Cinco mitos imperialistas sobre o papel da China na África

Por Nino Brown, via Liberation School, traduzido por Guilherme Laranjeira

“Qual país da África é politicamente dirigido pela China? Nenhum. Existe um país africano com uma base militar chinesa, Djibouti, mas suas políticas não são dirigidas por Pequim. Embora hajam, indiscutivelmente, exemplos de produtos chineses sendo despejados em países africanos, nenhum país foi obrigado a excluir “produtos de concorrentes de outros lugares.” A China não controla nenhum sistema bancário africano. Países africanos começaram a adotar o yuan chinês como uma moeda estrangeira de reserva, mas fizeram isso como uma forma de diversificação, se distanciando da dependência do dólar e do euro. “


Preparando o palco para o “confronto de potências”

Que a China é uma potência em ascensão é inegável. Desde sua fundação em 1949, a República Popular da China passou por diversas mudanças substanciais em suas políticas econômicas e sociais, em resposta tanto à situação interna, em constante evolução, quanto aos obstáculos e desafios internacionais. Ao longo do caminho, a China tirou 800 milhões de pessoas da pobreza, aumentou salários e o padrão de vida, aumentou também a expectativa de vida (até mesmo acima da expectativa de vida dos EUA), e está se afirmando na arena internacional para o desalento do imperialismo estadunidense. No período de sete décadas, China foi de um país semi-feudal, semi-capitalista e pobre, colonizado e partilhado por diversas nações imperialistas, para a maior ou segunda maior economia do mundo, dependendo de como você for medir.

O crescimento chinês está causando um alarmismo e uma ansiedade por parte, principalmente, dos governos ocidentais. Por quê? China cresceu dentro das regras e instituições estabelecidas pela economia global capitalista, primeiro, alavancando sua força de trabalho massiva e instruída para atrair investimentos estrangeiros, como um “chão de fábrica“ do mundo, e depois se transformando, cuidadosamente, em um centro de alta tecnologia, e desenvolvendo um crescente mercado consumidor interno. Isso tem sido guiado de perto pelo estado, que coloca muitas condições em investimentos estrangeiros, responsáveis pelo aumento gradual da capacidade tecnológica e produtiva da China. Priorizando a estabilidade e o desenvolvimento nacional na política interna e externa, a China registra maiores taxas de crescimento anual do que qualquer outro país, ano após ano. Outra característica de sua ascensão era que, em comparação com os Estados Unidos, a China dedicava uma parte muito pequena de sua economia nacional à guerra e ao militarismo. Isso foi possível graças a um relacionamento amigável de longo prazo com o Ocidente – comparado, por exemplo, com a União Soviética que dedicou grandes parcelas de seu orçamento em gastos militares durante a Guerra Fria.

O capitalismo ocidental por décadas não tentou impedir esse desenvolvimento. Afinal, a China não interferia significativamente na ordem mundial unipolar dominada pelos EUA depois da queda da URSS. A abertura e os investimentos massivos na China retornaram enormes lucros ao capitalismo ocidental – em algumas maneiras, ressuscitando-o da prolongada recessão dos anos 70.

 Então por que a classe dominante estadunidense vê agora a China como uma ameaça existencial à ordem econômica e política mundial?

 A relação mudou. O ponto de inflexão já passou. Enquanto a China e o Ocidente continuam profundamente conectados em suas relações econômicas – criando uma tendência em prol da estabilidade na relação – China se tornou politicamente mais assertiva e sua economia cresceu. Mais do que isso, seu crescimento tem sido tão espetacular e prolongado, agora se estendendo para as tecnologias mais inovadoras, tecnologias cujo o Ocidente assumiu o monopólio por um longo tempo, que ela pode se tornar o principal dirigente da economia global. Os imperialistas estadunidenses estão fazendo tudo em seu poder para que o séc XXI não acabe sendo o “Século Chinês”, em vez do “Novo Século Americano” que eles tanto sonharam ver.

O crescimento da China por si só garante um antagonismo crescente com o imperialismo estadunidense – não suas políticas neste ou naquele país, ou seu registro de direitos humanos. Não importa o caráter da liderança interna chinesa ou de suas políticas internacionais, considerando seu tamanho, a China não pode ser reduzida à um fantoche ou pequeno parceiro do Ocidente. Ela não pode se encaixar no “Consenso de Washington” – isto é, a meta bipartidária de dominação global não controlada por parte dos EUA. Isso é importante afirmar porque é preciso sempre tentar identificar as relações políticas mais profundas por trás das manchetes do momento.

 O Pentágono e o establishment da política externa têm reorientado o poder norte-americano para uma era de “confronto de potências”. Essa reorientação está prescrevendo o conflito em um nível estratégico, não momentâneo ou meramente tático. É assim que os estrategistas do imperialismo estadunidense vêem todo esse período histórico, independentemente de ser um Republicano ou um Democrata na Casa Branca, ou Xi jinping ou qualquer outra pessoa no poder de Pequim.

O Pentágono caracteriza a China agora como uma ameaça mais séria do que o “extremismo islâmico” e que a “guerra ao terrorismo”. O Secretário de Estado Mike Pompeo, quando atuava como chefe da CIA, declarou que a China é uma maior ameaça à segurança nacional estadunidense do que a Rússia e o Irã, dois outros obstáculos ao imperialismo, que, inclusive, confrontaram os objetivos imperialistas norte-americanos mais diretamente nos campos de batalha do Oriente Médio.

Essa é a estrutura estratégica e o plano de fundo para a enxurrada de declarações, documentos, artigos de jornais e (des)informações sobre a China. Nos EUA, a ofensiva combinada da classe dominante contra a China garante que esta seja cada vez mais alvejada com demonizações de todos os tipos na mídia, tanto liberal como conservadora. “Russiagate” começou a se transformar em “Chinagate” com histórias fantasiosas da China minando a “democracia” dos EUA.

Essa propaganda não é nada além do que o  componente ideológico e “soft-power” da estratégia militar do “confronto de potências”. Todas as guerras e confrontos requerem pretextos e a demonização do inimigo. Na era moderna, eles normalmente exigem pretextos humanitários. Nos Estados Unidos, essa apresentação do “inimigo estrangeiro” é tipicamente embasada também no racismo.  No período atual, portanto, os progressistas anti-guerra e os trabalhadores com consciência de classe devem estar atentos para identificar esses padrões de demonização, humanismo falso, e racismo na cobertura da China. Eles estam preparando a população estadunidense para a guerra.

Nenhum elemento dessa cobertura é mais dúbio e hipócrita do que aqueles que lidam com a China e a África. Em um período de 10 anos, de 2000 à 2010, a China passou de um parceiro comercial relativamente pequeno com a África para seu principal parceiro econômico. O comércio total chegou a 10 bilhões de dólares em 2000 e, recentemente, superou os 220 bilhões de dólares. Muitos dos negócios são acordos de longo prazo; isso não é apenas um fenômeno passageiro. Essa conexão econômica está ocorrendo no contexto de uma grande mudança demográfica mundial: a participação da África na população mundial deverá aumentar para 38% em 2100 (em comparação com os apenas 9% em 1950). Se as nações da África – com seus vastos recursos naturais e mercados em expansão – fossem se reorientar decisivamente para a China, isso alteraria drasticamente a atual correlação de forças global.

E portanto, os mesmo países que escravizaram, pilharam e colonizaram o continente africano por séculos, estão agora inconformados e choram por causa do “colonialismo e imperialismo chinês”. Poucos considerariam Mike Pence, Hillary Clinton e Steve Bannon campeões do anti-colonialismo, mas, quando se trata da China na África, todos recorrem à essa fraseologia. As distorções foram repetidas tantas vezes na mídia burguesa, pelos políticos estadunidenses e em comités das Nações Unidas dominados por representantes dos EUA, que se tornou praticamente “conhecimento comum”, atingindo inclusive setores progressistas, de esquerda, e até alguns espaços da Libertação Negra.

Pegue de exemplo a descrição a seguir:

“O que eles [chineses] estão fazendo na África subsaariana é capitalismo predatório. Eles entendem que muitos dos empréstimos, os projetos que eles estão financiando, nunca serão capazes de pagar de volta o fluxo de dinheiro que sai da China. Eles pretendem encerrar e obter um controle muito mais ativo em alguns desses países.”

Essas palavras vêm de Steve Bannon, o ex-principal conselheiro de Trump. Mas elas poderiam ter sido proferidas por muitos da esquerda também.

Considerando a expansiva guerra comercial contra a China, a crescente possibilidade de conflito militar direto, e as ondas de propaganda anti-China despejadas a todos nós, é um imperativo começar a esclarecer a relação entre China e África. O que se segue nesse texto são investigações dos cinco principais mitos sobre o papel da China na África, temas que ganharam muita atenção nas discussões progressistas. O objetivo aqui não é apresentar uma análise final e compreensiva sobre a complexa dinâmica China-África, mas sim refutar alguns pontos comuns da fraseologia imperialista, e, ao fazê-lo, demonstrar a importância da pesquisa, do escrutínio, e da busca de fontes não ligadas à mídia ocidental.

Não é necessário concordar com todos os pontos de vista do Partido Comunista Chinês (PCCh), ou defender todas as políticas internas e externas, a fim de reconhecer que os principais argumentos usados para acusar a China de “colonialismo” são mitos.

Isso não significa que não tenha havido inequalidades ou exemplos de abuso em alguns acordos ou práticas particulares. E, é claro, todo comércio internacional entre lados de tamanhos e mercados muito diferentes pode reproduzir uma dinâmica desigual na medida que o comércio é conduzido numa base burguesa, onde cada lado busca os mais favoráveis termos para si, mesmo um sempre possuindo mais poder e vantagens. Entretanto, mesmo essa conclusão precisaria ser qualificada no caso do comércio China-África; para cada exemplo de um acordo comercial desequilibrado, pode-se encontrar outro onde a China apresenta termos excepcionalmente favoráveis aos países africanos – não necessariamente por causa de convicção ideológica ou de caridade, mas porque a China vê a independência e o acelerado desenvolvimento econômico africano em seus planos estratégicos de longo prazo.

Isso, por si só, já é uma base de diferença entre como as potências europeias e norte-americanas consideram e se relacionam com a África.

Mito 1: investimentos chineses meramente repetem padrões “neocoloniais”

Primeiro, o que é neocolonialismo? Em 1965, em sua análise pioneira do problema “Neocolonialismo: estágio superior do Imperialismo” [tradução livre], Kwame Nkrumah ofereceu a seguinte definição:

“A essência do neocolonialismo é que o Estado que está sujeito a ele é, em teoria, independente e tem todas as aparências externas de soberania internacional. Na realidade, seu sistema econômico e, portanto, seu sistema político, são dirigidos de fora.”

 “Os métodos e a forma dessa direção podem se dar de vários jeitos. Por exemplo, em casos extremos, as tropas do poder imperial podem guarnecer o território do Estado neocolonial e controlar seu governo. Mais frequentemente, porém, o controle neocolonialista é exercido por meios econômicos ou monetários. O Estado neocolonial pode ser obrigado a importar os produtos manufaturados da potência imperialista, excluindo competidores com o mesmo produto, de outros lugares. O controle sobre as políticas de governo no Estado neocolonial pode ser assegurado por pagamentos direcionados aos custos de funcionamento do Estado, pela provisão de funcionários públicos em posições onde possam ditar a política, e pelo controle monetário sobre a moeda estrangeira através da imposição de um sistema bancário controlado pelo poder imperialista.”  

Qual país da África é politicamente dirigido pela China? Nenhum. Existe um país africano com uma base militar chinesa, Djibouti, mas suas políticas não são dirigidas por Pequim. Embora hajam, indiscutivelmente, exemplos de produtos chineses sendo despejados em países africanos, nenhum país foi obrigado a excluir “produtos de concorrentes de outros lugares.” A China não controla nenhum sistema bancário africano. Países africanos começaram a adotar o yuan chinês como uma moeda estrangeira de reserva, mas fizeram isso como uma forma de diversificação, se distanciando da dependência do dólar e do euro.

Indo além da definição técnica, quais os resultados do neocolonialismo? Nkrumah diz:

“O resultado do neocolonialismo é que o capital estrangeiro é usado como forma de exploração, e não como uma forma de desenvolvimento das partes menos desenvolvidas do mundo. Investimentos sob o neocolonialismo aumenta, em vez de diminuir, a diferença entre os países mais ricos e mais pobre.”

É isso que tem ocorrido? Analisando em sua totalidade, está o comércio chinês aprofundando a desigualdade da África em relação ao Norte Global, ou ajudando a resolvê-la? O comércio China-África levou a um desenvolvimento significativo ou simplesmente à extração e exploração de acordo com a antiga forma colonial?

Diferente dos estados imperialistas ocidentais, a China investe consideravelmente em tecnologia e infraestrutura na África. Por exemplo, a China desempenhou um papel fundamental nos principais projetos ferroviários, como um que liga Nairobi e Quênia ao maior porto de Mombaça, e um entre a capital etíope, Adis Abeba, e os portos no país de Djibuti.

Existe um projeto chinês similar designado à ligar o Mali à costa da África ocidental através do Senegal.

O “Brookings Institute”, nem um pouco amigo da China, notou numa análise de acordos ferroviários: “Os benefícios dos projetos ferroviários nos países africanos são óbvios. Transporte se torna mais fácil, rápido, e barato; infraestrutura é construída; trabalhos e receitas são gerados; projetos economicamente relacionados são estimulados. Tudo isso não teria sido possível sem o financiamento e os contratos chineses.”

China liderou a construção de barragens elétricas em mais de 10 países africanos, ganhando recentemente o contrato para um grande projeto na Etiópia. Em 2015, a China terminou a construção de uma grande barragem na Guiné um ano antes do previsto, ajudando a resolver as falhas crônicas de eletricidade; eles o fizeram apesar do surto de Ebola que levou a maioria das empresas e funcionários ocidentais a deixar o país. Além de transporte ferroviário e da eletricidade, a China é também a vanguarda da conexão aérea no continente, financiando uma série de aeroportos em vários países.

Em 2018, a China e 47 nações, principalmente, subsaarianas anunciaram uma parceria intitulada “10,000 vilas”, destinada a aprofundar a penetração dos serviços de televisão via satélite nos países. A título de exemplo, em Ruanda, 6,000 pessoas em 300 vilarejos terão acesso à televisão por satélite, com planos, ainda, de treinar centenas de engenheiros para ajudar a gerenciar a instalação e o lançamento.

Em uma nota similar, a China anunciou esse ano que ela cobriria a maior parte do custo para o primeiro satélite da Etiópia, o que segue a tendência de um acordo similar entre China e Nigéria no último ano de lançar dois satélites.

Todos esses esforços, é claro, trazem sua parcela de contradições. Mas chamá-los de “coloniais” ou “neocoloniais” servem mais para obscurecer-los do que para explicar-los. Os investimentos, empréstimos e doações da China são voltados contra os padrões neocoloniais e oferecem, objetivamente, oportunidades para que muitas nações africanas dêem um fim total à dependência do Norte, aumentando suas próprias capacidades econômicas e, por consequência, sua posição nas negociações com o ocidente.

Uma motivação para o aumento do comércio com a China, vinda da África, foi o impacto da crise econômica de 2008 que emergiu nas economias imperialistas ocidentais e se espalhou mundo afora. Esse colapso afetou profundamente as nações africanas por conta de sua dependência em relação ao Ocidente e ao dólar estadunidense. Os credores ocidentais cobraram suas dívidas, os investidores realocaram seu dinheiro para investimentos “mais seguros”, e muitas nações africanas venderam ativos para levantar o dinheiro necessário para manter o governo em pé.

Apesar do nível de integração da China com o Ocidente, em contraste, ela utilizou uma variedade de mecanismos de planejamento e estímulo para resistir a essa tempestade (enquanto o Ocidente impôs uma austeridade brutal). Muitos países africanos aprenderam essa lição e passaram a desenvolver suas relações com a China como uma forma de criar uma camada de proteção e independência quando outra crise atingir os países imperialistas centrais.

Até que ponto cada um dessas negociações e acordos de infraestrutura são uma “rede positiva” para trabalhadores e camponeses da África é uma questão além do escopo deste artigo. Esse julgamento exigiria um exame caso-a-caso, e as forças da classe operária e da esquerda no continente podem, é claro, se opor ou apenas cautelosamente aceitar certos acordos negociados por seus governos burgueses.

Uma questão decisiva na avaliação de cada situação é, muitas vezes, o caráter dos governos africanos em questão: quais suas estratégias, prioridades e demandas, e em que medida atua no interesse das classes populares ou, em contraste, no de pequenos capitalistas, ao entrar em negociações com a China. Uma vez que é impossível generalizar e afirmar que todo acordo com a China é bom ou ruim para a classe trabalhadora africana, é errado generalizar que esses novos acordos são uma nova face do neocolonialismo.

Mito 2: empresas chinesas apenas empregam trabalhadores chineses

 O ex-presidente Barack Obama e seu vice-presidente Joe Biden apontaram para a China durante a reunião Africa-EUA de 2014 reivindicando esse ponto, que foi repetido muitas vezes desde então. Joe Biden disse que a “América está orgulhosa da medida que nossos investimentos na África andam de mãos dadas com nossos esforços de contratar e treinar os moradores locais para promover o desenvolvimento econômico e não apenas extrair o que está no chão.” O Secretário de Estado John Kerry prosseguiu com uma questão retórica, “quantos chineses vieram fazer o trabalho?”

Essas acusações condizem com a realidade?

Depois de pesquisar 1,000 empresas chinesas na África, a consultoria da McKinsey observou: “89 por cento dos funcionários eram africanos, somando mais de 300,000 empregos para os trabalhadores africanos. Escalados em todas as 10,000 empresas chinesas na África, esses números sugerem que os negócios chineses já empregam vários milhões de africanos.”

De acordo com uma pesquisa conduzida pela China-Africa Research Initiative (Iniciativa de Pesquisa China-África), “os habitantes locais são mais de quatro quintos dos funcionários em 400 empresas e projetos chineses, perpassando mais de 40 países africanos.” Além disso, “pesquisas de emprego em projetos chineses na África mostram, repetidamente, que três quartos ou mais dos trabalhadores são, de fato, locais.”

Os fatos simplesmente não sustentam esse ponto principal da mídia mainstream sobre as relações sino-africanas. Existem, sem dúvidas, injustiças e abusos em locais de trabalho de negócios pertencentes a cidadãos chineses – assim como de capitalistas de qualquer outra nação que faz negócios na África; isso se verifica sempre que o capital e o trabalho se confrontam com interesses irreconciliáveis.

Além disso, o discurso em torno desta questão trata da capacidade dos governos africanos de restringir ou reduzir as proporções de contratações locais e de gerentes chineses. Nos casos de Angola e da República Democrática do Congo, por exemplo, o nível de contratações chinesas depende das políticas do governo local, e não das políticas chinesas.

Mito 3: a China está empenhada em apropriações massivas de terras

 A China possui nove por cento da terra arável do mundo, seis por cento de sua água e mais de 20 por cento de sua população. A estratégia de “ser global” da China, portanto, é necessariamente voltada para suas próprias necessidades internas. Entretanto, as afirmações constantes de que a China está engajada em enormes apropriações de terras não condiz com a realidade.

Deborah Brautigam e seu time de pesquisadores investigaram esse problema como uma parte de um projeto de pesquisa sobre a China e a África da Universidade Johns Hopkins, e publicaram um livro intitulado “Irá a África alimentar a China?” [tradução livre] depois de três anos de trabalho de campo em mais de 12 países africanos. Eles descobriram que a China possuía ou alugava “menos de 700.000 acres” de terra na África, muito menos do que os 15 milhões de acres relatados pela imprensa ocidental. Além disso:

 “As maiores fazendas chinesas existentes eram plantações de açúcar, borracha e sisal. Nenhuma delas cultivava alimentos para exportar a China. E, enquanto países como a Zâmbia agora abrigam dezenas de empresários chineses que cultivam terras e criam galinhas para os mercados locais, não achamos vilas de camponeses chineses. “

Em uma pesquisa posterior eles descobriram que esse processo tem sido altamente desigual de país para país. A partir de 2016, 41% das compras de terras africanas pela China ocorreram em apenas um país.

Em vez de a China roubar terras e recursos para si própria, é mais correto afirmar que os projetos de infraestrutura financiados pela China aumentam a possibilidade dos interesses agrícolas africanos venderem produtos para a China e outros países no mercado mundial. Vale a pena notar que grandes subconjuntos da indústria do agronegócio nos Estados Unidos, na Austrália e no Brasil – dificilmente “colônias” chinesas – também são altamente dependentes dos consumidores chineses.

Mito 4: a China está trabalhando para prender as nações africanas em dívidas

 De acordo com uma pesquisa feita por acadêmicos da Universidade de Boston e da Universidade John Hopkins, de 2000 a 2015, a China emprestou às nações africanas pelo menos 95.5 bilhões de dólares. Esse é um grande número. No entanto, a dívida chinesa só pode ser analisada em relação à dívida total da África. Os empréstimos chineses de 2000 a 2016 representavam apenas 1,8% das dívidas externas da África.

Nós devemos questionar a alegação de que os empréstimos chineses são “armadilhas” destinadas a forçar as nações africanas a cederem sua soberania ou a serem extorquidas pelo governo chinês.

Pesquisas mostram que os empréstimos chineses não são especulativos ou atrelados a projetos de privatização ou “ajustes estruturais”, como são, normalmente, os empréstimos do FMI. A grande maioria desses empréstimos auxilia a compensar as deficiências no financiamento de infraestrutura. Um artigo da Washington Post, excepcionalmente honesto, explicou: “Em um continente onde cerca de 600 milhões de africanos não têm acesso a eletricidade, 40% dos investimentos chineses pagaram por geração e transmissão de energia. Outros 30% foram destinados a modernizar a precária infraestrutura de transporte da África.”

O que é omitido ou mistificado na maioria dos artigos sobre empréstimos chineses é que a África já estava presa em uma “armadilha de dívida” dos mesmo países que apontam o dedo para a China: os estados imperialistas ocidentais.

O Ocidente dizimou nações africanas ao longo das décadas de 1980 e 1990 com planos neoliberais de ajustes estruturais, que empurraram a austeridade sobre nações que já eram pobres, forçando-as a tomar empréstimos com juros impossíveis de serem pagos, e, além disso, empréstimos presos a condições fundamentalmente neocoloniais: eles [o ocidente] determinam qual governo é “bom” e qual é “ruim”, mantendo qualquer ajuda para essas nações africanas essencialmente sob a mira desta arma.

Sem se estender muito para fora do escopo deste artigo, isso também aconteceu recentemente no Sri Lanka, onde o país entregou um importante porto para o controle chinês. Apesar dos relatos da imprensa ocidental, foram as onerosas e acumuladas taxas de juros dos empréstimos ocidentais – e não dos chineses – que causaram a crise financeira do Sri Lanka. O Sri Lanka estava pagando seus empréstimos chineses no prazo (a China representa apenas 15% de sua dívida externa). A fim de não deixar de pagar suas dívidas para o Ocidente, e para escapar das condições rigorosas de receber novos empréstimos do FMI, o Sri Lanka tem buscado novos empréstimos a juros baixos e conversões da dívida em capital com a China e a Índia. Isso – e não é uma armadilha predatória da dívida – é o que levou ao arrendamento do porto.

Em paralelo com o Ocidente, os empréstimos da China na África são, em grande parte, uma mistura de empréstimos com juros zero ou a juros baixos, às vezes com planos de pagamentos de décadas. Alguns são concessionais e re-negociáveis, bem como vinculados ao sucesso real e à produtividade dos projetos.

Grande parte do envolvimentos da China estão construindo “indústrias de valor agregado”, que permitiriam que as nações africanas começassem a acumular as forças produtivas necessárias para a transição a setores de maiores salários. Isso, por sua vez, fomentou o desenvolvimento de mais empresas nativas, em vez de depender da mão-de-obra chinesa para a montagem de produtos finais.

Um exame da relação credor-devedor à medida que se desenrola com a China e a África, refuta a propaganda da armadilha da dívida. Como Tim Hancock escreveu recentemente sobre o estudo do Grupo Rhodium acerca de 40 casos de empréstimos chineses para o exterior: “A vantagem da China continua limitada, com muitas das renegociações beneficiando o mutuário. Dispensas de dívidas foram encontradas em 14 casos, adiamentos em 11 casos, e refinanciamentos e mudanças nos termos da dívida na maioria dos outros casos”.

O estudo concluiu que o “perdão total da dívida” foi o resultado mais comum das renegociações de dívidas, e que as apreensões do ativo eram “muito raras”. O crescente padrão de perdão da dívida visa estimular a boa vontade e maior abertura à China no continente. Da perspectiva chinesa, a criação de duráveis parcerias económicas Sul-Sul e acordos comerciais de longo prazo na África são bem mais valiosos do que interesses financeiros de curto prazo.

Mito 5: China visa os estados africanos com abundantes recursos naturais e governados por ditadores

 O comércio e a assistência chinesa têm sido politicamente incondicionais e não carregam as mesmas restrições que os governos imperialistas ocidentais. Evidências sugerindo que a China visa, especificamente, nações africanas com governos ruins e com abundantes recursos naturais são inexistentes. Desde que o país reconheça a política de “Uma China” (com relação a Taiwan), a China se envolve com quase todos os países da África Subsaariana.

Cinco das dez principais nações que recebem investimentos chineses (Egito, Ilhas Maurício, Tanzânia, Etiópia e Madagascar) não são países “ricos em recursos”. De acordo com um relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), o investimento chinês direto na África “não foi particularmente desviado para o setor de recursos naturais em comparação com o internacional.”

Em seus acordos comerciais, a China não parece favorecer qualquer nação pela forma ou ideologia de seu governo. Desde 1964, o primeiro-ministro da China, Zhou En Lai, enfatizou que, em seus negócios com países africanos, não seriam anexadas condições políticas – e esse é o princípio repetido consistentemente nos jornais chineses e nas conferências internacionais de hoje. A China tem interesse em modelar esse tipo de conduta, uma vez que enfrenta constante interferência política do ocidente.

Alguns analistas destacaram que esse princípio permite que estados repressores sedimentem sua ditadura, ou ainda permita que líderes africanos de direita obtenham legitimidade promovendo projetos de infraestrutura como conquistas econômicas simbólicas, enquanto a grande maioria da população permanece na pobreza. Não há dúvida de que um amplo espectro de forças políticas na África, incluindo governos antipopulares e contra-revolucionários, tentaram tirar proveito  dos acordos econômicos chineses para seus próprios fins.

Mas esse fenômeno não se trata, fundamentalmente, da China. Na Zâmbia, por exemplo, a presença econômica chinesa e a imigração cresceram aos trancos e barrancos, e a atividade econômica apoiada pelos chineses acelerou os padrões existentes de corrupção governamental. Isso estimulou alguns sentimentos anti-China entre os pobres e trabalhadores da Zâmbia. Forças populares e de esquerda, no entanto, têm procurado direcionar as críticas de volta ao governo burguês da Zâmbia, que está por trás desses acordos. Em um discurso recente na cidade de Nova York, o líder do Partido Socialista da Zâmbia, Cosmas Musumali, alertou contra a xenofobia anti-China, explicou que uma Zâmbia socialista necessitaria de parcerias com a China, e reiterou: “Nós não temos um problema chinês – nós temos um problema de governo.”

   

                       

3 comentários em “Cinco mitos imperialistas sobre o papel da China na África

Adicione o seu

Deixe uma resposta para Gabriel Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: