A Dialética da Forma e do Conteúdo

Por Garry Healy, via Marxist Monthly traduzido por Lucas Chagas

“As “formas” são deliberada e conscientemente projetadas para apresentar constantemente uma aparência de enorme brutalidade e medo. No entanto, é a totalidade histórica do conteúdo do declínio do imperialismo britânico que “se agita”. Uma vez que esse declínio continua independentemente da forma de brutalidade do estado, este sempre fica atrás do conteúdo, enquanto esse conteúdo, por sua vez, é a fonte de toda reflexão externa. O movimento infinito do mundo externo da luta de classes muda irreversivelmente o conteúdo desconhecido para os pensadores idealistas e metafísicos.”


Durante o processo físico da prática revolucionária, estamos quase continuamente desenvolvendo sensações. A respeito desta auto-relação entre a prática objetiva e a imagem subjetiva da sensação, Lênin enfatiza que: “Nossa sensação, nossa consciência, é apenas uma imagem do mundo externo, e é óbvio que uma imagem não pode existir sem a coisa imaginada, e que esta última existe independentemente das imagens dela”. (Página 69, Vol. 14, Obras reunidas contendo Materialismo e empirocriticismo.)

Nesta auto-relação dialética entre o mundo externo objetivo, a luta de classes e o pensamento subjetivo, as imagens abstratas sempre ficam para trás nas mudanças infinitas do conteúdo da “coisa” interagindo com outras “coisas” como um processo. Como Lênin explica, ‘Essas coisas, o meio ambiente, o mundo existem independentemente de nossa sensação, de nossa consciência, de nosso Eu e do humano em geral.’ (Ibid.) Isso é muito importante para compreender as formas em constante mudança da ditadura bonapartista de Thatcher, que se apoia no poder judiciário cada vez mais absoluto, chefiado por um membro importante do Partido Conservador, Sir John Donaldson. Por sua vez, a fachada parlamentar burguesa de Thatcher repousa diretamente sobre os militares. Eles estão armados com poderes de ‘atirar para matar’, para serem usados ​​se eles concluírem na cena do que eles ‘acreditam ser um crime’, contra ‘suspeitos’ que eles ‘presumem’ podem estar ‘tendo pensamentos perigosos’ sobre o papel do estado (por exemplo, o Massacre de Gibraltar).

As “formas” são deliberada e conscientemente projetadas para apresentar constantemente uma aparência de enorme brutalidade e medo. No entanto, é a totalidade histórica do conteúdo do declínio do imperialismo britânico que “se agita”. Uma vez que esse declínio continua independentemente da forma de brutalidade do estado, este sempre fica atrás do conteúdo, enquanto esse conteúdo, por sua vez, é a fonte de toda reflexão externa. O movimento infinito do mundo externo da luta de classes muda irreversivelmente o conteúdo desconhecido para os pensadores idealistas e metafísicos. Eles continuam a especular sobre a contradição externa das mudanças na forma, enquanto cada momento de mudança no “conteúdo” constitui um “salto”, que por sua vez, na luta de classes, acaba se transformando em uma situação revolucionária. Aqui há uma “luta de conteúdo com forma”. A forma é ‘jogada fora’, por meio da transformação do conteúdo, em condições em que a unidade dos opostos de classe (classe trabalhadora e classe dominante) torna-se idêntica, inaugurando um período de poder dual.

A natureza do conteúdo que se agita está contida em uma citação de Hegel reproduzida com aprovação por Lênin: ‘Mas só pode ser a natureza do conteúdo que se agita na cognição científica, enquanto ao mesmo tempo é esse mesmo reflexo do conteúdo que ela própria inicialmente postula e produz sua determinação”. Ao que Lênin imediatamente observa; ‘(o movimento da cognição científica, isso é o essencial)’ (página 87, Vol. 38, Obras Completas).

Lênin então continua a citar Hegel: ‘O Entendimento (Verstand) produz determinações’. Lênin reflete sobre esta citação e comenta: ‘(bestimmt), a Razão (Vernunft) é negativa e dialética porque ela dissolve em nada (in Nichts auflöest) as determinações do Entendimento… A combinação dos dois – “Razão que entende e Entendimento que raciocina” = o positivo.’

Através do ‘movimento de conhecimento científico’ do movimento infinito da luta de classes mundial no curso da Reflexão, começamos com a ‘Razão que entende’ como determinada ou ‘Entendendo quais razões =’ o positivo ‘(página 88 Vol. 38) porque a fonte está no mundo externo. O conteúdo é ‘Entendimento’ que é determinado, possibilitando-nos assim, pelo uso da Razão dialética, analisar os conteúdos à medida que são negados.

O impulso de excitação externa, que constitui a identidade externa da fonte da sensação, é produzido empiricamente por meio da interação infinita da forma e formas de uma “coisa” com outras “coisas” que implicitamente contêm conteúdos como um processo. Na página 92 ​​do Volume 38, Lênin enfatiza: ‘É incorreto dizer que eles são… meramente anexados ao conteúdo … Formas com conteúdo devem estar inseparavelmente conectadas com o conteúdo.

Cada forma de palavra decorrente da imagem da sensação, e que a inclui, contém inseparavelmente e implicitamente um conteúdo em si. A lógica dialética como uma teoria científica do conhecimento, como “o desenvolvimento do conteúdo concreto do mundo e seu conhecimento, ou seja, da soma total, a conclusão da história do conhecimento.” (Página 93, Volume 38). Assim, a imagem da sensação é uma forma dada empiricamente contendo o em-si de um conteúdo historicamente dado. Ambos são inseparáveis ​​e de mesma substância material. Para enfatizar esse processo dialético, Lênin cita Hegel com aprovação na página 145 do Volume 38, no qual este escreve ‘Agora, o que aparece como a atividade da forma é igualmente o movimento próprio da própria matéria. A contradição cuja fonte é inseparável do movimento e mudança infinitos de todas as coisas está contida na coisa em si. A forma, sendo inseparável de seu conteúdo, não pode adquirir uma contradição independente e separada de seu conteúdo.

O em si mesmo dos conceitos auto-relacionados.

Em In Defense of Marxism, Trotsky analisa o erro dos partidários da lógica formal, que afirmam que “A é igual a A” e “uma libra de açúcar é igual a si mesma”. ‘Assim, o axioma’, escreve Trotsky, ‘que A é igual a A significa que uma coisa é igual a si mesma se não muda, isto é, se não existe.’ Em relação a uma libra de açúcar, ele insiste, “todos os corpos mudam ininterruptamente de tamanho, peso, cor, etc. Um sofista responderá que uma libra de açúcar é igual a si mesmo em qualquer momento.” Trotsky responde: “Como deveríamos realmente conceber a palavra momento? Se for um intervalo de tempo infinitesimal, então uma libra de açúcar está sujeita durante o curso desse momento a mudanças inevitáveis”. Esta é a dialética do movimento e mudança em ‘A’ e na libra de açúcar, dentro do axioma ‘A-em-si’ e a libra de açúcar em si. A identidade formal compara A com outro A ou uma libra de açúcar com outra libra e torna cada libra de açúcar igual a si mesma. Uma citação de Hegel sublinhada por Lênin explica este processo uma identidade “rígida” que tem sua oposição na Variedade… “tornando-se assim uma determinação unilateral, que como tal não contém verdade.” (Página 135 Vol. 38). A variedade sempre aparece metafisicamente como as “formas externas” de uma variedade de objetos do mesmo tipo.

A identidade rígida, A = A, de uma libra de açúcar com outra libra de açúcar contém sua oposição em uma variedade de As e libras de açúcar. O método de pensamento formal que reside na comparação subjetiva de uma variedade de A e libras de açúcar é unilateral e “não contém nenhuma verdade”.

A princípio, a materialidade do conceito auto-relacionado está implícita na identidade infinita da fonte de reflexão externa. Essa identidade é simultaneamente o ponto de partida da simples negação por meio da qual as três antíteses são negadas. São identidade em diferença, necessidade em acaso e causa em efeito. Nesse processo material auto-relacionado, as propriedades das três antíteses estão implicitamente contidas na imagem finita abstrata da sensação. Lênin explica, ‘o dialético = “compreendendo a antítese em sua unidade …” (Hegel)’

Uma quantidade infinita de propriedades materiais fornece o impulso para a excitação externa responsável pela identidade da fonte da imagem abstrata da sensação. O limite da qualidade finita, no qual uma quantidade infinita foi negada, contém a contradição. Essa contradição, por sua vez, fornece o impulso para a negação da simples negação da qualidade finita de volta à quantidade infinita. No processo de reflexão externa, as três leis objetivas da dialética materialista foram completadas da seguinte forma:

(a) O mundo externo objetivo em unidade com os seres humanos subjetivos como opostos se interpenetram através da imagem da sensação, como ‘a conexão direta entre a consciência e o mundo externo. (Ver Lênin Collected Works, Vol. 14, página 51.)

(b) A quantidade de matéria explicitamente responsável pela sensação é negada em qualidade finita, contendo contradição, que fornece o impulso para –

(c) A negação da negação em Quantidade infinita no mundo externo.

 O mundo externo, Ser, negado em qualidade finita, sensação, não é nada em si mesmo. Lênin explicou na página 108 do Volume 38, “A coisa em si é uma abstração de toda determinação.” É uma identidade tão abstrata que convida os idealistas a pesquisarem o que eles “impressionisticamente” acreditam ser uma imagem kantiana autocriada aceitável. Mas, uma vez que o finito contém contradição, ele está em um estado de se tornar uma coisa em si para “uma finita coisa-para-os-outros por meio da negação da simples negação.

A interação original da coisa com outras coisas, que forneceu o impulso para a negação simples, foi transformada em uma coisa-para-os-outros no curso da negação da negação simples. Foi, como explica Lênin, “transformado de um estado para outro”. (página 109, Vol.38)

Durante o processo de se tornar, os opostos são a coisa-em-si como uma abstração vazia, (nada), que esteve em transição para [Ser – inserção do editor], uma coisa-para-os-outros. Lênin explica esse processo em uma citação de Hegel na página 106 do Volume 38: ‘Tornar-se é a subsistência do Ser tanto quanto do não-Ser… Transição é o mesmo que se tornar… Durante a transição os opostos se tornam idênticos antes de se transformarem em um outro. ‘No quadro da página 109, Lênin define dialética como’ o ensino que mostra como os opostos podem ser e como eles são (como se tornam) idênticos, transformando-se um no outro, – por que a mente humana deveria compreendê-los os opostos não como mortos, rígidos, mas como vivos, condicionais, móveis, transformando-se uns nos outros. Ao ler Hegel…’.

No final da página 109, Volume 38, Lênin faz uma citação de Hegel na qual insere suas próprias conclusões: “Limite (é) simples negação ou primeira negação” (Algo.*** Todo algo tem seu Limite) “enquanto outro é ao mesmo tempo negação da negação. Na página seguinte, ele nota (Algo, tomado do ponto de vista de seu limite imanente – do ponto de vista de sua autocontradição, uma contradição que o move [esse algo] e leva além de seu limite, é o Finito.)’

No quadro da mesma página, Lênin enfatiza a importância do método da dialética materialista. [Objetivo em oposição ao subjetivo – Ed.] ‘Flexibilidade universal de conceitos, uma flexibilidade que atinge a identidade dos opostos, que é a essência da questão. Essa flexibilidade, aplicada subjetivamente = ecletismo e sofisma. Flexibilidade, aplicada objetivamente, ou seja, refletindo a universalidade do processo material e sua unidade, é dialética, é o reflexo correto do eterno desenvolvimento do mundo.’

A identidade da fonte infinita de reflexão externa nega quantitativamente o Ser em um ser qualitativo finito que não pode existir como uma coisa-em-si abstrata (nada). Ele contém o ser infinito como um momento de conexão e transição (tornar-se) de qualidade finita em quantidade infinita, (negação da negação). Nesse processo dialético, os opostos, coisa-sem-si e o Outro, tornam-se idênticos e se transformam um no outro. Eles nada mais são do que sombras que, uma vez que sua fonte está no mundo externo, contêm uma forma material implícita e um conteúdo como um começo indeterminado, razão pela qual devem ser apreendidos pela mente humana. A comparação eclética kantiana de imagens autocriadas simplesmente equivale a subjetivismo e sofisma. Deve-se lutar conscientemente para evitar tais perigos.

O finito que ultrapassou a si mesmo contém o infinito que é seu próprio outro. Com a negação da negação, a essência-em-si mesma de um conceito auto-relacionado que está implícito torna-se explícita. A coisa-em-si foi determinada a partir de si mesma como outra de si mesma.

A objetividade da semelhança

O conceito auto-relacionado de Semelhança pode ser negado apenas pelo uso da lógica dialética. A esse respeito, a negação da negação simples contém as propriedades de Antítese, Diferença, Acaso, Efeito. Estes emergem agora no mundo externo infinito por meio da identidade de um objeto mudado e diferente, cuja forma externa é a Necessidade em uma relação antitética com a Causa. A unidade dessa antítese fornece a contradição gerada pela síntese de Necessidade e Causa no mundo externo.

O efeito como forma consiste no início indeterminado, ‘Nada-não-existente’ que agora, por causa da terceira negação, existe explicitamente, com seu conteúdo em-si mesmo como o Outro de si mesmo. ‘ESer como Momento’, que é ser negado em Não-Ser, se manifesta na consciência como ‘impressões que passam rapidamente’. (Página 319, Vol. 38)

O em-si da semelhança foi analisado por Lênin da seguinte forma: – ‘Aquilo que se mostra é a essência em uma de suas determinações, [as impressões passam por], em um de seus aspectos, em um de seus momentos. A essência parece ser apenas isso. A semelhança é a exibição (Scheinen) da própria essência em si mesma. “Na mesma página, Lênin define corretamente a semelhança como “aquilo que se mostra é o Reflexo da essência em (ela) em si (página 133 Vol. 38).

O em-si de todos os objetos em seu movimento infinito, interação e mudança no mundo externo existe independentemente da consciência. Sem um treinamento em lógica dialética como a teoria do conhecimento, seu movimento eterno infinito não pode ser negado em uma aparência que se mostra como o Reflexo da essência em (ela) em si. O “ela” entre colchetes denota a essência em uma de suas determinações. Retire o (ela) e se lê “em si mesmo”. Neste curto parágrafo, Lênin enfatiza que o em-si do que se mostra é essência como Reflexo. Ou seja, a forma e o conteúdo do conceito de semelhança são inseparáveis. A forma como uma propriedade inferior na continuidade de seu desenvolvimento é sublimada no conteúdo do Ser como um momento, como uma propriedade superior.

Na página 98, Volume 38, depois de Lênin referir-se a Hegel sobre a contradição em Semelhança, ele escreve: ‘Não se pensa aqui que a semelhança também é objetiva, pois contém um dos aspectos do mundo objetivo. [Um momento dominado por contradições. GH]. Não apenas a essência, mas a aparência também é objetiva. Existe uma diferença entre o subjetivo e o objetivo. Mas também tem seus limites. “Na Terceira Negação para a Semelhança, negamos por meio de uma síntese com o conhecimento materialista histórico em que o movimento do mundo externo em constante mudança é refletido. Essa síntese contém a análise como um momento como um momento de essência que é objetivo. É a unidade e a identidade explícitas dos opostos que consiste no movimento infinito do mundo existindo independentemente do pensamento negado pelo uso da lógica dialética no pensamento subjetivo.

A fonte da essência está implícita no movimento e mudança constantes no mundo externo. Os revisionistas ignoram a unidade dialética da interpenetração do objeto e do sujeito como opostos. Em vez disso, eles acham muito mais fácil mergulhar em seu depósito de imagens céticas criadas por eles mesmos, pré-selecionando aquelas que desejam colar sobre a Semelhança. “Os filósofos mais mesquinhos disputam se a essência [movimento do mundo externo – GH] ou aquilo que é imediatamente dado [imagens autocriadas – GH] deve ser tomada como base, (Kant, Hume, todos os machistas). Em vez de “ou”, Hegel coloca “e”, explicando o conteúdo concreto deste “e” (Página 134 Vol. 38).

A menos que a semelhança seja negada através do uso da lógica dialética, ela facilmente se torna o ponto de partida para “ceticismo, kantismo, respectivamente.” (Página 130, Vol.38). Lênin cita Hegel com aprovação como segue:

‘A semelhança, então, é o fenômeno do ceticismo; ou ainda o surgimento do idealismo, tal imediatismo, que não é nem coisa nem coisa, e, geralmente, não é um ser indiferente que poderia estar fora de sua determinidade e relação com o sujeito. O ceticismo não ousou afirmar “isso é”; o idealismo moderno não se atreveu a considerar a cognição como um conhecimento da Coisa-em-si. ‘(Página 130-131 Vol.38).

Continuidade de conceitos auto-relacionados

Engels define ‘Dialética’ como “… a ciência das leis gerais do movimento e do desenvolvimento da natureza, da sociedade humana e do pensamento”. (Página 131, Vol. 25, Obras Completas de Marx e Engels). Começando com a identidade da fonte da sensação como simples negação, a segunda negação retorna ao infinito em constante mudança do mundo externo. Assim, a negação da negação como uma lei objetiva incorpora a unidade, o conflito e a interpenetração dos opostos (movimento do mundo externo em pensamento subjetivo), a transformação da quantidade em qualidade e vice-versa, cada qual sendo uma lei objetiva. O processo de negação parte do mundo externo como unidade implícita de conceitos auto-relacionados, (Ser-Nada-Tornar-se), e retorna ao mundo externo como o conceito explícito de Semelhança. A síntese do conhecimento histórico-materialista, que contém a análise como um momento de verdade objetiva, torna-se a força motriz impulsiva para o desenvolvimento da teoria como um guia para a prática.

A prática objetiva é a categoria mais importante da dialética materialista. Implicitamente coincide com a identidade da fonte externa de sensação tornando-se explícita em Semelhança após a terceira negação.

Nas páginas 131-132 Vol. 25 das Obras Completas de Marx e Engels*, Engels explica como devemos proceder com tal negação. “Devo não apenas negar, mas também sublimar a negação. Devo, portanto, organizar a primeira negação de modo que a segunda permaneça, ou se torne possível. Como? Isso depende da natureza particular de cada caso individual.

“Se eu moer um grão de cevada ou esmagar um inseto, executei a primeira parte das ações, mas tornei a segunda parte impossível [Negação destrutiva – GH]. Cada tipo de coisa, portanto, tem uma maneira peculiar de ser negado de tal maneira que dá origem a um desenvolvimento, e é exatamente o mesmo com cada concepção ou ideia.’

A continuidade do desenvolvimento de conceitos auto-relacionados foi descrita por Hegel e aprovada por Lênin na palavra alemã aufheben, (pág. 108 Vol.38), que significa substituir = terminar = manter (simultaneamente preservar). Superar a Semelhança é negar de volta ao mundo externo da luta de classes, a mais forte das “impressões que passam por”, para avaliar seu conteúdo concreto no mundo externo. Tal negação fornecerá o impulso para tornar as impressões mais concretas e isso será feito negando esse conteúdo através do método da lógica dialética no pensamento. No decorrer dessa negação, a forma está contida no próprio conteúdo concreto.

Estamos preocupados aqui com o processo abstrato ou como Marx o descreve, ‘O primeiro procedimento’ que por meio da negação do processo de negação ‘atenua imagens significativas para definições abstratas.’ Essas imagens são ‘significativas porque estão relacionadas às necessidades de nossa prática objetiva na luta de classes. Por meio da terceira negação, estabelecemos uma síntese com a história revolucionária do ser social dessa prática em escala mundial. As “definições” ou “conteúdos” que negamos contêm as antigas propriedades de semelhança e o início indeterminado. Essas propriedades, velhas e novas, após cada negação da negação, se acumulam nas ‘tendências (e lados) contraditórios internos da coisa’, até que a ‘coisa, fenômeno’, se torne a ‘soma e unidade dos opostos’. (Consulte os elementos 1 e 2 para obter as definições de semelhança e os elementos 3, 4 e 5, página 221, Vol.38).

A unidade de opostos, (velho e novo), é a unidade de quantidades já negadas em qualidades e vice-versa como conceitos auto-relacionados. Eles estabelecem a continuidade das “imagens significativas” (conteúdos que contêm formas, causas e efeitos do processo abstrato). O abstrato e o concreto são uma unidade de opostos que estão constantemente em estado de movimento (tornar-se). Por serem conceitos relacionados a si mesmos, eles se tornam idênticos e se interpenetram. As definições abstratas, (conteúdos), contêm o acúmulo do “em si mesmo de qualidades finitas que foram negadas a partir de quantidades infinitas. Através da continuidade estabelecida pela negação do processo de negação como uma lei objetiva, a construção do movimento em si do objeto ou objetos, os transforma singular ou pluralmente em “seu próprio outro”. Assim, uma ‘coisa’ ou ‘coisas’ em si mesmas se tornam uma ‘coisa’ ou ‘coisas’ para os outros.

Revisionistas, céticos, idealistas subjetivos e pensadores metafísicos baseiam-se em exposições externas de contradições como um produto do pensamento. Eles se recusam a reconhecer a objetividade da negação da contradição como essência, cuja fonte está no mundo externo, por meio do uso da lógica dialética. Essência, como a contradição dentro de conceitos abstratos auto-relacionados, acumula-se fisicamente como os “lados internamente contraditórios” do objeto ou objetos em desenvolvimento. A objetividade dessa negação abstrata para dentro é ignorada e substituída por estimativas especulativas de como o objeto parece aparecer no mundo externo. Desta forma não dialética, o abstrato como uma “soma e unidade” de fenômenos opostos não pode se interpenetrar e aparecer no concreto por meio de análise e síntese. A lógica dialética como teoria científica do conhecimento é deixada de lado por uma vida mais fácil e ignorante no pântano da ideologia burguesa.


Nota

As referências ao Vol. 25 das Obras Completas de Marx e Engels podem ser encontradas nas páginas 172-173 em Anti-Düring, Progress Publishers, edição de 1977.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário