Palestra sobre a Revolução de 1905

Por Vladímir Ilitch Uliánov “Lênin”, via marxists.org, traduzido por João Victor Oliveira

“Nós da geração mais velha talvez não vivamos para ver as batalhas decisivas desta próxima revolução”, disse Lênin, umas poucas semanas antes da Revolução Russa de fevereiro de 1917. Abaixo, a tradição inédita da famosa palestra dada por Lênin à juventude operária suíça sobre a Revolução de 1905.


Meus jovens amigos e camaradas:

Hoje é o décimo segundo aniversário do “Domingo Sangrento”, que é corretamente considerado como o início da revolução russa.

Milhares de trabalhadores – não social-democratas, mas súditos leais tementes a Deus – liderados pelo padre Gapon, saíam de todas as partes da capital para o centro, para a praça em frente ao Palácio de Inverno, para apresentar uma petição ao czar. Os trabalhadores carregavam ícones [religiosos]. Em uma carta ao czar, seu então líder, Gapon, havia garantido sua segurança pessoal e pediu para que ele aparecesse diante do povo.

Tropas foram convocadas. Ulanos e cossacos atacaram a multidão com espadas desembainhadas. Eles dispararam contra os trabalhadores desarmados que, de joelhos dobrados imploraram aos cossacos que lhes permitissem ir ao czar. Mais de mil foram mortos e mais de dois mil feridos naquele dia, segundo relatos da polícia. A indignação dos trabalhadores era indescritível.

Essa é a imagem geral de 22 de janeiro de 1905 – “Domingo Sangrento”.

Para que vocês possam entender mais claramente o significado histórico deste evento, citarei algumas passagens da petição dos trabalhadores. Começa com as seguintes palavras:

“Nós trabalhadores, habitantes de São Petersburgo, viemos a Ti. Somos infelizes, escravos desprezados, oprimidos pelo despotismo e pela tirania. Esgotada a paciência, cessamos o trabalho e imploramos aos nossos senhores que nos dessem apenas aquilo sem o qual a vida é um tormento. Mas isso foi recusado; para os empregadores, tudo parecia ilegal. Estamos aqui, muitas milhares de nós. Como todo o povo russo, não temos direitos humanos. Devido às ações de Teus funcionários, nos tornamos escravos. ”

A petição contém as seguintes demandas: anistia, liberdades civis, salários justos, transferência gradual da terra para o povo, convocação de uma assembleia constituinte com base no sufrágio universal e igual. Termina com as seguintes palavras:

“Senhor, não recuse ajuda a Teu povo! Demole o muro que Te separa do Teu povo. Ordene e prometa que nossos pedidos serão atendidos, e você fará a Rússia feliz; caso contrário, estamos prontos para morrer neste mesmo local. Temos apenas dois caminhos: liberdade e felicidade, ou a sepultura.”

Lida agora, esta petição de trabalhadores sem instrução e analfabetos, liderada por um padre patriarcal, cria uma impressão estranha. Involuntariamente, compara-se esta petição ingênua com as atuais resoluções de paz dos social-pacifistas, os futuros socialistas que, na realidade, são monges burgueses. Os trabalhadores não esclarecidos da Rússia pré-revolucionária não sabiam que o czar era o chefe da classe dominante, ou seja, da classe dos grandes proprietários de terras, já ligados por mil laços com a grande burguesia e preparados para defender seu monopólio, privilégios e lucros por todos os meios de violência. Os social-pacifistas de hoje, que fingem ser pessoas “altamente educadas” – sem brincadeiras – não percebem que é tão tolo esperar uma paz “democrática” dos governos burgueses que estão travando uma guerra predatória imperialista, como era, antes, acreditar que petições pacíficas induziriam o czar sangrento a conceder reformas democráticas.

No entanto, há uma grande diferença entre os dois – os atuais pacifistas sociais são, em grande parte, hipócritas, que se esforçam por meio de gentis advertências para desviar o povo da luta revolucionária, enquanto os trabalhadores sem instrução na Rússia pré-revolucionária provaram por suas ações que eram pessoas recém-despertadas para a consciência política.

É neste despertar de tremendas massas do povo para a consciência política e a luta revolucionária que reside o significado histórico de 22 de janeiro de 1905.

“Ainda não existe um povo revolucionário na Rússia”, escreveu Piotr Struve, então líder dos liberais russos e editor no exterior de um órgão ilegal e sem censura, dois dias antes do “Domingo Sangrento”. A ideia de que um país camponês analfabeto pudesse produzir um povo revolucionário parecia totalmente absurda para esse líder “altamente educado”, arrogante e extremamente estúpido dos reformistas burgueses. Tão profunda era a convicção dos reformistas daqueles dias – como dos reformistas de hoje – de que uma verdadeira revolução era impossível!

Antes de 22 de janeiro (ou 9 de janeiro, calendário juliano) de 1905, o partido revolucionário da Rússia consistia em um pequeno grupo de pessoas, e os reformistas da época (exatamente como os reformistas de hoje) nos chamavam de forma irônica de “seita”. Várias centenas de organizadores revolucionários, vários milhares de membros de organizações locais, meia dúzia de jornais revolucionários aparecendo com menos frequência do que uma vez por mês, publicados principalmente no exterior e contrabandeados para a Rússia com uma dificuldade incrível e às custas de muitos sacrifícios – tais eram os partidos revolucionários na Rússia, e a social-democracia revolucionária em particular, antes de 22 de janeiro de 1905. Essa circunstância deu aos reformistas de mente estreita e predominantes uma justificativa formal para sua afirmação de que ainda não havia um povo revolucionário na Rússia.

Dentro de alguns meses, no entanto, a imagem mudou completamente. As centenas de social-democratas revolucionários “subitamente” cresceram para milhares; os milhares se tornaram líderes de dois entre três milhões de proletários. A luta proletária produziu um fermento generalizado, frequentemente movimentos revolucionários entre as massas camponesas, com a força de cinquenta a cem milhões de pessoas; o movimento camponês teve suas reverberações no exército e levou a revoltas dos soldados, a confrontos armados entre uma seção do exército e outra. Dessa maneira, um país colossal, com uma população de 130 milhões de habitantes, entrou na revolução; assim, a Rússia adormecida foi transformada na Rússia de um proletariado revolucionário e de um povo revolucionário.

É necessário estudar essa transformação, entender por que foi possível, seus métodos e formas, por assim dizer.

O principal fator nessa transformação foi a greve de massas. A peculiaridade da revolução russa é que esta era uma revolução democrático-burguesa em seu conteúdo social, mas uma revolução proletária em seus métodos de luta. Era uma revolução democrático-burguesa, pois seu objetivo imediato, que poderia ser alcançado diretamente e com suas próprias forças, era uma república democrática, a jornada diária de oito horas e o confisco das imensas propriedades da nobreza – todas as medidas que a revolução burguesa francesa em 1792-93 havia conseguido quase completamente.

Ao mesmo tempo, a revolução russa também foi uma revolução proletária, não apenas no sentido de que o proletariado era a força motriz, a vanguarda do movimento, mas também no sentido de que uma arma especificamente proletária de luta – a greve – era o principal meio de colocar as massas em movimento e o fenômeno mais característico na ascensão ondulatória de eventos decisivos.

A revolução russa foi a primeira, embora certamente não a última, grande revolução na história em que a greve política de massas teve um papel extraordinariamente importante. Pode-se até dizer que os eventos da revolução russa e a sequência de suas formas políticas não podem ser entendidos sem um estudo das estatísticas das greves para revelar as bases desses eventos e essa sequência de formas.

Sei perfeitamente bem que as estatísticas brutas dificilmente são adequadas em uma palestra e provavelmente entediam o ouvinte. Não obstante, não posso deixar de citar alguns números, para que você possa apreciar a verdadeira base objetiva de todo o movimento. O número médio anual de grevistas na Rússia durante os dez anos anteriores à revolução foi de 43.000, o que significa 430.000 em uma década. Em janeiro de 1905, o primeiro mês da revolução, o número de grevistas foi de 440.000. Em outras palavras, houve mais grevistas em um mês do que em toda a década anterior!

Em nenhum país capitalista do mundo, nem mesmo nos países mais avançados como a Inglaterra, os Estados Unidos da América ou a Alemanha, houve algo que se igualasse ao tremendo movimento grevista russo de 1905. O número total de grevistas era de 2.800.000, mais do que duas vezes o número de trabalhadores fabris no país! Evidentemente, isso não prova que os operários urbanos da Rússia eram mais instruídos, mais fortes ou mais adaptados à luta do que seus irmãos na Europa Ocidental. A verdade é exatamente o oposto disso.

Mas essa cifra mostra o quão grande pode ser a energia adormecida do proletariado. Isso mostra que em uma época revolucionária – digo isso sem o mínimo exagero, com base nos dados mais precisos da história russa -, o proletariado pode gerar uma energia de combate cem vezes maior do que em tempos ordinários e pacíficos. Isso mostra que, até 1905, a humanidade ainda não sabia de quão grande, de quão tremenda tensão de forças o proletariado é e será capaz na luta por objetivos realmente grandes, e uma luta travada de uma maneira realmente revolucionária!

A história da revolução russa mostra que foi a vanguarda, os melhores elementos dos trabalhadores assalariados, que lutaram com a maior tenacidade e a maior devoção. Quanto maiores as plantas e fábricas envolvidas, mais teimosas eram as greves, e mais frequentemente elas se repetiam durante o ano. Quanto maior a cidade, mais importante era o papel do proletariado na luta. Três grandes cidades, São Petersburgo, Riga e Varsóvia, que possuem o elemento maior e com mais consciência de classes em meio à classe trabalhadora, exibiram um número imensuravelmente maior de grevistas, em relação a todos os trabalhadores, do que qualquer outra cidade e, é claro, muito maior que os distritos rurais. [1]

Na Rússia – como provavelmente em outros países capitalistas – os metalúrgicos representam a vanguarda do proletariado. Nesse sentido, notamos o seguinte fato instrutivo: considerando todas as indústrias, o número de pessoas envolvidas em greves em 1905 foi de 160 para cada cem trabalhadores empregados, mas na indústria metalúrgica o número era de 320 para cada cem! Estima-se que, em consequência das greves de 1905, todo operário russo perdesse uma média de dez rublos em salários – aproximadamente 26 francos na taxa de câmbio de antes da guerra – sacrificando esse dinheiro, por assim dizer, pelo bem da luta. Mas se considerarmos os metalúrgicos, descobrimos que a perda de salários era três vezes maior! Os melhores elementos da classe trabalhadora marcharam em primeiro plano, liderando os hesitantes, despertando os adormecidos e encorajando os fracos.

Uma característica distintiva foi a maneira pela qual as greves econômicas foram entrelaçadas com greves políticas durante a revolução. Não há dúvida de que apenas essa ligação muito estreita das duas formas de greve deu ao movimento seu grande poder. As grandes massas dos explorados não poderiam ter sido atraídas para o movimento revolucionário se não tivessem dado exemplos diários de como os trabalhadores assalariados das várias indústrias estavam forçando os capitalistas a conceder melhorias imediatas e diretas em suas condições. Essa luta imbuiu as massas do povo russo com um novo espírito. Só então a velha Rússia servil, preguiçosa, patriarcal, devota e obediente expulsou o velho Adão; só então o povo russo obteve uma educação realmente democrática e realmente revolucionária.

Quando a bem-nascida burguesia e seus ecoadores acríticos, os social-reformistas, falam de maneira pretensiosa sobre a “educação” das massas, eles geralmente querem dizer algo à moda do mestre-escola, pedante, algo que desmoraliza as massas e instila nelas os preconceitos burgueses.

A verdadeira educação das massas nunca pode ser separada de sua luta política independente e, especialmente, revolucionária. Somente a luta educa a classe explorada. Somente a luta lhe revela a magnitude de seu próprio poder, amplia seu horizonte, aprimora suas habilidades, esclarece sua mente, forja sua vontade. É por isso que até os reacionários tiveram que admitir que o ano de 1905, o ano da luta, o “ano louco”, enterrou definitivamente a Rússia patriarcal.

Vamos examinar mais de perto a relação, nas lutas grevistas de 1905, entre os metalúrgicos e os têxteis. Os metalúrgicos são os proletários mais bem pagos, com mais consciência de  classe e mais instruídos: os trabalhadores têxteis, que em 1905 eram duas vezes e meia mais numerosos que os metalúrgicos, são o corpo de trabalhadores mais atrasados e mais mal pagos da Rússia, e em muitos casos ainda não cortaram definitivamente as conexões com seus parentes camponeses na aldeia. Isso nos leva a uma circunstância muito importante.

Durante todo o ano de 1905, as greves dos metalúrgicos mostraram uma preponderância de greves políticas sobre econômicas, embora essa preponderância tenha sido muito maior no final do ano do que no início. Entre os trabalhadores têxteis, por outro lado, observamos uma preponderância esmagadora de greves econômicas no início de 1905, e é apenas no final do ano que temos uma preponderância de greves políticas. A partir disso, é óbvio que a luta econômica, a luta pela melhoria imediata e direta das condições, é capaz de despertar os estratos mais atrasados ​​das massas exploradas, dá-lhes uma educação real e as transforma – durante um período revolucionário – em um exército de combatentes políticos no espaço de alguns meses.

É claro que, para que isso acontecesse, era necessário que a vanguarda dos trabalhadores não considerasse a luta de classes como uma luta no interesse de um fino estrato superior – uma concepção que os reformistas muitas vezes tentam instilar – mas como uma luta na qual o proletariado deve apresentar-se como a verdadeira vanguarda da maioria dos explorados e atrair essa maioria para a luta, como foi o caso da Rússia em 1905, e como deve ser, e certamente será, o caso da iminente revolução proletária na Europa. [2]

O início de 1905 trouxe a primeira grande onda de greves, que varreu todo o país. Já na primavera daquele ano, vemos o surgimento do primeiro grande movimento camponês não apenas econômico, mas também político, na Rússia. A importância desse ponto devde histórico será apreciada se for lembrado que o campesinato russo foi libertado da mais severa forma de servidão apenas em 1861, que a maioria dos camponeses é analfabeta, que vive em pobreza indescritível, oprimidos pelos proprietários, iludidos pelos padres e isolados uns dos outros por vastas distâncias e uma quase completa ausência de estradas.

A Rússia testemunhou o primeiro movimento revolucionário contra o czarismo em 1825, um movimento representado quase que exclusivamente por nobres. Posteriormente e até 1881, quando Alexandre II foi assassinado pelos terroristas, o movimento foi liderado por intelectuais de classe média. Eles exibiram supremo autossacrifício e surpreenderam o mundo inteiro pelo heroísmo de seus métodos terroristas de luta. Seus sacrifícios certamente não foram em vão. Sem dúvida, eles contribuíram – direta ou indiretamente – para a subsequente educação revolucionária do povo russo. Mas eles não alcançaram e não conseguiram atingir seu objetivo imediato de gerar uma revolução popular.

Isso foi alcançado apenas pela luta revolucionária do proletariado. Somente as ondas de greves de massa que varreram o país inteiro, greves ligadas às severas lições da guerra imperialista russo-japonesa, despertaram a grande massa de camponeses de sua letargia. A palavra “grevista” adquiriu um significado inteiramente novo entre os camponeses: significava um rebelde, um revolucionário, um termo anteriormente expresso pela palavra “estudante”. Mas o “aluno” pertencia à classe média, aos “instruídos”, aos “bem-nascidos” e, portanto, era estranho ao povo. O “grevista”, por outro lado, era do povo; ele pertencia à classe explorada. Deportado de São Petersburgo, muitas vezes voltava à aldeia, onde contava aos companheiros da aldeia a conflagração que se espalhava por todas as cidades e destruiria os capitalistas e a nobreza. Um novo tipo apareceu na vila russa – o jovem camponês com consciência de classe. Ele associou-se ao “grevistas”, leu jornais, contou aos camponeses sobre eventos nas cidades, explicou a seus vizinhos o significado das demandas políticas e os exortou a combater a nobreza proprietária de terras, os padres e os funcionários do governo.

Os camponeses se reuniam em grupos para discutir suas condições e gradualmente foram atraídos para a luta. Grandes multidões atacaram as grandes propriedades, atearam fogo às casas senhoriais e se apropriaram de suprimentos, apreenderam grãos e outros alimentos, mataram policiais e exigiram a transferência para o povo das grandes propriedades.

Na primavera de 1905, o movimento camponês estava apenas começando, envolvendo apenas uma minoria, aproximadamente 1/7, dos uiezds.

Mas a combinação das greves proletárias de massas cidades com o movimento camponês nas áreas rurais foi suficiente para abalar o mais firme e último apoio do czarismo. Eu me refiro ao exército.

Começaram uma série de motins na marinha e no exército. Durante a revolução, toda nova onda de greves e do movimento camponês foi acompanhada de motins em todas as partes da Rússia. O mais conhecido deles é o motim do cruzador do Mar Negro Príncipe Potemkin, que foi apreendido pelos amotinados e participou da revolução em Odessa. Após a derrota da revolução e tentativas malsucedidas de tomar outros portos (Feodosia na Criméia, por exemplo), rendeu-se às autoridades romenas em Constantsa.

Permita-me relatar detalhadamente um pequeno episódio do motim do Mar Negro, a fim de lhes dar uma imagem concreta dos eventos no auge do movimento.

“Reuniões de trabalhadores e marinheiros revolucionários estavam sendo organizadas com mais e mais frequência. Como os militares não tinham permissão para comparecer às reuniões dos trabalhadores, uma grande multidão de trabalhadores compareceu às reuniões militares. Eles vieram aos milhares. A ideia de ação conjunta encontrou uma resposta animada. Os delegados foram eleitos nas companhias onde a compreensão política entre os homens era maior.

As autoridades militares decidiram então agir. Alguns oficiais tentaram proferir discursos “patrióticos” nas reuniões, mas falharam tristemente: os marinheiros, acostumados a debater, colocaram seus oficiais em fuga vergonhosa. Em vista disso, decidiu-se proibir completamente as reuniões. Na manhã de 24 de novembro de 1905, uma companhia de marinheiros, completamente equipados para combate, foi posta de guarda  nos portões dos alojamentos navais. O almirante Pisarevski deu a ordem em voz alta: ‘Ninguém deve sair do quartel! Atire em quem desobedecer!’ Um marinheiro chamado Petrov, da companhia que recebeu essa ordem, saiu das fileiras, carregou seu rifle à vista de todos e, com um tiro, matou o capitão Stein do Regimento Belostok, e com outro feriu o almirante Pisarevski. ‘Prendam ele!’, gritou um dos oficiais. Ninguém se mexeu. Petrov jogou o rifle no chão, exclamando: ‘Por que você não se mexe? Leve-me!’ Ele foi preso. Os marinheiros, que vinham correndo de todos os lados, exigiram com raiva sua libertação, declarando que atestavam sua inocência. A excitação corria alta.

‘Petrov, o tiro foi um acidente, não foi?’, perguntou um dos oficiais, tentando encontrar uma saída para a situação.

‘Como assim, um acidente? Eu dei um passo à frente, carreguei e mirei. Isso é um acidente?’

‘Eles exigem a sua libertação …’

E Petrov foi libertado. Os marinheiros, no entanto, não estavam contentes com isso; todos os oficiais de serviço foram presos, desarmados e trancados na sede. … Delegados de marinheiros, cerca de quarenta em número, conferenciaram a noite inteira. A decisão foi libertar os oficiais, mas não permitir que eles entrassem no quartel novamente.”

Este pequeno incidente mostra claramente como os eventos se desenvolveram na maioria dos motins. O fermento revolucionário entre o povo não pôde deixar de se espalhar para as forças armadas. É indicativo que os líderes do movimento tenham vindo daqueles elementos do exército e da marinha que foram recrutados principalmente entre os trabalhadores industriais e para os quais foi necessário mais treinamento técnico, por exemplo, os sapadores. As grandes massas, no entanto, ainda eram ingênuas demais, seu humor era passivo demais, de boa índole e cristão demais. Eles explodiram rapidamente; qualquer exemplo de injustiça, tratamento excessivamente severo por parte dos oficiais, comida ruim, etc., poderia levar à revolta. Mas o que faltava era persistência, uma clara percepção de objetivo, um claro entendimento de que apenas a continuação mais vigorosa da luta armada, apenas uma vitória sobre todas as autoridades militares e civis, apenas a derrubada do governo e a tomada do poder por toda a parte do país poderia garantir o sucesso da revolução.

As amplas massas de marinheiros e soldados foram facilmente despertadas para se revoltar. Mas com a mesma leviandade libertaram tolamente os oficiais presos. Eles permitiram que os oficiais os pacificassem com promessas e persuasão: dessa maneira, os oficiais ganharam um tempo precioso, trouxeram reforços, quebraram a força dos rebeldes e seguiram a mais brutal repressão do movimento e a execução de seus líderes.

Uma comparação desses motins de 1905 com a revolta dezembrista de 1825 é particularmente interessante. Em 1825, os líderes do movimento político eram quase que exclusivamente oficiais, e oficiais oriundos da nobreza. Eles foram infectados, através do contato com as ideias democráticas da Europa durante as guerras napoleônicas. A massa dos soldados, que na época ainda eram servos, permaneceu passiva.

A história de 1905 apresenta uma imagem totalmente diferente. Com poucas exceções, o clima dos oficiais era liberal-burguês, reformista ou francamente contrarrevolucionário. Os trabalhadores e camponeses em uniforme militar eram a alma dos motins. O movimento se espalhou para todas as partes do povo e, pela primeira vez na história da Rússia, envolveu a maioria dos explorados. Mas o que faltava era, por um lado, persistência e determinação entre as massas – elas eram muito afetadas pela mazela da credulidade – e, por outro, organização dos trabalhadores social-democratas revolucionários em uniforme militar – eles não tinham a capacidade tomar a liderança em suas próprias mãos, marchar à frente do exército revolucionário e lançar uma ofensiva contra o governo.

Eu poderia destacar, aliás, que essas duas deficiências – mais lentamente, talvez, do que gostaríamos, mas certamente – serão eliminadas não apenas pelo desenvolvimento geral do capitalismo, mas também pela atual guerra … [3]

De qualquer forma, a história da revolução russa, como a história da Comuna de Paris de 1871, ensina-nos a lição incontestável de que o militarismo nunca pode, em hipótese alguma, ser derrotado e destruído, exceto por uma luta vitoriosa de uma seção do exército contra a outra. Não basta denunciar, denegrir e “repudiar” o militarismo, criticar e provar que ele é prejudicial; é tolice se recusar pacificamente a prestar serviço militar. A tarefa é manter tensa a consciência revolucionária do proletariado e treinar seus melhores elementos, não apenas de maneira geral, mas concretamente, de modo que, quando o fermento popular atingir o tom mais alto, eles se colocarão à frente do exército revolucionário.

A experiência cotidiana de qualquer país capitalista nos ensina a mesma lição. Toda crise “menor” que esse país experimenta nos revela em miniatura os elementos, os rudimentos e as batalhas que inevitavelmente ocorrerão em larga escala durante uma grande crise. O que mais, por exemplo, é uma greve, se não uma crise menor da sociedade capitalista? O Ministro do Interior da Prússia, Herr von Puttkammer, não estava certo quando cunhou a famosa frase: “Em toda greve espreita a hidra da revolução”? Por acaso a convocação de tropas durante as greves em todos os países capitalistas, mesmo os mais pacíficos, os mais “democráticos” – atentem para as aspas – não mostra como as coisas se sairão em uma crise realmente grande?

Mas voltando à história da revolução russa.

Tentei mostrar como as greves dos trabalhadores agitaram o país inteiro e as camadas mais amplas e mais atrasadas dos explorados, como o movimento camponês começou e como foi acompanhado por motins nas forças armadas.

O movimento atingiu seu auge no outono de 1905. Em 19 de agosto (6), o czar emitiu um manifesto sobre a introdução da representação popular. A chamada Duma de Buligin deveria ser criada como a base de um sufrágio que abarcava um número ridiculamente pequeno de eleitores, e esse peculiar “parlamento” não teria poderes legislativos, apenas poderes de aconselhar e consultivos!

A burguesia, os liberais, os oportunistas estavam prontos para agarrar com as duas mãos esse “presente” do czar assustado. Como todos os reformistas, nossos reformistas de 1905 não conseguiam entender que há situações históricas nas quais reformas, e particularmente promessas de reformas, buscam apenas um objetivo: aliviar a agitação do povo, forçar a classe revolucionária a cessar, ou pelo menos diminuir sua luta.

A social-democracia revolucionária russa estava bem ciente da natureza real dessa concessão de uma constituição ilusória em agosto de 1905. Por isso, sem um momento de hesitação, emitiu as palavras de ordem: “Abaixo a Duma consultiva! Boicote à Duma! Abaixo o governo czarista! Continuar a luta revolucionária para derrubá-lo! Não o czar, mas um governo revolucionário provisório deve convocar a primeira assembleia representativa popular verdadeira da Rússia!”

A história provou que os social-democratas revolucionários estavam certos, pois a Duma de Buligin nunca foi convocada. Foi varrida pela tempestade revolucionária antes que pudesse ser convocada. E essa tempestade forçou o czar a promulgar uma nova lei eleitoral, que previa um aumento considerável no número de eleitores, e a reconhecer o caráter legislativo da Duma. [4]

Outubro e dezembro de 1905 marcaram o ponto mais alto da maré crescente da revolução russa. Todas as fontes da força revolucionária do povo fluíram em uma corrente mais ampla do que nunca. O número de grevistas – que em janeiro de 1905, como já contei, foi de 440.000 – atingiu mais de meio milhão em outubro de 1905 (em um único mês!). A esse número, que se aplica apenas aos operários fabris, devem ser adicionadas centenas de milhares de ferroviários, funcionários dos correios e telégrafos, etc.

A greve geral ferroviária interrompeu todo o tráfego ferroviário e paralisou o poder do governo da maneira mais eficaz. As portas das universidades estavam escancaradas, e as salas de aula, que em tempos de paz eram usadas apenas para confundir mentes jovens com uma sabedoria professoral pedante e para transformar os estudantes em servos dóceis da burguesia e do czarismo, agora se tornaram palco de reuniões públicas nas quais milhares de trabalhadores, artesãos e funcionários de escritórios discutiam aberta e livremente questões políticas.

A liberdade de imprensa foi conquistada. A censura foi simplesmente ignorada. Nenhum editor ousou enviar a cópia obrigatória do censor às autoridades, e as autoridades não ousaram tomar nenhuma medida contra isso. Pela primeira vez na história da Rússia, jornais revolucionários apareceram livremente em São Petersburgo e outras cidades. Somente em São Petersburgo, foram publicados três jornais diários social-democratas, com circulações variando de 50.000 a 100.000.

O proletariado marchou à frente do movimento. Ele pretendia conquistar uma jornada diária de oito horas por meio da ação revolucionária. “Uma jornada de oito horas e armas!” era a palavra de ordem de luta do proletariado de São Petersburgo. O fato de que o destino da revolução só poderia e seria decidido pela luta armada estava se tornando óbvio para uma massa cada vez maior de trabalhadores.

No fogo da batalha, uma organização de massas peculiar foi formada, os famosos Sovietes dos Deputados dos Trabalhadores, composta por delegados de todas as fábricas. Em várias cidades, esses Sovietes dos Deputados dos Trabalhadores começaram a desempenhar cada vez mais o papel de um governo revolucionário provisório, o papel de órgãos e líderes do levante. Tentativas foram feitas para organizar Sovietes dos Deputados de Soldados e Marinheiros e combiná-los com os sovietes de trabalhadores.

Por um certo tempo, várias cidades da Rússia se tornaram algo da natureza de pequenas “repúblicas” locais. As autoridades do governo foram depostas e o Soviete dos Deputados dos Trabalhadores realmente funcionou como o novo governo. Infelizmente, esses períodos foram breves demais, as “vitórias” foram fracas demais, isoladas demais.

O movimento camponês no outono de 1905 atingiu dimensões ainda maiores. Mais de 1/3 de todos os uiezds foram afetados pelos chamados “distúrbios camponeses” e revoltas regulares dos camponeses. Os camponeses queimaram nada menos que duas mil propriedades e distribuíram entre si os estoques alimentares que a nobreza predatória havia roubado o povo.

Infelizmente, este trabalho não foi completo o suficiente! Infelizmente, os camponeses destruíram apenas 1/15 do número total de propriedades, apenas 1/15 do que deveriam ter destruído, a fim de limpar a vergonha da grande propriedade feudal da face da terra russa. Infelizmente, os camponeses estavam dispersos demais, isolados demais em suas ações; eles não foram organizados o suficiente, não foram agressivos o suficiente, e aí reside uma das razões fundamentais para a derrota da revolução.

Um movimento de libertação nacional explodiu entre os povos oprimidos da Rússia. Mais da metade, quase três quintos (para ser exato, 57%) da população da Rússia está sujeita à opressão nacional; eles nem são livres para usar sua língua nativa, são russificados à força. Os muçulmanos, por exemplo, que somam dezenas de milhões, foram rápidos em organizar uma Liga Muçulmana – esse era um tempo de rápido crescimento de todos os tipos de organizações.

O exemplo a seguir dará ao público, particularmente aos jovens, um exemplo de como naquela época o movimento de libertação nacional na Rússia surgiu em conjunto com o movimento operário.

Em dezembro de 1905, crianças polonesas em centenas de escolas queimaram todos os livros russos, gravuras e retratos do czar, atacaram e expulsaram os professores e seus colegas de escola russos, gritando: “Saia! Volte para a Rússia!” Os alunos do ensino médio poloneses apresentaram, entre outras, as seguintes demandas: (1) todas as escolas secundárias devem estar sob o controle de um soviete dos deputados dos trabalhadores; (2) reuniões conjuntas de alunos e trabalhadores a serem realizadas nas instalações da escola; (3) os alunos do ensino médio podem usar blusas vermelhas como sinal de adesão à futura república proletária.

Quanto mais alta a maré do movimento, mais vigorosa e decisivamente a reação se armava para combater a revolução. A Revolução Russa de 1905 confirmou a verdade do que Karl Kautsky escreveu em 1902 em seu livro Revolução Social (ele era ainda, aliás, um marxista revolucionário e não, como atualmente, um defensor do social-patriotismo e oportunismo). Isto é o que ele escreveu:

“… A revolução iminente … será menos como um levante espontâneo contra o governo e mais como uma guerra civil prolongada.”

Foi assim, e sem dúvida é assim que será na próxima revolução europeia!

O czarismo expressou seu ódio principalmente sobre os judeus. Por um lado, os judeus forneceram uma porcentagem particularmente alta (em comparação com a população judaica total) de líderes do movimento revolucionário. E agora, também, deve-se notar, para crédito dos judeus, que eles fornecem uma porcentagem relativamente alta de internacionalistas, em comparação com outras nações. Por outro lado, o czarismo explorou habilmente os preconceitos antijudaicos dos estratos mais ignorantes da população para organizar, se não para liderar diretamente, pogroms – mais de 4.000 judeus foram mortos e mais de 10.000 foram mutilados em 100 cidades. Esses massacres atrozes de judeus pacíficos, suas esposas e filhos despertaram nojo em todo o mundo civilizado. Tenho em mente, é claro, o nojo dos elementos verdadeiramente democráticos do mundo civilizado, e estes são exclusivamente os trabalhadores socialistas, os proletários.

Mesmo nos países mais livres, mesmo nos países republicanos da Europa Ocidental, a burguesia consegue muito bem combinar suas frases hipócritas sobre as “atrocidades russas” com as transações financeiras mais descaradas, particularmente com o apoio financeiro ao czarismo e a exploração imperialista da Rússia através da exportação de capital, etc.

O clímax da Revolução de 1905 ocorreu no levante de dezembro em Moscou. Durante nove dias, um pequeno número de rebeldes, de trabalhadores organizados e armados – não havia mais de oito mil – lutou contra o governo do czar, que não ousou confiar na guarnição de Moscou. De fato, ele tinha que mantê-lo trancado e só conseguiu reprimir a rebelião trazendo o Regimento Semenovski de São Petersburgo.

A burguesia gosta de descrever o levante de Moscou como algo artificial e tratá-lo com ridicularizações. Por exemplo, na chamada literatura “científica” alemã, o professor Max Weber, em sua longa pesquisa sobre o desenvolvimento político da Rússia, refere-se ao levante de Moscou como um “putsch”, um golpe. “O grupo Lênin”, diz este Senhor Professor “altamente instruído”, “e uma seção dos socialistas-revolucionários há muito tempo se preparava para esse levante sem sentido. “

Para avaliar adequadamente essa sabedoria professoral da burguesia covarde, basta recordar as estatísticas das greves. Em janeiro de 1905, apenas 123.000 estavam envolvidos em greves puramente políticas, em outubro eram 330.000 e em dezembro o máximo foi atingido – 370.000 participando de greves puramente políticas em um único mês! Lembremos também o progresso da revolução, os levantes de camponeses e soldados, e veremos que a visão “científica” burguesa do levante de dezembro não é apenas absurda. É um subterfúgio utilizado pelos representantes da burguesia covarde, que vê no proletariado seu mais perigoso inimigo de classe.

Na realidade, a tendência inexorável da revolução russa foi em direção a uma batalha armada e decisiva entre o governo czarista e a vanguarda do proletariado com consciência de classe.

Já mencionei, em meus comentários anteriores, onde estava a fraqueza da revolução russa, que levou à sua derrota temporária.

A supressão da revolta de dezembro marcou o início do refluxo da revolução. Mas também neste período, momentos extremamente interessantes devem ser observados. Basta lembrar que o dobro dos principais elementos militantes da classe trabalhadora tentou controlar a retirada da revolução e preparar uma nova ofensiva.

Mas meu tempo quase expirou e não quero abusar da paciência do meu público. Penso, no entanto, que descrevi os aspectos mais importantes da revolução – seu caráter de classe, suas forças motrizes e seus métodos de luta – tanto quanto um assunto tão grande pudesse ser tratado em uma breve palestra. [5]

Algumas breves observações sobre o significado mundial da revolução russa.

Geograficamente, economicamente e historicamente, a Rússia pertence não apenas à Europa, mas também à Ásia. É por isso que a revolução russa conseguiu não apenas despertar finalmente o maior e mais atrasado país da Europa e criar um povo revolucionário liderado por um proletariado revolucionário.

Conseguiu mais do que isso. A revolução russa gerou um movimento em toda a Ásia. As revoluções na Turquia, Pérsia e China provam que o poderoso levante de 1905 deixou uma marca profunda, e que sua influência, expressa no avanço de centenas e centenas de milhões, não se pode erradicar.

De maneira indireta, a revolução russa influenciou também os países do Ocidente. Não se deve esquecer que as notícias do manifesto constitucional do czar, ao chegar a Viena em 30 de outubro de 1905, tiveram um papel decisivo na vitória final do sufrágio universal na Áustria.

Um telegrama com a notícia foi colocado na tribuna do orador no Congresso do Partido Social-Democrata da Áustria, bem quando o camarada Ellenbogen – na época ele ainda não era um social-patriota, mas um camarada – estava apresentando seu relatório sobre a greve política. A discussão foi imediatamente encerrada. “Nosso lugar é nas ruas!” – foi o grito que ressoou pelo salão onde estavam reunidos os delegados da social-democracia austríaca. E os dias seguintes testemunharam as maiores manifestações de rua em Viena e barricadas em Praga. A batalha pelo sufrágio universal na Áustria foi vencida.

Muitas vezes, encontramos europeus ocidentais que falam da revolução russa como se os eventos, o curso e os métodos de luta naquele país atrasado tivessem muito pouca semelhança com os padrões da Europa ocidental e, portanto, dificilmente possam ter algum significado prático.

Nada poderia ser mais errôneo.

As formas e ocasiões para as batalhas iminentes na próxima revolução europeia, sem dúvida, diferem em muitos aspectos das formas da revolução russa.

No entanto, a revolução russa – precisamente por causa de seu caráter proletário, nesse sentido particular de que falei – é o prólogo da próxima revolução europeia. Sem dúvida, essa revolução vindoura só pode ser uma revolução proletária e, no sentido mais profundo da palavra: uma revolução socialista e proletária também em seu conteúdo. Essa revolução vindoura mostrará em um grau ainda maior, por um lado, que apenas batalhas severas, apenas guerras civis, podem libertar a humanidade do jugo do capital e, por outro lado, que apenas proletários com consciência de classe podem e irão liderar a grande maioria dos explorados.

Não devemos nos iludir com a atual quietude na Europa. A Europa está grávida de uma revolução. Os horrores monstruosos da guerra imperialista, o sofrimento causado pelo alto custo de vida em todos os lugares geram um clima revolucionário; e as classes dominantes, a burguesia e seus serviçais, os governos, estão cada vez mais se deslocando para um beco sem saída do qual nunca poderão se esgueirar sem tremendas reviravoltas.

Assim como na Rússia, em 1905, uma revolta popular contra o governo czarista começou sob a liderança do proletariado com o objetivo de alcançar uma república democrática; assim, na Europa, nos próximos anos, justamente por causa dessa guerra predatória, levará a revoltas populares sob a liderança do proletariado contra o poder do capital financeiro, contra os grandes bancos, contra os capitalistas; e essas revoltas não podem terminar senão com a expropriação da burguesia, com a vitória do socialismo.

Nós da geração mais velha talvez não vivamos para ver as batalhas decisivas desta próxima revolução. Acredito, porém, que posso expressar a esperança confiante de que os jovens que trabalham tão esplendidamente no movimento socialista da Suíça e de todo o mundo tenham a sorte de não apenas lutar, mas também vencer, na revolução proletária vindoura.


Notas:

[1] No manuscrito, este parágrafo está riscado.

[2] No manuscrito, os quatro parágrafos anteriores estão riscados.

[3] No manuscrito, os três parágrafos anteriores estão riscados.

[4] No manuscrito, os quatro parágrafos anteriores estão riscados.

[5] No manuscrito, esta frase está riscada.

[6] A Palestra sobre a Revolução de 1905 foi proferida em alemão em 9 de janeiro de 1917, em uma reunião de jovens trabalhadores na Casa do Povo de Zurique. Lênin começou a trabalhar na palestra nos dias finais de 1916. Referiu-se à palestra em uma carta a V. A. Karpinski de 7 de dezembro (20), pedindo literatura sobre o assunto.

 

 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário