As massas negras e a luta pelo socialismo mundial

Por J.R Johnson/C.L.R James, via Marxists.org. Traduzido por João Victor Oliveira

O marxismo, em todas as questões fundamentais, sempre parece aos burgueses estar colocando as coisas de cabeça para baixo. O burguês pensa que a mentalidade de um homem molda seu ambiente; O marxismo mostra que é seu ambiente que molda sua mentalidade. O burguês pensa (ou finge pensar) que Hitler causou a guerra e a crise; O marxismo aponta que a Primeira Guerra Mundial e a crise econômica causaram Hitler. O burguês pensa que é seu próprio educado. e membros treinados são os líderes da sociedade que devem ser procurados para a liderança fora do caos mundial. O marxismo sabe que é esse grupo que constitui a maior barreira social para a solução de nossas dificuldades hoje; que a classe da sociedade a quem devemos procurar uma solução para a guerra e os males econômicos são os trabalhadores, e particularmente os mais miseráveis, os mais oprimidos, os mais escravizados, os mais degradados, os mais explorados. É isso que torna os negros, na África, na América, nas Índias Ocidentais, de tão enorme importância na luta pelo socialismo.


O sistema deve ser derrubado

Isso, como todas as deduções marxistas, não se baseia na psicologia, mas no fundamento sólido da análise econômica e na análise econômica, não de uma sociedade isolada, mas da produção capitalista em escala mundial. Qual é a contradição gritante na sociedade hoje? É a contradição entre a capacidade de produção, real e potencial, e o poder de consumo das massas limitado pelo fato de que na sociedade moderna as massas são compelidas a viver do que é suficiente para mantê-las vivas e reproduzir outra geração de trabalhadores.

Esse contraste é visto mais claramente na América entre as possibilidades, por exemplo, de produção e manufatura de algodão e alimentos nos estados do Sul, e as condições de vida semi-primitivas a que os milhões de negros estão condenados. Para limitar o exemplo ao Sul por enquanto, a “prosperidade” nunca retornará a essa área até que os dez milhões de negros tenham moradia, roupas, comida, educação e recreação adequadas para os seres humanos no século XX.

Transfira o problema para o campo internacional. O mercado mundial inclui quase 400 milhões de indianos, mais de 400 milhões de chineses, 120 milhões de negros africanos. Hoje, a indústria americana ou a indústria alemã ou a indústria britânica, cada uma por si, pode suprir as necessidades desses trabalhadores desde que continuem a viver à taxa de cinco ou seis centavos por dia, como a esmagadora maioria deles.

Não há solução para o problema econômico mundial até que seus problemas sejam resolvidos. Essas centenas de milhões devem ser libertadas das vastas favelas em que vivem. Mas quem os mantém lá? É a classe educada dominante, os imperialistas; e aqueles grupos que se apegam ao imperialismo. Para que esses milhões sejam libertados, eles precisam derrubar o sistema atual. Pobre; atrasados, degradados como são, na escala histórica eles são parte do que Lenin chamou de massas trabalhadoras e exploradas russas, “os representantes mais avançados da sociedade”. Lênin conhecia as fraquezas e deficiências do povo russo, mas sabia que se a Rússia quisesse sair de sua barbárie, essas mesmas massas tinham que fazê-lo.

Hoje, a chamada sociedade “educada” destruirá a civilização, a menos que os miseráveis, os oprimidos, os degradados tomem a direção da sociedade em suas próprias mãos. Eles querem liderança. Eles vão cometer muitos erros. Mas eles devem se tornar, em suas próprias esferas, a força motriz da transformação social, ou a sociedade perecerá. O burguês educado despreza o negro. Os revolucionários, não por sentimentalismo, nem humanitarismo, mas por cálculo sóbrio, sabem o que significam os negros na luta por uma nova sociedade.

As massas detestam o imperialismo

Do ponto de vista teórico, surge agora a questão óbvia. É óbvio para os próprios negros ou em quanto tempo será? Aqui, novamente, devemos evitar o raciocínio psicológico e examinar em vez disso o que aconteceu durante os últimos anos na luta contra o fascismo e a guerra imperialista. Tanto o fascismo quanto a guerra imperialista são universalmente detestados pela grande maioria dos trabalhadores em todos os países.

Quando Mussolini atacou a Etiópia, as massas indianas realizaram um dia de luto para mostrar sua solidariedade e simpatia. A social-democracia na Europa protestou e conclamou seus governos imperialistas a lutar pela libertação da Etiópia. Haile Selassie e seu governo confiavam na tolice social-democrata, na Liga das Nações e nas garantias traiçoeiras de Barton, o ministro britânico. Mas o próprio povo etíope lutou e nunca deixou de lutar. Nem por um único dia os guerreiros etíopes cessaram uma guerra de guerrilha altamente organizada contra os invasores fascistas.

A situação logo se tornou insuportável para Mussolini e ele fez propostas a Haile Selassie pedindo-lhe que voltasse como governante sob o domínio italiano. Era a única maneira que Mussolini podia ver para pacificar a nova colônia. Haile Selassie recusou. Hoje, os britânicos forneceram forças armadas a Selassie e marcharam para Adis Abeba com ele. Mas os negros com consciência de classe em todo o mundo suspeitam profundamente do papel da Grã-Bretanha. Parece-lhes que um imperialismo foi substituído por outro.

Mas imaginemos por um momento que, em vez do imperialismo britânico, um governo proletário na Grã-Bretanha, ou na Itália, não necessariamente bem estabelecido, mas lutando para se consolidar, pudesse enviar destacamentos simbólicos, talvez não muito grandes carregamentos de armas e munições; e uma declaração de independência para todas as colônias italianas ou britânicas na África, ou ambas. Imaginemos que todas as noites no rádio um governo, um governo proletário, clamava pela revolução na África. O colapso do imperialismo em grande parte da África se seguiria com uma velocidade que surpreenderia aqueles que não conseguem ver o vazio dentro da fachada palaciana.

As grandes massas do povo africano não têm absolutamente nada que as ligue ao imperialismo. Eles atribuem todos os males de que sofrem ao homem branco na África; “o diabo é um homem branco”. Existem alguns trabalhadores na civilização ocidental que pensam que têm algo a que se agarrar. Eles votam em Roosevelt contra Willkie. Eles pensam que mesmo que a América deva manter-se fora da guerra, eles devem enviar pacotes para a Grã-Bretanha e “nós” devemos nos armar. Há cem milhões de pessoas na África para quem tudo isso não significa absolutamente nada. Os etíopes tinham armas e lutaram até o fim. Os demais são espancados e desmoralizados, mas esperam em segredo. Suas esperanças são empurrar os imperialistas para o mar. É por isso que em toda a África a luta etíope é seguida com uma intensidade tão apaixonada. Eles veem na independência da Etiópia o símbolo de sua própria emancipação.

Nossa tarefa na América

Vejamos agora os negros na América e a guerra atual. Hoje todo governo imperialista, e particularmente o governo americano, tem uma tarefa a cumprir, preparar o país para a guerra. Esta preparação como material: armamentos e exército; e é psicológico: guerra para derrotar Hitler, guerra pela “democracia”, para defender nossas liberdades, a necessidade de sacrifício, etc. Grande parte das massas americanas como um todo aceita a necessidade de “defesa”. Eles querem que o sacrifício caia onde deve ser, sobre os ricos. Eles pensam que “defesa” é uma coisa, mas que lutar com o Japão pela China ou enviar uma AEF para a Europa é algo totalmente diferente de “defesa”.

Agora são as massas de negros que entendem isso melhor do que ninguém na América. Em uma reunião de massa realizada com o objetivo de desenvolver a luta pelos motoristas de ônibus negros no Harlem, um dos oradores referiu-se ao fato de ter visto em uma vitrine do Harlem um pedido de trouxas para a Grã-Bretanha. A mera declaração evocou uma tremenda resposta de riso irônico e forte sentimento de 5.000 pessoas. A propaganda de Roosevelt os deixou indiferentes. O negro médio simplesmente não pode se sentir excitado com pacotes para Halifax, Churchill e os escravizadores da África e da Índia. Ele pode permanecer passivo, mas como visto, à medida que o ponto de vista revolucionário é colocado diante dele, ele o vê imediatamente. Por outro lado, podemos estar certos de que se, naquela reunião, as circunstâncias históricas permitiram apelar a uma Grã-Bretanha operária,

Exatamente o inverso é o caso entre os governantes “educados”. Eles estão ocupados com seus fardos e armamentos para a Grã-Bretanha e só hesitam quando suspeitam que esses fardos podem finalmente encontrar o caminho para uma Grã-Bretanha socialista. Ao primeiro sinal sério disso, eles jogariam cada grama de seu peso disponível ao lado de Hitler. Há alguns negros pequeno-burgueses que agarram seus 40 dólares por semana ao peito e sentem solidariedade social com o JP Morgan. Eles falam muito e escrevem para os jornais. Eles “representam” o pensamento negro em suas próprias mentes estúpidas e nas mentes dos bobos americanos.

Olhe para as massas para uma saída

Mas a grande maioria dos negros, a esmagadora maioria, é hostil e ressentida com a propaganda de Roosevelt sobre uma guerra pela democracia. Como todas as massas, no entanto, eles podem julgar apenas pela ação. Eles querem ver a alternativa socialista. Mas uma vez colocado. concretamente, eles automaticamente provarão a si mesmos o que Lenin chamou de trabalhadores russos, “os representantes mais avançados da sociedade”.

Wall Street, Roosevelt e os demais, com seus fardos (e armamentos) para a Grã-Bretanha, são representativos de tudo o que há de mais atrasado, bárbaro e destrutivo na sociedade atual, consciente de classe e de sangue frio. Se os trabalhadores britânicos tentassem romper com o imperialismo amanhã mesmo para atacar Hitler mais ferozmente, esses amantes da Grã-Bretanha se voltariam contra os trabalhadores britânicos; intenção de destruí-los. Os negros do Harlem, que lutam por empregos, milhares e milhares, apoiando a causa “por princípio”, estão lutando por uma nova ordem da sociedade. Uma Grã-Bretanha operária denunciando oficialmente o imperialismo na África, incendiaria o Harlem com entusiasmo revolucionário. Onde, então, devemos procurar a saída? Onde senão para estes e todos os que são como eles, sem nada a perder a não ser suas correntes e o mundo inteiro a ganhar.

As Índias Ocidentais mostraram sua coragem

O que eles querem é liderança. Tomemos um exemplo recente concreto das Índias Ocidentais. Alguns anos atrás, uma série de greves e tumultos ocorreram nas ilhas das Índias Ocidentais. Em Trinidad houve uma magnífica greve geral. Começou em grandes plantas industriais de petróleo em uma extremidade da ilha – e. em poucas horas, todo o trabalho havia parado. Em Port of Spain, a capital, que fica na outra ponta, as crianças da escola ficaram sem escola e foram para casa e as empregadas domésticas que trabalham para os brancos, apesar de receberem os melhores salários, deixaram o trabalho e foi para casa também. Por que, exatamente, muitos deles não sabiam dizer. A população das Índias Ocidentais, principalmente trabalhadores agrícolas, parou de trabalhar nas grandes propriedades. Todos os trabalhadores simplesmente se uniram contra a classe dominante branca.

O governador mandou buscar cruzadores e alguns fuzileiros navais desembarcaram. Aviões sobrevoavam, lançando panfletos e, é claro, mostrando assim que podiam lançar bombas com a mesma facilidade. O povo se recusou a ser intimidado. É relatado, no entanto, que alguns dos fuzileiros navais disseram aos trabalhadores negros: “Não vamos atirar. Não temos nada contra você. Queremos que você vença sua greve.” A notícia se espalhou da mesma forma que durante a revolução de fevereiro a notícia do cossaco que piscou para a multidão se espalhou entre o proletariado de São Petersburgo. Quantos fuzileiros navais estavam preparados para atirar ou não atirar não é importante. O que importa é o seguinte: a polícia é negra, escolhida entre as massas populares. Sua lealdade durante uma crise está em dúvida e tem sido há mais de vinte anos.

Na Índia há uma força de príncipes indianos reacionários e burgueses indianos; na China há a burguesia chinesa e os latifundiários; na União da África do Sul há uma população branca comparativamente grande. Mas na África francesa, na África britânica, na África portuguesa e nas ilhas das Índias Ocidentais, em qualquer grave crise social, os brancos revolucionários, se puderem mostrar força e liderança clara, podem dar um impulso invencível à revolução mundial. O curioso é que os imperialistas temem isso mais do que os revolucionários esperam.

Outro exemplo das Índias Ocidentais

O segundo exemplo das Índias Ocidentais é mais recente e mais impressionante. É o caso da Martinica. Quando a França burguesa entrou em colapso antes da blitzkrieg, os negros da Martinica despertaram para a política mundial. Eles tiveram que escolher. O governo local declarou para Vichy; Roosevelt naturalmente queria que eles se declarassem por De Gaulle. Isso teria permitido à Grã-Bretanha obter os aviões destinados à França que estavam engarrafados na ilha e que poderiam chegar a Hitler. Mas os negros da Martinica, como PMO correspondente especial de ‘s descobriu após uma investigação, não queria nem Pétain nem de Gaulle. Eles também não queriam a América, pois os negros franceses detestam o preconceito racial americano. Os negros eram esmagadores para uma Martinica independente em uma federação pan-americana. Eles ainda não sabem disso, mas obterão independência de qualquer valor apenas sob o socialismo.

O nacionalismo não foi forte nas Índias Ocidentais, muito menos nas colônias francesas. A população negra pensa em termos de status de domínio. De repente, os acontecimentos na Europa enfrentaram esses negros um tanto isolados com o que parecem ser duas alternativas. Eles escolheram um terceiro quase da noite para o dia. Quem duvida que, se for dada uma liderança, eles lutarão por ela e varrerão seus opressores para o mar?

Vamos resumir. Enfrentamos alternativas de socialismo ou uma crescente barbárie. A solução do problema requer, entre outras coisas, a liberação da produtividade de um bilhão de colonos, entre os quais 150 milhões de negros explorados. Sua libertação exige a derrubada da escravidão assalariada capitalista … Tendo ganho nada além de miséria com o capitalismo, eles estão prontos para combatê-lo, instintivamente, como um homem está sempre pronto para jogar fora alguém que está sentado em suas costas e espremendo sua vida.

Os negros tentam se organizar e devem ser auxiliados em suas tentativas de preparar uma força de ataque. As batalhas decisivas serão travadas nos grandes centros de produção capitalista, pelos trabalhadores avançados e organizados. Não pode haver vitória duradoura em qualquer lugar sem vitória lá. Mas à medida que calculamos as forças e estimamos as chances, lembremos que todos esses milhões de colonos, e entre eles os negros, são nossos aliados potenciais, que precisam apenas do estímulo de nossa própria ação e da visão de alguns representantes do proletariado ocidental prontos para lutar com eles. Eles podem lutar sem isso, mas com isso eles são invencíveis. É verdade para a África, é verdade para as Índias Ocidentais e é verdade também para o nosso próprio Sul “colonial”.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário