Consumo como libertação?

Por Vinicius Siqueira

O século XX é considerado como o receptáculo de uma mudança de perspectiva sobre o mundo do trabalho e da produção de mercadorias: a sociedade de produtores foi trocado por uma sociedade de consumidores, dizem Zygmunt Bauman e Gilles Lipovetsky.


Isso significa que a sociedade que dispersa seus indivíduos em através da distinção na área da produção, portanto, da posição ocupada pelo indivíduo em relação ao modo de produção, mas dentro desta primeira divisão, uma segunda feita a partir da posição em relação ao processo produtivo, é então modificada pela posição em relação às possibilidades de consumo.

Há um jeito específico de interpretar essa análise sobre a sociedade do consumo: as divisões objetivamente identificadas pelo marxismo através do corte entre detentores dos meios de produção e vendedores da força de trabalho não é anulada objetivamente. A sociedade dos consumidores trouxe um modelo de organização dos indivíduos e, acima de tudo, de formação da subjetividade individualista pós-moderna.

A organização, portanto, dispersão dos indivíduos através de suas possibilidades de consumo culmina na mistura entre o panóptico de Michel Foucault e o sinóptico de Thomas Mathiesen. Os indivíduos são, de fato, individualizados através da construção de uma subjetividade de desagregação (panóptico) e, ao mesmo tempo, seduzido a entregar suas informações e planos mais secretos através do consumo, ou seja, através da entrega gratuita e, para o consumidor, satisfatória de seus desejos, de sua conta bancária, de sua renda, de seu padrão de consumo, de seu padrão de práticas sociais em geral (sinóptico).

Zygmunt Bauman descreve a nova subjetividade nascente em seu Modernidade Líquida:

“Cabe ao indivíduo descobrir o que é capaz de fazer, esticar essa capacidade ao máximo e escolher os fins a que essa capacidade poderia melhor servir – isto é, com a máxima satisfação concebível. Compete ao indivíduo “amansar o inesperado para que se torne um entretenimento”

Um consumidor é, de certa forma, um indivíduo portador de todas as escolhas que seu poder aquisitivo possa dar. Em resumo: escolhe quem consome, consome quem tem dinheiro, logo, escolhe quem tem dinheiro. Para além: se escolhe sozinho.

Até agora, é possível entender que a sociedade de consumidores ainda é cindida por classes sociais definidas através da posição ocupada pelo indivíduo em relação ao modo de produção, mas é organizada, dispersada e, claro, hierarquizada microscopicamente através do consumo.

Dito isso, é possível utilizar como gancho a ingênua aposta de Lipovestky sobre a sociedade do hiperconsumo. Para o autor, o desencaixe da sociedade pós-moderna e o foco no consumo poderiam render liberdade para destinos não sonhados até então.

Junto a isso, o segundo gancho é o artigo de Edson Mendes ao Lavra Palavra, em que o autor explica a posição do capital financeiro a respeito das lutas LGBT:

Wall Street não perde tempo. E se a maré vira, eles viram junto. Apesar de não importar para quem lucra se quem é motorista da Uber superexplorado, por exemplo, é gay, lésbica, bissexual ou trans, o capital financeiro não vê problemas em patrocinar movimentos conservadores e reacionários nos países periféricos, reafirmando de vez a divisão internacional do trabalho.

O motorista superexplorado do Uber não é um trabalhador do setor produtivo. É um trabalhador do setor de serviços. É um consumidor com emprego fora da produção. É um indivíduo já desligado da perspectiva da produção e inserido completamente na organização da sociedade do consumo. Sua função é ser trampolim para consumidores do aplicativo.

Na medida em que a libertação dos trabalhadores através do consumo não é propagandeada como possibilidade na dita pós-modernidade, é necessário agarrar o exemplo mais utilizado (e seus correlatos), foco do artigo de Mendes: a libertação LBGT acontece através do consumo?

A resposta óbvia através da leitura deste artigo é: o consumo não é libertador. Mas é necessário enriquecer esta afirmação com um incremento mórbido. O consumo não só não é libertador, como também é aprisionador.

Mas este incremento não pode ser lido com viés moral. O aprisionamento não se encontra em um tipo específico de anestesia psicológica. O aprisionamento está na posição ocupada por aqueles que fazem o consumo ser realizado.

Ninguém liga se o motorista do Uber é gay. Pior, acreditam que a superexploração do motorista do Uber é positiva e, de certa forma, política. Talvez o melhor exemplo seja o Lady Driver, app de corridas com motoristas mulheres para clientes mulheres. Parte de sua descrição é: “Somos irmãs, mães, filhas, esposas e trabalhadoras. Somos mulheres! Acreditamos no empoderamento feminino e na nossa capacidade de ganhar o mundo“.

Pode-se dizer, embora seja arriscado, mas vale como hipótese, que o consumo como libertação só é possível na dita pós-modernidade na medida em que o ato do consumo individual é o horizonte mais próximo de uma ação coletiva. De certa forma, na lógica do consumo como liberdade, a ação de libertação acontece na frágil ligação entre consumidor e mercadoria.

Se o Uber não liga se o motorista superexplorado é gay, o consumidor não liga se o motorista gay é superexplorado.


* Vinicius Siqueira é editor do portal Colunas Tortas.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: