O filho dos outros não é só problema deles

Por Marina D’Aquino.

A sociedade brasileira está discutindo uma das mais profundas alterações em seu sistema penal dos últimos 30 anos. Em sessão polêmica, em 1º de julho, a Câmara dos Deputados presidida por Eduardo Cunha aprovou a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos para crimes graves. Caso os deputados confirmem a aprovação em uma segunda votação o tema segue para o Senado. Enquanto isso, ONGs, coletivos e fundações contrárias à redução ameaçam ir ao Supremo Tribunal Federal para barrar a medida caso ela seja aprovado pelo Congresso.

A discussão sobre a redução da maioridade penal no Brasil vem se arrastando há décadas e volta à tona em um momento de crise e grande fragilidade da política brasileira. Dados apontam que o número de presos disparou de 90 mil, em 1990, para 607 mil, em junho do ano passado, um aumento de 7% ao ano. Paralelamente, o número de adolescentes em reclusão também subiu no mesmo período, totalizando 23 mil adolescentes cumprindo medidas de privação de liberdade segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Neste contexto, jornalistas, documentaristas, artistas e pesquisadores se juntaram em torno do consenso de que ainda há muita desinformação acerca desse assunto. Para ampliar o debate, eles organizaram-se no Coletivo Rebento com o propósito de abordar em cada um dos 8 episódios os diversos aspectos acerca da discussão, investigando temas como as condições do sistema socioeducativo atual, a situação de jovens internos da Fundação Casa, as possíveis consequências da redução da maioridade penal, a relação da mídia com essa pauta, os aspectos jurídicos e psicológicos que envolvem a discussão, entre outros.

Para concluir o trabalho, eles decidiram buscar recursos por meio de um financiamento coletivo. A meta é conseguir R$ 50 mil até o dia 2/9 por meio do site de financiamento coletivo Cartase (www.catarse.me/ofilhodosoutros). A intenção é conseguir apoio de pessoas, coletivos, entidades, ONGs e fundações interessadas em aprofundar a discussão sobre a questão. O dinheiro será utilizado para despesas de produção, como viagens para realizar entrevistas, edição e finalização dos vídeos.

O site que abrigará os vídeos está em construção e a série também será hospedada pela ONG Repórter Brasil, que apoia esta produção desde o início. Além dos vídeos, o site também terá textos e entrevistas. Quem quiser conhecer mais sobre o trabalho feito até agora pode acessar a página do Facebook (www.facebook.com/ofilhodosoutros). Alguns trechos das entrevistas realizadas até agora estão disponíveis no canal do projeto no YouTube.

Juca Kfouri

Douglas Belchior

Maria Rita Kehl

Gabriel Feltran

Jovem interno da Fundação Casa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: