O dogma transgênero é ingênuo e incompatível com Freud

Por Slavoj Žižek, via Spectator Life, traduzido por Daniel Alves Teixeira

Embora os partidários do LGBT+ gostem de considerar a psicanálise obsoleta, muitos deles participam plenamente da repressão em curso dos insights básicos freudianos.Se a psicanálise nos ensinou alguma coisa, é que a sexualidade humana é imanentemente pervertida, atravessada por rodadas sadomasoquistas e jogos de poder, que nela o prazer está inextricavelmente interligado à dor. O que tiramos de muitos ideólogos LGBT + é o oposto deste insight, a visão ingênua de que, se a sexualidade não é distorcida pela pressão binária ou patriarcal, ela se torna um espaço feliz de expressão autêntica de nosso verdadeiro eu.


Basta lembrar o que aconteceu com “The Girl” (Lucas Dhont, 2018), um filme belga sobre uma menina de 15 anos, nascida no corpo de um menino, que sonha em se tornar uma bailarina. Por que esse filme provocou reações tão ferozes em alguns poderosos círculos pós-moderno-pós-gênero? A doutrina LGBT+ predominante encoraja a rejeição das identidades de gênero biologicamente e/ou socialmente dadas e advoga o auto-conhecimento e a politização das identidades individuais: “Você é livre para se definir da forma como você se sente! E todo mundo deve aceitá-lo como você se define” Isso, exatamente, é o que acontece no filme: o adolescente protagonista é plenamente encorajado a adotar “o modo como ela se sente”, sua identidade; ela é encorajada a melhorar o “ponto” no ballet (apesar das muito rígidas e difíceis normas de formação de ballet clássico), seu médico prescreve hormônios, o instrutor de ballet dá aulas particulares para ela, o pai continuamente pergunta a ela sobre seus problemas para incentivá-la a falar, e ela é até encorajada a elucidar suas fantasias para seu psicólogo e seu pai, e vemos as coisas piorando. Muitos ativistas LGBT+ atacaram ferozmente o filme por seu foco sobre os aspectos traumáticos da transição de gênero, por sua descrição dos detalhes dolorosos da mudança de sexo, alegando que ele funciona como um show de horror pornográfico -, apesar da bailarina em cuja vida o filme foi baseado ter o defendido firmemente, insistindo que retrata perfeitamente seus problemas. Nessas críticas, estamos obviamente lidando com um conflito entre a dolorosa realidade das transições de gênero e sua versão suavizada oficial que coloca toda a culpa na pressão social.

Aqui está uma versão mais feliz da transição transgênero: a Gilette foi recentemente bombardeada com elogios por publicar um anúncio em que um transgênero está aprendendo a se barbear. O anúncio mostra o artista sediado em Toronto Samson Bonkeabantu Brown enquanto ele está se barbeando “com algum treinamento de seu pai. “Eu sempre soube que era diferente. Eu não sabia que havia um termo para o tipo de pessoa que eu era. Eu entrei na minha transição só querendo ser feliz. Estou feliz por estar no ponto em que sou capaz de me depilar ”, ele diz. ‘Estou no ponto em minha masculinidade, onde estou realmente feliz. / … / Eu gravei este anúncio para a Gillette e queria incluir meu pai, que tem sido um dos meus maiores apoiadores durante toda a minha transição, encorajando-me a ser confiante e viver autenticamente como o meu melhor eu.” É preciso escutar com cuidado as palavras usadas aqui: não há construcionismo social de gênero aqui, você acaba de descobrir seu verdadeiro eu e depois tenta viver autenticamente, alcançando a felicidade sendo fiel a ele. Se o termo “essencialismo” tem algum significado, é isso. Deve-se notar também que, em ambos os casos (A Menina e o anúncio Gilette), testemunhamos um giro patriarcal estranho:, embora a transição tenha sido feita na direção oposta (homem para mulher no filme, a mulher ao homem no anúncio) é o pai (um bom, desta vez) que a observa com benevolência. Não é de surpreender que cheguemos aqui ao pai que serve de suporte à vida autêntica do sujeito, de viver fiel a si mesmo, que sempre foi a função do Nome-do-Pai. Não deveríamos então evocar aqui Lacan que disse que “qualquer abrigo no qual possa ser estabelecida uma relação temperada e viável de um sexo para o outro requer a intervenção daquele meio conhecido como a metáfora paterna”? Assim, o pai não só garante à relação viável de um sexo a outro, como também garante a passagem suave e indolor de um sexo ao outro.

Muitos observadores notaram uma tensão na ideologia LGBT+ entre construtivismo social e (algum tipo de biológico) determinismo: se um indivíduo biologicamente Identificado/percebido como o homem sente-se em sua economia psíquica como homem, ele é considerado uma construção social, mas se uma pessoa biologicamente identificada/percebida como homem experiencia a si mesmo como mulher, isso é lido como um impulso, e não como um simples construto arbitrário, mas como uma profunda identidade não negociável, se o indivíduo a exige, a demanda precisa ser suprida pela cirurgia de mudança de sexo. Na mesma linha, os jardins de infância na Noruega foram orientados para que, se um menino pequeno é visto brincando com meninas, esta orientação deve ser apoiada, ele deve ser estimulado a brincar com bonecas, etc., de modo que sua eventual identidade psíquica feminina possa se articular .

A solução freudiana é aqui bastante simples: sim, a identidade sexual psíquica é uma escolha, não um fato biológico, mas não é uma escolha consciente que o sujeito pode alegremente repetir e transformar. É uma escolha inconsciente que precede a constituição subjetiva e que é, como tal, formadora da subjetividade, o que significa que a mudança dessa escolha implica a transformação radical do portador da escolha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: