Panfleto de Propaganda da Guerra da Coreia

Traduzido por Eros Viana de Lima Penha, via Space Cribs

“O panfleto tem como objetivo tirar o véu da ideologia e demonstrar aos soldados negros que a luta deles era em casa, nos Estados Unidos, ainda com um forte funcionamento das leis Jim Crow e, se não do racismo de jure, o racismo na vida cotidiana. Este pedaço da propaganda coreana demonstra que a população coreana era apenas mais uma das populações racializadas pelo olhar do hegemon imperial e que sofriam os abusos práticos dessa formulação teórica por meio da guerra de extermínio.”

Introdução

  A Guerra da Coreia, como é chamada no Ocidente, foi uma guerra de libertação nacional para o povo coreano, contra o poderio imperialista estadunidense e que tem sua origem na resistência coreana à ocupação colonial japonesa, tudo isso muito pouco lembrado pelos Marxistas de origem Ocidental, esta guerra de libertação representou uma das maiores, dentre as muitas, atrocidades imperialistas impostas ao mundo colonizado. Os números de mortos exatos variam segundo fontes (Chegando até 4 milhões, segundo o importante livro do professor Paulo Visentini sobre o tema), mas é certo que a guerra representou uma tentativa de extermínio da população coreana, em uma guerra não só recheada de “red scare”, mas do pensamento racista colonizador dos Estados Unidos. Norte ou Sul, o inimigo dos EUA era o povo coreano, é possível notar isso quando se vê que a destruição foi quase que indiscriminada, com ataques no Sul assim como no Norte.

  Esta tradução a seguir, é a tradução de um dos panfletos produzidos como propaganda de guerra pelo Exército Popular da Coreia e pelo Exército Popular de Voluntários da China. Este panfleto tem como alvo a população negra que fazia a guerra para os lucros exorbitantes dos ricos imperialistas e que, assim como na Guerra do Vietnã, ou como na Segunda Guerra, como Fanon nos demonstra, o racismo dentro das estruturas do exército tornou as vidas dos soldados negros tão dispensáveis quanto as dos coreanos que o exército imperialista buscava exterminar. E é justamente este sentido que este panfleto tenta recuperar.

  O panfleto tem como objetivo tirar o véu da ideologia e demonstrar aos soldados negros que a luta deles era em casa, nos Estados Unidos, ainda com um forte funcionamento das leis Jim Crow e, se não do racismo de jure, o racismo na vida cotidiana. Este pedaço da propaganda coreana demonstra que a população coreana era apenas mais uma das populações racializadas pelo olhar do hegemon imperial e que sofriam os abusos práticos dessa formulação teórica por meio da guerra de extermínio.


Soldados negros!

TEM UMA CARTA PARA VOCÊS DENTRO. LEIA!

Soldados Negros:

  Você já parou pra pensar por que você deveria estar na Coreia, lutando outras pessoas de cor, enquanto linchamentos, assassinatos e insultos se empilham contra o povo Negro na sua casa?

  Eles dizem que você está defendendo a liberdade aqui. Que tipo de liberdade?

  Desde que a Guerra da Coreia começou, houve mais linchamentos e assassinatos do que nunca em todas as partes do país … Morris Scott, baleado por um homem branco em Linden, Alabama; Samuel Ellis, veterano da marinha da Filadélfia, baleado por um policial novato no metrô … Willie Carlisle, espancado até a morte por um policial, em Opelika, Alabama … Sam Jones, San Pedro, Califórnia, trabalhava em construção civil, foi espancado até a morte por outro policial … Willie McGee colocado na cadeira elétrica no Mississipi, foi incriminado por uma acusação falsa … Harry T. Moore, um líder da NAACP[1], bombardeado em sua cama pela Klan, na Flórida. Esses são apenas alguns, do Sul e do Norte, do Leste e do Oeste.

  Eles dizem que vocês irão ficar mais próximos da igualdade ao lutar na guerra da Coreia. Eles sempre fazem isso quando é hora de enfrentar as armas. É uma mentira! O único lugar que você pode lutar por igualdade, é em casa.

  Estão aqui alguns fatos, direto do exército, direto da Coreia. Tenente Leon Gilbert, um oficial Negro do regimento da 24a Divisão de Infantaria foi injustamente julgado pela corte marcial e sentenciado à morte e outros 60 soldados ganharam sentenças de 5 anos à vida. Frank Whisonant, repórter do Pittsburg Courier escreveu que “99 e nove décimos de homens que foram levados à corte marcial na Coreia são soldados Negros” … Thurgood Marshall, líder da National Urban League[2] escreveu que “apesar de protestos contínuos, o exército dos EUA não mostrou nenhuma indicação para mudança fundamental da política Jim Crow na Coreia”.

  O governo dos Estados Unidos, o governo do seu país, te dá uma representação adequada? Existem 96 senadores brancos e nenhum Negro. Existem 435 congressistas[3] dos quais apenas dois são Negros. E quantos cidadãos Negros foram espancados e mortos apenas por ousarem a votar! Tanto para os seus direitos em casa.[4]

  E nos serviços armados os dados estão viciados da mesma forma. Já em 1947, o próprio Comitê de Direitos Civis do Presidente Truman admitiu “… no Exército, menos de um Negro a cada 70, é promovido, enquanto há um oficial branco para aproximadamente sete homens alistados. Na Marinha, existem apenas dois oficiais Negros; tem 58,571 oficiais brancos. O Corpo de Fuzileiros Navais possui 7,798 oficiais e nem um deles é um Negro …  os registros mostram que membros de diversas minorias, que estão lutando e morrendo pela nação na qual eles encontram um amargo preconceito, encontraram discriminação até enquanto eles morriam na batalha”.

  Ambos vocês e as tropas brancas estão esperando pelo rodízio. O rodízio é um esquema e uma volta em círculos para ambos. Mas para você, é mais ainda. Ambos no Teatro Europeu[5] como na Coreia, é bem sabido que soldados Negros têm mais dificuldade em conseguir pontos para irem pra casa.

  O que você acha que isso significa para você? Você não vê que esta guerra contra os povos de cor da Coreia é o mesmo tipo de negócio sujo como é a discriminação contra você — que é baseado na ideia de que os povos de cor não têm direito de existir a menos que eles se curvem para alguém, que eles podem ser mortos se eles ousarem a se levantar pelos seus direitos? Uma petição às Nações Unidas feita por líderes Negros Americanos colocou isso de forma clara: “Supremacia Branca em casa faz também massacres de pessoas de cor no exterior. Ambos revelam desprezo por vidas em uma pele de cor. Gasolina gelatinosa[6] na Coreia e os linchamentos em casa estão conectados”.

Soldados Negros!

 Nós não estamos dizendo que vocês não deviam ser leais aos Estados Unidos. É o seu próprio país. Mas a sua luta é dentro de casa, ao lado do movimento pela paz e do movimento trabalhista. Não é do seu interesse vir aqui e lutar outras pessoas de cor para os lucros do Big Business[7].

 Nós não estamos tentando te virar contra os soldados brancos. Eles estão no mesmo barco que vocês. Eles estão sendo mandados aqui para morrerem pelo Big Money, pelo Big Business, assim como vocês. Nós pensamos que vocês, tendo sido oprimidos, podem entender isso mais rápido que eles. Mas muitos deles estão começando a entender isso também.

Nós dizemos:

  Nenhum soldado dos EUA tem qualquer negócio na Coreia. Coreia para os Coreanos. China para os Chineses. América para os Americanos, Negros e brancos.

Nós dizemos:
 Americanos, pretos e brancos, unam-se e lutem pela paz!

 Os Chineses e os Coreanos estão lutando pelas suas próprias casas e pelas suas fronteiras. Nós não viemos cinco mil milhas através do mar para lutar. Nós não viemos até a América com bombas e armas e nem nunca iremos. Não arrisquem suas vidas aqui. Peça para ir para casa onde você pode lutar pelos seus próprios direitos como um ser humano. Deixe-nos em paz em nossas próprias casas aqui.

Seus amigos,

O EXÉRCITO POPULAR DA COREIA

O EXÉRCITO POPULAR DE VOLUNTÁRIOS DA CHINA


NOTAS

[1] Nota do tradutor: A NAACP é a sigla para National Association for the Advancement of Colored People, ou, em português Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor. Foi e é uma das mais importantes organizações antirracistas da História dos Estados Unidos, sendo fundada, dentre outras duas pessoas, pelo famoso historiador afro-estadunidense W.E.B. Du Bois em 1909.

[2] Nota do tradutor: A National Urban League foi e é uma importante organização antirracista, aqui vale lembrar que, nos Estados Unidos, há uma questão geográfica da pobreza e do racismo, os centros urbanos onde vivem comunidades negras são sinônimos de péssimas condições de vida, em comparação às “gated communities” (Condomínios fechados) da “suburbia”, os locais onde se concentram famílias brancas que possuem rendas médias e altas, lugar que foi historicamente negado à população negra por diversas formas, inclusive por lei (Como é o caso das leis de segregação conhecidas como “Leis Jim Crow”).

[3] Nota do tradutor: Seria, aproximadamente equivalente à deputados federais.

[4] Nota do tradutor: aqui a frase utilizada é “So much for your rights at home”.  A expressão “so much for” é uma expressão utilizada de forma sarcástica para mostrar que algo foi um esforço inútil.

[5] Nota do tradutor: Termo utilizado para designar as operações da Segunda Guerra Mundial na Europa.

[6] Nota do tradutor: Uma referência à bomba incendiária Napalm, que foi utilizada na Guerra da Coreia e viria a ser um símbolo do massacre no Vietnã.

[7] Nota do tradutor: A expressão “Big Business” que, traduzida ao pé da letra, quer dizer “Grande Negócio” é uma expressão utilizada para grandes e poderosos multinacionais da burguesia, assim como “Big Money” (Que será utilizada mais a frente), “Big Oil”, “Big Pharma”, etc. Traduzido ao pé da letra, querem dizer “Grande Dinheiro”, “Grande Petróleo”, “Grande Farmácia”, mas se referem aos grandes conglomerados multinacionais de seus respectivos ramos (Petróleo, Indústria Farmacêutica, Negócios, etc).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário