O legado militante de Malcolm X

Por Carlito Rovira, via Liberaration News, traduzido por Vinicius Souza

Em 19 de maio de 1925, uma figura revolucionária admirável e decidida nasceu em Omaha, Nebraska. Essa figura, que alcançaria destaque na luta de libertação das massas afroamericanas, ficaria na história como Malcolm X.

Malcolm era um dos oito irmãos, filhos de Louise Norton e Earl Little. Earl era um ministro batista franco e seguidor do líder nacionalista negro Marcus Garvey. Seu personagem desafiador chamou a atenção de racistas brancos como Ku Klux Klan e a Legião Negra. Esses bandidos frequentemente assediavam a família de Malcolm e, uma noite, sua casa foi incendiada.

A década de 1920 foi uma década que os historiadores burgueses descrevem como os “loucos anos 20”. Esta é uma glorificação falsa e vã, considerando que este período de prosperidade capitalista significou algo totalmente diferente para os afroamericanos – que foram vítimas de linchamentos generalizados de turbas brancas e outras formas de terror racista.

Em 1929, a família de Malcolm mudou-se para Lansing, Michigan, em busca de uma vida melhor e segura. Mas a família não conseguiu escapar da violência racista. Earl Little foi assassinado, seu corpo mutilado e encontrado sob um bonde. Malcolm X sempre afirmou que seu pai foi vítima de um assassinato racista.

Este trágico evento teve um grande impacto na família de Malcolm. Incapaz de lidar com as consequências emocionais da morte do marido e as dificuldades financeiras envolvidas em criar os filhos sozinha, Louise Norton sofreu um colapso nervoso e foi internada em uma instituição para doentes mentais. O estado assumiu a custódia de todas as crianças e as colocou em ambientes separados de adoção.

Malcolm era uma criança estudiosa com ambições de se tornar advogado. Um dia, quando Malcolm expressou suas aspirações a um professor, foi-lhe dito que nunca se tornaria advogado porque era negro. Essa experiência com o racismo desiludiu Malcolm e o desencorajou de continuar os estudos.

Quando Malcolm era adolescente, ele foi para a cidade de Nova York. Ele trabalhou como garçom por um período no famoso Small’s Paradise Club no Harlem. Mas ele logo se tornou um intermediário para drogas, prostituição e outros tipos de atividades ilegais.

Em 1946, ele e seu amigo mais próximo Malcolm “Shorty” Jarvis se mudaram para Boston. Ambos foram presos e condenados por roubo logo depois. Malcolm foi condenado a 10 anos de prisão.

A Nação do Islã

Foi na prisão onde Malcolm começou a se tornar político. Ele conheceu a Nação do Islã, liderada por Elijah Muhammad. Malcolm foi atraído pela organização muçulmana porque ela abordou a situação do racismo e pediu o direito dos afroamericanos de ter seu próprio estado.

Malcolm se converteu ao Islã. Após sua libertação da prisão em 1952, ele se tornou um membro dedicado da Nação do Islã (NOI). Foi nesse ponto que ele optou por repudiar o sobrenome Little e, em vez disso, usar “X”. Ele considerou o uso de nomes europeus parte do legado da escravidão. Os negros receberam os nomes de seus senhores de escravos para estabelecer a propriedade.

Elijah Muhammad ficou muito impressionado com o talento oratório e o carisma de Malcolm X. Malcolm provou ser um trunfo importante para a organização muçulmana e se tornou um ministro graduado. A habilidade de Malcolm de chamar a atenção de muitos com sua persona magnífica convenceu a liderança a confiar a ele a tarefa de estabelecer mesquitas da NOI em outras cidades dos Estados Unidos.

Muitos viram sua personalidade cativante e o poder de suas imagens como superando a capacidade de persuasão de Elijah Muhammad. As pessoas foram atraídas para as manifestações precisamente para ouvir Malcolm X falar. Seus talentos contribuíram para o surpreendente aumento de membros da Nação do Islã de 500 em 1952 para 30.000 em 1963, de acordo com a curadoria do espólio de Malcolm X.

‘Nenhum homem deveria ter tanto poder’

Em um famoso incidente em 1957, antes de Malcolm X deixar a Nação do Islã, um membro da NOI foi espancado pela polícia no Harlem e não recebeu atendimento médico. Malcolm X demonstrou o poder de uma campanha popular disciplinada ao levar membros da NOI para a delegacia. Eles ficaram em formação em frente à delegacia.

Malcolm insistiu que o prisioneiro Black tinha direito a cuidados médicos. Temendo uma possível rebelião por parte do número crescente de residentes da comunidade encorajados pela liderança de Malcolm X, a chefia da polícia concordou em obter atendimento médico para o detido. Milhares de residentes do Harlem seguiram a ambulância da delegacia para o Hospital do Harlem.

A polícia então ordenou que a formação muçulmana se dispersasse. Malcolm com muita calma, mas com firmeza, explicou ao comandante da polícia responsável que a multidão em posição de sentido não reconhecia sua autoridade e não iria ouvir suas ordens.

Nesse ponto, depois de garantir que o homem espancado estava sendo tratado, Malcolm fez um sinal com a mão. Com disciplina militar, os muçulmanos deram meia-volta e marcharam para longe. O comandante da polícia foi ouvido dizendo aos seus subordinados: “nenhum homem deve ter tanto poder”.

Em 1963, após o assassinato do presidente John Kennedy, Elijah Muhammad instruiu seus seguidores a se absterem de fazer declarações públicas. Ele estava preocupado que qualquer declaração inflamada pudesse ser usada pelo governo racista dos EUA para reprimir a NOI. Mas Malcolm não resistiu a demonstrar sua disposição para com os governantes.

Sua avaliação contundente – “as galinhas voltaram para o poleiro” – era um sentimento generalizado nas comunidades mais oprimidas, que haviam sido excluídas das conquistas dos Estados Unidos capitalistas brancos. Kennedy foi morto pelos mesmos métodos violentos que a estrutura de poder perpetra sobre os conquistados e oprimidos.

Mas foi um choque para amplas camadas da população branca, desacostumada a uma avaliação tão calma e crítica da sociedade americana. A declaração foi usada por uma mídia histérica para preparar uma campanha de medo contra Malcolm e a Nação.

Política divergente

A declaração enfureceu a liderança da NOI. Elijah Muhammad proibiu Malcolm X de falar publicamente por 90 dias.

Junto com essas questões organizacionais, as diferenças políticas entre Malcolm X e Elijah Muhammad tornaram-se mais difíceis de reconciliar.

O programa de Elijah Muhammad foi baseado na noção conservadora de conciliação com o status quo. Ele procurou ganhar legitimidade – mas não com base na participação e liderança para o surgimento rebelde dos anos 1960. Ele procurou promover um conceito de capitalismo negro, onde a comunidade afroamericana usaria a riqueza gerada para enriquecer uma elite negra que poderia, em última instância, competir com o capitalismo racista dos EUA em seus próprios termos – mas não competiria com ele até que a elite fosse poderosa o suficiente.

Malcolm X, por outro lado, foi atraído pela militância do movimento pelos direitos civis. Sua abordagem foi caracterizada por nenhum compromisso com os opressores. Sua compreensão das profundezas do racismo nos Estados Unidos o levou a concluir que o sistema atual era inerentemente hostil aos interesses do povo afroamericano. A luta era necessária para enfrentar o desafio. Em todas as questões relacionadas com a situação das massas negras, ele nunca hesitou em ser crítico ao avaliar a crueldade da estrutura de poder existente.

Em março de 1964, após muitas batalhas internas amargas, Malcolm X rompeu seu relacionamento com a Nação do Islã. Ele fundou a Mesquita Muçulmana, Inc. No mesmo ano, Malcolm viajou em peregrinação a Meca, na Arábia Saudita. Entrar em contato com muçulmanos de diferentes raças, inclusive brancos, foi uma experiência que mudou qualitativamente sua visão em relação às relações raciais e à luta de libertação nos Estados Unidos. Pela primeira vez, Malcolm viu um potencial para uma luta revolucionária com base em uma frente única neste país. Após seu retorno, ele mudou novamente seu nome, para El-Hajj Malik el-Shabazz.

Divisão de inflamação do governo

Malcolm X se tornou o alvo de uma série de tentativas de assassinato, incluindo o bombardeio de 14 de fevereiro de 1965 em sua casa onde vivia com sua família, Betty Shabazz e suas quatro filhas. Quando Malcolm revelou publicamente o motivo de sua saída da NOI, o relacionamento com seus ex-colegas tornou-se perigosamente antagônico.

A tremenda liderança e capacidade de Malcolm de projetar esperança para as massas negras oprimidas estavam, sem dúvida, sob vigilância cuidadosa pela polícia e agências de inteligência federais. Esse escrutínio teria estado a todo vapor depois que ele se encontrou com o líder revolucionário cubano Fidel Castro em 19 de setembro de 1960, no Hotel Theresa, no Harlem.

Malcolm suspeitou que o FBI e a polícia o mantiveram sob vigilância muito próxima, uma suspeita que se provou correta anos depois. Ele também suspeitou que o governo estava inflamando as diferenças entre a NOI e sua organização. Malcolm estava convencido de que estava sendo criado um cenário que levaria a um atentado contra sua vida.

Em 21 de fevereiro de 1965, no Audubon Ballroom de Nova York, três homens armados abordaram Malcolm enquanto ele falava no palco. Os assassinos dispararam repetidamente suas armas à queima-roupa, tirando a vida do amado e respeitado líder afroamericano.

Um exemplo de militância

Não há como dizer como as políticas e táticas de Malcolm teriam se desenvolvido se ele não tivesse sido assassinado. Mas uma coisa é certa: Malcolm X foi um revolucionário. Em toda a extensão de seu desenvolvimento político, ele demonstrou uma qualidade de ódio feroz contra o status quo do racismo e da opressão. Foi esse traço que o tornou um líder militante e exemplar.

Seu impacto foi sentido muito depois de sua morte. Mais notável, a linha política do Partido dos Panteras Negras foi fortemente influenciada pelo nacionalismo negro desafiador e revolucionário de Malcolm, bem como pelo marxismo-leninismo.

A luta que se seguiu dentro da Nação do Islã entre Malcolm X e seus seguidores, por um lado, e Elijah Muhammad e elementos conservadores mais burgueses, por outro, foi essencialmente uma luta entre forças que buscavam uma direção revolucionária e aqueles que desejavam acabar com a opressão imitando os opressores. Esse fenômeno sempre existiu nos movimentos de setores socialmente oprimidos.

Malcolm morreu quando tinha 39 anos. Embora tenha vivido uma vida curta, ele teve um impacto poderoso sobre os movimentos afro-americanos e outros movimentos revolucionários nos Estados Unidos.

Em particular, comunistas de todas as nacionalidades e outros que se esforçam para construir uma luta revolucionária unificada aprenderam com seu poderoso exemplo de desafio contra a dura realidade do racismo e da alienação. Eles aprenderam a necessidade de construir uma unidade baseada no respeito pelo potencial revolucionário das massas afroamericanas.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário