo não teria derrotado a burguesia em 1917-19 se antes, em 1903-17, não tivesse aprendido a derrotar os mencheviques, ou seja, oportunistas, reformistas, social-chauvinistas e expulsá-los impiedosamente do partido da vanguarda proletária.

Atualmente, o reconhecimento verbal da ditadura do proletariado pelos líderes dos “independentes” alemães, ou pelos longuetistas franceses [8] e similares, que na verdade continuam a antiga e habitual política de grandes e pequenas concessões e conciliação com oportunismo, subserviência aos preconceitos da democracia burguesa (“democracia consistente” ou “democracia pura” como a chamam) e parlamentarismo burguês, e assim por diante, é o autoengano mais perigoso – e às vezes pura ilusão os trabalhadores.


Notas:

* O autor divide a Rússia em distritos de uma maneira bastante incomum: Norte: Arcanjo, Vologda, Petrogrado, Novgorod, Pskov, Báltico. Industrial Central: Vladimir, Kostroma, Moscou, Nizhni-Novgorod, Ryazan, Tula, Tver Yaroslavl. Volga – Terra Negra: Astracã, Voronezh, Kursk, Orel Penza Samara, Saratov, Simbirsk, Tambov. Oeste: Vitebsk, Minsk, Mogilev, Smolensk. Urais do leste: Vyatka, Kazan, Perm, Ufa. Sibéria: Tobolsk, Tomsk, Altai, Yeniseisk, Irkutsk, Transbaikal, Amur. Ucrânia: Volhynia, Ekaterinoslav, Kiev, Poltava, Taurida, Kharkov, Kherson, Chernigov.

** Svyatsky obtém a cifra entre parênteses, 62%, acrescentando os socialistas-revolucionários muçulmanos e Chuvaches

*** O número entre parênteses, 77%, é meu, obtido pela adição dos socialistas-revolucionários ucranianos.

**** A cifra é aproximada. Dois bolcheviques foram eleitos. N. V. Svyatitsky conta com uma média de 60.000 votos por pessoa eleita. É por isso que eu dou 120.000.

***** Nenhuma informação é dada sobre qual partido obteve 19.500 votos na frota do Mar Negro. As outras cifras desta coluna evidentemente se aplicam quase inteiramente aos socialistas ucranianos, por 10 socialistas ucranianos e um social-democrata (isto é, um menchevique) foram eleitos.

[1] Gubernia: principal divisão administrativa do império Russo, traduzida para a língua portuguesa como “província”. Gubernia tem a mesma etimologia de “governo”, em latim.

[2] Partido Social-Democrata Independente da Alemanha: partido centrista formado em abril de 1917 no congresso inaugural de Gotha. Defendeu a unidade com os socialchauvinistas e chegou ao ponto de negar a luta de classes. O grupo de Kautsky (Arbeitsgemeinschaft) no Reichstag formou o núcleo do partido. Em outubro de 1920, ocorreu uma cisão em um congresso do partido em Halle. Uma parte considerável do partido se uniu ao Partido Comunista da Alemanha em dezembro de 1920 e a ala direita formou um partido separado, mantendo seu antigo nome. Existiu até 1922.

[3] Centristas, Centrismo – uma variedade de oportunismo no movimento operário, hostil ao marxismo-leninismo. Surgiu nos partidos social-democratas da Segunda Internacional antes da Primeira Guerra Mundial. Os centristas usaram frases marxistas e se colocaram como “marxistas ortodoxos”, mas de fato destruíram o marxismo de seu conteúdo revolucionário e tentaram reter a influência de francos oportunistas e, portanto, da burguesia sobre os trabalhadores. A ideologia do centrismo é a ideologia da adaptação, da subordinação dos interesses de classe do proletariado aos da pequena-burguesia. Lenin disse que o centrismo era muito mais perigoso, muito mais prejudicial ao movimento da classe trabalhadora do que o oportunismo aberto; ele descreveu o centrismo como “o produto social das contradições da Segunda Internacional, uma mistura de lealdade ao marxismo em palavras e subordinação ao oportunismo em atos” (ver edição atual, vol. 21, p. 312) [Veja em “O Socialismo e a guerra” a seção intitulada “Kaukskysmo”. Durante a Primeira Guerra Mundial, os centristas apoiaram a política dos oportunistas, social-chauvinistas e, ao mesmo tempo, avançaram palavras de ordem pacifistas, desviando assim os trabalhadores da luta revolucionária contra a guerra imperialista. Lenin e outros bolcheviques consideravam Kautsky um dos principais teóricos do centrismo. O Partido Bolchevique, liderado por Lenin, era um combatente irreconciliável e consistente contra o Centrismo, contra suas variedades russas e internacionais. Expondo o centrismo na Rússia, os bolcheviques ajudaram os elementos revolucionários dos partidos da Segunda Internacional a se livrar do centrismo, romper com os oportunistas e fundar partidos comunistas genuinamente marxistas.

[4] Veja a carta de Marx a Ludwig Kugelmann, de 13 de dezembro de 1870 (Marx e Engels, Correspondência Selecionada, Moscou, 1955, p. 305). Veja Karl Marx, o 18 de Brumário de Louis Bonaparte e A Guerra Civil na França (Marx e Engels, Trabalhos Selecionados, Vol. 1, Moscou, 1960, pp. 332-33, 48-85).

[5] Yes-men é uma expressão na língua inglesa utilizada para denominar uma pessoa que concorda com tudo o que seu empregador ou líder ordena.

[6] O Decreto sobre as Terra foi adotado pelo Segundo Congresso Soviético da Rússia em 26 de outubro (8 de novembro) de 1917, no dia seguinte ao estabelecimento do poder soviético na Rússia. O decreto sobre as terras aboliu as propriedades fundiárias e toda a propriedade privada da terra, e deu a terra aos camponeses para seu uso.

[7] Referência à guerra civil travada pela burguesia finlandesa contra a revolução proletária na Finlândia. A revolução começou em meados de janeiro de 1918 nos distritos industriais do sul do país. Em 15 de janeiro (28) de 1918, a Guarda Vermelha Finlandesa capturou a capital – Helsingfors (Helsinque), e o governo burguês de Svinhufvud foi derrubado. Os trabalhadores tomaram o poder e estabeleceram um governo revolucionário conhecido como Conselho dos Representantes do Povo; entre seus membros estavam O. Kuusinen, J. Sirola A. Taimi. As organizações dos trabalhadores formaram o tipo básico de poder estatal no país. Lenin os chamou de um novo tipo de poder, “poder proletário” (ver). Entre as medidas mais importantes tomadas pelo governo dos trabalhadores estavam a adoção de uma lei sobre a transferência sem compensação das terras cultivadas pelos camponeses para a sua propriedade, isenção de tributação dos setores pobres da população, expropriação dos empreendimentos dos proprietários fugidos do país, o estabelecimento de controle estatal sobre bancos privados (suas funções foram transferidas para o banco estatal).

[8] Longuetistas – um grupo minoritário do Partido Socialista Francês liderado por Jean Longuet. Durante a Primeira Guerra Mundial de 1914-18, eles mantiveram pontos de vista centristas e adotaram uma política conciliatória em relação aos social-chauvinistas. Os Longuetistas rejeitaram a luta revolucionária e defenderam a “defesa da pátria” na guerra imperialista. Lenin os chamou de nacionalistas pequeno-burgueses (ver presente edição Vol. 28, p. 286). Após a vitória da Revolução Socialista de outubro, os Longuetistas declararam apoio a esta, mantendo no entanto sua estratégia parlamentar.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário