A recusa do Partido Comunista Grego em participar em um governo burguês

Por Aleka Papariga, via Communist Review 2013, 2 (revista teórica do KKE), traduzido do grego por In Defense Of Greek Workers, traduzido ao português por Pelo Antimperialismo, revisado por Gabriel Landi Fazzio

“Depois de cada tal período de participação, os PCs perderam o poder em benefício da social-democracia; eles foram enfraquecidos, precisamente porque eles eram vistos como tendo compartilhado a responsabilidade, mas também porque a parceria com a social-democracia exerce uma pressão maior sobre PCs do que eles podem exercer sobre a social-democracia. […]

O poder popular é uma solução política e governamental; daí que o KKE e o Movimento não estejam limitados por uma luta de oposição, uma luta para causar danos aos governos burgueses sem ter uma proposta alternativa para o poder.”


Em primeiro lugar, permitam-me elaborar sobre a rica experiência que KKE tem acumulado da sua participação nos governos burgueses, uma experiência que é ainda mais rica quando vista do contexto mais amplo da Europa. Isso não diz respeito a casos muito especiais, mas os fatos e resultados que oferecem conclusões generalizáveis e que confirmam uma coisa: que no período da transição do capitalismo ao socialismo um PC (Partido Comunista) não tem nenhuma razão para assumir a responsabilidade de um governo burguês ou, mais genericamente, em um governo de gestão burguesa. Porque enquanto a classe trabalhadora e seus aliados não tomaram o poder em suas mãos, o PC deve ser um poder de oposição e usar essa posição para aprovar o seu papel de vanguarda no movimento, explorando, claro, todas as formas disponíveis de luta – incluindo o parlamento burguês.

A participação num governo burguês é um erro que não pode ser facilmente corrigido e que pode ser de impossível reparação.

A primeira experiência que obtivemos diz respeito à participação do KKE no governo formado após a libertação da Grécia dos invasores alemães, italianos e búlgaros. Um político burguês, Giorgios Papandreou (o pai e avô de dois Primeiros Ministros gregos subsequentes, líderes da social-democracia), foi empossado para formar um governo depois de ele ter sido escolhido pelo rei e pela Grã-Bretanha, ao lado da qual a burguesia da Grécia há muito se havia ligado. Ele foi selecionado porque ele tinha a sua confiança total, porque eles descobriram que, usando maquinações políticas e conspirações, ele seria capaz de lidar com a correlação de forças do pós-guerra, que era de vantagem para o KKE e dos patriotas militantes da Resistência Grega, e que ele iria levar a uma estabilização burguesa.
Estes desenvolvimentos começaram a desenrolar-se em Abril de 1944, antes da Grécia ser libertada. Giorgios Papandreou tinha conscientemente se distanciado da luta do povo grego contra a ocupação estrangeira; ele recusou firmemente as propostas do KKE e do EAM para a unidade e para a sua participação na Resistência. Desde 1943, ele estava a enviar relatórios para o governo britânico, com os quais ele estava a proclamar a sua lealdade para com ele, e, claro, a sua vontade de colaborar contra a resistência nacional armada que o KKE liderava, com o objetivo de impedir uma vitória popular, como ele conseguiu fazer.

A aprovação dada para formar este governo também foi baseada no compromisso inaceitável que o KKE – o partido heroico, que sacrificou o seu sangue e foi líder da resistência – juntamente com a liderança da Resistência Nacional se submetessem no momento em que (antes do final da guerra em meados de Abril de 1944) eles fizeram um acordo para formar um governo de união com as forças políticas burguesas – coordenadas pelo Quartel-General Estratégico Britânico do Médio Oriente. Os enviados que foram ao Cairo, Egito, para assinar o acordo aceitaram a participação do EAM e do KKE no governo de pós-guerra. O acordo violava a correlação de forças e os princípios da luta de libertação nacional, que desde o início tinham colocado a questão do resultado da luta em direção à democracia popular.

O Bureau Político do Comitê Central do KKE caracterizou os compromissos dos seus emissários, que não respeitaram as diretivas relevantes, inaceitáveis, mas o governo provisório, que tinha sido formado na Grécia, e que também constituiu uma expressão de aliança do KKE, viu o acordo como necessário. O que se seguiu foram fúteis esforços para melhorar o acordo e finalmente o CC do KKE, que reuniu em 2 e 3 de Agosto de 1944, aprovou-o. O consenso do CC do KKE levou à participação no governo de Giorgios Papandreou na base do seguinte argumento: a falta de participação fortaleceria as partes mais extremas que procuravam destruir a unidade e impor um regime antipopular, provocando uma guerra civil aberta. O KKE colocou em primeiro plano como o seu objetivo principal a obstrução das forças que tinham uma tendência fascista e antipopular. A assinatura do acordo deu aos imperialistas britânicos a capacidade objetiva de fazer avançar os seus planos com sucesso, de esmagar o movimento de resistência nacional e dar apoio armado à orgia de assassinatos contra o KKE. Um compromisso levou a outro, a novos acordos que deram aos partidos burgueses a oportunidade de voltar para o aparelho burguês e restaurar os mecanismos quebrados do poder burguês, tais como o exército “nacional” – um processo que levou vários anos e que deu oportunidade à burguesia, que naquela época não possuía legitimidade popular, de formar um sistema político e partidário que foi capaz de subverter a correlação de forças, transformando-a contra o povo.

Naturalmente, a política equivocada do partido, a sua participação no governo burguês do pós-guerra, não foi um erro momentâneo. A nossa avaliação como KKE hoje relaciona-se com a estratégia do partido, que naquele momento não envolvia qualquer capacidade de prever nem qualquer da estabilidade necessária para ligar a guerra contra o invasor com a luta pelo poder político. A liderança do KKE e a liderança do movimento de Resistência Nacional não previram, não viram o perigo que as forças burguesas no país constituíam para o povo, mesmo que elas se tenham momentaneamente desorganizado; nem eles levaram em consideração as atividades britânicas contra movimento social do nosso país. Então, eles não avaliaram adequadamente a questão estratégica e não estavam preparados para isso.

Durante os anos 1940, o KKE levou a cabo autocrítica pública pelos seus compromissos inaceitáveis; resistiu ao terror anticomunista, que foi não apenas ideológico, mas envolveu perseguições, execuções, assassinatos e perdas de forças comunistas. A perseguição assassina do KKE levou à formação do Exército Democrático da Grécia, levou aos três anos da guerra civil que constituiu e constitui ainda, o apogeu da luta de classes grega, e que nos deixou com um importante legado, independentemente da derrota que veio a suceder como resultado da correlação de forças negativa e da intervenção imperialista norte-americana.

O facto de que o KKE não avaliou corretamente os desenvolvimentos pouco antes e logo após o fim da guerra, que não conseguiu fazê-lo como resultado de problemas na sua estratégia, o facto de que ele não avaliou como devia as intenções dos imperialistas britânicos, isso não anula a sua contribuição insubstituível para os anos de resistência nacional, para a libertação da Grécia.

Na era pós-guerra, a experiência europeia da participação de PCs em governos burgueses – geralmente formados sob a pressão de fatores e condições objetivas ou como resultado de ilusões parlamentares e acima de tudo, sob a influência e hegemonia das ideias e práticas oportunistas – é exclusivamente negativa. Partidos Comunistas na França e na Itália, a partir do final da Segunda Guerra Mundial e até há alguns anos atrás, participaram em governos burgueses. Não temos um único exemplo que possa confirmar que, graças a isso, a vida das pessoas mudou radicalmente, ou que eles conseguiram reduzir os compromissos e bloquear a direção política seguida pela social-democracia. Depois de cada tal período de participação, os PCs perderam o poder em benefício da social-democracia; eles foram enfraquecidos, precisamente porque eles eram vistos como tendo compartilhado a responsabilidade, mas também porque a parceria com a social-democracia exerce uma pressão maior sobre PCs do que eles podem exercer sobre a social-democracia.

O KKE possui experiência contemporânea disto, de um tipo de participação peculiar em dois governos consecutivos no período de 1989-1990, no primeiro caso com o partido liberal (ND) e, no segundo, com a social-democracia (PASOK) também. A participação no governo foi devido a razões muito especiais, uma vez que era impossível formar um governo após as eleições, e de acordo com a lei tinha de haver um curto espaço de tempo até a próxima eleição, para que as violações legais de que o então líder da social-democracia [Andreas Papandreou] tinha sido acusado não ficassem anuladas. O nosso partido não foi forçado a compromissos nocivos, dada a natureza desses dois governos, mas uma parte do povo, liderado pela social-democracia, atribuiu-nos uma política de “aliança profana”. Isso custou-nos em votos, mas o que era muito mais importante foi o desenvolvimento, num período em que o oportunismo tinha criado a sua cabeça dentro do nosso partido, da percepção de que a participação do partido num governo burguês não é uma questão de princípio. Ainda pior foi a propagação da percepção de que em um momento crucial, quando o sistema político burguês enfrenta obstáculos, o KKE tem de abandonar a sua estratégia e apoiar a formação de um governo baseado no chamado “programa mínimo”, que de facto nunca causou uma ruptura no sistema político burguês, mas, pelo contrário, permite que ele reagrupe as suas forças.

Recentemente, e em meados de 2012, o KKE foi imensamente pressionado a adotar a escolha de participar de um governo de “esquerda”, como o chamavam, juntamente com forças oportunistas que foram abruptamente catapultadas para um grande poder parlamentar, como resultado da dissolução da social-democracia em condições de aumento da pobreza, por causa da crise econômica capitalista que eclodiu na Grécia e na zona euro. O fortalecimento parlamentar abrupto do oportunismo não foi exclusivamente o resultado do descontentamento popular, mas foi combinado com uma transferência em massa de votos [a partir do PASOK] por meio da orientação de um grande número de quadros e mecanismos social-democratas. Para esta transferência de poder para o oportunismo, um papel fundamental também foi interpretado por partes da burguesia que podia ver a necessidade de dar forma – ainda que temporariamente – a um polo diferente no lugar da social-democracia antes que as massas trabalhadoras e populares pudessem mover-se para uma verdadeira radicalização.

As nossas perdas eleitorais devido à nossa recusa em apoiar um tal governo e de facto a tomar parte nele foram pesadas. Perdemos 50% do nosso voto, ou porque uma parte foi em direção ao oportunismo, ou, principalmente, porque eles escolheram a abstenção de votar.

Este desenvolvimento não nos assustou, por muita decepção que possa ter causado e, certamente, um grau de trauma político para o corpo eleitoral. Estamos convencidos de que a nossa postura em um período marcado pelo fatalismo, pelo compromisso (“cedência”), pela decepção, é um legado positivo para as pessoas, mas também para o próprio partido. Se não tivéssemos resistido à pressão, teríamos entrado num caminho que é escorregadio e sem retorno. Em tais casos, não há nenhuma esperança de encontrar o freio a tempo quando você tropeça na espiral descendente.

Ao mesmo tempo, recebemos uma boa lição, que devemos, naturalmente, utilizar em nosso benefício. Não é o suficiente para a sua estratégia o facto de ser correta, embora hoje isso seja, naturalmente, uma condição básica. Mas nenhum relaxamento da vigilância pode ser permitido: para permitir que esta estratégia exerça influência, para afetar uma parte importante da classe trabalhadora, você deve primeiro alcançar as maiores capacidades. Primeiro de tudo, o partido não pode relaxar o seu trabalho sistemático de concentrar forças nos locais de trabalho, em diferentes setores de produção, na construção do partido dentro da classe trabalhadora, na propagação da aliança social da classe trabalhadora com os estratos sociais pobres e na bastante grande, na Grécia, camada média de auto-empregados.

Embora tenhamos experiência em conflito ideológico, nós não combatemos tanto quanto deveríamos nos últimos anos as ilusões parlamentares compartilhadas por amigos e simpatizantes do partido e até mesmo por uma parte dos membros do partido, que não têm experiência de longo prazo e as defesas político-ideológicas necessárias. O principal portador dessas ilusões foi o próprio sistema político burguês, juntamente com os seus partidos, o reservatório da pequena burguesia e a atividade da aristocracia operária, que juntos formam as raízes sociais da direita e da esquerda oportunista dentro do movimento dos trabalhadores.

Em condições de rápida deterioração da qualidade de vida das pessoas e, enquanto o movimento dos trabalhadores – apesar das suas lutas importantes, lutas com uma ressonância mais alargada na Europa – ainda fica muito atrás em termos de organização e de impacto, a burguesia consegue, apesar dos seus próprios becos sem saída, suas próprias dificuldades em gerir a crise e em alcançar uma rápida recuperação econômica, manter a estabilidade de seu poder. A indignação e raiva podem crescer, mas a consciência de classe pode muito bem ficar vir atrasada em tais condições. Nestas condições, há motivos tanto para a radicalização como para o recuo – a diminuição de exigências. Esta segunda tendência é atualmente poderosa, enquanto não ocorrer a radicalização, mas num ritmo lento e com retrocessos.

Nestas condições, a formação de um governo de coligação, com base no prestígio do KKE, parecia ser algo positivo ou pelo menos como um mal menor.

Hoje [2013], as estimativas e previsões do KKE estão sendo confirmadas. O governo burguês se ajustou a uma nova forma, a forma de coligação entre partidos burgueses apesar das suas diferenças. Temos assistido a tentativas e planos para reformular o sistema político burguês. Uma parte deste processo é a restauração da moderna social-democracia através da formação oportunista do SYRIZA, cuja estrutura organizacional básica deriva da cisão do KKE e é acompanhada por forças social-democratas, trotskistas e anarquistas. Hoje, na Grécia, em vez do binário ND-PASOK temos o binário ND-SYRIZA, como uma fase de transição em direção à reformulação do sistema político burguês.

Os antagonismos políticos entre a política liberal e a reformista-oportunista movem-se, apesar de eventuais diferenças, no sentido de um apoio aberto ao capital monopolista e partilham como característica a recuperação da taxa de lucro capitalista, acompanhados de grande desemprego, miséria relativa e absoluta. Enquanto trazem consigo as sementes de um novo ciclo de crise, mais profundo do que o atual. Após as eleições [de 2012], o oportunismo realizou uma flagrante guinada à direita no seu programa e slogans, uma vez que sabe que tem a chance de governar.

Os antagonismos entre os modelos de gestão liberal e o keynesiano já foram testados ao longo do século XX.

A alteração entre o modelo de gestão econômica liberal e o keynesiano trouxe, ao longo do século XX, ciclos de crise econômica, intensificou as contradições intra-burguesas e as contradições inter-imperialistas e levou a duas guerras mundiais.

No período 1989-1991, o oportunismo rejeitou o marxismo-leninismo. Ele aplaudiu a vitória da contrarrevolução e, na verdade proclamou que a humanidade agora vai entrar no caminho da democracia e da paz. Hoje, quando o capitalismo tem sido desmistificado aos olhos dos povos, quando a UE tem desmentido as expectativas de milhões de trabalhadores na Europa, os oportunistas aparecem como acusadores do KKE e da sua recusa em participar no governo, argumentando que nos recusamos seguir a doutrina leninista, as diretivas da Internacional Comunista, etc.

Deixem-me abrir aqui um parêntesis. Devemos sublinhar que o nosso partido, tendo estudado a sua própria história e a história do movimento comunista internacional, posiciona-se criticamente em relação a velhas abordagens equivocadas e tira conclusões a partir delas. Assim, após a decisão do 18º Congresso do KKE temos avaliado, por exemplo, que o 20º Congresso do PCUS (Fevereiro de 1956) e sua tese sobre a “diversidade de caminhos de transição para o socialismo sob certas condições prévias”, a sua posição, como também na “coexistência pacífica” que tinha sido relacionada com a possibilidade de uma transição parlamentar para o socialismo na Europa, era uma estratégia que tinha preexistido em alguns PCs e que dominou outros eventualmente. Esta posição era essencialmente uma revisão das conclusões extraídas da experiência revolucionária soviética e constitui uma estratégia reformista e social-democrata.

Os antagonismos entre Estados capitalistas, que naturalmente continham o elemento de dependência, como acontece na pirâmide imperialista, não foram devidamente analisados. O que predominou foi a visão equivocada de que havia uma relação de “sujeição e dependência” de cada Estado capitalista aos EUA. Como resultado, o que foi adotado foi a estratégia de “governo anti-monopólio”, uma forma de etapa entre capitalismo e socialismo, da qual se esperava que resolvesse os problemas de “dependência” em relação aos EUA. Assim os PCs escolheram uma política de alianças também com forças burguesas – aquelas caracterizadas como tendo “consciência nacional” em oposição às chamadas elites “compradoras”.

A postura de muitos PCs em relação à social-democracia também foi integrada dentro desta estratégia. Os PCs foram dominados por uma suposição equivocada de que a social-democracia se dividia em uma ala “esquerda” e uma ala “direita”, algo que enfraqueceu drasticamente a frente contra ela. Em nome da unidade da classe trabalhadora (que tinha como objetivo a criação de governos de coligação com a social-democracia ou com uma parte dela), os PCs fizeram concessões ideológicas e políticas graves. Enquanto isso as proclamações de unidade por parte da social-democracia não visavam derrubar o sistema capitalista mas sim retirar a classe trabalhadora da influência das ideias comunistas e a alienação da sua consciência.

kke 2

Temos de reconhecer que o nosso partido, o KKE, foi durante muito tempo orientado para abordagens estratégicas semelhantes, abordagens que historicamente não estavam justificadas. A estratégia do PC que tinha como objetivo, dentro dos estados capitalistas avançados, a criação – com base no Parlamento – de um governo parlamentar anti-monopólio, a estratégia que viu a passagem para o socialismo como um alargamento da democracia burguesa e da propriedade estatal das empresas, as grandes  as grandes percentagens eleitorais de PCs em França e Itália e a sua participação nos governos burgueses de “centro-esquerda” membros da UE, não só não conseguiu alterar substancialmente a correlação de forças, mas reforçou ainda mais o desvio oportunista e o encolhimento das forças comunistas em toda a Europa.

A tática dos oportunistas é reintroduzir a estratégia ultrapassada e equivocada das etapas, de fato postulando como uma primeira fase, a saída da crise no caminho do desenvolvimento capitalista e a incorporação à UE e à NATO. O programa que é promovido por eles defende um capitalismo que não vai ser muito injusto, um capitalismo sem decadência e parasitismo, um capitalismo “mais humano” que irá resolver conflitos internacionais, ou seja, a concorrência intra-imperialista, através da negociação política e meios pacíficos!

O deslocamento entre política e economia é um aspecto provocador das posições dos oportunistas. Eles argumentam que o Estado burguês pode se tornar um Estado social para todas as pessoas. O que também é provocativa é a sua interpretação do imperialismo. Para eles, o imperialismo na Europa é simplesmente a Alemanha, na América Latina são os EUA. Eles rejeitam a essência econômica do imperialismo, que é a exportação de capital, a concentração de capital na forma de propriedade capitalista por ações e os monopólios. E, claro, eles não vêm o imperialismo como o capitalismo monopolista, como a fase superior do capitalismo. Eles transferem mecanicamente para as circunstâncias contemporâneas o período do colonialismo, argumentando que a Grécia e todos os países em uma posição média e baixa no sistema imperialista transformaram-se em colônias [todas estas sãos posições da “plataforma de esquerda”, principalmente]. Eles acusam a burguesia de não ser patriótica o suficiente, argumentando que é a sua covardia que a faz ceder competências (jurisdição) aos centros de decisão, como a Comissão Europeia. Eles dividem a burguesia em uma seção produtiva e uma seção parasitária, em capitalistas saudáveis e imorais. A sua crítica ao capitalismo é essencialmente moralista, eles não fazem qualquer referência às relações de produção capitalistas.

Eles atacam o KKE usando fragmentos e frases de Marx e Lenin, que descontextualizam de condições específicas, a fim de justificar a política de etapas, o programa mínimo e o apoio à reforma contra a revolução.

Eles fingem não entender que na era das revoluções burguesas, a primeira tarefa apontada por Marx e Engels, enquanto a classe trabalhadora ainda não possuía seu próprio partido, era a distinção da classe proletária da massa revolucionária da burguesia, da pequena burguesia e dos camponeses. Mesmo nas condições de realização da revolução burguesa, Marx e Engels argumentaram que a classe trabalhadora deveria se projetar ao primeiro plano e obter consciência de si mesma.

Os oportunistas obscurecem o grande legado leninista, que aponta que a vitória da classe trabalhadora, a vitória dos explorados, e mesmo a intensificação da luta de classes são inconcebíveis sem uma luta incansável e sem compromissos contra o oportunismo. Camuflam o fato de que o conteúdo das lutas nas condições do desenrolar das revoluções burguesas era diferente do contemporâneo, em tempos de transição do capitalismo para o socialismo sob o estágio superior do capitalismo.

Eles se utilizam arbitrariamente das estimativas de Lenin, em sua conhecida obra “Imperialismo, estágio superior do capitalismo”, de que apenas um pequeno punhado de países roubam a imensa maioria das nações da Terra. De acordo com esse ponto de vista o imperialismo está identificado apenas com um pequeno número de países, a serem contados nos dedos das mãos, enquanto todos outros países são submetidos, oprimidos, colônias, territórios conquistados.

Hoje também, os países do primeiro escalão da pirâmide imperialista são apenas uns poucos. Mas isso não significa que outros estados capitalistas são suas vítimas, que eles são subjugados, não significa que a linha das lutas, para esses povos, precisam ter uma direção anti-alemã na Europa ou exclusivamente anti-EUA no continente americano. Não é acidental que os oportunistas elenquem como exemplos positivos para replicar o Brasil e a Argentina, enquanto também elogiam as políticas de Obama.

Hoje temos muito mais indicações de que um governo, no quadro do sistema capitalista, formado com base no direito de voto em geral, não pode ser a rampa de lançamento para uma situação revolucionária, uma vez que este último tem um caráter objetivo; mas também não pode forçar os capitalistas a aceitar perdas na sua tomada de lucro para o bem dos trabalhadores, em um momento em que de facto o sistema capitalista está numa fase em que ele está tendo dificuldade em atingir a reprodução ampliada capitalista na forma como ele tinha feito no passado. A esperança de que um governo de base parlamentar pode empurrar em direção à abertura do processo revolucionário foi provada infundada e utópica, muito mais num momento em que temos os exemplos de Chile e Portugal, mas também os exemplos contemporâneos da Bolívia, Venezuela, Brasil e Equador, países anunciados pelos oportunistas como o Socialismo do Século 21.

É inquestionável que a Venezuela abriu uma janela para a melhoria da vida das pessoas -particularmente na seção que sofre mais miséria – através de decisão de Chávez de avançar para uma nacionalização de importantes setores da indústria do petróleo, tendo em conta que o petróleo constitui uma enorme vantagem do país. A nacionalização parcial tem financiado alguns programas para cuidados de saúde e de alimentos para os extremamente pobres, com a ajuda de Cuba. A questão, claro, não é satisfazer apenas as exigências imediatas da pobreza extrema, mas abrir o caminho para o povo viver com base no potencial do país e na satisfação das suas necessidades contemporâneas. Estas medidas positivas não reduziram a grande concentração de riqueza e de rendimentos para a burguesia e para os estratos médios-altos. A reforma agrária não conseguiu mudar a vida dos trabalhadores rurais e dos agricultores pobres contra os latifundiários.

É também um fato que na Bolívia, o governo de Evo Morales aumentou o salário mínimo, os salários diários e as pensões. No entanto, a maior parte da população nativa americana vive abaixo da linha da pobreza. É, de facto, este estrato social que tem dado Morales a vitória. Os dados mostram que há uma abundância de investimentos estrangeiros de multinacionais na Bolívia, enquanto o governo apoia a exportação de capital. O aumento de proprietários de minas pequenas e de médio porte, com trabalho assalariado particularmente explorado tem crescido, e essas empresas estão se transformando em aliados das multinacionais.

Temos desenvolvimentos semelhantes no Equador, onde o fator crítico é que as multinacionais têm aumentado a sua participação em setores de importância estratégica, como fontes de mineração e energia. A estratégia do governo de Rafael Correa envolve o desenvolvimento e exploração da riqueza mineral pelo capital estrangeiro.

Os programas de combate à pobreza não eliminam a pobreza, mas sustentam-na, através da suavização dos seus aspectos muito extremos; a melhoria da situação das camadas médias é a dimensão do desenvolvimento capitalista que contém as sementes da crise inevitável, da concentração do capital e da intensificação das injustiças sociais.

Os oportunistas no nosso país, aqueles que nos estão a acusar porque não queremos apoiar um governo de gestão burguesa, argumentam que esse é o caminho para o socialismo, que este é o socialismo para o século 21. Esta linha não pressupõe sequer uma política anti-imperialista e anti-monopólio, não tem nada a ver mesmo com a política de etapas – a qual naturalmente foi ultrapassada há muito tempo, mesmo antes do período de 1917.

A política de roubo, de anexação, de transformação de nações em protetorados, a política de desmantelamento de países, não é um resultado da imoralidade política, nem é um problema de dependência e covardia por parte da burguesia de um país com dependências desiguais com os mais fortes. É uma questão de posição econômica e política que deriva do desenvolvimento desigual do capitalismo, a partir do lugar do país no mercado capitalista internacional. A burguesia que sente que os seus parceiros não a tratam igualmente sabe que não pode fazer o contrário, porque, além de tudo, a sua aliança com um parceiro mais forte garante forte proteção política no interior do país; proteção contra a ameaça da intensificação da luta de classes.

A burguesia não pode defender os seus direitos soberanos nos próprios interesses do povo, mas apenas e exclusivamente para os seus próprios interesses. E se ela precisa de ignorar os seus próprios interesses particulares como o preço que devem pagar para manter seu poder, para segurá-lo tanto quanto ela pode, ela vai fazê-lo.

A resposta ao capitalismo não é o retorno, sem fundamento, ao capital pré-monopolista e às empresas capitalistas dispersas, mas sim a necessidade e a contemporaneidade do socialismo. A resposta é o alcançar da prontidão revolucionária, através da luta diária e através da experiência, dentro das condições de uma situação revolucionária.

O KKE prioriza o desenvolvimento da unidade na ação da classe operária e da formação de uma aliança entre ela e pobres, os auto-empregados pequenos proprietários e os agricultores pobres. O interesse objetivo da classe trabalhadora é a abolição de todas as formas de propriedade, da propriedade grande e concentrada e da propriedade média e pequena, uma vez que a propriedade significa trabalho assalariado explorado e a alienação do trabalhador da riqueza que ele produz.

Devido à sua posição intermédia, os auto-empregados (ou trabalhadores independentes) têm interesse na luta anti-monopólio, mas não encontram facilidade em se comprometerem com a abolição da exploração do homem pelo homem e com a supressão de todas as formas de propriedade individual. Eles esperam que a partir de homens de negócios pequenos e pobres podem tornar-se de médio ranking, satélites dos monopólios, embora os seus direitos laborais e sociais só possam ser garantidos em condições socialistas.

O compromisso que o KKE lhes oferece é o encontro entre as forças anticapitalistas e as anti-monopólio, a sua ação comum, que obviamente não elimina as suas diferenças, uma ação no sentido do poder popular e da abolição do poder dos monopólios. Esta aliança é social no que respeita à questão de quais as forças é que têm de coalescer na luta, e política, no sentido que ela tem de ter o poder popular como uma direção em que vai à luta – uma direção que não é idêntica à do programa KKE nem pode ser idêntica.

Ela só é afetada por alguns dos seus elementos básicos, tais como a socialização dos monopólios, a formação de cooperativas de produção agrícola e a retirada da NATO e da UE. Mas esses aspectos elementares objetivamente constituem um conjunto de escolhas obrigatórias se o país quer ter esperança de sair da crise seguindo os interesses da maioria popular, para permitir que as pessoas vivam com base nas suas necessidades contemporâneas, parar de ter o país utilizado como ponte e como um aliado de vários centros imperialistas, para parar o seu envolvimento em guerras imperialistas e para pôr fim a dependências e compromissos que se voltam contra as pessoas que trabalham.

As sementes desta aliança estão sendo moldadas na Grécia contemporânea; é claro, elas serão desenvolvidas em novas formas, particularmente nas bases, e, claro, teremos uma reorganização de posições que é impossível determinar hoje.

O poder popular é uma solução política e governamental; daí que o KKE e o Movimento não estejam limitados por uma luta de oposição, uma luta para causar danos aos governos burgueses sem ter uma proposta alternativa para o poder.

Na medida em que o desenvolvimento da luta de classes conduz à formação de forças políticas pequeno-burguesas que adotam uma luta no sentido de poder popular, o KKE irá desenvolver tanto um diálogo e colaboração com eles, mas não vai sacrificar a sua autonomia através da sua integração em uma formação política unificada. A ação comum do KKE com outras forças políticas irá expressar-se nas linhas e os instrumentos da Aliança Popular, cujo chão é o local de trabalho e do bairro popular, e cujas formas de organização são a União, da assembleia geral, os comitês de luta. Isso significa dizer que a base da aliança está no povo, nas linhas do movimento social e está dirigida a todos, independentemente daquilo em que votaram, na base de sua posição de classe e estrato social. Mas, no âmbito do poder, não há espaço para compromissos, “taticismo” e manobrar aventureiras. Uma coisa é escolher a palavra de ordem ou as formas de luta corretas para atrair e unir as massas populares trabalhadoras, para alcançar a unidade de ação na classe trabalhadora, e outra bastante diferente é pôr em primeiro plano reformas como escolha estratégica, marginalizando e apagando a revolução em nome de uma correção de forças sociais desfavorável.

Lenin, em sua comunicação no 7º Congresso do Partido Russo Social-Democrata e Operário (bolchevique), em abril de 1917, solicitou e obteve o abandono da consigna de uma “ditadura democrática do proletariado e dos camponeses” como uma palavra de ordem superada; havia concordância de que a próxima revolução seria socialista. Lenin de fato mostrou que o aspecto básico das “duas táticas da social-democracia” não era a instituição do poder da “ditadura democrática do proletariado e os camponeses”, mas a formação da aliança social de camponeses e trabalhadores.

É óbvio que, na era contemporânea, a política de aliança de uma Partido Comunista não pode ser idêntica à que prevaleceu em um período em que o movimento operário revolucionário foi formada (o período ao qual Marx e Engels referem-se mesmo antes da conclusão das revoluções burguesas e a formação do Partido Político de Novo Tipo). Não pode ser a mesma política que tinha o partido bolchevique antes da I Guerra Mundial, quando o poder feudal não tinha sido completamente abolido na Rússia. Hoje, não temos um único exemplo de uma forma intermediária de poder político entre o capitalismo e o socialismo. O poder ou estará nas mãos da burguesia, caso em que ele não pode funcionar de acordo com os interesse do povo, ou ele será socialista. Uma coisa é considerar “momentos” no desenvolvimento de poder sob condições revolucionárias, ou momentos na evolução do poder quando uma revolução socialista ainda não ganhou, e outra completamente distinta é falar de um estágio intermediário do poder político.Como em qualquer outro país, o sistema capitalista na Grécia não entrará em colapso por conta própria, por causa de suas contradições. A grande intensificação das contradições sociais levará às condições de uma situação revolucionária, condições em que a política capitalista não pode se impor, condições de uma grande intensificação da luta de classes enquanto, através de lutas diárias, um forte movimento operário, em uma aliança com estratos populares explorados, vai amadurecer e crescer. Em condições de uma situação revolucionária, será a hora de determinar, através da escolha certa de palavras de ordem e de formas de luta, a vontade, a determinação do povo em quebrar e abolir as correntes da exploração de classe, da opressão, do envolvimento em guerras imperialistas. Isso pressupõe um movimento operário que não está preso a alternativas diversionistas, que o sistema político burguês usa para organizar o esmagamento do movimento, o ataque contra o radicalismo, contra a vontade e o estado de espírito revolucionário, a fim de antecipar-se e cancelar, tanto quanto puder, sua derrubada.

kke 3

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: