Igreja e Escola na República Soviética

Por Nikolai Bukharin, via marxist.org, traduzido por Guilherme Henrique

A classe trabalhadora e seu partido – o Partido Comunista Bolchevique – almejam não apenas a libertação econômica, mas também a libertação espiritual das massas trabalhadoras. E a própria libertação econômica será ainda mais rápida, se os proletários e os trabalhadores pagos por dia expulsarem de suas cabeças todas as ideias malucas que os latifundiários feudais, a burguesia e os manufatureiros lhes incutiram. Já vimos como foi fácil para as antigas classes governantes cercar os trabalhadores de todos os lados com seus jornais, suas revistas, folhetos, seus padres, bem como com suas escolas, que conseguiram transformar de instrumento de iluminação em um instrumento para obscurecer a consciência popular.

A CRENÇA EM DEUS E NO DIABO É UMA CONFUSÃO NA MENTE DOS TRABALHADORES

Um dos instrumentos para obscurecer a consciência das pessoas é a crença em Deus e no diabo, em espíritos bons e maus, anjos, santos, etc., em suma – a religião. As massas do povo se acostumaram a acreditar nessas coisas e, no entanto, se abordarmos essas crenças com sensatez e entendermos de onde vem a religião e por que a religião recebe tão caloroso apoio dos cavalheiros burgueses, entenderemos claramente que a função da religião atualmente é agir como um veneno com o qual as mentes das pessoas foram e continuam sendo corrompidas. E então entenderemos também por que o Partido Comunista se opõe tão resolutamente à religião.

A ADORAÇÃO DAS ALMAS DOS MORTOS RICOS FOI O FUNDAMENTO DA RELIGIÃO

A ciência atual apontou que a forma mais primitiva de religião era o culto às almas dos chefes mortos, e que esse culto começou no momento em que, na sociedade humana antiga, os anciãos da tribo, os velhos mais ricos, experientes e sábios do que o resto da tribo, já tinha assegurado o poder sobre os membros restantes. No início da história humana, quando os homens ainda estavam no estágio semi-macaco, eles eram iguais. Os anciãos só mais tarde introduziram sua forma e, em seguida, começaram a subjugar os outros membros. Então também o último começou a adorar o primeiro, e esse culto das almas dos ricos mortos é o fundamento da religião; esses “santos”, esses pequenos deuses foram mais tarde transformados em uma única divindade ameaçadora, que pune e recompensa, julga e regula. Vejamos por que essa concepção das coisas surgiu entre os homens. O fato é que o homem sempre procura ver as coisas pouco conhecidas à luz daquelas que conhece bem. Ele os mede com a medida do que conhece e compreende. Um estudioso registrou este exemplo: uma menina que havia sido criada em uma propriedade onde a criação de aves era extensivamente praticada estava constantemente ocupada com ovos; ovos dançavam constantemente diante de seus olhos; e quando ela se deparou com o céu cheio de estrelas, ela declarou que os ovos estavam espalhados por todo o céu. Qualquer número desses exemplos pode ser dado. O homem observou que havia quem obedecia e quem mandava; ele era constantemente confrontado com esta imagem: o mais velho (mais tarde o príncipe), cercado por seus auxiliares, era o mais sábio e mais experiente, o mais forte, o mais rico, e ele dava as ordens; e de acordo com suas instruções os outros agiram: em suma, eles o obedeceram. Essas relações eram observáveis ​​em todas as estações e em todas as horas, e deram ocasião a uma interpretação de todas as ocorrências como sendo devidas a causas semelhantes. Na terra, por assim dizer, há quem manda e quem obedece. Talvez, pensavam as pessoas, o mundo inteiro seja assim construído? O mundo também tem seu mestre, uma grande criatura poderosa e ameaçadora, de quem tudo depende e que punirá severamente toda desobediência. Agora este mestre sobre todo o mundo é Deus. Assim, a concepção de Deus no Céu surge no momento em que na terra abaixo, a sociedade anteriormente unificada é dividida entre aqueles que obedecem e os anciãos que lideram e comandam a tribo.

A PALAVRA “DEUS” É DERIVADA DA PALAVRA “RICOS” [1]

É um fato interessante que todas as designações para Deus falam eloquentemente desta origem da religião. O que significa a palavra “Bog”? É da mesma raiz que “bogaty” (rico). Deus é aquele que é grande, forte e rico. De que outra forma Deus é glorificado? Como o “Senhor”. O que é um “Senhor”? Um “Senhor” é um mestre e o oposto de “escravo”. De fato, nas orações dizemos: “Somos teus escravos”. Deus também é glorificado como “o governante dos céus”. Todas as outras denominações de Deus apontam na mesma direção: “conquistador”, “Dominus”, etc. Precisamente. Um “Dominus” é uma pessoa que domina, que governa muitos outros, que possui um bom suprimento de riqueza. Que tipo de coisa, portanto, é Deus? Deus, por assim dizer, é um senhor realmente rico e poderoso, um proprietário de escravos, aquele que “governa os céus”, um juiz – em uma palavra, uma falsificação precisa e cópia do poder terreno do ancião, depois príncipe. Quando os judeus foram governados por seus príncipes, que os puniram e atormentaram de todas as maneiras possíveis, surgiu a doutrina de um Deus que era mal e maligno. Tal é o Deus do Antigo Testamento. Ele é um velho feroz que inflige punições cruéis a seus súditos.

EVENTOS NA TERRA SÃO PARALELOS NO CÉU

Vamos olhar agora para o Deus da Igreja Ortodoxa. Essa concepção foi elaborada em Bizâncio, que serviu de modelo para um regime autocrático. À frente do Estado estava o monarca autocrático, cercado por seus ministros; depois vinham os titulares de cargos superiores, mais abaixo, todo um sistema de enxertos legalizados. E a Fé Ortodoxa é uma réplica aproximada desse sistema. À frente estava o “Senhor dos Céus”. Ao seu redor, seus principais santos (como o Milagroso Nicolau, a Mãe de Deus – um pouco da natureza de uma Imperatriz, uma mulher de espírito santo), correspondendo aos ministros; mais abaixo segue toda uma série de anjos e santos, dispostos em outra semelhante à dos “chinovniks” no estado autocrático. Estes são os chamados “anjos oficiantes”: os querubins, os serafins, os anjos do terceiro e vários outros graus. A própria palavra “chin” (grau) nos lembra “chinovnik” (titular de cargo, burocrata), e ambas as palavras são da mesma raiz. Esses graus (“chins”) são representados nos ícones por serem vestidos mais ricamente quanto mais alto o posto, e por terem uma auréola maior sobre suas cabeças – isto é, eles tinham mais condecorações e “ordens”, exatamente como na terra pecaminosa abaixo. No estado autocrático, o chinovnik exige “gordura de palma obrigatória”, caso contrário não há nada a fazer; da mesma forma, o santo requer sua vela, caso contrário sua ira se incorre, e ele se recusará a transmitir qualquer oração ao seu mais alto superior, Deus. No estado autocrático existem chinovniks especiais que, por consideração, assumirão a função especial de peticionários. E, da mesma forma, há santos especiais que oram e “intercedem em favor”, particularmente, das mulheres. Por exemplo, a mãe de Deus, que é uma “advogada” por excelência. E ela não faz seu trabalho à toa, para ela devem ser construídos templos maiores do que para os outros; arroz deve ser comprado para seus ícones, e estes devem ser cravejados com mais pedras preciosas, etc., etc.

A CRENÇA EM DEUS É UMA CRENÇA NA ESCRAVIDÃO

Em suma, a crença em Deus é uma expressão das condições vis na terra, é a crença na escravidão, que está presente, por assim dizer, não apenas na terra, mas em todo o universo. É claro que não há verdade nessas coisas. E também está claro que esses contos de fadas são um obstáculo no caminho do progresso humano. A humanidade não avançará até que se acostume a buscar a explicação natural de um fenômeno.

Mas quando, em vez de explicações, a fé é colocada em Deus ou nos santos, ou nos demônios e espíritos da floresta, não há probabilidade de que qualquer propósito útil seja alcançado. Tomemos alguns exemplos. Há algumas pessoas religiosas que acreditam que quando o trovão rola, Elias está andando em sua carruagem. Eles, portanto, sempre que ouvem o trovão, tiram o chapéu e fazem o sinal da cruz. E, de fato, a mesma energia elétrica, responsável pelo trovão, é muito conhecida pela ciência, e é com sua ajuda que impulsionamos nossos bondes, que nos dão o poder de transportar o que quisermos. E enquanto o velho Elias era inútil como meio de transporte, nosso moderno Elias elétrico é de fato um cocheiro de primeira ordem. Não deveríamos ter sido capazes de contemplar nenhum bonde, mais do que ver nossos próprios ouvidos. Em outras palavras, dependendo apenas da religião, deveríamos ter continuado a chafurdar na barbárie. Outro exemplo. A guerra estoura, os homens são destruídos aos milhões, oceanos de sangue são derramados. Procura-se uma explicação para isso. Aqueles que não acreditam em Deus veem o como, o porquê e o para quê; reconhecem que a guerra é obra dos czares e presidentes, da grande burguesia e dos latifundiários; eles veem que a guerra é travada no interesse de objetivos vis e cobiçosos. E, portanto, eles dizem aos trabalhadores de todos os países: “Pegue em armas contra seus opressores, derrube o capital de sua sede de poder!” Mas com o homem religioso o caso é inteiramente diferente. Ele raciocina assim (e suspira como um velhinho enquanto raciocina): O Senhor nos puniu por nossos pecados. “Oh, Santo Pai, Senhor do Céu, corretamente castigaste a nós, homens pecadores!” E se ele for muito religioso e ortodoxo, ele se dedicará enfaticamente a comer um tipo de comida em vez de outro (que ele chama de jejum), e bater a cabeça nas lajes de pedra (o que é conhecido como “prostração”), e realizando uma série de outras loucuras. Loucuras semelhantes são praticadas pelo religioso hebreu, pelo tártaro muçulmano, pelo budista chinês, numa palavra, por todos aqueles que acreditam em Deus. De tudo isso fica evidente que pessoas realmente religiosas não estão aptas para nenhum tipo de luta. A religião, portanto, não apenas faz com que o povo permaneça em estado de barbárie, mas o adapta também à condição de escravidão. O homem religioso está mais inclinado a aceitar tudo sem murmurar (já que tudo, é claro, vem de Deus), e se submeter aos poderes que existem, e sofrer com paciência (“porque tudo será recompensado cem vezes mais”). Portanto, não é de surpreender que os poderes no controle do capitalismo considerem a religião um instrumento extremamente útil para enganar o povo.

A IGREJA ERA UMA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BURGUÊS

Vimos que a burguesia é mantida não apenas por baionetas, mas pelo processo de confundir as mentes de seus escravos. Vimos também, por outro lado, que a burguesia envenena a consciência de seus súditos de maneira organizada e planejada. Este propósito é servido por uma organização especial, e esta organização é a Igreja, a organização religiosa do Estado. Em quase todos os países capitalistas, a Igreja é uma instituição estatal do mesmo tipo que a polícia; o padre é um funcionário do Estado no mesmo sentido que o carrasco, o gendarme, o pombo. Ele recebe um subsídio estatal pelo veneno que circula entre as pessoas. Na verdade, é justamente aí que reside o grande perigo da situação. Se não fosse por essa organização antinatural, entrincheirada e poderosa que é mantida sob o semblante do estado bandido da burguesia, não deveríamos defender um único padre por um único momento. Eles passariam vivos para a insolvência imediata. Mas o fato é que o Estado burguês coloca de todo coração todos os seus meios à disposição de sua hierarquia eclesiástica, que por sua vez, com zelo ardente, apoia o poder burguês. Sob o Czar, os padres russos não só enganaram o povo, como até usaram o confessionário para espionar os próprios pensamentos hostis ao governo: usaram seus “mistérios” para fins de observação. E o governo não apenas os apoiou, mas os perseguiu com prisões, deportação e todos os outros meios possíveis, todos os chamados “difamadores da Igreja Ortodoxa”.

POR QUE IGREJA E ESTADO DEVEM SER SEPARADOS

Do exposto, o programa dos comunistas em relação à Igreja e ao Estado é claro. Devemos lutar contra a Igreja, não com força, mas com convicção. A Igreja deve ser separada do Estado. Isso significa que os sacerdotes podem continuar existindo – mas que sejam apoiados por aqueles que desejam comprar seu veneno, ou que tenham algum outro interesse em sua existência. Outro veneno desse tipo é o ópio. Aqueles que o fumaram contemplam todos os tipos de visões encantadoras, são imediatamente transportados para o Paraíso. Mas o uso de ópio resulta mais tarde em um completo enfraquecimento da saúde, e o usuário gradualmente se torna um completo idiota. É semelhante com a religião. Há pessoas que gostam de fumar ópio. Mas seria criminoso para o Estado, às suas custas, ou seja, à custa de toda a população, manter antros para fumar ópio e contratar pessoas especiais para atender às necessidades dos frequentadores desses lugares. Devemos, portanto, proceder com a Igreja da seguinte forma (de fato, já o fizemos): devemos privar os padres, hierarcas, metropolitas, patriarcas, abades e todo o resto da multidão, de todo o apoio do governo; que os verdadeiros crentes, se quiserem, os alimentem de esturjão e salmão, dos quais os santos padres são devoradores tão devotos.

A RELIGIÃO É UM ASSUNTO PRIVADO

Por outro lado, devemos garantir a liberdade de crença. Segue-se necessariamente a regra: a religião é um assunto privado. Isso não significa, em nenhum sentido, que devemos cessar nossa luta contra a Igreja por convicção. Significa simplesmente que o Estado não deve apoiar nenhuma organização eclesiástica.

O programa dos comunistas bolcheviques sobre este ponto já está em execução na Rússia. Os sacerdotes de todas as seitas foram privados de toda assistência estatal. É claro que eles quase explodiram de raiva com essa afronta e amaldiçoaram redondamente o poder atual, ou seja, o poder dos trabalhadores, e lançaram mão de todos os comunistas para fora da Igreja. Pense nisto: sob o czar eles conheciam muito bem o texto: “Não há poder que não venha de Deus”, bem como a injunção: “Obedeça a todos os poderes que existem”. Eles não tinham nenhuma objeção em borrifar o carrasco com água benta. Mas por que esqueceram esses textos assim que os trabalhadores chegaram ao poder? Ou é possível que o poder de Deus não seja estendido também aos comunistas? Qual é o problema? A resposta é muito simples: o governo soviético é o primeiro governo na Rússia que atingiu os padres no bolso. E este é o ponto mais sensível que um padre tem. Os padres estão agora no campo da “burguesia oprimida”. Eles estão trabalhando abaixo do solo e acima contra a classe trabalhadora. Mas os tempos são ruins, e as grandes massas de trabalhadores não caem mais na isca como antigamente. Essa é a grande realização educativa da revolução. Liberta da escravidão econômica. Mas também liberta da escravidão espiritual.

AS ESCOLAS DEVEM ESTAR À DISPOSIÇÃO DOS MAIS POBRES

Há outra questão importante em relação à iluminação espiritual das massas. Esta é a questão da escola.

Sob o domínio da burguesia, a escola serviu à causa da formação das massas no sentido de obediência à burguesia, mais do que de instrução real. Todos os livros didáticos, todos os instrumentos de ensino estavam impregnados do odor da escravidão. Particularmente os livros de história: mais mentiras do que fatos narram os feitos gloriosos dos czares e de outros patifes coroados. E depois: os padres desempenharam um papel importante nas escolas. Tudo funcionava em uma direção: preparar a criança de modo a torná-la um obediente – não cidadão, mas súdito, escravo, capaz, se necessário, de matar seus companheiros se eles tivessem a ousadia de se levantar contra o poder do capital. As próprias escolas eram divididas em classes, algumas para os de sangue preto, o resto para os de sangue azul. Os ginásios e universidades eram para os de sangue azul. Aqui os filhos da burguesia aprenderam todas as ciências para que pudessem governar e subjugar os de sangue negro. Para os de sangue negro havia as escolas inferiores. Aqui os sacerdotes tinham mais influência indiscutível do que em outros lugares. A tarefa dessas escolas, que transmitiam muito pouco conhecimento, mas distribuíam uma massa incomum de mentiras sacerdotais, era preparar as pessoas que deveriam sofrer, obedecer e subordinar-se aos de sangue azul sem protesto. A entrada nas escolas secundárias e, mais particularmente, nas instituições de ensino superior (universidades, escolas de engenharia e todas as instituições semelhantes) estava definitivamente fora de questão para as pessoas comuns. Dessa forma, criou-se o monopólio da educação. A obtenção de uma educação mais ou menos decente só era possível para os ricos ou para os sustentados pelos ricos. E a intelligentsia explorou habilmente essa situação em seu próprio interesse. E, portanto, está claro por que eles se opuseram aos trabalhadores na Revolução de Novembro: eles farejaram o perigo para seus privilégios, sua posição privilegiada, que desapareceria se todos tivessem instrução, se mesmo os de sangue negro tivessem a oportunidade de adquirir conhecimento.

A INSTRUÇÃO DEVE SER UNIVERSAL E OBRIGATÓRIA

Antes de mais nada, é preciso tornar a educação universal e obrigatória. Sob a nova organização da vida, sobre novas bases, será necessário que os jovens em idade se acostumem ao trabalho útil. Os alunos nas escolas devem, portanto, acostumar-se a vários tipos de trabalho produtivo. As portas das instituições superiores devem estar abertas a todos. Os padres devem ser expulsos de todas as escolas; se quiserem, que desempenhem sua tarefa de desorientar os jovens em algum outro lugar: não o farão nas escolas públicas; as escolas serão mundanas, do mundo, não dos sacerdotes. Os órgãos da autoridade operária local terão controle sobre as escolas, e não devem medir esforços na educação popular, fornecendo a todas as crianças, rapazes e moças todo o conhecimento de que necessitam para uma vida feliz.

Atualmente, em certas aldeias e escolas provinciais, alguns dos professores mais estúpidos, com a ajuda dos kulaks (ou, mais corretamente falando, os kulaks, com a ajuda desses professores estúpidos), estão realizando uma campanha com o objetivo de apontar que os bolcheviques querem destruir todo o aprendizado, abolir toda a educação, etc., etc. Mas isso é, obviamente, uma mentira manifesta. O objetivo dos comunistas bolcheviques é bem diferente: eles desejam libertar todo o aprendizado do controle do capital; querem tornar toda a ciência acessível às massas trabalhadoras, querem destruir o monopólio (o direito exclusivo) dos ricos na educação. Esse é o fato da questão. E não é de surpreender que os ricos estejam ansiosos para reter cada caniço em que se apoiam. Quando todo operário tem o comando da aprendizagem de um engenheiro, então o caso do engenheiro capitalista e rico torna-se realmente triste: haverá muitos mais como ele, e ele não terá nada em particular do que se gabar. Então não será mais possível perturbar os planos dos trabalhadores, nenhuma sabotagem por parte dos antigos detentores do capital. É disso que nossos respeitáveis ​​amigos burgueses têm medo.

Cultura para os ricos, degradação espiritual para os pobres – esse é o método do capitalismo. Cultura para todos, libertação espiritual do jugo do capital – essa é a palavra de ordem do partido da classe trabalhadora, o Partido Comunista.

Notas de rodapé

[1] Em russo é assim. Bog (Deus) vem da mesma raiz que “bogaty” (rico).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário