O que é a Organização Política?

Por Alain Badiou, traduzido por Diogo Fagundes*

Dizemos primeiro: que a situação é pior em outro lugar é realmente apenas um argumento para tolos ou preguiçosos. Pois isso não impede que seja muito ruim aqui, e que seja absolutamente necessário alterar isso. E que em outros lugares existam ditaduras ferozes não prova que haja “democracia” aqui. Mais tarde demonstraremos que esse não é o caso. Para dizer que a França hoje é um país democrático, precisamos de uma ideia muito fraca e muito baixa de democracia. Uma ideia que não tem nada a ver com o pensamento político do povo.


  1. A situação do nosso país, a França, não é nada boa. A política dos governos nas últimas décadas, direita ou esquerda, Giscard d’Estaing ou Mitterrand, Jospin ou Chirac, tem quatro características. Em primeiro lugar, sob o pretexto de “necessidade” e “ciência econômica”, está ao serviço da Bolsa de Valores, dos circuitos financeiros e dos lucros de acionistas e proprietários. Em segundo lugar, é hostil aos trabalhadores sob o pretexto de reestruturação, 35 horas e ameaça de desemprego. Terceiro, sob o pretexto de rentabilidade, “modernidade” e “globalização”, é hostil a todo pensamento crítico e exige que todos – intelectuais à frente — sejam apolíticos ou escravizados pelo Estado. Quarto, sob o pretexto de paz mundial, Europa e “direitos humanos”, é completamente servil em relação aos EUA e à OTAN.
  1. Nosso país, devido a essa política governamental, pode ser descrito como: capitalismo furioso, perseguição aos trabalhadores, especialmente aos proletários mais novos, geralmente da África, apequenamento dos intelectuais e do pensamento, falta de independência política não apenas nacional, mas também no contexto europeu e global.
  1. Alguns dirão: “Vocês dizem isso, o que é muito intransigente, mas vocês não são muito numerosos. Existe um tipo de consenso em torno da política do governo a qual vocês criticam tão violentamente. No geral, as pessoas concordam que votam, de qualquer forma, em Jospin ou Chirac. É a democracia. Então, a situação é muito pior em outros lugares “.
  1. Dizemos primeiro: que a situação é pior em outro lugar é realmente apenas um argumento para tolos ou preguiçosos. Pois isso não impede que seja muito ruim aqui, e que seja absolutamente necessário alterar isso. E que em outros lugares existam ditaduras ferozes não prova que haja “democracia” aqui. Mais tarde demonstraremos que esse não é o caso. Para dizer que a França hoje é um país democrático, precisamos de uma ideia muito fraca e muito baixa de democracia. Uma ideia que não tem nada a ver com o pensamento político do povo.
  1. Dizemos então que o número não importa para o caso. Na maioria dos problemas mais importantes do passado, os que estavam em pequeno número, se não os em número muito pequeno, estavam certos contra o consenso dos que estavam em grande número. Em 1940, um punhado de combatentes da resistência estavam certos contra a renúncia petainista da grande maioria. Em 1956, um punhado de pessoas hostis à guerra da Argélia estava certa contra o governo de esquerda que havia sido amplamente eleito prometendo paz e que desencadeou uma guerra total. Em geral, a maioria numérica está errada, simplesmente porque se resignou a uma política que não é sua. Porque ela não pensa política de forma independente, mas segue, no lugar, o poder. Qualquer ideia certa, no momento em que aparece, é realizada por um número muito pequeno de pessoas. E por muito tempo, especialmente na política, a ideia certa, a ideia livre, deve lutar contra as ideias que dominam.
  1. Este não é um motivo para não se fazer nada. A situação é sempre pior quando ninguém faz nada sob o pretexto de que a maioria está resignada. Repetimos: a situação deste país sob o governo Jospin e sob a presidência de Chirac vai de medíocre a muito ruim. No momento, um pequeno número de novos intelectuais e proletários ativistas carregam, sozinhos, outra política e seu futuro. Eles são a única verdadeira liberdade política deste país. A situação seria muito pior se eles desistissem.
  1. Convidamos você a aumentar esse pequeno número. O que significa: compartilhar o pensamento e a prática política daqueles que já estão envolvidos. A uma distância absoluta em comparação com a odiosa política de Jospin / Chirac. E travar batalhas políticas vitoriosas.
  1. Nós podemos, nós devemos, dar poder à nossa política, dar-lhe poder. Isso não é poder estatal. No entanto, é um poder muito real, tanto em nós mesmos quanto em certas situações. É o poder, que é possível, do pensamento do povo sobre o poder do Estado, que é um poder cego. É o poder [puissance]d política, contra o poder [pouvouir] do Estado.
  1. Sempre existem várias políticas. Mas no final das contas, existem dois tipos. Existem políticas que são feitas a partir do Estado, do poder governamental. E existem políticas que são feitas, em situações reais, a partir da capacidade das pessoas, do que elas pensam e do que estão dispostas a fazer com o que pensam.
  1. A política da Organização Política é do segundo tipo. Dizemos que é uma política do “ponto do povo”, não uma política do Estado.
  1. As políticas que são feitas a partir do Estado são necessariamente organizadas em partidos, como o Partido Socialista, o Partido Comunista, a RPR, a UDF, os Verdes, a Frente Nacional, a Liga Comunista Revolucionária, a Luta Operária, etc. O partido é necessário para conduzir campanhas eleitorais, conquistar e negociar posições de poder no governo ou no Estado, para construir alianças, inclusive na oposição.
  1. Uma política que é feita a partir do povo, a partir da ideia que as pessoas pensam, é organizada (a política é sempre coletiva e organizada). É por isso que existe organização política. Mas não é um partido. Não buscamos nenhum lugar de poder, nem um lugar na oposição que esteja esperando para substituir o poder. Nós nunca comparecemos a nenhuma eleição. Trabalhamos em situações da vida real, como casas de trabalhadores, fábricas ou certas situações internacionais, ou certos debates de opinião. Neste trabalho, todos falam em seu nome, e a política é compartilhada. O que significa que não é a Organização que é a fonte da política. Em cada caso, há decisões coletivas, que não são consequências de um programa, de uma estratégia eleitoral, mas são criadas pela própria discussão política. Trata-se de descobrir possibilidades desconhecidas na situação e torná-las a palavra de ordem política do momento. E este trabalho (descoberta de uma possibilidade, modelagem de seu conteúdo, ação refletida para sua realização) é o trabalho de todos aqueles que participam do processo, de todos aqueles que desejam se envolver com a situação.
  1. Basicamente, todas as políticas que são feitas do Estado, e não do povo, formam a mesma ideia de política, a que chamamos parlamentarismo. Essa ideia é que a única vez que as pessoas realmente participam da política é a eleição do presidente, dos deputados, dos prefeitos e assim por diante. Porque o coração da política é o lugar do poder. As pessoas são, no máximo, consultadas aqui e ali, especialmente no momento das eleições, mas a decisão é negada pois é negado o pensamento político e, portanto, a capacidade política. Essa capacidade é concedida apenas a mulheres e homens de partidos, aos políticos. O parlamentarismo é, portanto, uma política mutilada, uma política que remove a esmagadora maioria das pessoas de qualquer decisão coletiva sobre sua própria vida pública.
  1. Militantes da Organização Política não comparecem a nenhuma eleição e não votam, porque esta é uma maneira clara de mostrar que eles estão absolutamente fora da distribuição de lugares de poder no Estado. Nesse sentido, é claro que nossa política se opõe à do parlamentarismo. Mas, acima de tudo, queremos que, em situações reais, nas quais emerge o trabalho do pensamento político em torno das novas e empolgantes possibilidades, o maior número possível de pessoas se associe e aja. Como nossa política não é política partidária, é extremamente aberta. Se alguém compartilhar nossa política sobre um ponto, deixe-o entrar, deixe-o decidir, como qualquer outro. Para ser um militante da Organização Política, a primeira e, finalmente, única condição, é ser um militante da política da Organização Política, onde essa política existe.
  1. Alguns, enquanto praticam o parlamentarismo (partidos, programas, eleições, lugares de poder, etc.), enquanto votam “à esquerda” sempre que são solicitados, consideram que são “revolucionários”, ou que eles são “a esquerda da esquerda”, porque se opõem a esta ou aquela decisão dos governos da esquerda plural, de Jospin, Hue, Chevènement e Voynet. Chamamos isso de atitude “de oposição”. Um oposicionista protesta todos os dias contra a política dos partidos parlamentares, enquanto se recusa absolutamente a romper com o parlamentarismo. Na opinião pública, especialmente entre muitos intelectuais, essa atitude de oposição é generalizada. Ela permite ser muito radical em palavras, respeitando as regras do jogo “democrático”, isto é, a regra da distribuição dos lugares de poder.
  1. A Organização Política não é uma organização de oposição, não está na esquerda da esquerda, nem na extrema esquerda. É, em nossa opinião, impossível se opor a uma política de dentro desta política. Não podemos fazer política do pensamento do povo, continuando a pensar e agir no contexto da política partidária, política feita pelo poder e pelo Estado. Se em um ponto você quer se opor à política do governo, precisa implantar outra política nesse ponto, e não ser um oposicionista. Se, por exemplo, o governo de Jospin se recusar a regularizar os trabalhadores não documentados, não gastaremos seu tempo, em nome de uma “esquerda” imaginária, para culpá-lo. Não ameaçaremos parar de votar nele. Não nos aliaremos, nos partidos, às manobras dos inimigos parlamentares de Jospin. Vamos organizar, diretamente do pensamento dos trabalhadores sem documento e de seus amigos, a política que diz “documentos para todos os trabalhadores”, ou “quem trabalha aqui é daqui” ou “precisamos de uma nova regularização sem condições ou critérios “. O objetivo é criar na situação o poder dessa política. Um poder politicamente livre e totalmente independente, que todos os atores políticos, incluindo o governo, inevitavelmente terão que levar em consideração.
  1. Uma declaração de nossa política, que é a formação de uma nova possibilidade na situação, chamamos de prescrição. Por quê? Porque é um requisito que dirigimos a todos. Para as pessoas entrarem na política que agir em consequência dele; para políticos do poder ou do Estado mudarem sua maneira de fazer as coisas. Quando dizemos, por exemplo: “Precisamos de uma nova regularização de todos os trabalhadores sem documentos”, é dirigido a todos aqueles que podem compartilhar esse requisito e se tornarem militantes, e ao governo, aos partidos, para que eles retornem às suas posições reacionárias. Nós dizemos o que é um Estado democrático para nós!: um Estado que conta a todos, incluindo os trabalhadores, em vez de jogá-los na ilegalidade, nos registros da polícia e nas prisões em massa. Nós “prescrevemos sobre o Estado”, o que significa: o que dizemos e organizamos, já que essa é uma possibilidade, também pode ser uma maneira de fazer o Estado. Nossa política prescreve o Estado desde o pensamento das pessoas, desde o que é externo ao Estado. E esse é o caminho a seguir, aquele que permite a qualquer pessoa exercer capacidade política. E também compartilhar e, assim, criar, não apenas uma nova ideia de política, mas, através dela, a partir dela e de fora, uma nova ideia de Estado, neste ou naquele ponto que decide se o Estado é democrático ou não.
  1. Em geral, sempre existe um ponto principal que decide se a política do governo é democrática ou não. Por exemplo, na época da guerra da Argélia, a questão era se havia apoio ou oposição à guerra colonial. Todos os outros pontos, como reformas sociais, foram subordinados. Depois de maio de 68, a questão era se havia ou não uma ligação política direta entre jovens intelectuais e trabalhadores e pessoas comuns em fábricas e bairros. Todos os outros pontos, como a liberdade sexual ou a reforma da Universidade, eram absolutamente subordinados. Hoje, o número de mulheres ministras ou o número de ciclovias no décimo segundo distrito de Paris podem ser afirmações interessantes. Mas isso não avança a democracia nem um centímetro, se, por outro lado, nada for feito para garantir que os trabalhadores que são banidos de todos os direitos tenham seus direitos. Quem não faz nada, não diz nada, sobre as centenas de milhares de trabalhadores privados de todos os direitos não tem crédito quanto à democracia. Este é o ponto central de qualquer determinação democrática do Estado. É assim.
  1. Por exemplo, essa política é uma atividade totalmente desinteressada que, como todas as formas de pensamento livre, tem seu próprio fim; que nunca se deve entrar em servidão em relação ao poder; que a democracia equivale ao fato de que os poderes contam para todos, em particular para os mais recentes a chegar ao país, ou seja, os trabalhadores de origem estrangeira; que ninguém representa ninguém e, portanto, todos falam em seu nome; que o único atributo comum reconhecido para aqueles que se envolvem em política é a possibilidade de pensar em situações, não existe uma determinação objetiva específica da vontade militante. Nenhuma determinação racialista, é claro, nenhuma determinação sexual, é claro, mas também nenhuma determinação social. Quando dizemos que precisamos reconstruir uma figura da classe trabalhadora na política, quando vemos que todos aqueles que não o fazem, ou não o fazem mais, contribuem para a reação geral e para a servidão capitalista e parlamentar, não queremos dizer que os trabalhadores são um sujeito político predestinado. A era da “classe trabalhadora” e de seu Partido como sujeito emancipatório certamente terminou. Nós queremos apenas dizer que, se, no campo geral da política, a palavra “trabalhador” está ausente, as consequências são inevitavelmente, para todos, trabalhadores ou não, totalmente nefastas. Nesse sentido, a ideia de uma figura da classe trabalhadora também é um princípio.
  1. Dizer que a organização política tem princípios não significa que ela afirma ser capaz de fazer política em todas as coisas. Pelo contrário. A política existe em processos políticos, eles mesmos articulados em situações das quais uma nova possibilidade foi desenhada pela investigação militante organizada e por ações experimentais de todos os tipos. As condições materialistas da política são, em termos de intervenção e pensamento coletivo, muito exigentes. É uma doença de oposição, no sentido do parágrafo 15, imaginar que a tagarelice impertinente sobre tudo o que acontece faz parte da política. A política é uma atividade do pensamento que, na maioria das vezes, supõe viagens, deslocamentos, rupturas mentais, bastante singulares. Hoje, a Organização política tem uma política desenvolvida sobre o assunto, absolutamente crucial para qualquer conceito positivo de democracia, dos trabalhadores sem documentos. Entre 85 e 95, ela tinha uma política indiscutível sobre a fábrica de trabalhadores em dipolos e atualmente está procurando novos termos. Intervém no cenário mundial, especialmente na guerra do Iraque e da Sérvia, em uma linha que identifica as formas atuais de imperialismo e propõe a dissolução da OTAN. Em Chiapas e na Palestina também. Manter esses pontos sozinhos é uma grande tarefa. Neste momento, estamos tentando encontrar o caminho para duas questões envolvendo a escola, a partir do princípio de “uma criança, um aluno”, e o trabalhador da habitação e popular, a partir do princípio “a cidade para todos”.
  1. Quando finalmente encontramos, em um ponto, o bom caminho político, isso é visto concretamente, materialmente: aparecem novos lugares onde se discute, onde se decide, onde as pessoas que não faziam política começam a pensar e agir coletivamente. Nós chamamos isso de lugares políticos. Existem novos lugares políticos toda vez que uma política feita pelas pessoas começa a existir. Por exemplo, nossa política relativa à regularização de trabalhadores não documentos criou um novo local: a Reunião de coletivos de trabalhadores não documentos nos lares e na Organização política. Em dezenas de casas, há um coletivo. E esses coletivos se reúnem, de acordo com o princípio: “venha quem quiser”, na Reunião, que decide, após amplas discussões metódicas, as etapas da política e as ações a serem realizadas (manifestações, encontros, delegações, etc.). Este lugar – como todos os lugares políticos reais – é democrático em um sentido forte. Todos podem falar, todos estão envolvidos na decisão. Por esse motivo, não há necessidade de delegação ou representação, visto que vem quer (os coletivos não têm delegados) nem de votos. No decorrer de uma discussão, existe uma decisão que é óbvia para todos, ou todos concordam que ainda é preciso procurar, para poder decidir.
  1. É nesse sentido que animamos o slogan!: “faça da fábrica um lugar político”. E fizemos isso por algumas sequências, como na Steco no final dos anos 80, ou no fechamento da fábrica da Renault em Billancourt, entre 1990 e 1993. Havia naquele momento o que chamamos de “o encontro de Billancourt”: o local foi montado em frente à fábrica, com operários, ativistas da organização política, pessoas de todos os tipos.
  1. O lugar político é a prova material da existência de uma política. E quando se trata de política do povo, esse lugar é totalmente fora do Estado, de seus aparatos, de suas instituições. É um lugar livre e inventado.
  1. A política tem uma espécie de raridade: ela sempre existe em sequências, que têm começo e fim. O fim é quando o lugar deixa de existir. A Organização política garante o vínculo entre várias sequências e, portanto, o vínculo entre vários lugares, simultâneos ou sucessivos. É por isso que devemos dizer que toda política livre conhece vários lugares. Existem muitos lugares em nossa política. Basicamente, o lugar político torna possível a existência material da situação.
  1. Mas quando a política é feita do ponto de vista do Estado, ela mutila e suprime a multiplicidade de lugares, em favor da singularidade do lugar do poder. Na política stalinista, esse lugar único era o Partido. Na política parlamentar, esse lugar único é o próprio Estado. Os partidos parlamentares, a esquerda e a direita, são um múltiplo falso, que de forma alguma se referem a escolhas políticas genuínas. Os partidos são anexos do Estado. Admitir a multiplicidade de possíveis não-estados e construir lugares apropriados, esse é o poder da nossa política. Ele  supõe uma associação livre em uma certa ideia de política e o compartilhamento de seus lugares. Essa é a função da organização política.
  1. Os partidos são organizados a partir do estado. São, portanto, liderados por aqueles que reivindicarão cargos no Estado. Eles não têm nenhuma autonomia sobre isso. O líder nacional é o futuro candidato à eleição presidencial. O líder local é o candidato a prefeito de uma grande cidade ou deputado. Os “medalhões” do partido são os ministros, ou ainda, aqueles que não têm papas nas línguas, e enviados aos debates públicos e filmados. Ou são os oposicionistas da mídia que vituperaram o governo na televisão. Até o menor grupo de oposição, trotskista ou não, está organizado em torno de eleições, cargos sindicais e presença na mídia. Ou seja, em torno das migalhas deixadas, nas margens das grandes máquinas parlamentares, pelo Estado.
  1. A Organização política é organizada com base em sua política e, portanto, com base nas situações em que as pessoas pensam e declaram, e a partir das quais a democracia de um lugar pode ser considerada. Enquanto todos falam em seu nome, todos também medem o que fazem, entendendo que nosso princípio é que devemos assumir as consequências daquilo que declaramos fazer. Em outras palavras, um militante da Organização Política está na disciplina de seu pensamento e de suas consequências na situação, e não na disciplina formal da Organização. Não somos um partido, nem parlamentar, nem stalinista. Se alguém escreve um folheto, é porque está convencido da necessidade deste folheto. Ele discute e distribui. E se ele fala em uma reunião de trabalhadores (talvez ele próprio seja um trabalhador), é porque ele acha que, se ele não tivesse falado algo estaria faltando no resultado político da reunião.
  1. As tarefas são numerosas, variadas e flexíveis. Podemos acompanhar uma pessoa sem documentos até a prefeitura, podemos participar das reuniões de um coletivo de local de moradia, podemos escrever no jornal, podemos intervir nas situações da fábrica, ser ativos na organização de manifestações , marcar uma reunião internacional, escrever um cartaz, protestar na frente de uma prefeitura, explicar uma ideia de política … De qualquer forma, devemos pensar por que o fazemos, conectar isso a alguns princípios e dizer a nós mesmos que devemos avançar ao mesmo tempo a política em situação e a ideia que se faz da política.
  1. Uma reunião real é uma inteligência em ação. Antes da reunião, não sabemos o que ela poderá apresentar e decidir. De uma verdadeira reunião política, saímos crescidos e habilidosos.
  1. Em todas as partes, existe uma organização que vai da “base” à “cúpula”. Há seções, federações, um comitê nacional, uma secretaria etc. Na Organização política, existem processos políticos singulares, sobre os quais falamos. Um militante da Organização política escolhe livremente o processo (ou processos) em que conduz investigações, vincula pessoas, convoca reuniões, propõe objetivos e assim por diante. Qualquer pessoa também pode sugerir um novo processo, dentro da estrutura de nossa ideia de política.
  1. Há também um jornal, Distância Política. “Distância” significa que construímos nosso pensamento longe do poder, longe do Estado.
  1. Nossa liberdade, talvez a sua, é essa distância.

Nota histórica:

A Organização Política foi fundada publicamente em 1985, por uma reunião na Mutualité que especificou sua novidade, tanto no que diz respeito à ideia de política quanto aos diferentes compromissos militantes.

Quem fundou a Organização Política já teve uma longa experiência. Eles haviam compartilhado pela primeira vez a experiência da UCFML (União dos Comunistas da França Marxista-Leninista), criada em 1970, no coração dos “anos vermelhos” que viram, na década de 1965-1975, e em escala mundial, o desenvolvimento  da ideologia revolucionária em todas as suas formas.

Nessa genealogia, a UCFML certamente fez parte do “movimento” maoísta, que reconheceu a importância primordial na política do movimento de massas, e particularmente da conexão direta entre intelectuais, trabalhadores e pessoas do povo, como desde 68 de maio ela tinha sido largamente experimentada. Mas a UCFML seguiu uma linha absolutamente original, que explica por que, quando todos os outros abdicaram e se uniram ao “capital-parlamentarismo”, conseguiram perseguir, mesmo em invenções e renovações em larga escala, um processo político independente. De fato, desde o início dos anos 70, a UCFML se opôs às duas organizações “maoístas” mais conhecidas. Distanciou-se da linha turbulenta, midiática e oportunista da Gauche prolétarienne [Esquerda Proletária], que prometia o poder imediatamente, e à linha conservadora e mortal do PCMLF, que só queria refazer o PCF dos anos trinta. Por isso, estávamos prontos para atravessar, nos pendurando um pouquinho, ficando nas portas das fábricas, implantando uma forte intelectualidade, os sinistros anos 80, que viram os intelectuais “revolucionários” da década anterior estendidos diante de Mitterrand.

Hoje, porém, é apenas uma questão de avaliar quem somos, o que pensamos, o que fazemos. Quando se trata de julgar a política, sua história é importante, mas nunca essencial. Uma política se pensa e se julga por si mesma. O que importa é o presente da Organização política e o que, na situação, ela discerne de todas as outras possibilidades despercebidas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: