A autocracia e o proletariado

Por Vladimir Ilitch “Lenin” Ulyanov, via marxist.org, traduzido por Rodri Villa

“A autocracia pode manter a paz real apenas com um punhado de magnatas altamente privilegiados da classe proprietária e comerciante, mas em nenhum sentido com essa classe como um todo. Portanto, é extremamente importante que o proletariado com consciência de classe tenha uma compreensão clara tanto da inevitabilidade dos protestos dos liberais contra a autocracia quanto do caráter burguês real desses protestos.”


A Rússia está passando por um ressurgimento do movimento constitucional. Nossa geração nunca testemunhou nada como a atual efervescência política. Jornais legais estão atacando a burocracia, exigindo a participação dos representantes do povo na administração do Estado, e pressionando por reformas liberais. Todas as variedades de reuniões dos oficiais do Zemstvo [2]. Doutores, advogados, engenheiros, agricultores, conselheiros municipais, [3] etc., etc., estão adotando resoluções mais ou menos, definitivamente, exigindo uma constituição. Apelos apaixonados por liberdade e acusações políticas de uma ousadia à qual o homem russo na rua não está acostumado podem ser ouvidos a todo momento. Sob pressão dos trabalhadores e da juventude radical, as reuniões liberais são convertidas em reuniões públicas abertas e manifestações de rua. Correntes de descontentamento estão manifestamente agitadas em amplas seções do proletariado, entre os pobres da cidade e do campo. Embora o proletariado esteja participando de forma comparativamente pequena nas manifestações mais espetaculares e cerimoniais do movimento liberal, embora pareça estar um pouco distante das conferências educadas dos cidadãos sólidos, tudo aponta para o fato de que os trabalhadores estão muito interessados no movimento.Tudo indica que os trabalhadores estão ansiosos por grandes reuniões públicas e manifestações de rua abertas. O proletariado está se mantendo, por assim dizer, cuidadosamente orientado, reunindo suas forças e decidindo se o momento da luta decisiva pela liberdade chegou ou não.

Aparentemente, a onda de excitação liberal está começando a diminuir um pouco. Os rumores e jornais estrangeiros afirmam que os reacionários ganharam vantagem nos círculos mais influentes da Corte estão sendo confirmados. O decreto de Nicolau II, publicado no outro dia, foi um tapa direto na cara para os liberais. [4] O czar pretende preservar e defender o regime autocrático. O czar não quer mudar a forma de governo e não tem intenção de conceder uma constituição. Ele promete (apenas promete) todos os tipos de reformas de natureza bastante insignificante. Não há garantias, é claro, de que essas reformas serão realmente implementadas. As restrições da polícia contra a imprensa liberal estão se tornando cada vez mais rigorosas. Todas as manifestações abertas estão sendo reprimidas novamente, se houver alguma coisa, com maior severidade do que antes. A pressão está sendo colocada sobre conselheiros liberais novamente, tanto Zemstvo [5] e municipal, ainda mais no caso dos oficiais que interpretam os liberais. Os jornais liberais estão caindo em um tom desesperado e se desculpando com seus correspondentes por não publicar suas cartas, o que eles não ousam fazer. É bem possível que a onda de agitação liberal tenha surgido tão rapidamente após a permissão concedida por Sviatopolk-Mirsky [6] vai diminuir com a mesma rapidez após a nova proibição. É preciso distinguir entre as causas profundas, que inevitavelmente levam (e conduzirão cada vez mais) à oposição e à luta contra a autocracia, e as razões triviais de uma efervescência liberal passageira. As causas profundas levam a movimentos populares profundos, poderosos e persistentes. Razões triviais são, às vezes, mudanças no Gabinete ou a tentativa usual da parte do governo de perseguir por uma hora a política da “raposa astuta” após algum ato terrorista. O assassinato de Plehve [7] evidentemente custou à organização terrorista um tremendo  esforço e envolveu longa preparação. O extremo sucesso desse ato terrorista ouve de maneira ainda mais impressionante a experiência de toda a história do movimento revolucionário russo, que nos adverte contra métodos de luta como o terrorismo. O terrorismo russo sempre foi um método especificamente intelectualista de luta. E o que quer que possa ser dito sobre a importância do terrorismo, não em lugar de, mas em conjunto com, o movimento do povo, os fatos testemunham de forma irrefutável que em nosso país assassinatos políticos individuais não têm nada em comum com as ações forçadas da revolução do povo. Na sociedade capitalista, um movimento de massa só é possível como um movimento de classe dos trabalhadores. Este movimento está se desenvolvendo na Rússia de acordo com suas próprias leis independentes; está prosseguindo à sua maneira, ganhando em profundidade e amplitude e passando de uma calmaria temporária a um novo aumento. É apenas a onda liberal que sobe e cai estritamente de acordo com os humores dos diferentes ministros, cuja substituição é acelerada por bombas. Não é de admirar, então, que a simpatia pelo terrorismo seja encontrada com tanta frequência em nosso país entre os representantes radicais (ou posando de radicais) da oposição burguesa. Não é de admirar que; entre a intelligentsia [8] revolucionária, as pessoas mais propensas a serem levadas pelo terrorismo (seja por muito tempo ou por um momento) são aquelas que não têm fé na vitalidade e força do proletariado e da luta de classes proletária. O fato de que o impulso da atividade liberal por uma ou outra razão é de curta duração e instável não pode, é claro, nos fazer esquecer a contradição irremovível que existe entre a autocracia e as necessidades da sociedade burguesa em desenvolvimento. A autocracia está fadada a atrapalhar o desenvolvimento social. Os interesses da burguesia enquanto classe, assim como os interesses da intelligentsia, sem os quais a produção capitalista moderna é inconcebível, colidem cada vez mais com a autocracia com o passar do tempo. Superficial, embora a razão para as declarações dos liberais possa ser e trivial, embora o caráter da posição indiferente e equívoca dos liberais, a autocracia pode manter a paz real apenas com um punhado de magnatas altamente privilegiados da classe proprietária e comerciante, mas em nenhum sentido com essa classe como um todo. A representação direta dos interesses da classe dominante na forma de uma constituição é essencial para um país que quer ser um país europeu e, sob pena de derrota política e econômica, é obrigado a se tornar um país europeu. Portanto, é extremamente importante que o proletariado com consciência de classe tenha uma compreensão clara tanto da inevitabilidade dos protestos dos liberais contra a autocracia quanto do caráter burguês real desses protestos.

A classe trabalhadora está se propondo os grandes e pontíficos objetivos de libertar a humanidade de toda forma de opressão e exploração do homem pelo homem. Em todo o mundo, tem lutado duramente por décadas a fim de alcançar esses objetivos, ampliando
sua luta e organizando-se em partidos de massa, sem se deixar intimidar por ocasionais derrotas e retrocessos temporários. Nada pode ser mais vital para uma classe verdadeiramente revolucionária do que livrar-se de todo o auto-engano, de todas as miragens e ilusões. Uma das ilusões mais difundidas e persistentes na Rússia é a noção de que nosso movimento liberal não é um movimento burguês e que a revolução iminente na Rússia não será uma revolução burguesa. O intelectual russo, do mais moderado liberal de Osvobozhdeniye [9] ao mais extremo Socialista-Revolucionário,[10] sempre pensa que se torna incolor a nossa revolução, que a degrada e vulgariza, admitindo que seja uma revolução burguesa. Para o proletário russo consciente de classe, essa admissão é a única verdadeira caracterização de classe do estado atual das coisas. Para o proletariado, a luta pela liberdade política e uma república democrática numa sociedade burguesa é apenas uma das etapas necessárias na luta pela revolução social que derrubará o sistema burguês. A diferenciação estrita entre estágios que são essencialmente diferentes, examinando sobriamente as condições sob as quais eles se manifestam, não significa, de forma alguma, adiar indefinidamente o objetivo final de  alguém, ou retardar o progresso antecipadamente. Pelo contrário, é com o propósito de acelerar o avanço e alcançar o objetivo final tão rápida e seguramente quanto possível que é necessário entender a relação de classes na sociedade moderna. Nada além de desilusão e vacilação sem fim aguardam aqueles que evitam o ponto de vista supostamente unilateral da classe, que seriam socialistas, mas têm medo de chamar abertamente a revolução iminente na Rússia (a revolução que começou na Rússia) de uma revolução burguesa. Caracteristicamente, no auge do atual movimento constitucional, o mais democrático das publicações jurídicas aproveitou a liberdade incomum para atacar, não apenas a “burocracia”, mas também a “teoria exclusiva e, portanto, errônea da luta de classes”, que é alegadamente “cientificamente insustentável” (Nasha Zhizn, [11] n. 28). Se você quiser, o problema de aproximar a intelligentsia das massas “tem sido tratado apenas com a ênfase nas contradições de classe existentes entre as massas e as seções da sociedade das quais… A maior parte da intelligentsia salta ”. Desnecessário dizer que esta apresentação dos fatos está completamente em desacordo com o estado real das coisas. O oposto é verdadeiro. A massa inteira da intelligentsia de elevação legalmente ativa russa, todos os velhos socialistas russos, todas as figuras políticas do tipo Osvobozhdeniye sempre ignoraram completamente a natureza profunda das contradições de classe na Rússia em geral e no interior da Rússia em particular. Mesmo a intelectualidade radical da extrema esquerda russa, o Partido Socialista-Revolucionário, peca mais em ignorar este fato; basta lembrar seus argumentos habituais sobre o “campesinato trabalhador”, ou sobre a revolução iminente “não ser burguesa, mas democrática”.

Não, quanto mais próximo o momento da revolução se desenha e quanto mais agudo se torna o movimento constitucional, mais estritamente o partido do proletariado deve guardar sua classe na dependência e não permitir que suas demandas de classe sejam encobertas por frases democráticas gerais. Com mais frequência e decididamente, os representantes da chamada sociedade vêm à tona com o que afirmam ser as exigências de todo o povo, os mais implacáveis devem os social-democratas expor a natureza de classe desta “sociedade”. Tome a notória resolução do congresso “secreto” de Zemstvo realizada de 6 a 8 de novembro [12] Você vai encontrar lá, empurrado para o fundo, as aspirações constitucionais deliberadamente obscuros e indiferentes. Você encontrará menção lá das pessoas e sociedade, mais freqüentemente sociedade que as pessoas. Você encontrará as sugestões mais detalhadas e abrangentes para as reformas do Zemstvo e das instituições municipais – instituições, isto é, que representam os interesses dos proprietários de terras e dos capitalistas. Você encontrará menções às reformas nas condições de vida do campesinato, à libertação do campesinato da tutela e à salvaguarda das formas judiciais corretas. É claro que você está lidando com representantes das classes proprietárias que estão apenas empenhados em obter concessões da autocracia e não pensam em mudar de maneira alguma as fundações do sistema econômico. Se pessoas como essas querem uma “mudança radical [alegadamente radical] no atual estado de desigualdade e opressão do campesinato”, só prova de novo que os social-democratas estavam certos ao insistir incansavelmente no atraso do sistema e das condições de vida do campesinato em relação às condições gerais da ordem burguesa. Os sociais-democratas sempre insistiram em que o proletariado consciente da classe deveria distinguir estritamente no movimento camponês geral os interesses e demandas dominantes da burguesia camponesa, por mais que essas demandas possam ser veladas e nebulosas, e em qualquer capa de “nivelamento” utópico da ideologia camponesa (e propaganda socialista-revolucionária) pode investi-los. Tome as resoluções do banquete dos engenheiros em São Petersburgo em 4 de dezembro. Você verá que os 590 convidados do banquete, e junto com eles os 6 mil engenheiros que assinaram a resolução, declararam para uma constituição, “sem a qual a indústria russa não pode ser devidamente protegidos ”, enquanto ao mesmo tempo protestando contra a colocação de ordens do governo com preocupações estrangeiras.

Alguém ainda pode deixar de ver que são os interesses de todas as seções da burguesia latifundiária, comercial, industrial e camponesa que estão no fundo das aspirações constitucionais que irromperam à superfície? Devemos ser enganados pelo fato de que esses interesses são representados pela intelligentsia democrática? Que em toda parte e sempre, em todas as revoluções europeias da burguesia, assumiu o papel de publicistas, oradores e líderes políticos?

Uma tarefa importante agora confronta o proletariado russo. A autocracia está oscilando. A guerra onerosa e sem esperança na qual mergulhou comprometeu seriamente as bases de seu poder e governo. Não pode se manter no poder agora sem um apelo às classes dominantes, sem o apoio da intelligentsia; tal apelo e tal apoio, no entanto, devem levar a demandas constitucionais. As classes burguesas estão tentando forçar uma vantagem para si mesmas fora da situação do governo. O governo está jogando um jogo desesperado; está tentando se esquivar de suas dificuldades, para sair com algumas concessões insignificantes, reformas não-políticas e promessas não comprometedoras, com o qual o novo ukase [13] do czar está repleto. Se este jogo será bem sucedido, mesmo que temporariamente e parcialmente, a longo prazo dependerá do proletariado russo, sobre o grau de sua organização e a força de seu início revolucionário. O proletariado deve aproveitar a situação política, que é muito a seu favor. O proletariado deve apoiar o movimento constitucional da burguesia; deve despertar e reunir ao seu lado as seções mais amplas possíveis das massas exploradas, reunir todas as suas forças, e iniciar uma revolta no momento em que o governo está nas dificuldades mais desesperadas e a agitação popular está no seu auge.

Que forma imediata deveria ter o apoio do proletariado dos constitucionalistas? Principalmente, a utilização da agitação geral com a finalidade de agitar e organizar as seções menos envolvidas e mais atrasadas da classe trabalhadora e do campesinato. Naturalmente, o proletariado organizado, a social-democracia, deveria enviar suas forças entre todas as classes da população; ainda mais de forma independente as classes agora agem, quanto mais aguda a luta se torna, e quanto mais próximo se aproxima o momento da batalha decisiva, mais devemos concentrar nosso trabalho na preparação dos próprios proletários e semi-proletários para a luta direta pela liberdade. Em tal momento, apenas oportunistas podem qualificar os discursos de operários individuais no Zemstvo e em outras assembleias públicas como uma luta muito ativa, ou um novo método de luta, ou o tipo mais elevado de demonstração. Tais manifestações só podem ser de importância secundária. É muito mais importante agora voltar a atenção do proletariado para formas de luta realmente altas e ativas, como a famosa manifestação em massa em Rostov e várias manifestações em massa no sul [14]. É muito mais importante agora aumentar nossas fileiras, organizar suas forças e preparar-se para um conflito de massas ainda mais direto e aberto.

É claro que não há nenhuma sugestão de que o trabalho cotidiano dos socialdemocratas deva ser abandonado. Social-democratas nunca desistirão desse trabalho, que eles consideram como a preparação real para a luta decisiva; pois eles dependem total e exclusivamente da atividade, da consciência de classe e da organização do proletariado, em sua influência entre as massas trabalhadoras e exploradas. É uma questão de apontar o caminho certo, de chamar a atenção para a necessidade de ir adiante, à nocividade das vacilações táticas. O trabalho do dia-a-dia, que o proletariado consciente de classe nunca deve esquecer em nenhuma circunstância, inclui também o trabalho de organização. Sem pão e organizações operárias diversas, e sem a sua conexão com a social-democracia revolucionária, é impossível travar uma luta bem sucedida contra a autocracia. Por outro lado, o trabalho organizacional é impossível sem uma firme rejeição às tendências desorganizantes exibidas em nosso país, como em qualquer outro lugar, pelos elementos intelectuais fracos do Partido, que mudam sua palavras de ordem como luvas; o trabalho organizacional é impossível sem uma luta contra a “teoria” absurda e reacionária da organização como processo, que serve para esconder a confusão de cada descrição.

O desenvolvimento da crise política na Rússia dependerá agora principalmente do curso da guerra com o Japão. Esta guerra fez mais do que qualquer outra coisa para expor a podridão da autocracia; está fazendo mais do que qualquer outra coisa para drenar sua força financeira e militarmente, e atormentar e incitar a revoltar as massas sofredoras do povo, de quem esta guerra criminosa e vergonhosa exige tais sacrifícios sem fim. A Rússia autocrática já foi derrotada pelo Japão constitucional, e arrastar a guerra só aumentará e agravará a derrota. A melhor parte da marinha russa foi destruída; a posição de Port Arthur é desesperadora, e a esquadra naval enviada para o seu alívio não tem a menor chance de sequer chegar ao seu destino, muito menos de alcançar o sucesso; o exército principal sob Kuropatkin perdeu mais de 200.000 homens e está exausto e desamparado diante do inimigo, que deve esmagá-lo após a captura de Port Arthur. O desastre militar é inevitável e, juntamente com o descontentamento, a inquietação e a indignação, inevitavelmente aumentará dez vezes.

Precisamos nos preparar para esse momento com a máxima energia. Naquele momento, um dos surtos recorrentes, agora aqui e agora, com tanta freqüência crescente, se transformará em um tremendo movimento popular. Nesse momento, o proletariado se levantará e se posicionará à frente da insurreição para ganhar a liberdade de todo o povo e assegurar à classe trabalhadora a possibilidade de empreender a luta aberta e ampla pelo socialismo, uma luta enriquecida por toda a experiência. da Europa.


Notas:

[1] O artigo de Lenine “A autocracia e o proletariado” foi publicado como um editorial na
edição número I do jornal Vperyod.

Vperyod (Forward) foi um semanário bolchevique clandestino publicado em Genebra de
22 de dezembro de 1904 (4 de janeiro de 1903) a 5 de maio de 1805, 1905. Dezoito números foram emitidos. O organizador, o gerente e o espírito de guia do jornal eram V. I. Lenin. Outros membros do Conselho Editorial foram V. V. Vorovsky, M. S. Olminsky e A. V. Lunacharsky.

O destacado papel que o jornal desempenhou na luta contra o menchevismo, restabelecendo o princípio do Partido e formulando e elucidando as questões levantadas
pela revolução em ascensão, foi reconhecido em uma resolução especial do Terceiro Congresso, que registrou um voto de agradecimento ao Editorial. Mais de quarenta artigos e itens menores de Lenin foram publicados em Vperyod. Algumas questões do jornal, por exemplo, os números 4 e 5, que tratavam dos eventos de 9 de janeiro de 1905, foram escritas quase inteiramente por Lênin. Vperyod manteve contatos regulares com as organizações do partido na Rússia. Especialmente existiam conexões próximas com os comitês de São Petersburgo, Moscou, Odessa, Baku, Ekaterinoslav e outros partidos, bem como com o Comitê da Liga Caucasiana da R.S.D.L.P., que formava um grupo de publicitários especiais para auxiliar o jornal de Lenin.

Os artigos de Lenine em Vperyod eram freqüentemente reimpressos na imprensa
bolchevique local e publicados na forma de panfletos e panfletos.

[2] Zemstvo – o nome dado aos órgãos do governo local formados nas províncias centrais
da Rússia czarista em 1864. Eles eram dominados pela nobreza e seus poderes limitavam-se a problemas puramente econômicos locais (construção de hospitais e estradas, estatísticas, seguros etc.). . Suas atividades eram controladas pelos Governadores Provinciais e pelo Ministério do Interior, que poderiam rescindir quaisquer decisões que o governo desaprovasse.

[3] Conselheiros municipais – membros de conselhos municipais na Rússia czarista.

[4] A referência é ao ukase do tsar de 12 de dezembro (25), 1904, ao Senado.

[5] Conselheiros do Zemstvo – membros das assembleias de Zemstvo na Rússia czarista.

[6] A referência é ao breve flerte do governo czarista com os liberais em 1904. SvyatopolkMirsky, o ministro do Interior, sancionou as reuniões de Zemstvo, relaxou ligeiramente a censura, perdoou vários políticos liberais banidos, etc.

[7] Plehve, V. K. – um estadista na Rússia czarista; entre 1902 e 1904 Ministro do Interior e
Chefe dos Gendarmes. Ele travou uma amarga luta contra o movimento revolucionário.

[8] O termo intelligentsia é comumente atribuido a categoria ou grupo de pessoas envolvidas no trabalho intelectual. Há controversas sobre a definição correta do termo. Em 1938, uma artigo no Pravda, órgão oficial do comitê central sovietico, fez duras criticas a tendência “Makhaevista” da intelligentsia formação uma casta de intelectuais que não possuem nada em comum com operários e camponeses.

[9] Liberais burgueses se agruparam em torno da revista Osvobozhdeniye (Emancipação), que foi publicada no exterior em 1902-05 sob o cargo de editor do P.B. Struve. Os liberais de Osvobozhdeniye organizaram a Liga monarquista liberal Osoobozhdeniye em janeiro de 1904. Mais tarde formaram o núcleo do principal partido burguês na Rússia – o Partido Constitucional-Democrata (Cadetes).

[10] Socialistas-Revolucionários (S. R.’s) – um partido pequeno-burguês na Rússia, que surgiu no final de 1901 e no início de 1902, como resultado da união dos grupos e círculos de Narodnik. O jornal Revolutsionnaya Rossiya (Rússia Revolucionária) (1900-05) e a revista Vestnik Russkoi Revolutsii (O Arauto da Revolução Russa) (1901-05) tornaram-se seus órgãos oficiais. Os pontos de vista dos S.R. eram uma mistura eclética das ideias do Narodismo e do revisionismo; eles tentaram, como disse Lenin, consertar “as rendas nas idéias narodnik” com “pedaços de ‘crítica’ oportunista da moda do marxismo ”. Os REs não conseguiram ver as distinções de classe entre proletariado e campesinato, encobriram a diferenciação e as contradições de classe dentro do campesinato, e rejeitaram o protagonista do proletariado na revolução. As táticas de terrorismo individual que o SR defendeu como um método básico de luta contra a autocracia causaram grande dano ao movimento revolucionário e dificultaram a organização das massas para a luta revolucionária.

O programa agrário dos SR previa a abolição da propriedade privada da terra e sua transferência para as comunas da aldeia com base na posse equalizada, bem como o desenvolvimento de todas as formas de cooperação. Não havia nada de socialista nesse programa, que a SR buscou apresentar como um programa de “socialização da terra”, já que a abolição da propriedade privada da terra, como Lênin apontou, não pode abolir a dominação do capital e da terra. pobreza das massas. O conteúdo real e historicamente progressivo da S.R. O programa agrário foi a luta pela abolição da propriedade dos proprietários, pelo modo “americano” de desenvolvimento capitalista na agricultura russa.

Este programa expressou objetivamente os interesses e aspirações do campesinato no estágio da revolução democrático-burguesa.

O Partido Bolchevique lutou duramente contra as tentativas dos SRs de se camuflarem como socialistas e espalhar sua influência para a classe trabalhadora, contra suas táticas
de terrorismo individual; a S.R. Os principais adversários eram os bolcheviques, que lutavam para ganhar influência sobre o campesinato e para fortalecer a aliança entre a classe trabalhadora e o campesinato. Ao mesmo tempo, em condições definidas, os bolcheviques concluíram acordos temporários com os SR na luta contra o czarismo. Em última análise, a ausência de homogeneidade de classe no campesinato foi responsável pela instabilidade política e ideológica e pela confusão organizacional no Partido Socialista Revolucionário, e por sua constante vacilação entre a burguesia liberal e o proletariado. Houve uma divisão no Partido Socialista-Revolucionário durante a primeira revolução russa, a sua Direita formando o Partido Social-Socialista Legal dos Toilers, que mantinha opiniões próximas das dos Democratas Constitucionais e da Ala “Esquerda” tomando forma como a liga semi-anarquista de “Maximalists”. Durante a reação de Stolypin, o Partido Socialista-Revolucionário experimentou uma completa ruptura ideológica e organizacional, e a Primeira Guerra Mundial viu a maioria dos SR adotarem o ponto de vista do social-chauvinismo.

Após a vitória da revolução democrático-burguesa de fevereiro de 1917, os SR, juntamente com os Mencheviques e os Democratas Constitucionais, foram o sustentáculo do governo provisório burguesia-senhorio contra-revolucionário, no qual os líderes do partido (Kerensky , Avksentyev, Chernov) participaram. Influenciada pelo revolucionamento do campesinato, a Ala “Esquerda” da S.R. s fundou um partido independente de esquerda SR no final de novembro de 1917. Esforçando-se para manter sua influência entre as massas camponesas, a esquerda SR reconheceu formalmente o poder soviético e entrou em um acordo com os bolcheviques, mas com o desenvolvimento da luta de classes nas aldeias, eles se voltaram contra o poder soviético.

Durante a intervenção militar estrangeira e a Guerra Civil, o RS continuou a exercer uma
atividade subversiva contra-revolucionária, apoiou fortemente os intervencionistas e os generais de defesa, participou de conspirações contra-revolucionárias e organizou atos terroristas contra líderes do Estado soviético. Depois da Guerra Civil, a República Dominicana continuou sua atividade hostil contra o Estado soviético dentro do país e no
exterior entre os emigrantes de proteção.

[11] Nasha Zhizn (Nossa Vida) – um jornal próximo à Ala Esquerda dos Democratas Constitucionais, publicado em São Petersburgo entre 1904 e 1905.

[12] Lenin aplica ironicamente a palavra “segredo” ao congresso dos presidentes dos Conselhos de Administração Zemstvo e outros funcionários do Zemstvo que seria realizado em 6 de novembro de 1904, em São Petersburgo, com a permissão do czar. Cinco dias antes da abertura, quando os delegados estavam armados para chegar, foi anunciado que o governo czarista havia proposto o adiamento do congresso por um ano. No entanto, o ministro do Interior, Svyatopolk-Mirsky, que estava flertando com os liberais, permitiu que os delegados do Zemstvo tivessem uma conversa “sobre uma xícara de chá em apartamentos privados”.

[13] Ukaze é um ato normativo no direito russo (edito ou decreto). Proclamação do Czar com força de lei.

[14] A famosa greve de Rostov eclodiu em 2 de novembro (15), 1902. Rapidamente se transformou em uma manifestação política na qual participaram até trinta mil trabalhadores. A greve durou até 25 de novembro (8 de dezembro). Foi liderado pelo Comitê Iskrist Don do R.S.D.L.P. (Veja a edição atual, Vol. 6, “Novos Eventos e Antigas Perguntas”, pp. 278-83).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: